Santa Teresa e Ávila

Situada na Comunidade de Castilla-León, Ávila é a capital de Província mais alta da Espanha (1100m) e seu centro histórico, em excelente estado de conservação, foi declarado Patrimônio da Humanidade em 1985. A cidade possui atualmente 60mil habitantes e foi fundada no séc. V aC pela tribo dos  Vetones, que a denominaram Óbila. Mais tarde, foi povoada pelos romanos, que deram-lhe o nome de Abila. O interior da cidade ainda conserva seu traçado romano. A cidade é conhecida mundialmente por suas muralhas, que foram tratadas num post à parte.

No séc. XI, a cidade , junto com Salamanca e Segóvia, foi repovoada para proteger a cidade de Toledo. Posteriormente, o repovoamento foi transferido para as terras do sul e Ávila foi deixada num segundo plano.

Na foto de abaixo, vemos uma ocasiao festiva, que em nada recorda os tempos de abandono por que passou a cidade.

Na época dos reis católicos (séc. XV), de Carlos I e seu filho Felipe II (séc. XVI) a cidade volta a renascer graças as idas e vindas da corte. Ávila prospera novamente, sendo o local de nascimento de dois dos personagens religiosos mais ilustres da história espanhola: Santa Teresa e San Juan de La Cruz.

Teresa de Cepeda y Ahumada, mais conhecida como Santa Teresa de Jesus, ou simplesmente Teresa de Ávila, nasceu na cidade em 1515. Sua mae faleceu quando ela tinha apenas 12 anos. Nesta época, sua vocação religiosa já havia sido demonstrada em várias ocasiões. Em 1533, deixou a casa paterna e entra para o Monastério da Encarnación de Ávila. Sua saúde já debilitada piorou ainda mais, sofrendo moléstias e uma cardiopatia não definida. Em 1539 recupera a saúde e pretende fundar na cidade um monastério para a estrita observância da regra carmelita, que compreendia os votos de pobreza,  silêncio e solidão. Depois de anos de luta, o papa Pio IV redige a bula autorizando a religiosa a fundar o Convento de San José, que seria então regulamentado pela nova ordem das Carmelitas Descalças. Sua reforma compreendia também os monastérios masculinos, cuja função recaiu sobre San Juan de la Cruz, considerado um dos maiores poetas místicos da literatura espanhola.

Teresa de Jesus inaugura vários conventos por todo o país, vindo a falecer em 1582. Foi declarada santa em 1622 e em 1970 se converteu, junto com Santa Catarina de Siena, na primeira mulher elevada a condição de Doutora da Igreja. Além da Reforma Carmelita, cultivou a poesia lírica-religiosa e escreveu centenas de cartas e obras literárias, como sua autobiografia, cujo original encontra-se no Monastério de San Lourenço del Escorial.

O Convento de Santa Teresa foi edificado  no mesmo local de nascimento da santa e inaugurado em 1636. O edifício foi projetado pelo arquiteto e frei Alonso de San José, e seu destaque é a fachada barroca e o interior, que alberga valiosas obras do mestre Gregório Fernandez.

No Monastério da Encarnación, Teresa de Jesus fez seus votos em 1537 e nele viveu durante 27 anos. Atualmente, o convento funciona também como museu. San Juan de la Cruz também passou aí uma temporada, como capelao e confessor.

Na cidade encontramos também a Igreja de San Juan Bautista, local onde a santa foi batizada.