Catedral de Burgos – Parte 2

A Catedral de Burgos é um desses lugares em que o olhar se perde diante de tanta beleza. Inumeráveis são suas obras de arte e sem fim os lugares que vale a pena comentar. Por isso, dividi a matéria em três parte, e ainda assim, não será suficiente para vê-la em toda sua dimensão. No post de hoje e no próximo, veremos alguns dos locais mais espetaculares desta construção emblemática do espírito humano e de sua capacidade para refletir o divino numa representação material. A Catedral de Burgos possui planta basilical de cruz latina, com três naves e girola, assim denominado o espaço sagrado que contorna o presbitério e o altar maior. Toda a nave está cercada por um trifório, um elemento tipicamente gótico, correspondente às galerias situadas entre as arquerías e os vitrais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO trifório foi construído no séc. XIII, durante a etapa inicial do erguimento da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Coro é um dos lugares mais importantes de qualquer catedral. Nele, os religiosos se sentam para realizar os cantos litúrgicos, e em muitos casos sua qualidade artística se manifesta pelo exímio trabalho dos melhores escultores, como no caso da catedral burgalense. Inicialmente, o coro situava-se na cabeceira do templo, mas no séc. XVI foi removido aos pés da nave central, uma solução construtiva tipicamente espanhola. Dessa forma, são criados espaços para os fiéis tanto em frente do altar maior, quanto na parte traseira do coro, denominada Trascoro. Nos assentos do coro foram talhadas imagens da vida dos santos e episódios do Antigo e Novo Testamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANormalmente, na lateral do coro são colocados os órgaos. A Catedral de Burgos possui dois deles, um de cada lado do coro. Abaixo, vemos o órgão mais antigo, de 1636, e depois vemos uma foto do outro, realizado em 1806.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem interna do maravilhoso Rosetón situado na parte superior da Porta de Sarmental, que vimos no post anterior,  o único que se conserva do período gótico na catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstes vitrais circulares são um símbolo da arquitetura gótica, e possuem um simbolismo relacionado à Virgem Maria, cuja devoção alcançou grande popularidade durante o período de construção das catedrais góticas europeias. Por isso mesmo, grande parte delas foram dedicadas à Virgem, como é o caso da Catedral de Santa Maria de Burgos. Outro elemento arquitetônico de destaque é o cimbório, uma estrutura que se sobressai na parte externa do templo, e situado na intersecção da nave central com a nave transversal, sobre a cúpula. O cimbório da catedral derrubou-se e em 1539 foi novamente erguido, composto de uma impressionante estrutura octogonal com reminiscências mudéjares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro foi construído no final do séc. XIII e princípio do XIV. Para chegar a ele, passamos por uma belíssima porta que conserva parte de sua policromia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta propriamente dita foi talhada provavelmente por Gil de Siloé, um dos grandes nomes do Renascimento Espanhol, no final do séc. XV, com cenas relativas à entrada de Jesus em Jerusalém e o Descenso ao Limbo, junto com as figuras de São Pedro e São Paulo na parte inferior. No tímpano, vemos a cena do Batismo de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAGeralmente, o claustro é o local mais importante de um Convento, Monastério ou Catedral, depois da igreja. De planta quadrada ou retangular, nele a comunidade de religiosos percorriam seu perímetro lendo os episódios da Bíblia sendo, portanto, um local de recolhimento e meditação. Também utilizado como lugar de enterramento, o claustro possui um simbolismo ligado ao Paraíso Celestial, com um grande pátio central onde florescem árvores frutíferas e uma fonte de água no centro. Abaixo, vemos algumas imagens do claustro da Catedral de Burgos.

IMG_2857IMG_2866O claustro comunica com vários outros espaços religiosos, como capelas, por exemplo. A denominada Capela de Santa Catalina possui outra magnífica porta, com uma cena do Descendimento de Cristo realizada no séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Sala Capitular recebe este nome porque nela os religiosos se reuniam para a leitura dos capítulos da ordem de cada comunidade, normalmente relacionados com a Regra Beneditina ou de Santo Agostinho. O mais interessante da sala capitular da catedral é o teto, decorado com um artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Catedralício, cujo acesso se dá também a partir do claustro, possui uma grande quantidade de obras de arte, entre pinturas, esculturas e objetos litúrgicos. Uma das peças mais famosas é a escultura de Cristo preso à coluna, do grande escultor Diego de Siloé, filho do mencionado Gil de Siloé.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s