Museu Reina Sofia – Arte Espanhola

Esta matéria e as seguintes estarão dedicadas às melhores obras do acervo permanente do Museu Reina Sofia em relação à Arte Espanhola, com alguns de seus pintores consagrados e outros em sua maioria desconhecidos pelo grande público, mas de enorme qualidade artística. Começamos por Joan Miró (Barcelona-1893/Palma de Mallorca-1983). Sua carreira como pintor se desenvolveu a partir do quadro La Casa de la Palmera, realizado em 1918. Esta casa existiu realmente, e nela Miró passou algumas temporadas. Foi retratada com uma certa atmosfera infantil e ingênua, quase onírica, e a composição representa o local de forma realista e descritiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMiró sempre demonstrou um interesse permanente pelo subconsciente e pelo mundo infantil, como podemos ver na obra intitulada La Sonrisa de Alas Flameantes (1953), considerada um de seus quadros mais conhecidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO artista catalão cultivou também a escultura, como podemos observar no jardim do Museu Reina Sofia, onde foi colocada sua escultura de bronze denominada Pájaro Lunar (1966). Para o artista, as aves representavam a conexão entre os mundos terrestre e celestial. Esta é uma de suas primeiras esculturas monumentais, herança das formas ligadas à natureza e a escultura surrealista. Se trata de uma versão de grande tamanho de uma peça homônima realizada nos anos 40, sendo concebida com outra chamada Pájaro Solar. A dualidade é outra das características presente em sua obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntoni Tàpies (Barcelona: 1923/2012), também um artista catalão, foi um grande teórico da Arte Espanhola. Pintor e escultor, é considerado um dos principais expoentes do chamado Informalismo, e um dos mais destacados artistas do século XX na Espanha. Autodidata, criou um estilo próprio dentro das artes vanguardistas, combinando a tradição e a inovação dentro de um estilo abstrato carregado de simbolismo. Grande defensor da cultura da Catalunha, sua obra possui um centro de estudo e conservação em Barcelona, a Fundação Antoni Tàpies, que vale a pena ser visitada. Em 1950, realizou a obra Personaje, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos pintores que mais me causou admiração em sua obra desde que estou no país, Darío de Regoyos (Ribadesella-1857/Barcelona-1913) é considerado o maior expoente da pintura impressionista espanhola. Em sua vida, sua obra foi mais valorizada no estrangeiro que em sua própria terra natal. Destacou-se pela capacidade para representar diferentes e originais efeitos luminosos e atmosféricos nas paisagens da Espanha, como podemos observar no quadro Irun por la tarde (Irun é um município da Província de Guipúzcoa, pertencente ao País Vasco), pintado em 1900.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro El Gallinero (1912) é considerado uma de suas obras mais conhecidas, e pode ser vista no museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArtista extremamente prolífico, a Joaquín Sorolla (Valencia-1863/Cercedilla-1923) se atribuem mais de 2200 obras catalogadas. Sua carreira artística pode ser melhor conhecida no Museu Sorolla de Madrid, situado na casa onde viveu o artista durante uma parte de sua vida. Além dos retratos e da temática social, Sorolla desenvolveu cenas de costumes relacionados à vida dos pescadores valencianos, captando os efeitos da luz sobre os objetos, pessoas e a paisagem, como vemos no quadro Llegada de la Pesca, pintado em 1899.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA obra de Luis Feito (Madrid:1929-    )  está exposta nos grandes centros de arte do mundo. Uma das principais figuras do panorama artístico contemporâneo espanhol, estudou na Escola de Belas Artes de San Fernando de Madrid, uma das instituições artísticas mais importantes do país. Fundador do grupo “El Paso“, cultivou o denominado figurativismo, passando por uma etapa cubista e culminando sua obra na Pintura Abstrata. No Reina Sofia encontra-se sua obra Número 179, realizada em 1960.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Obras Primas do Museu Reina Sofia – Madrid

O Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, este é seu nome completo, é considerado uma das pinacotecas mais importantes da Europa em relação à Arte Contemporânea. Situado próximo ao Paseo del Prado e da Estação de Atocha, constitui juntamente com o Museu del Prado e o Thyssen-Bornemisza o denominado triângulo da arte do Paseo del Prado, uma das áreas com a maior quantidade de obras imprescindíveis de todo o continente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos primeiros posts que realizei no blog, em 17/5/2012, foi dedicado à história do Museu Reina Sofia, e seu quadro mais famoso, o Guernica de Pablo Picasso. O museu ocupa o edifício do antigo Hospital Geral de San Carlos, construído durante o reinado do rei Carlos III em 1781 pelo arquiteto Francisco Sabatini. Por este motivo, o edifício principal do museu é conhecido como Edifício Sabatini, que vemos na imagem acima. Em 1965, o hospital foi enclausurado e declarado Monumento Histórico-Artístico em 1977. Alguns anos depois, a construção foi restaurada e em 1986 inaugurado como museu. Dois anos depois, foram colocados dois elevadores externos de aço e vidro e finalmente em 2001 o museu encarregou ao arquiteto Jean Novel sua mais importante ampliação, dando à instituição um caráter contemporâneo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO acervo do Museu Reina Sofia é impressionante, e sua visita é obrigatória para os amantes da arte que se desenvolveu nos séculos XIX e XX, tanto da pintura espanhola como da realizada em outros países europeus. Nesta série que hoje iniciamos, veremos algumas de suas obras mais importantes, realizadas por artistas consagrados e outros nao tao famosos no Brasil, mas que devem ser conhecidos e valorizados, para uma melhor apreciação do catálogo de obras do museu e sua exposição permanente. Hoje veremos algumas pinturas dos artistas estrangeiros, todos eles conhecidos pelo público. Começamos por Van Gogh (Zundert-Holanda, 1853/ Auvers-Sur-Oise-França, 1890), que no ano de sua morte realizou o quadro O Jardim de Daubieny, um local que o genial pintor sentia grande admiração. Este quadro nao faz parte de sua coleção permanente, e pude admirá-lo numa exposição temporal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA pintura francesa está muito bem representada, com alguns de seus pintores de maior transcendência como, por exemplo, Paul Cézanne (Aix en Provence: 1839/1906). Em 1878, pintou o quadro A Casa do Dr. Gachet em Auvers-Sur-Oise, um povoado próximo a Paris. Graças a sua estreita amizade com Camille Pissaro, Cézanne passou a interessar-se pela pintura de paisagem. O Dr. Paul Gachet foi um médico amigo de muitos pintores impressionistas, além de colecionador de arte. Esta é uma das obras mais impressionistas do autor, mostrando a natureza diretamente de seu ambiente natural, e suas variações cromáticas e de luz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACamille Pissaro (Saint Thomas-1830/Paris-1903) é considerado um dos fundadores do Movimento Impressionista e personagem fundamental na incorporação da modernidade na pintura. Retratou a vida rural francesa, principalmente paisagens e camponeses trabalhando. O quadro El Sendero del Pueblo (O Caminho do povoado) foi pintado em 1875.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de Pissaro, vemos o quadro O Rio Sena visto da explanada da Ponte Nova, realizado em 1901, uma obra que contemplei numa exposição temporal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAReconhecido apenas após sua morte, Paul Gaughin (Paris-1848/Polinésia Francesa-1903) é considerado um pintor pós impressionista, e despertou uma grande influência nos artistas vanguardistas franceses e outros pintores modernos de renome, como Picasso e Matisse. De 1885 é o quadro intitulado Paisagem com telhado vermelho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMarc Chagall (Vitebsky, Biellorrusia-1887/ Saint Paul de Vence, França-1985)  é considerado um dos grandes artistas vanguardistas do século passado. A interpretação de temas bíblicos foi recorrente em sua obra, refletindo sua herança judaica. No Reina Sofia podemos ver alguns quadros seus, como um Autoretrato e Judeu em vermelho, ambos pintados em 1914.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa próxima matéria, veremos alguns dos melhores quadros da Pintura Espanhola presentes no acervo do Museu Reina Sofia.

Igreja de Santa Mônica – Rivas Vaciamadrid

Neste último post desta série sobre as mais interessantes igrejas de arquitetura moderna e contemporânea de Madrid, falaremos um pouco sobre a Igreja de Santa Mônica, situada na cidade de Rivas Vaciamadrid, um município localizado na zona leste da área metropolitana de Madrid. Com cerca de 85 mil habitantes, esta cidade de nome curioso possui uma alta qualidade de vida, sendo que uma de suas maiores atrações é justamente esta igreja, de uma arquitetura ousada e que se tornou um símbolo da nova arquitetura espanhola realizada nas proximidades da capital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta intrigante igreja foi projetada por Ignacio Vicens e José Antonio Ramos, dois professores da Escola de Arquitetura de Madrid, que a conceberam como um grande espaço alargado feito de aço oxidado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção integra, além da igreja, o despacho paroquial e a casa do padre, e foi congratulada pela revista internacional de arquitetura Wallpaper como a melhor igreja construída em 2008. Abaixo, vemos imagens de seu translúcido interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior carece de ornamentos decorativos, e os elementos arquitetônicos constituem sua singular beleza. Aberturas nas paredes do templo propiciam a entrada de luz natural, criando um espaço de grande poder espiritual, algo que podemos sentir estando dentro da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Pedro Mártir – Madrid

A Igreja de San Pedro Mártir, localizada no km 7 da estrada que vai a Burgos, é considerada um ícone do processo de modernização da arquitetura espanhola na segunda metade do século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta intrigante construção foi projetada em 1955 pelo arquiteto Miguel Fisac e finalizada cinco anos depois, para os padres dominicanos. No exterior da igreja se sobressai a esbelta torre, feita de concreto com um campanário abstrato feito de ferro retorcido. A escada em caracol da torre está descoberta graças aos inúmeros vãos de sua estrutura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior deste templo é magnífico, com sua estudada iluminação interior, que proporciona interessantíssimos efeitos cromáticos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom este inovador projeto, Miguel Fisac quis solucionar o problema espacial ante a necessidade de diferenciar as áreas para os clérigos e para o público. As duas naves do interior se iluminam mediante vitrais situados nos muros, que filtram a luz em tonalidades vermelhas para o local dos religiosos e azuis para a área reservada para os fiéis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos os vitrais…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO presbitério se converteu no local onde confluem ambos espaços, presidido por uma escultura de Cristo realizada por Pablo Serrano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA escultura parece levitar graças ao sistema de cabos idealizado por Miguel Fisac. Além dos vitrais, uma curiosa abertura no teto proporciona luz natural ao ambiente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA luz cai verticalmente sobre a escultura de Cristo, iluminando-a.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da igreja, existem outros espaços destinados para a comunidade de religiosos, criados com grande capacidade inventiva pelo arquiteto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igrejas Modernas e Contemporâneas – Madrid

Na primeira metade do século XX surgiram algumas correntes arquitetônicas, como o Funcionalismo e o Racionalismo, que transformaram o conceito, em termos de arquitetura sacra, daquilo que associamos com a construção de um templo religioso. Segundo estes novos princípios, a forma segue a função, e se estes aspectos são devidamente satisfeitos no projeto construtivo, a beleza surgirá de forma natural. A arquitetura buscará a união do belo com o útil, eliminando boa parte dos elementos ornamentais, criando novas soluções espaciais. Em Madrid existem vários templos realizados segundo esta inovadora concepção, cujo resultado deve ser valorizado de acordo com a evolução da arquitetura, numa época em que as igrejas já nao contavam com o patrocínio real, como antigamente. Um exemplo é o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo é conhecido como a “igreja dos mexicanos”, por sua titularidade, padroeira do México, como também por ter sido construída pelo arquiteto Enrique de la Mora y Palomar, o primeiro arquiteto deste país em projetar uma construção na Espanha. Recebeu a colaboração do arquiteto espanhol José R. Azpiazu, e finalizaram a construção em 1963.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cobertura da igreja está composta por 8 parabolóides hiperbólicos, ou seja, superfícies criadas a partir de uma parábola com a concavidade para baixo, que se deslizam com outras com concavidades para cima…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do santuário possui uma planta octogonal, formando seu peculiar aspecto circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra igreja de construção inovadora, situada bem próxima ao Santuário de N.Sra de Guadalupe e do Estádio Santiago Bernabéu, é a Paróquia dos Sagrados Corações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVista do exterior, o templo se parece com uma grande casa. Foi construída em 1964 pelo arquiteto Rodolfo Garcia Pablos, e se reconhece como uma construção religiosa por sua torre exenta (separada do corpo principal) de 50m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos o Estádio do Real Madrid e a torre. Grandes escultores participaram em sua decoração, como Pablo Serrano e José Luiz Sánchez. No interior, o destaque são os modernos vitrais, executados por Muñoz de Pablos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMais algumas imagens do exterior da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA próxima matéria estará dedicada a um ícone da arquitetura sacra moderna da cidade, a Igreja de San Pedro Mártir…até lá !!!!

Belas Igrejas de Madrid – Parte 2

Em muitas ocasiões, minha curiosidade por conhecer lugares interessantes, ainda que desconhecidos de Madrid, me possibilita descobrir verdadeiros tesouros na cidade. Outro dia, passeando pela Calle Velázquez, no charmoso Bairro de Salamanca, entrei numa igreja que nem sequer sabia de sua existência, a Paróquia dos 12 Apóstolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa realidade, havia passado por esta rua inúmeras vezes, mas nunca tinha associado este edifício com um templo religioso. Quando decidi entrar para conhecê-lo, me surpreendi com um espaço escasso em decoração, mas belíssimo em sua arquitetura interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe estilo neobarroco, esta igreja foi construída em 1952 e projetada pelos arquitetos Francisco Alonso Martos e Castro Fernández Shaw, que adornaram o interior com uma espetacular colunata jônica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos únicos elementos decorativos presentes no interior da igreja são os vitrais, como o que representa a São Lucas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém descoberto por acaso, o Santuário de Santa Gema, localizado no Bairro de Chamartín, é um local de intensa devoção em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo dia 14 de cada mês, ocorre uma grande peregrinação a este santuário, que guarda a relíquia do coração de Santa Gema, trazido da Itália em 1985. Consagrado em 1953, foi construído pelo arquiteto Manuel Ambrós Escanellas, que empregou o tijolo vermelho como material praticamente exclusivo da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs informações sobre o interior da igreja são escassas, mas é muito bonito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAGema Calgani (1878/1903) foi uma mística religiosa italiana pertencente a Congregação da Paixão, fundada em 1720 na Itália. Um a das primeiras mulheres estigmatizadas do séc. XX, faleceu com apenas 25 anos. Foi beatificada pelo Papa Pio XI em 1933 e canonizada sete anos depois, convertendo-se na primeira santa italiana do século XX. Finalizamos a matéria com as belas rosetas do Santuário de Santa Gema

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Belas Igrejas de Madrid

Hoje vocês conhecerão duas belas igrejas de Madrid. Se existe alguma semelhança entre ambas, é que sao desconhecidas mesmo para os madrilenhos. A Igreja de Nossa Senhora de los Angeles situa-se na comprida Calle  Bravo Murillo, em pleno Distrito de Chamberí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInaugurada em 1892, a Igreja de N.Sra de los Angeles foi projetada pelo arquiteto Enrique María Repullés y Vargas no estilo neogótico. O arquiteto inspirou-se no gótico francês para realizar este belo templo, que pode ser observado na verticalidade da fachada e no interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos vitrais que decoram o interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída com donativos dos próprios fiéis, e um dos grandes destaques que alberga é o restaurado órgão de 1761, declarado Bem de Interesse Cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo Bairro de Arguelles encontramos a Igreja de Santa Rita, construída nos anos 50 do século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertence à Ordem dos Agostinhos Recoletos, que encarregaram aos arquitetos Ramón R. de Dampierre e Antonio Vallejo a construção do templo. Em sua fachada, que combinam o tijolo vermelho e a pedra, foram representadas 16 cenas correspondentes à vida de Santa Rita.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior surpreendeu-me por seu formato circular, com seus muros todos decorados por pinturas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA maior parte dos fiéis deste templo pertencem a comunidade oriental da cidade, como podemos observar nos elementos decorativos da entrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARita de Cássia foi uma santa italiana pertencente à Ordem de Santo Agostinho, falecida em 1456. Segundo a tradição, foi concebida milagrosamente por seus pais estéreis em idade avançada. Se considera um modelo de mulher católica, pois passou por todos os estados possíveis: donzela, esposa, viúva e religiosa, demonstrando sempre uma inusual paciência e humildade. Uma vez livre de todo vínculo terrenal, depois do assassinato de seu marido, quis ingressar no Convento de Santa Maria Madalena de Cássia, mas sua petição foi negada três vezes. No entanto, uma noite lhe apareceram São João Batista, Santo Agostinho e Santo Nicolás, e foi introduzida no monastério. Santa Rita era devota da Paixão de Cristo, e meditando um dia sobre o crucifixo e a dor que Cristo sentiu depois que lhe colocaram a coroa de espinhos, lhe suplicou para que participasse também da pena. Cedendo a seu desejo, Jesus colocou em sua testa um espinho que provocou uma profunda e incurável ferida, isolando-se no convento até sua morte. Pouco antes de falecer, pediu a uma amiga que lhe trouxesse uma rosa, apesar dos dias frios de inverno. Sua amiga obedeceu e efetivamente encontrou a flor no local onde a santa havia dito que encontraria. Por este motivo, a Santa Rita se suplica as causas impossíveis. Na arte, normalmente é representada em êxtase, contemplando fixamente o crucifixo e o espinho cravado na testa.