Palau da Música Catala – Barcelona

No post de hoje, veremos um dos lugares de visita imprescindível de Barcelona, o Palau da Música Catalã. Símbolo da arquitetura modernista da cidade, este grande auditório situa-se no bairro da Ribera e foi projetado pelo renomado arquiteto Lluís Domènech i Montaner.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi construído entre 1905/1908 e contou com soluções arquitetônicas avançadas, como a utilização e integração de vários elementos decorativos, tais como esculturas, mosaicos, vitrais, trabalhos em metal, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palau articula-se ao redor de uma estrutura central metálica recoberta de vidro e abriga a sede central do Orfeu Catalão, instituição cuja proposta é a divulgação da cultura catalã, especialmente no que se refere à música. Fundada em 1891 por Lluís Millet e Amadeo Vives, o Orfeu Catalão segue mais ativo que nunca, com uma diversificada agenda cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara sua construção, o edifício recebeu o patrocínio de industriais e empresários, ilustrados e amantes da música e em 1971 foi declarado Monumento Nacional. Em 1997, foi incluído na lista de monumentos que integram a lista de Patrimônio da Humanidade de Barcelona, constituindo-se na única sala de concerto modernista que recebeu tal distinção, em todo o mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Antes da execução da obra, foi adquirido um claustro, pertencente a um Convento franciscano, cujo espaço foi destinado para acolher o edifício.

O exterior está formado por elementos escultóricos referentes à música, com características arquitetônicas e decorativas de caráter modernista e barroco. O conjunto que vemos abaixo, por ex., representa a canção popular catalã, realizada pelo artista Miguel Blay. Nele, estão representados São Jorge, padroeiro da cidade, rodeado por um grupo de personagens que representam um marinheiro, um camponês, um idoso, crianças, simbolizando que o palácio está destinado a todos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA complexidade da fachada e o ângulo em relação as duas estreitas ruas onde está localizado, dificulta uma visualização geral do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das características da fachada é o uso de arcos formado por grandes colunas de tijolo vermelho e cerâmicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a antiga e original bilheteria desenhada por Doménech, localizada numa coluna e decorada com os inconfundíveis Trencadís, nome com o qual se conhece a habitual cerâmica, utilizada nos edifícios modernistas da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A partir da década de 80 do século passado, o edifício foi remodelado, respeitando-se a estética modernista e construiu-se uma nova fachada que, a partir de 1989, constitui a porta de entrada ao palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior, o arquiteto combinou magistralmente a cerâmica e o vidro, elementos que contribuem para um máximo aproveitamento da luz natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

A respeito do interior do edifício, vale a pena transcrever as palavras do escritor Robert Hughes:

“Nunca mais se construirá em Barcelona nada que se possa parecer a este espaço, desde o ponto de vista de atrevimento conceitual, brilhantez formal, simbolismo e efeito decorativo.”

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo vestíbulo situavam-se as oficinas do Orfeu Catalão, e as escadas permitem o acesso ao primeiro piso, onde está situado o auditório.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a espetacular sala de concertos…nao perca…

Românico no Vale de Arán

A riqueza artística depositada no Vale de Arán é um dos tesouros ocultos dos Pirineus. Seu legado cultural é completo, com exemplos de várias correntes estilísticas (românico, gótico, renascentista, etc) e também variado quanto à arquitetura, pintura e escultura, em pedra e madeira.

A paisagem está salpicada de belas igrejas, e o estilo românico é predominante, representando uma atração turística que transforma a região num museu de arte e história.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Nos posts anteriores, vimos algumas destas igrejas, como a de Santa Maria em Arties, e a de San Miguel, em Vielha. Vejamos, agora, outros templos que se destacam no vale que, em conjunto, compõem a rota do Românico Aranês. Bem próximo à capital, Vielha, situa-se um povoado, que mais parece um bairro, tal a sua proximidade, que se chama Betren. Nele, podemos visitar duas igrejas do estilo.

Infelizmente, a de San Saturnino está em ruínas. Foi erguida entre os séc. XII/XIII, e sobrevive apenas a torre, do séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm muito melhor estado está a Igreja de Sant Esteve que, levantada entre os séc. XII e XIV, combina de forma harmoniosa os estilos românico e gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa cabeceira, vemos os ábsides poligonais e uma janela gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma de suas partes mais importantes é a portada, com um rico conjunto escultórico em suas arquivoltas, bem como no tímpano, com uma representação da Virgem Maria e o menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo pueblo de Escunhau, também próximo à capital, a Igreja de San Pere se ergue solene no alto da vila.

DSC07471DSC07468Foi levantada nos séc. XI/XII, embora tenha sido reformada em séculos posteriores. De longe, se avista a torre campanário, do séc. XVII.

DSC07472O grande destaque do templo é sua maravilhosa portada, uma das mais belas e intrigantes do vale.

DSC07460Românica dos séc. XII/XIII, está composta de uma iconografia incomum, como se pode observar no friso superior. Em seus dois extremos, vemos duas cruzes gregas.

DSC07465Sua parte central está formada por um Crismón (anagrama que representa o nome de Cristo, em grego), acompanhado por duas imagens laterais que representam uma estrela de 8 pontas. Estes símbolos podem significar imagens solares ou inclusive o ciclo sol-lua, como indicativo do princípio e fim de tudo. Estão associados a monumentos funerários paleocristianos, visigodos e pré-românicos, e se relacionam também com a imortalidade da alma.

DSC07463Embaixo do friso, vemos uma imagem de Cristo crucificado, cuja figura aparece desproporcionada.

DSC07462Aparecem nos capitéis rostos humanos. Infelizmente, não se pode visitar o interior da igreja.

DSC07461Finalizamos a matéria no povoado de Gausac, em que podemos conhecer a Igreja de San Martin.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATrata-se de um dos melhores exemplos de arquitetura gótica do Vale de Arán. Não obstante, em seu interior apreciamos uma bela Pia Batismal românica (XII/XIII), que provavelmente fazia parte de uma anterior construção.

DSC07513DSC07506

No exterior, a torre fortificada gótica do séc XV/XVI chama a atenção, embelezando ainda mais a paisagem nevada do vale.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Arties – Vale de Arán

Um passeio pelo Vale de Arán nos permite, além da possibilidade de praticar esportes de inverno e caminhadas por suas belas paisagens, conhecer pueblos de encanto, que conservam sua arquitetura tradicional. Arties, situado entre Vielha e a estação de Baqueira Beret é um deles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO povoado é uma típica vila de montanha, banhada pelas águas de dois rios, o Garona e o Valerties, e sua populaçao nao chega aos 600 habitantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC07455Caminhando tranquilamente por suas ruas, descobrimos detalhes de rara beleza, tanto na decoraçao das casas, quanto em sua arquitetura.

DSC07448OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC07450

Apesar de seu reduzido tamanho, Arties conserva um belo patrimônio cultural, principalmente por suas duas igrejas.

A Igreja de San Joan situa-se bem na estrada que comunica a estacao de esqui com a capital do vale de Arán, Vielha. Construída entre os séc. XIII/XIV, sua origem é românica, apesar de ter sido ampliada no período gótico. O templo pertenceu aos Cavalheiros Templários e à Ordem de San Juan de Jerusalém, mas atualmente permanece fechada para o culto. No entanto, acolhe em seu interior exposições temporárias relativas à cultura do vale.

DSC07454A Igreja de Santa Maria representa um dos expoentes do românico aranês. Construída entre os séc. XII/XIII, possui planta basilical de 3 naves, encabeçadas originalmente por seus 3 ábsides, dos quais se conservam apenas os laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo vemos  na foto acima, os ábsides laterais conservam seu aspecto original, enquanto o central foi reformado posteriormente.

A arquitetura da igreja foi fortemente influenciada pelo românico Lombardo, como em toda a zona pirenaica da Catalunha. O templo possui também dois campanários, um deles situado na torre de 5 andares, de estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior surpreende por sua riqueza, principalmente no que se refere às suas magistrais pinturas murais, de estilo renascentista e datadas do séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

No teto, está representado o juízo final.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

O retábulo é uma obra prima da pintura gótica, com cenas da vida da Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Igreja de Santa Maria foi declarada Monumento Nacional, e na idade média hospedou aos cavalheiros templários, que construíram um castelo junto ao templo, do qual se conserva apenas uma torre defensiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Estaçao de Baqueira-Beret – Vale de Arán

A estaçao de esqui de Baqueira-Beret está localizada a tão somente 14km da cidade de  Vielha, no Vale de Arán. Inaugurada em 1964, é a única existente na vertente norte dos Pirineus, o que lhe propicia abundantes nevadas e qualidade da neve, condições ótimas para a prática de esportes invernais.

DSC07422

Desde a estação, se observam montanhas de mais de 3000m, e possui uma moderna rede de instalações, recebendo a cada temporada uma lista de personalidades e de famosos, entre os quais a Família Real espanhola.

Com uma cota mínima de 1500m e uma máxima de 2510m, a estação está preparada, além do esqui, para a prática de outras atividades, tais como trenós conduzidos por cavalos ou cães, excurçoes com raquetes, motos de neve, snowboard, esqui de fundo, etc.

DSC07441A qualidade das pistas e sua grande área disponível para o esqui abarcam todos os níveis, transformando a estação numa referência que ultrapassa os limites da geografia espanhola.

DSC07423Possui 120km de pistas balizadas e pisadas, o que a qualifica como o segundo centro invernal neste quesito, somente superada pela estação de esqui de Formigal, situada nos Pirineus Aragoneses. Esta grande extensão engloba um total de 72 pistas, das quais 6 são verdes (para principiantes), 36 são azuis e 29 vermelhas (ambas para esquiadores de nível intermediário), além de 7 pretas (nível avanzado).

DSC07429DSC07426

Na estação foram também realizadas etapas finais das corridas ciclísticas mais conhecidas do continente, como a Volta da Espanha e o Tour de França.

Para o transporte de turistas e praticantes do esqui, a estação conta com 33 teleféricos, com capacidade para transportar quase 60 mil pessoas por hora.

DSC07424DSC07436Uma boa dose de adrenalina que oferece o centro, somente para esquiadores de alto nível, é a prática do heliesqui, em que o esportista é levado de helicóptero a uma cota da montanha inacessível para os demais e, uma vez aí, deslizar por pendentes de altíssimo risco, sobre a neve virgem.

A prática do esqui faz parte da cultura deportiva dos países europeus, cuja iniciaçao começa bem cedo.

DSC07432DSC07434Para os principiantes, existem cerca de 400 professores especializados para aulas particulares, uma boa opção para aqueles que queiram iniciar-se nesta prática esportiva.

DSC07431Mesmo com a atençao e cuidado dos monitores, para algumas pessoas, como o autor que lhes escreve, a dificuldade em dar os primeiros passos com o esqui é sumamente complicada…

DSC07438

Vielha – Vale de Arán

O Vale de Arán é uma comarca da Província de Lérida, na Catalunha, encravada no meio dos Pirineus Centrais. De fato, 30% d seu território situa-se a uma altitude superior aos 2.000m. Cerca de 10mil habitantes vivem na região, na qual convivem 3 idiomas co-oficiais: o castelhano, o catalão e o aranês, uma variedade da língua occitana.

DSC07447

Tradicionalmente, sua economia baseia-se na pecuária e na exploração florestal. Porém, atualmente o turismo tornou-se o motor de desenvolvimento do vale. Dois fatores contribuíram para tal mudança. Por um lado, a abertura do Túnel de Vielha possibilitou a comunicação da zona, anteriormente isolada, com as demais cidades da comunidade.

Por outro, a Estação de Esqui de Baqueira-Beret promoveu o chamado turismo de montanha, principalmente na alta temporada do inverno. Com o aumento da oferta turística, incrementou-se o desenvolvimento do vale, fazendo com que sua renda per capita seja uma das mais altas do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

As primeiras referências concretas sobre o Vale de Arán apareceram no séc. X, quando encontrava-se vinculado ao Condado de Ribagorza. No séc. XII, passa a integrar o Reino de Aragón e posteriormente ao Principado de Catalunha. Sua capital e município mais importante é Vielha e Mijaran, e é a base para conhecer-se a região.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade lota na temporada de verão, quando os turistas buscam suas belas paisagens para atividades ecoturísticas, bem como no inverno, quando o esqui atrai milhares de praticantes. O município está formado por 13 pequenos povoados, e possui uma população de 4.500hab.

DSC07493DSC07492

Seu monumento mais destacável é a Igreja de San Miguel, construída em várias épocas. Apesar de ser um edifício predominantemente gótico, conserva elementos românicos de sua primeira construção, no séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA portada principal pertence ao séc. XIII, e nela observamos  as 59 figuras esculpidas em suas arquivoltas, representando anjos, santos, músicos e apóstolos.

DSC07488OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro, aparece São Miguel Arcanjo, titular da igreja, e nos dois lados, Jesus Cristo flagelado e curando a um enfermo.

DSC07485A torre foi levantada em época posterior, no séc. XVI, por ordem expressa do rei Fernando Católico. No interior, vemos uma das mais belas imagens românicas de todo o vale, uma talha conhecida pelo nome de Cristo de Mijaran, do séc. XII.

DSC07479Do mesmo século e estilo é a Pia batismal.

DSC07480O retábulo é do séc. XV, e nele vemos cenas da vida de Maria e de San Miguel.

DSC07481

Outro dos atrativos do templo são suas pinturas murais conservadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O órgão foi construído em 1778.

DSC07483Passeando pela cidade, descobrimos casarões antigos e casas rústicas, que conferem uma atmosfera acolhedora à localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC07504Neste palácio com torres fortificadas funciona o Museu Etnológico da cidade.

DSC07495

Em 1976, o centro antigo de Vielha foi declarado Conjunto Histórico-Artístico.

DSC07499DSC07494

Casa Vicens – Barcelona

A Casa Vicens foi o primeiro projeto de envergadura de Gaudi, depois de obter a licenciatura como arquiteto em 1878.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída entre 1883/1888, está localizada no bairro de Gracia, que na época de sua construção era um núcleo urbano independente de Barcelona, com prefeitura própria e categoria de vila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGaudi foi encarregado por Manuel Vicens i Montaner para realizar uma residência de verão para sua família.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Nesta época, o arquiteto utilizava uma linguagem arquitetônica de grande simplicidade construtiva, primando pela linha reta, e não pela linha curva, característica singular de suas obras posteriores.

DSC00926

Estilisticamente, a Casa Vicens pertence à sua etapa orientalista, com influências persas, mudéjares e da arte bizantina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO abundante uso da cerâmica na fachada lhe confere um forte colorido, uma de suas características essenciais. Gaudi desenhou também os móveis da casa. Por ser uma propriedade particular, infelizmente não está aberta à visitação pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas partes do portao de ferro forjado simulando palmitos, encontram-se atualmente no Park Guell.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A obra foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1969, e desde 2005 faz parte da lista de Patrimônio da Humanidade, dentro do grupo de Obras de Gaudi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Park Guell – Segunda Parte

Do vestíbulo de entrada, parte uma escalinata que conduz à praça central da urbanização.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Está disposta simetricamente ao redor de uma escultura que representa uma salamandra, que se converteu num emblema do parque. Seu significado está, provavelmente, relacionado com a serpente Píton, do templo de Delfos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASão perceptíveis os conceitos procedentes do catalanismo político nas fontes que abriga, com um conjunto escultórico que representa a Catalunha do Norte (francesa) e a Catalunha do Sul (espanhola).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASobre a escalinata, situa-se a Sala Hipóstila, também chamada das Cem Colunas, que serve de suporte à praça localizada no nível superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pensada para funcionar como mercado do bairro residencial que se estava criando, atualmente é utilizada pelos músicos, graças a sua boa acústica. Composta por 86 colunas de 6m de altura e 1.20m de diâmetro, as colunas exteriores estão ligeiramente inclinadas, para melhor equilíbrio estrutural. O teto está revestido por bôvedas semi-esféricas com Trencadís brancos, em cujo espaço estão colocadas formaçoes circulares que representam as 4 estaçoes do ano, obra de Josep Maria Jujol, o colaborador de Gaudi com mais fantasia criativa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO ponto central do parque está constituído por uma grande praça oval, de 3mil metros quadrados. A praça está bordeada por bancos ondulantes, como se fosse uma imensa serpente.

DSC07306Realizado também por Josep Maria Jujol, está formado por uma sucessão de módulos côncavos e convexos, com um desenho ergonômico, adaptado à anatomia humana.

DSC07308Em sua parte superior, um friso repleto de gárgulas auxilia no processo de escoamento da água da chuva. Segundo o plano original, a praça deveria funcionar como um teatro grego, apto para reuniões sociais e espetáculos artísticos e cerimônias religiosas. A praça está sem pavimentar, já que a água pluvial é drenada e canalizada pelas colunas que a sustentam, e acumulada num depósito de 1200m cúbicos, para posteriormente serem utilizadas para regar o parque. Se o depósito ultrapassa uma determinada quantidade, o excesso de água é expulsada pela salamandra situada na escalinata.

DSC07313Gaudi construiu uma série de viadutos para transitar pelo parque, suficientemente largos para as carruagens, e com um caminho porticado para os pedestres.

DSC07302DSC07321DSC07322Com um comprimento de 3km, salva o desnível entre sua parte superior da montanha, com a parte inferior.

DSC07326DSC07297DSC07299

O denominado Pórtico da Lavandera rodeia a casa Guell e possui um formato de claustro românico, com uma dupla fileira de colunas, sendo que as inferiores estão inclinadas para suportar o peso.

DSC07316DSC07318