A Construção da Gran Vía – Madrid

No dia 4 de Abril de 1910, foram levantadas tribunas onde hoje se ergue solene o Edifício Metrópolis, na Calle de Alcalá. O propósito eram receber a personalidades da Família Real Espanhola, que assistiriam a uma cerimônia que transformaria para sempre a Capital da Espanha. Uma carruagem trouxe a sua majestade, o rei Alfonso XIII e sua esposa D.Victoria, que foram recebidos pelo Presidente do Governo e pelo Prefeito de Madrid. Em seguida, os habituais discursos. Quando finalizados, o monarca desceu da tribuna, passou em frente a chamada Casa do Cura, pertencente ao sacerdote da vizinha Igreja de San José, quando lhe foi entregue uma picareta de prata. Com um gesto simbólico, o rei alçou o utensílio e golpeou a janela da casa do cura, que poucos momentos depois desaparecia da paisagem madrilenha. Estava inaugurada a Construção da Gran Vía de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALogo depois do golpe simbólico, apareceram um grande grupo de trabalhadores, que rapidamente reduziram o edifício a uma montanha de escombros. No dia seguinte, um jovem jornalista publicou uma frase que se tornou lendária: “Alfonso XIII hinca el pico” (literalmente, Alfonso XIII crava a picareta). O atrevido jornalista acabou tornando-se famoso e uma rua foi batizada com seu nome, D. Francisco Serrano Anguita. Na foto que segue, vemos uma imagem antiga da Igreja de San José, e do lado esquerdo vemos um pedaço da antiga Casa do Cura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da destruição da residência sacerdotal, outras reformas afetaram a própria igreja, cuja altura entre sua parte central e as laterais teve que ser uniformizada para alinhar-se com os novos edifícios que foram construídos com o tempo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Construção da Gran Vía supôs a reforma urbana mais importante ocorrida em Madrid no início do séc. XX, inserida dentro do contexto de ampliação da cidade, processo conhecido como Ensanche, como vimos no último post. Seu objetivo principal era o de unir a parte leste e oeste da cidade, através de um corredor que integraria a Calle de Alcalá com a própria Gran Vía. O eixo sul-norte, compreendido pelo Paseo del Prado, Recoletos e Paseo da Castelhana já existia, de forma que a abertura da Gran Vía facilitaria sobremaneira o tráfico de veículos e o acesso aos demais locais da cidade. Abaixo, vemos a Plaza de Cibeles, ponto de conexão entre o eixo sul-norte (sentido direita para esquerda da foto) e leste-oeste (de cima para baixo).

DSC09435Desde que a Cerca de Felipe IV foi derrubada, numerosos projetos foram realizados para sua construção. Muito antes que existisse, sua construção foi a mais comentada e discutida de todas as ruas existentes em Madrid até então. Inclusive foi criada uma típica zarzuela, composta por Federico Chueca (cujo famoso bairro leva seu sobrenome) e Felipe Pérez em 1886, chamada “La Gran Vía”, que obteve um enorme êxito na cidade. Traduzida ao francês, logo estreou no Teatro Olímpia de Paris, com o mesmo sucesso da capital espanhola. Posteriormente, foi traduzida para inúmeros outros idiomas. Assim, a Gran Vía já era conhecida internacionalmente, antes mesmo que tomasse forma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto vencedor da Construção da Gran Vía foi o de José López Sallaberry, que contou com o apoio e o esforço do Prefeito de Madrid na época e grande impulsor da obra, o Conde de Peñalver. Sua memória está registrada numa placa comemorativa no começo da Gran Vía.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO apoio financeiro para a obra foi dado inicialmente pelo banqueiro francês Julio Bielsa. A Construção da Gran Vía provocou o desaparecimento de aproximadamente 50 quarteirões. A maior parte das ruas destruídas tinham menos de 6 metros de largura, o que por si só dificultava tremendamente o tráfico rodado na região. Abaixo, vemos uma foto do tráfico na Gran Vía em 1963.

DSC07977Apesar de ter cumprido “apenas” 100 anos recentemente, a Gran Vía foi alvo de muitas reformas, algumas das quais representaram o desaparecimento de estruturas lendárias da própria avenida, como o acesso modernista da estação de metrô, realizada pelo insigne arquiteto Antonio Palácios.

DSC07979Na sequência, vemos a famosa rua nos anos 30 do século passado…

DSC00285Sua construção foi realizada em três etapas, que proporcionaram sua constituição final. Abaixo, a última parte construída, hoje em dia conhecida como a Broadway Madrilenha, graças a grande quantidade de cines e teatros que acolhe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos as distintas partes que a constituem, e um pouco de sua história…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s