A Judería de Córdoba – Última Parte

No final do século XIV, uma onda de antisemitismo invadiu as juderías de boa parte da Espanha. Em 1391, a Judería de Córdoba foi praticamente destruída e numerosos judeus foram assassinados, acabando com séculos de tolerância entre as comunidades cristãs e judaicas. Em 1482, o Tribunal da Inquisição se instala na cidade, o segundo em ser criado no país, depois do de Sevilha. O primeiro auto de fé realizado ocorreu em 1483, momento em que os acusados de heresía eram julgados pelo tribunal eclesiástico. Em 1492, um  édito promulgado pelos Reis Católicos promoveu a expulsão dos judeus da Espanha. A única possibilidade que tinham para permanecer no país era se converterem ao catolicismo. Aqueles que adotaram esta medida ficaram conhecidos como cristãos novos ou judeus conversos. O Tribunal da Inquisição foi especialmente implacável contra aqueles que, apesar da conversão, seguiam praticando os antigos ritos judaicos na intimidade dos seus lares. A partir do século XVIII, o tribunal começou a proibir livros considerados heréticos, através de uma lista de obras cujos textos eram contrários aos dogmas católicos. Surgiu então o Índex de livros proibidos pela igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Judería de Córdoba situava-se no meio do caminho entre o hotel onde me hospedei e a parte mais monumental da cidade, formada pela Mesquita-Catedral e o Real Alcázar. Por este motivo, por ela passava diariamente, descobrindo seus encantos e lugares pintorescos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa judería encontra-se outros dos banhos de época árabe da cidade. Do século X, ficou conhecido depois da reconquista como Baños de Santa María (original em espanhol), por sua proximidade com a Mesquita-Catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, as antigas salas de banhos se converteram em locais onde se realizam espetáculos de flamenco, um símbolo de qualquer cidade andaluza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante minha estadia na cidade, aproveitei para saborear as delícias da gastronomia local, especialmente no Restaurante El Choto, localizado em plena Judería de Córdoba. Os menus diários custavam 15 euros, incluindo dois pratos a serem escolhidos, bebida, pão e sobremesa. O atendimento foi hiper atencioso e simpático, e de primeiro prato me aconselharam provar um prato típico da tradição sefardíe, berinjelas fritas com mel de cana de açúcar, uma verdadeira delícia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe segundo prato, uma Carrillada de Ternera…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE de sobremesa, laranjas feitas à moda cordobesa, com canela, azeite de oliva e açúcar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe todas as ruelas que conformam o bairro, a mais fotografada pelos turistas é a Calleja de las Flores, realmente muito bonita com uma bela vista da torre campanário da Mesquita-Catedral, que aparece sobre os telhados de suas casas brancas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada outro dos símbolos da cidade, a rua está repleta de lojas de souvenir, algo que de um certo modo desvirtuou o caráter original desta pequena e bela rua. A cidade conta com inúmeros palácios de tempos antigos, como a chamada Casa do Indiano. Do século XV, sua fachada é um exemplo da arquitetura civil mudéjar existente na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome do imóvel se deve a um antigo proprietário, que partiu para a América e fez fortuna. Quando regressou ficou conhecido como “O Indiano“. Uma de suas curiosidades é que a porta principal comunica com uma estreita rua, que também homenageia o proprietário, composta por algumas casas modernas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria sobre a Judería de Córdoba com outras imagens deste emblemático lugar da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA