As Muralhas de Burgos – Parte 2

A Muralha de Burgos possui um formato poligonal e alargada, junto com o cerro onde se situa o castelo. Os restos mais importantes conservados correspondem ao lado noroeste e nordeste, por estarem mais distante do centro da cidade. Isso porque a parte da cerca que dá para o Rio Arlanzón foi derrubada para a criação do Paseo del Espolón, que em breve veremos no blog. Muitas das antigas portas de acesso que compunham a muralha ainda se conservam, e nesta matéria poderemos conhecer as principais delas. A Porta da Judería, por exemplo, era o passo obrigatório daqueles que queriam chegar ao antigo bairro judeu, bem como ao bairro dos mouros, conhecido como a Morería.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta porta está localizada no Paseo de los Cubos, que vimos na matéria anterior. Outras foram devidamente restauradas, oferecendo atualmente todos seus detalhes arquitetônicos. Pela Porta de San Martín entravam os reis quando chegavam a Burgos, depois do juramento em manter os foros, liberdades e privilégios da cidade, até o séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor ela saíam os peregrinos que deixavam a cidade rumo a Santiago de Compostela, ainda bastante distante de Burgos. A Porta de San Martín foi construída no séc. XIV no estilo mudéjar, com sua característica combinação de pedra e tijolo e os Arcos de Ferradura que a compõem. Em suas imediações, se encontrava a desaparecida Igreja de San Martín, cuja titulação deu nome à porta.

20150727_103729A Porta de San Esteban é ainda mais antiga, pois formava parte do conjunto de muralhas construídos durante o reinado de Alfonso X no séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de estilo mudéjar e composto por Arcos de Ferradura, desta porta se conhece inclusive seu construtor, um mestre mouro chamado Mahomed.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta de San Gil, que permite o acesso a igreja de mesmo nome, foi profundamente modificada nos séc. XVI e XVIII. Nela podemos apreciar o escudo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos monumentos mais conhecidos de Burgos é justamente uma porta, conhecida como Arco de Santa María.

20150725_174931Esta maravilhosa porta de acesso ao centro histórico da cidade conduz diretamente à Catedral de Santa María de Burgos. Edificada a modo de arco triunfal, foi erguida para celebrar a chegada do monarca Carlos I, entre 1533 e 1536, cuja representação vemos no centro da mesma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta está decorada com um amplo conjunto de esculturas que retratam personagens históricos de Burgos. Se a parte externa foi construída na estética renascentista, seu interior é gótico, e se pode visitar. Em suas salas, se reuniam o Conselho de Burgos, e se exibem objetos e pinturas de grande valor, mas as fotos não estão permitidas…

Anúncios

Castelo e Muralhas de Burgos

Apesar das transformações ocorridas nos últimos séculos, a Idade Média deixou um importante legado em Burgos, ainda visível num passeio pela cidade. Uma das principais construções deste período histórico é o Castelo, situado no Cerro de la Blanca ou das Flores, que a 75m sobre a própria cidade, era um local perfeito para a edificação de uma fortaleza militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Burgos foi construído durante o reinado de Alfonso III no ano de 884, coincidindo com a fundação da própria cidade. Está constituído por uma muralha com 2.30m de grossura com torres almenadas em seu entorno. Entre os séculos XI e XIII a fortaleza tornou-se a residência dos reis castelhanos. O castelo carece de Torre de Homenagem, um dos elementos mais emblemáticos dos castelos europeus medievais. Em seu lugar se construiu um palácio para o rei Alfonso X. Foi utilizado eventualmente como local de alojamento de personalidades importantes, encontros diplomáticos, celebrações da corte e também como prisão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO recinto está formado por uma série de poços e galerias subterrâneas, cuja finalidade principal era prover de água os ocupantes do castelo, principalmente durante os assédios. Um destes poços possui quase 70m de profundidade. Abaixo, vemos uma das zonas onde se realizam trabalhos arqueológicos no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XIV, passou a ser propriedade da nobreza, concretamente da família dos Stúñiga, que exerceu o governo da fortaleza até a chegada dos Reis Católicos. Posteriormente, funcionou como fábrica de pólvora e escola para artilheiros. No final do séc. XV ou princípio do XVI, o castelo foi reconstruído.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1736, sofreu um incêndio, mas durante a Guerra da Independência contra os exércitos de Napoleão os franceses reativaram suas funções militares, graças a sua estratégica localização. Antes de ser abandonado em 1813, as tropas do imperador francês explodiram o castelo. O acontecimento ocorreu sem que houvesse tempo para a evacuação total dos soldados, de modo que mais de 200 faleceram durante a sua destruição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa parte mais alta da fortificação, podemos contemplar toda a cidade de Burgos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento característico de toda a cidade medieval são suas muralhas, que em Burgos se conservam em algumas partes, como no recinto onde localiza o castelo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa época de sua fundação, os pequenos núcleos habitáveis existentes ao redor do castelo foram unidos por uma muralha no séc. IX. Os restos da muralha que se conservam atualmente pertence ao séc. XIII, quando o rei Alfonso X decidiu reconstruir a primitiva muralha em 1276, já que se encontrava em péssimas condições e deixavam fora boa parte dos novos bairros que surgiram nos séculos XII e XIII.

20150727_102333Uma boa forma de conhecer os restos preservados é percorrer o chamado Paseo de los Cubos, assim denominado pelas torres circulares que aparecem junto ao muro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cerca tinha a função principal de separar fisicamente a cidade, com seus foros e privilégios, do campo e aldeias circundantes, além de exercer o controle de impostos. No geral, possui de 8 a 10m de altura. A Muralha de Burgos foi declarada Monumento Histórico-Artístico por sua importância histórica. No próximo post, veremos as principais portas que a compunham e que sobreviveram a passagem dos séculos, algumas das quais se tornaram verdadeiros símbolos da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Burgos – Castilla y León

Burgos é uma das cidades mais belas e interessantes da Comunidade de Castilla y León. A última vez que lá estive foi quando voltava de Asturias, e realizei uma parada estratégica na cidade para conhecê-la como se deve, com calma e tranquilidade para apreciar sua riqueza monumental, percorrendo suas ruas e visitando seus inumeráveis monumentos. O resultado é esta série sobre a cidade que hoje iniciamos. Motor industrial da região, Burgos é a segunda cidade mais populosa da comunidade com 170 mil habitantes, sendo superada apenas por Valladolid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADinâmica e cultural, Burgos é a capital da província homônima, com um patrimônio histórico e artístico dos mais relevantes. A cidade sempre foi uma das mais importantes do país, e este fato se deve, em parte, a sua excelente localização geográfica, entre o norte e o centro de Espanha e o leste e oeste pelo Caminho de Santiago, do qual faz parte. A Província de Burgos possui 3 locais declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco: o referido Caminho de Santiago, sua maravilhosa Catedral Gótica e a Serra de Atapuerca, local onde foram encontrados os primeiros povoadores do continente europeu em seus recintos arqueológicos.

20150727_113704A cidade surgiu no ano 884dC no denominado Cerro de San Miguel, quando o local foi povoado pelo Conde Diego Parcelos, que construiu uma pequena fortaleza militar, sob o mandato do rei Alfonso III. Antes do ano 1000, já havia se transformado numa pujante vila, consolidando-se como centro político do antigo Reino de Castilla. Desde 915, passa a ostentar o título de cidade e em 932 torna-se a capital do reino castelhano.

20150725_201049Burgos se converteu na residência habitual dos reis castelhanos e de destacados nomes da nobreza. Em 1075, passa a ser sede episcopal, possibilitando a construção da catedral no séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO auge do Caminho de Santiago na Idade Média fez com que a cidade  se desenvolvesse ainda mais. Por iniciativa real, se constrói os primeiros hospitais para os peregrinos, como o de San Juan, em 1085. Nos séculos seguintes, graças aos privilégios concedidos, transforma-se no centro de poder político de um amplo território. O séc. XIV foi um período de recessão econômica para Castilla, que se recupera nos séc. XV e XVI, quando Burgos atinge uma época dourada e sua população se duplica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade se consolida através da prosperidade alcançada por uma oligarquia composta pela nobreza e por uma rica classe de comerciantes, que exporta a produção de lã para muitas regiões europeias, principalmente Flandes. O resultado deste crescimento econômico é palpável nas construções góticas e renascentistas do período, tanto no nível religioso, quanto civil. Muitos artistas de excepcional talento se assentam na cidade, como Felipe Vigarny e Diego de Siloé, entre tantos outros, situando a escola burgalesa na cabeça da cultura espanhola da época.

20150726_164417A diminuição da demanda têxtil no resto da Europa, aliada a falta de uma infraestrutura que pudesse criar uma economia mais diversificada, foram os fatores de sua decadência. A mudança da capital para Madrid em 1561 também colaborou para seu declínio. No séculos XVII e parte do XVIII, a decadência se acentua, devido às  epidemias e  fome resultante, ocasionado o retrocesso da população à metade ( de 12 mil no final do séc. XVI, para 6 mil em 1631). A partir da segunda metade do séc. XVIII, coincidindo com o reinado de Carlos III, uma nova fase de expansão reativa o dinamismo da cidade. Prova disso é a estátua do monarca que preside a Praça Maior de Burgos, realizada em 1784 como forma de agradecimento ao rei que contribuiu para o ressurgimento da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do séc. XIX, a cidade entra em seu período burguês, quando obras são realizadas para favorecer seu crescimento, como a derrubada de parte de sua muralha para a edificação de lugares de ócio para os cidadãos, como o Paseo de Espolón, que se converte num ponto de encontro e local referente de seus habitantes. Abaixo, vemos uma parte da muralha que se conserva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA antiga cidade cresce, portanto, além de seu recinto amuralhado, modernizando-se. A população aumenta em decorrência da migração rural e a chegada da ferrovia em 1860 acentuou seu desenvolvimento industrial, que prosseguiu no séc. XX. Atualmente uma cidade de serviços, Burgos se orgulha de seu passado, mas não vive apenas dele, graças a inovações presentes em diversos setores, transformando a cidade num lugar com excelente qualidade de vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA rica história da cidade pode ser conhecida no Museu de Burgos, sediado em duas casas construídas no séc XVI, a pertencente a família dos Miranda e a de Iñigo Angulo, ambas construídas por Juan de Vallejo, mas com uma fachada bem contemporânea.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a Calle Lain Calvo, uma das principais vias comerciais da cidade.

20150727_124848A cidade é cortada pelo Rio Arlanzón, cujas margens podem ser percorridas em agradáveis passeios….

20150727_145647A partir do próximo post, vocês conhecerão o rico patrimônio histórico e artístico de Burgos. Espero que vocês desfrutem tanto quanto eu…

Casa de Campo – Segunda Parte

Existem duas formas de chegar a Casa de Campo em transporte público, ambas interessantes. A primeira é descer na Estação Lago do metrô, cuja construção é uma das mais curiosas da rede metroviária da cidade, e que vimos recentemente no blog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA outra opção é pegar o teleférico situado do outro lado do Rio Manzanares, que liga o Parque do Oeste com a Casa de Campo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de seu entorno natural e de sua interessante história, a Casa de Campo oferece outras atrações aos visitantes de todas as idades que a frequentam. Uma delas é o Zoológico de Madrid, situado em seus limites, considerado um dos mais antigos da Europa e fundado por Carlos III em 1770. Inicialmente, esteve localizado no Parque do Retiro e chamava-se Casa de Fieras. Na época um dos maiores do mundo, foi inaugurado para exibir os animais trazidos do novo mundo. Em 1972, o Zoo de Madrid foi levado a Casa de Campo, numa área muito maior e construído dentro das normas mais modernas para o recebimento de animais. Atualmente, é o segundo em tamanho do continente e um dos pioneiros do mundo na reprodução de animais em cativeiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Zoológico de Madrid  se destaca pela criação de animais em perigo de extinção, como o Urso Panda Gigante, o Koala e espécies ibéricas, contribuindo para sua conservação. A instituição conta com 6 mil animais, de 500 espécies diferentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1987, se construiu um delfinário, onde podemos ver exibições de golfinhos e sua incríveis acrobacias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém dos golfinhos, são realizadas exibições de aves de rapina e também de leões marinhos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1995, foi inaugurado o primeiro aquário marinho tropical da Espanha, e o zoo passou a chamar-se ZooAquarium. Com 370 espécies de peixes de todos os continentes, vale a pena pagar uma entrada à parte para observar alguns peixes bem curiosos. O horário do Zoológico de Madrid possui um horário distinto dependendo da época do ano, mas normalmente abre às 10:30hs e funciona até a noite.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVale a pena comprar as entradas on line, através da excelente página web do zoológico, pois acaba saindo mais barato. Nas bilheterias do zoológico, por exemplo, uma entrada para adulto custa 23 euros. Pela internet, sai por 18 euros. Abaixo, adiciono a página web do Zoológico de Madrid, com um interessante e completo conteúdo sobre o muito que se pode fazer no zoológico, e planificar melhor sua visita:

zoomadrid.com/

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de Campo oferece ainda outro local de entretenimento, tanto para adultos, quanto para crianças, o chamado Parque de Atracciones. Inaugurado em 1969, recebe anualmente cerca de 2 milhões de visitantes. Trata-se de uma espécie de Playcenter de Madrid, e conta com brinquedos para crianças e aqueles que pensamos cem vezes antes de entrar….Ainda não tive a oportunidade de visitá-lo, razão pela qual não tenho imagens para mostrar para vocês. Tirei apenas uma foto, mas prometo realizar um post complementar sobre o parque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa mesma forma que o Zoológico, comprando as entradas on line os preços são mais baratos. Adiciono também a página web do Parque de Atracciones

http://www.taquilla.com/Parque-Atracciones

Casa de Campo – Madrid

Nos finais de semana, milhares de pessoas em Madrid aproveitam o tempo livre para passear, praticar esportes e curtir a natureza na Casa de Campo, o maior parque público da cidade. Localizado na zona oeste de Madrid, sua superfície é 5 vezes maior que o Central Park de Nova York.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMas nem sempre a Casa de Campo foi uma das mais populares zonas de ócio dos madrilenhos, pois durante séculos foi propriedade histórica dos reis espanhóis. O parque tornou-se público somente com a proclamação da Segunda República Espanhola, em 1931. No início, esta área pertencia a família dos Vargas, conhecida como sua casa de campo. Diego de Vargas foi um funcionário dos Reis Católicos e os terrenos foram herdados por seu filho Francisco de Vargas, que ordenou a construção de um palacete em 1519. Em 1562, o monarca Felipe II comprou a casa e os terrenos circundantes, transformando-o num local para a caça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de então, a Casa de Campo passou a integrar os denominados Reales Sítios da Coroa Espanhola, como o Monastério do Escorial, o Parque do Retiro, a Vila de Aranjuez, etc. O palacete, embora não muito grande, estava ricamente decorado. Em frente a uma de suas fachadas, se construiu um jardim concebido geometricamente, com várias fontes e esculturas, além de grutas artificiais que ainda existem, mas que não estão abertas ao público devido ao seu péssimo estado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO rei Felipe II tinha o costume de colecionar animais selvagens, convertendo o local numa verdadeira “Casa de Feras”, como disseram vários viajantes que visitaram a cidade na época. Em 1563, foram construídos lagos de diversas dimensões para acolher aves aquáticas. Além de um lugar para o entretenimento dos reis, serviam também como depósito de água para regar os jardins. O maior deles acabou transformando-se, no séc. XIX, no atual lago da Casa de Campo, e os demais foram secados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o reinado de Felipe III, o aspecto lúdico deixa de ser a única finalidade da Casa de Campo. Além de local de recreio e caça, parte dos terrenos são dedicados ao cultivo e à criação de gado, aves e peixes, passando a ter independência econômica como resultado destas atividades. Neste período se instala a famosa estátua equestre do rei Felipe III, realizada pelo escultor italiano Pietro Tacca, esculpida em Florença e trazida a Madrid em 1616.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1848, durante o reinado de Isabel II, a estátua foi removida da Casa de Campo e levada para a Praça Maior de Madrid, onde até hoje permanece.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá durante o reinado dos reis da Dinastia dos Bourbones, Fernando VI amplia os limites da Casa do Campo, unindo-a com o também Real Sítio do Pardo, situado em sua proximidade. Desta forma, a Casa de Campo se transformou numa das maiores áreas de caça de todo o continente europeu. Com Carlos III, se constrói a Ponte de la Culebra, talvez o elemento arquitetônico mais importante que se conserva no atual parque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta histórica ponte de Madrid foi construída pelo arquiteto real de Carlos III, Francisco Sabatini, em 1782. O nome da estrutura está relacionado com seu serpenteante formato,como podemos ver. Sua pequena largura impedia a passagem de carruagens, sendo usada somente para pedestres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta época, se deu o auge produtivo da Casa de Campo. No séc. XIX, foi utilizado pelos franceses como local de acampamento durante a Guerra da Independência, causando prejuízos para os edifícios, bosques e jardins existentes. Em seus limites, haviam várias igrejas e ermitas que foram destruídas com o tempo, e poucas se conservam atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século passado, a Casa de Campo mais uma vez tornou-se vítima de conflitos bélicos, desta vez com a Guerra Civil Espanhola (1936/1939). Durante todo o período, foi frente de batalha, sendo ainda hoje visível os restos de trincheiras utilizados na contenda. A vegetação original do parque consistia de uma espécie de árvore denominada Encinar. Desde o momento em que se tornou propriedade real, foi enriquecido com outras espécies vegetais, como Álamos, Chopos, Robles e Ciprestes. Podemos, inclusive, admirar um exemplar do Madroño, árvore símbolo da cidade e que aparece no Escudo de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuanto à fauna, a Casa de Campo está habitada por 133 espécies de vertebrados, das quais 17 são de aves, 20 de mamíferos e 14 de répteis. Entre os mamíferos, podemos ver coelhos, lebres, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

El Ruedo – Madrid

Quando passamos de carro pela M30, uma das vias de circunvalaçao de Madrid, notamos imediatamente uma enorme construção, que mais parece um coliseu romano. Trata-se do Conjunto Residencial El Ruedo, uma das obras mais polêmicas realizadas na cidade no final do séc. XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA finalidade de sua construção era alojar os últimos habitantes de uma favela conhecida como “Poço do Tio Raimundo”. A Prefeitura de Madrid realizou um restrito concurso, no qual era obrigatório o preenchimento de determinados requisitos para o projeto. O único arquiteto que conseguiu realizá-lo foi Saénz de Oiza, e o complexo residencial iniciou-se em 1986, sendo finalizado quatro anos depois. O projeto previa a edificação de um conjunto de apartamentos com 600m de comprimento e 8 andares, de forma curva e enroscado sobre si mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua forma proporciona uma indiscutível sensação de isolamento e proteção, como se fosse uma grande muralha. Por sua tipologia, muitos críticos o compararam com uma prisão. De fato, foi batizado por alguns como “A Prisão da M30”. O problema de seu isolamento interior era que a proteção oferecida contra as hostilidades exteriores contribuiu para seu caráter de gueto. O desenho unitário do El Ruedo gera uma espécie de microcosmos no interior do espaço.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra crítica que recebeu dizia respeito ao seu formato espiral, com escassas aberturas em sua fachada exterior. Na realidade, o propósito desta medida era evitar os ruídos e a contaminação proveniente da estrada que se situa ao lado. A fachada interna do complexo foi decorada com motivos geométricos com cores vivas, criando um ambiente, como mínimo, curioso e original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto residencial possui 346 apartamentos de 2,3 e 4 dormitórios, sendo que estes últimos são duplex. Uma grande área recreativa, além de locais comerciais e um estacionamento subterrâneo com 198 vagas, completam suas instalações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas partes mais próximas à estrada foram colocadas as áreas de serviço, e as partes habitáveis de cada apartamento foram dispostas em torno ao grande pátio interno do conjunto residencial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Marcos – Madrid

A Igreja de San Marcos é uma das belas igrejas desconhecidas de Madrid. Situada bem próxima a Praça de Espanha, seu nome se originou com a vitória das tropas de Felipe V na Batalha de Almansa em 1707,  travada no dia de São Marcos, que acabaria levando ao trono espanhol o primeiro monarca da Dinastia dos Bourbones. Alguns estudiosos alegam que no local já existia uma anterior ermita dedicada ao santo, razão pela qual negam a explicação do nome dada acima. Depois de derrubada a ermita, construiu-se um oratório dedicado a São Bernardo, que permaneceu em pé desde 1632 até que este templo também foi derrubado para a construção da Igreja de San Marcos. As obras iniciaram-se em 1749 e o templo foi concluído em 1753.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi projetada e construída pelo arquiteto Ventura Rodríguez, que realizou uma de suas melhores obras. Sua fachada é simples, como vemos na imagem acima. Apesar disso, sua forma é inusual para a Madrid da época. Ventura Rodríguez começa a introduzir no barroco madrilenho linhas retas.. Composta basicamente por um estrutura triangular na parte superior e outra semicircular no centro. Mas o que realmente impressiona da Igreja de San Marcos é o interior, com uma distribuição espacial extremamente complexa. Está composto por naves entrelaçadas geometricamente, formando 5 elipses sucessivas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA elipse central é a maior, coincidindo com a localização da cúpula. Também elíptica,  a cúpula oferece uma magistral perspectiva vertical. Dependendo da posição onde nos encontremos, adquire um formato oval ou circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPintada por Luis González Velázquez, as cenas retratam episódios da vida de São Marcos, combinando a escultura com a pintura. Abaixo, vemos o Retábulo Maior, realizado no séc. XVIII, ainda que reformado depois que a igreja sofreu um incêndio em 1925. No centro, vemos uma imagem de São Marcos apoiado em seu animal símbolo, o leão, para escrever o evangelho. A escultura foi feita por Juan Pascual de Mena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo somente tornou-se paróquia em 1820, pois era utilizado como uma filial do Convento Beneditino de San Martín. A Igreja de San Marcos foi uma das poucas que não sofreu nenhum tipo de vandalismo durante a Guerra Civil. Por sua importância arquitetônica, foi declarada Monumento Nacional em 1944.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte lateral do espaço central vemos belos retábulos, como o dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, considerada a imagem mais antiga de Madrid desta titulação. Feito de madeira imitando mármore, foi reconstruído depois do incêndio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, o retábulo dedicado a São Bento (480/547), fundador da Ordem Beneditina. O livro que segura em sua mão direita é uma referência à regra monástica que escreveu, base para todas as demais existentes. Juan Pascual de Mena (1707/1784) foi o autor da escultura, daquele que é considerado Padroeiro da Europa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASanta Escolástica (480/543), irmã gêmea de São Bento, também foi representada pelo mesmo artista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA singular planta desta igreja, apesar de rara em Madrid, são comuns na Itália. Estive um bom tempo admirando sua curiosa estrutura, e creio que as fotos não são capazes de mostra sua complexidade construtiva e o jogo de perspectivas do espaço.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA