As Cercas de Madrid

Em 6/5/2013, publiquei uma matéria sobre as Muralhas de Madrid. Na ocasião, vimos que Madrid teve, ao longo de sua história, duas muralhas. Na época de sua fundação, no séc. IX, foi erguida a muralha árabe. Depois de reconquistada no séc. XI, levantou-se a muralha crista, uma ampliação do primitivo recinto muçulmano. Além destas construções de caráter militar e defensivo, Madrid contou também com várias Cercas, verdadeiros muros que rodeavam a cidade. Ao contrário das muralhas feitas de pedra, as cercas foram construídas com tijolos. Como o território já estava consolidado ante a ameaça árabe, as cercas possuíam uma função de controle urbano e tributário, ou seja, exerciam a vigilância das pessoas que entravam e saiam da cidade, bem como o pago de imposto, sempre e quando as pessoas entravam com alguma mercadoria. As cercas tinham também um controle sanitário, no caso da ocorrência de alguma epidemia ou peste. A primeira cerca construída foi no séc. XV, durante o reinado de Enrique IV, provavelmente em torno ao ano 1438. A denominada Cerca del Arrabal, foi edificada para controlar uma peste que assolou a cidade, quando também se construiu o Hospital del Buen Suceso, ao lado da Puerta del Sol, nela permanecendo até que foi derrubado em 1854. A cerca tinha 70 hectares e contava com 8 portas de acesso, entre as quais a chamada Puerta del Sol, que acabou dando o nome à praça, desaparecida em 1570. Outra porta de importância foi a Puerta de la Latina, situada na Calle Toledo. Seu nome era uma referência ao antigo Hospital de la Latina, localizado ao lado da porta, e que foi fundado por Beatriz Galindo. Essa mulher, uma das mais cultas da época, ficou conhecida como La Latina, por seu amplo domínio do Latim. Professora dos filhos dos Reis Católicos, seu trabalho assistencial em prol dos habitantes do bairro onde viveu fez com que atualmente o famoso Bairro de La Latina seja uma homenagem ao seu apelido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o reinado de Felipe II, foi levantada uma nova cerca em 1566. Também possuía 8 portas, algumas das quais foram aproveitadas da anterior Cerca del Arrabal. Abaixo, vemos a escultura em bronze do monarca, realizado em 1564 pelos irmãos Pompeo e Leone Leoni, que pode ser visto no Museu do Prado.

DSC09073Com aproximadamente 125 hectares de extensão, os poucos restos conservados da Cerca de Felipe II foram descobertos em 1991 na Calle Bailén, durante umas obras de reforma e ampliação do edifício do Senado, situado ao lado. Exerciam um controle fiscal e sanitário, como a anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀ medida que a população ia aumentando, a Cerca de Felipe II tornou-se pequena, sendo necessária a construção de uma outra maior, que finalmente foi erguida durante o reinado de seu neto, Felipe IV, em 1625. Sua superfície já era de 500 hectares, o que demonstra o grande crescimento verificado na cidade a partir do momento em que Madrid tornou-se capital da Espanha com Felipe II, e que prosseguiu durante os governos de Felipe III e Felipe IV. Abaixo, vemos o retrato deste último, realizado entre 1630/1635 por discípulos do pintor Diego Velázquez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, a população de Madrid havia aumentado 200% no período entre os governos de Felipe II e Felipe IV. A construção da nova cerca foi paga mediante um imposto sobre os produtos alimentícios, principalmente o vinho. O único resto conservado da Cerca de Felipe IV encontra-se na Ronda de Segóvia, no centro da capital espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPossuía 5 portas principais, das quais a mais conhecida é a famosa Puerta del Alcalá, construída para celebrar a chegada do rei Carlos III e projetada pelo arquiteto real Francisco Sabatini em 1778. Abaixo, vemos a porta e a estátua equestre de Carlos III, localizada na Puerta del Sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs portas permaneciam abertas até as 22hs no inverno e uma hora mais no verão. Além dos acessos principais , a Cerca de Felipe IV contava também com pequenas portas secundárias denominadas Postigos. Do ponto de vista monumental, careciam de importância, exceção feita ao Postigo de San Vicente, construído em 1726 com uma imagem de San Vicente Ferrer em sua parte superior. Devido à sua deterioração, Carlos III ordenou que fosse derrubado em 1775, encarregando a Francisco Sabatini uma nova porta. Esta, por sua vez, foi demolida em 1890 e em 1995 se construiu uma réplica exata, baseada nos planos conservados e fotos antigas. No entanto, foi levantada ao contrário….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Postigos fechavam quando o sol se punha e voltavam a abrir somente ao amanhecer. O maior inconveniente da Cerca de Felipe IV foi que impediu o crescimento da cidade, e seus habitantes ficaram nela enclausurados cerca de 200 anos, apesar do crescimento populacional verificado no período, com todas as consequências nefastas que podemos imaginar. Finalmente, a última cerca que teve Madrid foi derrubada em 1868. A partir de então, iniciou-se o planejamento de seu Ensanche (ampliação ordenada da cidade), algo que já havia ocorrido em Paris e em Barcelona. Mas esta será a matéria do próximo post….

Anúncios

2 respostas em “As Cercas de Madrid

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s