Museu González Martí: Valencia

Visitar o belíssimo Palácio de Dos Águas em Valencia é uma oportunidade única de conhecer uma mansão aristocrática  do século XVIII. Além de suas salas e requinte decorativo, possui uma incrível coleção de cerâmicas de várias épocas, que formam o acervo do Museu González Martí, inaugurado no local em 1949. Manuel González Martí (1877/1972) foi um historiador, crítico de arte e político valenciano de grande prestígio. Com 18 anos de idade iniciou uma excepcional coleção de cerâmica, que doou ao estado em 1946.  Entre 1922 e 1936, ocupou o cargo de diretor da famosa Escola de Cerâmica de Manises, situada na cidade de mesmo nome, e que durante décadas foi uma das poucas escolas relacionadas à fabricação de cerâmica existente na Espanha. Foi também diretor do Museu de Bellas Artes de Valencia. Abaixo, vemos a escultura do fundador do museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO acervo de cerâmicas do Museu González Martí está composto por peças das várias culturas que passaram pelo país, como a grega, ibérica, romana, árabe, além da cerâmica produzida no próprio país durante a Idade Média Cristã.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVisitar as diversas salas que compoem o museu nos permite conhecer os diferentes tipos de cerâmicas e sua importância cultural ao longo do tempo. Durante a época muçulmana, por exemplo, a cerâmica foi aplicada como um elemento ornamental da arquitetura e constituiu um dos materiais principais na construção dos edifícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cerâmica cristã, elaborada entre os séculos XIII e XIV, foi uma herdeira direta do mundo muçulmano, e os principais centros na Espanha foram as cidades de Valencia e Granada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande qualidade artística, as cerâmicas mudéjares foram elaboradas em Valencia graças ao grande contingente de população mourisca existente na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos alguns exemplos de peças fabricadas no séculos XVI e XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVIII, existiam 3 polos produtores cujas influências foram fundamentais na cerâmica espanhola, Itália, França e China. Em 1927 se funda a Real Fábrica de Alcora, que se transforma no centro mais inovador da cerâmica espanhola, situado num povoado da Comunidade Valenciana. Abaixo, vemos algumas das salas do museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos admirar também cerâmicas modernistas, utilizadas principalmente como elemento decorativo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos espaços domésticos onde tradicionalmente a cerâmica foi empregada nos lares valencianos foi a cozinha. No Museu González Martí se reproduziu uma delas, com cerâmicas dos séculos XVIII e XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conta com uma grande coleção de porcelanas chinesas. A partir do século XV, devido ao comércio com o Extremo Oriente, este tipo de peça tornou-se habitual nas cidades européias, e eram muito estimadas. Vários foram os centros produtores que tentaram fabricá-las, mas o segredo de sua elaboração dificultava sua reprodução. O primeiro centro que foi capaz de reproduzi-las foi o de Meissen, Saxônia, em 1709.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com outras imagens do museu….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s