Madrid – Capital da Espanha

Madrid é a maior cidade espanhola com cerca de 3.5 milhoes de habitantes. Se levamos em conta sua área metropolitana, sua populaçao chega aos 6.5 milhoes. No continente europeu, é superada apenas pelas cidades de Paris e Londres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste número é incrementado pelos milhares de turistas de todo o mundo que a visitam diariamente (4 milhoes de turistas em 2014).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMaior centro econômico e financeiro da Península Ibérica, Madrid é a capital do país e da comunidade autônoma onde está localizada. Recentemente, a cidade se embelezou para celebrar a proclamaçao do rei Felipe VI ao trono espanhol, que substituiu seu pai, o anterior monarca Juan Carlos I.

DSC09407DSC09435O personagem histórico mais importante de sua vida como capital do país foi o rei Felipe II, que estabeleceu a corte na cidade em 1561. Abaixo, vemos uma estátua do monarca, realizada em 1564 pelos irmaos Leone e Pompeo Leoni, que pode ser apreciada no Museu do Prado.

DSC09073Felipe II (Valladolid-1527/Madrid-1598), também chamado de “O Rei Prudente”, era filho do Imperador Carlos I com Isabel de Portugal. Na sequência, vemos um quadro do rei Felipe II com seu pai, pintado por Antonio Arias Fernández em 1640.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1561, Madrid nao era uma cidade relevante no panorama espanhol, nem sequer no âmbito castelhano. Com cerca de 20 mil habitantes, era superada por muitas outras cidades, tanto em tamanho, como em populaçao, como Burgos, Valladolid, Sevilha, Zaragoza, Barcelona, Toledo, etc. Até entao, nao existia no país uma capital fixa, isto é, a corte era itinerante, movendo-se de cidade em cidade, de acordo com as circunstâncias históricas. Carlos I, por exemplo, estabeleceu de forma temporária a corte real em Toledo. E qual foi a razao para que Felipe II trouxesse a capital a uma cidade de menor importância na época? Na realidade, o rei nao deixou nenhum documento escrito que explicasse de alguma forma os motivos de sua decisao. A partir de entao, muitos estudiosos tentaram decifrar o mistério, elaborando algumas hipóteses que pudessem esclarecê-lo. Uma delas é a equidistância de Madrid aos denominados Reales Sítios, palácios utilizados pelos monarcas em determinadas épocas do ano. Um exemplo é o Monastério do Escorial, construído durante o reinado de Felipe II como panteao real.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra hipótese plausível é a própria localizaçao estratégica de Madrid, situada na regiao central do país. A burocracia, a estrutura do estado e os gigantescos domínios do entao Império Espanhol exigiam uma cidade-corte, na qual o rei pudesse governar com toda a tranquilidade, sem depender de ninguém, nem do clero, nem da nobreza. Toledo, por exemplo, que foi capital durante o reinado de seu pai, representava uma ameaça e uma concorrência à monarquia, graças a presença da toda poderosa arquidiocese da cidade, considerada a capital religiosa do país. Um conflito com o bispo de Toledo era tudo o que Felipe II nao queria. Por isso, o monarca talvez preferisse uma vila mais modesta, onde nao encontrasse muita oposiçao. Outro fator importante é que em Madrid, tanto seu pai, quanto ele própio, ampliaram o antigo Alcázar (incendiado em 1734, sobre seus cimentos foi construído o atual Palácio Real), ou seja, o monarca possuía uma residência reformada segundo seus critérios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA chegada da corte de forma definitiva (somente entre 1601 e 1606 Madrid nao foi a capital, e sim Valladolid) provocou enormes transformaçoes em Madrid. No período compreendido entre 1561 e 1598, ano de falecimento de Felipe II, a cidade passou de 20 a 80 mil habitantes. De 72 hectares em 1561, passou a ter 282 hectares no final de seu mandato. Funcionários, nobres, e uma grande legiao de eclesiásticos fizeram com que a quantidade de instituiçoes religiosas e monastérios aumentasse de forma exponencial, tornando Madrid uma cidade conventual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém das nobreza, do clero e da corte, se estabeleceram na cidade uma massa de delinquentes e indivíduos pitorescos, transformando Madrid na Nova Babilônia. Evidentemente, a cidade nao estava preparada para tao brusca transformaçao. Desta forma, uma das primeiras leis impostas por Felipe II foi a denominada “Lei da Regalia do Aposento”.  Tal ordenança ditava que todos os moradores proprietários de uma residência com mais de um andar eram obrigados a ceder o andar superior a um funcionário da corte. Se tal funcionário fosse um soldado, significava hospedagem para ele e seu cavalo, para desespero dos habitantes. A partir de entao, muitos madrilenhos começaram a construir casas térreas para nao ter que hospedar ninguém. Aqueles que nao quisessem, poderiam pagar um belo imposto para a monarquia…Outros, no entanto, recorreram a uma estratégia mais singular, construir casas de mais de um andar, mas que desde o exterior parecessem térreas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara tanto, a soluçao encontrada foi colocar as janelas de uma maneira caótica e a diferentes alturas. Estas casas passaram a ser conhecidas como “Casas a la malícia”, pois maliciosamente tentavam burlar a lei real. Ainda hoje, podemos admirar algumas destas casas, apesar de algumas reformas realizadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XVIII, já durante o reinado da Dinastia dos Burbones, foi realizada uma revista geral de todas as casas da cidade, para comprovar  que nao haviam “anomalias”. Este tremendo esforço, realizado entre 1749 e 1759, levou à criaçao da Planimetría General de Madrid. Além da verificaçao casa por casa, muitas ruas nao estavam nem sinalizadas, muito menos nomeadas e numeradas, defeitos que forram corregidos por primeira vez. Ainda hoje, podemos visualizar em varios edifícios da cidade, a marca correspondente à visita realizada no séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom Felipe II, Madrid nunca mais foi a mesma. A partir dele, passa a ser conhecida como Vila e Corte, e sua história estará sempre relacionada como a capital do país e a cidade do Rei da Espanha

Anúncios

4 respostas em “Madrid – Capital da Espanha

  1. Conheço um pouquinho desta linda cidade. Apesar de termos ficado poucos dias por lá, realizei o sonho de visitar o Museu do Prado e gostei mais dele que do Louvre. Só não tive coragem de assistir a uma tourada . Obrigada por me relembrar momentos felizes, na linda e acolhedora Madrid.
    Abraços
    Vera

    • É verdade Vera, Madrid nos encanta a todos e a mim particularmente.Sou grato a Deus por permitir-me viver nesta cidade repleta de atraçoes, e a cada dia que passa sempre descubro coisas novas. Madrid é uma cidade que nao esgota suas possibilidades. Enquanto ao Prado, realmente um museu excepcional, um dos melhores que conheço, sem dúvuida !!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s