Rio Manzanares – Madrid

As cidades cortadas por cursos fluviais sempre exerceram um certo fascínio para mim, pois acredito que propiciam uma paisagem urbana diferente das demais cidades, que não possuem o privilégio de ter um rio que atravesse seu perímetro. Madrid é uma destas cidades “abençoadas”pela natureza, e o Rio Manzanares é o grande protagonista desta dádiva natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de hoje iniciaremos uma matéria sobre o Manzanares, sua importância histórica e também sobre o curioso sistema de abastecimento de água de Madrid ao longo dos séculos. O Rio Manzanares está intrínsecamente relacionado com a história da cidade. Nasce da neve derretida no alto da Serra de Guadarrama, o maciço montanhoso que atravessa o norte da Comunidade de Madrid, a 2265m de altitude.

dsc04631Inicialmente um pequeno arroio, o Manzanares desce a serra por um território que foi declarado Reserva Natural, o Parque Nacional da Serra de Guadarrama.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local denominado “La Pedriza” é um dos mais belos recantos do parque. O pequeno rio é alimentado por outros arroios até chegar à cidade de Manzanares El Real, povoado que na Idade Média foi um senhorio feudal, e que inspirou o nome atual do rio. Abaixo, vemos o Castelo de Manzanares El Real, uma impressionante fortaleza gótica construída no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do limite urbano desta cidade, o Rio Manzanares desemboca na Represa de Santillana, que vemos abaixo, junto com uma parte da fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois, o Rio Manzanares aumenta o seu volume de água proveniente de outros cursos fluviais. Ao entrar em Madrid, o rio está canalizado e termina o seu percurso no sul da Comunidade de Madrid, “entregando” suas águas no Rio Jarama, um afluente do Rio Tajo, o mais extenso do país. Ao atravessar a fronteira portuguesa, o Rio Tajo muda de nome, e passa a ser chamado de Tejo, desembocando no Oceano Atlântico, em Lisboa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente o Rio Manzanares era conhecido pelo nome de Guadarrama, que no idioma árabe significa “Rio de Arreial”. O seu fundo arenoso e o baixo fluxo de água do rio (principalmente no verão) foram fatores que limitaram sua utilização para a navegação, exceção feita às pequenas embarcações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAProjetos para torná-lo navegável foram realizados, principalmente depois de 1580, quando Portugal foi incorporado à Monarquia Espanhola, durante o reinado de Felipe II. O faraônico projeto tinha como objetivo a construção de um canal que chegasse à Toledo e, depois pelo rio Tajo, até Lisboa. No entanto, problemas técnicos derivados do escasso nível de água e de seu elevadíssimo custo tornaram o projeto inviável, e não foi construído.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA escassa importância geográfica do Rio Manzanares, cujo percurso atravessa de forma exclusiva a Comunidade de Madrid, e seu pequeno fluxo de água, fez com que fosse ridicularizado por poetas e escritores espanhóis, principalmente os do denominado Siglo de Oro (Século de Ouro da Cultura Espanhola, referente aos séculos XVI e XVII). Um dos mais conhecidos literatos da época, Francisco de Quevedo, referiu-se ao Manzanares como “Aprendiz de Rio”. Pobre Manzanares…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, foi também inspiração para pintores, como Goya, por exemplo, que realizou vários quadros em que aparece retratado, principalmente associado às festas que se realizam em suas margens, como as Romerias dedicadas ao Santo Padroeiro de Madrid, San Isidro. Do ponto de vista arqueológico, o Rio Manzanares possui uma importância fundamental, pois em suas margens foram encontrados restos da presença do homem pré-histórico desde o Paleolítico. Nos depósitos do Museu das Origens de Madrid (normalmente uma parte dos museus não aberta à visitação pública) podemos admirar muitos dos achados arqueológicos descobertos na beira do rio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInúmeros restos encontrados permitem conhecer os animais que antigamente habitavam suas margens, como esta mandíbula de Mastodonte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ribeira do Rio Manzanares foi habitada, antes da presença romana na região, pelos povos denominados Carpetanos, e sao abundantes atualmente as zonas arqueológicas e cavernas onde se desenvolvem trabalhos de investigação. Estes povos foram conquistados pelos romanos, assimilando sua cultura. Hoje em dia, é uma maravilha passear pela beira do Rio Manzanares em seu trajeto por Madrid, pois foi transformada numa zona de ócio onde podemos contemplar os inúmeros monumentos, construções e pontes que o atravessam. Uma de suas construções mais emblemáticas é o Estádio Vicente Calderón, pertencente ao Atlético de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído entre 1961 e 1966, seu nome é uma homenagem a um antigo presidente do clube, mas é também conhecido como “Estádio del Manzanares“. O estádio foi vítima de uma “enfermidade” construtiva, denominada “Aluminosis“, ocasionada pela utilizaçao de materiais de baixa qualidade, apesar da avançada tecnologia assegurada pelo fabricante. Como consequência, foram realizadas várias e intermináveis reformas em sua estrutura. Na realidade, seus dias estão contados, e esta é a última temporada em que o Atlético de Madrid disputará seus jogos neste lendário estádio, pois a partir do próximo ano se procederá à inauguração de seu novo campo de futebol. Finalizamos este post, com uma foto do Vicente Calderón em construção…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

1 comentário Adicione o seu

  1. Já visitei várias vezes a cidade de Madri, com os seus parques e avenidas majestosas, nunca tive no entanto oportunidade de ver a cidade sob a sua prisma, gostei, valeu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s