Alarcón – Parte 2

Ao longo do século XVI, a cidade de Alarcón manteve a importância que teve em tempos passados, e uma prova disso é a quantidade de igrejas que chegou a ter, concretamente 5, um número elevado para seu tamanho reduzido. Atualmente se conservam 4, e pude visitar três delas. A mais antiga é a Igreja de la Santísima Trinidad, construída no século XIII, logo depois da conquista de Alarcón pelo Rei Alfonso VIII.

20181215_114425No começo do século XV, se realizou a bela fachada plateresca do templo, durante a época do senhorio do Marquês de Villena e do Bispo Diego Ramírez de Villaescusa, cujos escudos foram colocados na porta principal, em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre que vemos hoje em dia foi construída no século XVI, com um arco em sua parte inferior com o objetivo de não cortar a rua que passa por debaixo dele…

20181215_11441320181215_120242Inicialmente o templo possuía apenas uma nave, mas a igreja foi ampliada, apresentando um estilo de transição do românico ao gótico, que podemos observar nos arcos que formam o interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja foi utilizada como paróquia até 1995, e atualmente se encontra vazia. A mais importante de todas as igrejas de Alarcón é a Paróquia de Santa María, a única que permanece com cultos religiosos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste impressionante templo foi edificado no século XVI, estando considerado um dos mais importantes de toda a Província de Cuenca. Abaixo, vemos a portada sul da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior desta igreja é incrível, formado por 3 naves com bôvedas góticas….

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu notável retábulo maior de estilo renascentista foi realizado em 1572, estando dedicado à Virgem Maria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADo século XVIII é o coro barroco, muito bonito…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Paróquia de Santa María de Alarcón foi declarada Monumento Nacional por sua importância histórica e por seu conjunto artístico, de excepcional valor.

Alarcón – Castilla La Mancha

Antes de começar o post de hoje, gostaria de convidar a todos (as) que visitem e sigam minha nova página no Instagram, conta umbrasileironaespanha. Já publiquei várias fotos de minhas viagens pela Espanha, e muitas outras serão publicadas com o tempo…

No final do ano passado realizei outra excursão com meus professores de história, que continuamente organizam passeios históricos por lugares de grande interesse e beleza. Passamos o dia visitando dois pueblos da Província de Cuenca (Comunidade de Castilla La Mancha), San Clemente e Alarcón, que merecem ser conhecidos por seu rico patrimônio histórico. O primeiro a ser visitado foi Alarcón, catalogado como Conjunto Histórico-Artístico desde 1981, por sua importância e conservação, além de estar localizado num lugar privilegiado, num espécie de canyon formado pelo Rio Júcar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO território onde situa-se este pueblo de apenas 150 habitantes esteve habitado desde a pré-história, como demonstram os achados arqueológicos encontrados, como cerâmicas da cultura celtíbera. No entanto, a vila de Alarcón entra para a história durante a ocupação islâmica, no final do século VIII. Os árabes, a quem se deve o nome do povoado, que significa fortaleza, construíram um grande castelo que integrava o conjunto de fortificaçoes de Alarcón. Sua história está intimamente relacionada ao castelo e sua condição de recinto militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO sistema defensivo desta grande fortaleza está composto por uma muralha que protegia a localidade e o castelo propriamente dito, além de outras 5 torres isoladas estrategicamente colocadas, e uma ponte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1184, o Castelo de Alarcón foi conquistado pelas tropas do Rei Alfonso VIII, depois de 9 meses de assédio, ampliando a fortaleza e transformando-a num impressionante baluarte defensivo. O capitão do exército, Fernán  Martínez de Ceballos, como recompensa pela façanha, recebeu o privilégio de ostentar o nome da vila em seu sobrenome, passando a chamar-se Fernán Martínez de Alarcón, dando origem a esta nova linhagem senhorial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADois anos depois da conquista do castelo, os reis castelhanos outorgaram um foro próprio à vila de Alarcón. Sua importância se comprova pela grande quantidade de outras aldeias que estavam submetidas a ela, mais de 60. Em 1194, passa a ser propriedade da Ordem Militar de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo princípio do século XIV, o Infante Don Juan Manuel recebeu do monarca Fernando IV o Senhorio de Alarcón, com o castelo incluído. Neste local, escreveu algumas de suas principais obras literárias. Um pouco depois, o Rei Pedro I retomou a vila como patrimônio real. No século XV, Alarcón foi cedida ao Primeiro Marquês de Villena, Don Juan de Pacheco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm fato crucial negativo para a história da vila e seu castelo foi o apoio dado pelo Marquês de Villeña a Juana de Beltraneja, em contra de sua tia Isabel la Católica, durante a guerra pela sucessão do trono do Reino de Castilla. Com a chegada ao trono de Isabel, paulatinamente a vila entra em decadência, e o Castelo se deteriorou, passando por um longo período de abandono. Abaixo, vemos a Torre de Homenagem, na qual o senhor recebia a vassalagem de seus servos. Era independente do resto da fortificação, e possuía um aljibe (depósito de água), dispensas variadas e um salão de armas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1966, o Castelo de Alarcón foi reabilitado como Parador Nacional, fazendo parte desta rede hoteleira que utiliza construçoes históricas para seus empreendimentos. Este fato gerou um novo impulso ao povoado, e o turismo se converteu numa atividade que revitalizou sua economia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Último Passeio por Cáceres

Fora do recinto amuralhado de Cáceres, declarado Patrimônio da Humanidade, existem outros edifícios históricos de importância, todos eles situados próximos à Plaza Mayor. Nesta última matéria sobre esta bela cidade da Extremadura, veremos alguns deles. Bem perto do hotel onde me hospedei situa-se a Igreja de San Juan, cercada de restaurantes e bares que oferecem excelente comida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja é um exemplo da arquitetura gótica, e foi levantada no século XIII, com sucessivas reformas nos séculos XIV, XV e XVII, sendo finalmente concluída somente no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX foi restaurada, recuperando o estilo original. A Plaza de San Juan, onde se localiza a igreja, antigamente se denominava Plaza de San Juan de los Ovejeros, pois nela se assentavam os pastores e mercadores de gado para uma feira que comercializava animais. Abaixo, vemos o órgão da igreja e uma comovedora imagem da Virgem Maria

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente à porta principal, colocou-se uma estátua que representa um membro de uma confraria, simbolizando a importância da Semana Santa em Cáceres, quando muitas delas saem pelas ruas em procissão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio dos Ovandro-Saavedra é outra das inúmeras residências nobres existentes em Cáceres (lado direito da foto abaixo). Sua simples fachada esconde um belo saguão, decorado com azulejos nas paredes e com pinturas no teto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santiago impressiona por seu tamanho. Alguns estudiosos afirmam que foi construída no século XII, mas os restos mais antigos que se conservam pertencem ao século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, a igreja foi reformada por Rodrigo Gil de Hontañón, considerado um dos arquitetos renascentistas mais importantes do país. Sua obra simboliza a coexistência da etapa final do estilo gótico com o renascimento, contribuindo na Espanha para a superação do medievalismo. Abaixo, vemos a portada gótica do templo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma lástima que quando estive visitando a igreja, ela encontrava-se fechada, e não pude admirar seu rico interior. No final do dia caminhava invariavelmente pelo Paseo de Cánovas, um parque público inaugurado no final do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX, o parque ficou cercado por ambos lados pela Avenida España, uma das principais artérias viárias da parte nova da cidade. O nome do parque é uma homenagem a Antonio Cánovas del Castillo (1828/1897), um personagem fundamental da política espanhola na segunda metade do século XIX, assassinado por um anarquista dois anos depois da inauguração do parque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEspero que vocês tenham gostado desta série de posts sobre Cáceres, uma cidade rica em história e com um conjunto monumental reconhecido pela Unesco, e uma das mais importantes da Comunidade de Extremadura.

A Judería de Cáceres

Um dos lugares mais interessantes do Centro Histórico de Cáceres é o antigo bairro judeu, a Judería. Conhecido como Bairro de San Antonio, esta parte da cidade passa, muitas vezes, inadvertida por boa parte dos turistas que a visitam, em parte por estar situado na zona mais acidentada do ponto de vista topográfico de toda a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira sensação quando entramos no bairro é o contraste existente entre os edifícios de pedra do Centro Histórico com as casas populares de cor branca da Judería, decoradas com flores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADevido a falta de fontes escritas, se desconhece exatamente quando a comunidade judaica se assentou em Cáceres. Se sabe, no entanto, que já no período árabe os hebreus haviam se instalado na cidade, ocupando postos relevantes na sociedade da época. Dedicavam-se a todo o tipo de atividades comerciais e artesanais, principalmente compra e venda de terras, tecidos e metais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO bairro conserva boa parte da estrutura urbana do período em que os judeus o habitavam e integra a denominada Rede das Juderías da Espanha, formada por cidades que preservaram o antigo bairro judeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAté 1470, a Sinagoga da Judería Velha, como se conhece o bairro, esteve no mesmo local onde atualmente se ergue a Ermita de San Antonio. A partir deste momento, passou a ser propriedade de Alfonso Golfín, integrante de uma das famílias nobres mais importantes da aristocracia local, que decidiu derrubá-la para a construção da ermita, dedicada a Santo Antônio de Pádua, cuja titularidade posteriormente deu o nome ao bairro. Sua arquitetura e cor se integram perfeitamente a tipologia construtiva do bairro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABoa parte das ruas que compoem a Judería de Cáceres estao situadas junto à muralha da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1478, se ordena que a comunidade judaica deveria viver num outro bairro, situado fora das muralhas, numa zona que atualmente coincide com as ruas próximas à Plaza Mayor. Passou a ser conhecida como Judería Nova, que também teve sua Sinagoga, construída onde hoje em dia se encontra o Palácio de la Isla, edificado no século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo ao bairro judeu, encontramos outras construções que fazem parte do Patrimônio Histórico de Cáceres, como o Convento de Santa Clara, um edifício barroco construído no começo do século XVII. A simplicidade de sua fachada constitui a principal característica do convento, com a imagem de São Francisco na fachada principal. Ainda permanece ocupado por uma comunidade de freiras clarissas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Museu de Cáceres

Para se conhecer as etapas históricas de Cáceres, bem como poder contemplar inúmeras peças artísticas, recomendo visitar o Museu da cidade, situado na Plaza de San Mateo. O museu encontra-se sediado no Palácio de los Veleta, um dos inúmeros palácios existentes no Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo local onde atualmente se ergue o edifício, no século XIII se levantava o antigo Alcázar Árabe. Na segunda metade do século XV, o Rei Enrique IV concedeu a Diego Gómez de Torres a possibilidade de construir sobre a fortaleza um novo palácio, com a condição que não tivesse elementos defensivos. No entanto, o edifício que vemos atualmente se deve a Lorenzo de Ulloa y Torres. Na fachada, vemos os escudos de ambas as linhagens, dos Ulloa e da família Torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das grandes atrações do museu é que se conserva o antigo Aljibe Árabe, um local utilizado como depósito de água. Excavado em parte na rocha, o espaço ocupado pelo Aljibe está formado por 5 naves separadas por arcos de ferradura. Suas colunas conservam elementos de épocas romana, que foram reutilizados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu de Cáceres foi inaugurado em 1933, cuja origem se deve a sua importante coleção de peças arqueológicas, formada a partir do final do século XIX e que abrangem desde o Paleolítico até a Idade Média. Do período ibérico estão expostos vários Verracos, como se conhecem as esculturas zoomórficas feitas de granito, que representam touros, porcos ou javalis e utilizados como marcadores de territórios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutras peças de grande interesse histórico constituem as Estelas, monumentos funerários onde guerreiros são representados de maneira heróica. O Museu de Cáceres possui uma das maiores coleções deste tipo de obras da Idade de Bronze. Os guerreiros aparecem junto às suas armas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém relacionado à cultura ibérica, o denominado Tesouro de Aliseda foi descoberto em 1920, estando considerado uma importante façanha da Arqueologia Espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da seção de arqueologia, o Museu de Cáceres está composto pelo acervo de Etnografía e Belas Artes, esta com várias peças de interesse, tanto na pintura quanto na escultura. Abaixo, vemos um Cristo Crucificado de marfim, feito por um artista anônimo das Filipinas, no século XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste outro foi esculpido em madeira, no século XV, por um artista espanhol anônimo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a representação da Santíssima Trindade, uma escultura feita de alabastro do século XVI (anônimo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm relação à Pintura, vários quadros despertaram meu interesse, entre os quais um de El Greco (1541/1614), com a representação de Jesus Salvador.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, um belíssimo tríptico flamenco da Paixão de Cristo, anônimo do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALuca Giordano (1632/1705), um pintor italiano que realizou diversas obras em solo espanhol, realizou este quadro de Santo André

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPintura Contemporânea Espanhola também faz parte do acervo pictórico do museu. Um exemplo é o pintor Darío Villalba (1939/2018), que realizou esta obra intitulada “Noche 81” em 1981.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra obra interessante, o quadro feito de acrílico intitulado “Agressión” em 1976 foi realizado pelo artista valenciano Juan Genovés, nascido em 1930.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Plaza de San Mateo – Cáceres

Prosseguindo com as matérias sobre a belíssima cidade de Cáceres, o post de hoje está dedicado a outros de seus espaços icônicos, a Plaza de San Mateo. Nela podemos visitar uma das igrejas mais importantes da cidade, um palácio e o Museu de Cáceres. A praça está presidida pela Igreja de San Mateo, cuja construção finalizou-se em 1602 sobre uma antiga mesquita islâmica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da estrutura ter sido concluída no início do século XVII, sua torre campanário é do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do templo possui apenas uma nave, e seu retábulo maior constitui uma verdadeira obra prima. Foi realizado com madeira de pino sem policromar pelo artista Vicente Barbadillo no estilo rococó, em 1765.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo ocorre com outras igrejas da cidade, na Igreja de San Mateo também apreciamos túmulos pertencentes às famílias nobres de Cáceres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos belos vitrais da igreja, com a representação do Batismo de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo também acolhe um interessante conjunto de pinturas religiosas, como a que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1982, esta igreja foi declarada Monumento Histórico-Artístico. Ao seu lado situa-se outra das residências nobres de Cáceres, o chamado Palácio de las Cigueñas (cegonha, em português), assim denominado por esta espécie de ave que costuma construir seus ninhos no alto de sua esbelta torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste imponente palácio foi construído no final do século XV no estilo gótico pelo capitão Diego de Cáceres Ovando, com a permissão dos Reis Católicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio possui um pátio interior, como normalmente ocorre nas residências nobres antigas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, realizam-se exposições temporárias no interior do palácio. Tive a oportunidade de visitar uma delas, sobre a história militar do país e admirar alguns detalhes decorativos do seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao Palácio de las Cigueñas vemos o Convento de San Pablo, fundado em 1492. Sua fachada destaca-se pela austeridade, mas apresenta uma bonita espadaña, como se conhece na arquitetura uma estrutura levantada com a função de campanário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, o convento acolhe uma comunidade de freiras de clausura pertencente a Ordem de Santa Clara. No próximo post, veremos o Museu de Cáceres, também situado na Plaza de San Mateo

Igreja de San Francisco Javier – Cáceres

Bem próximo à Plaza de Santa María situa-se outra praça emblemática de Cáceres, a Plaza de San Jorge, dedicada ao santo padroeiro da cidade, representado numa escultura no centro da mesma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta bela praça está presidida pela Igreja de San Francisco Javier, um santo espanhol pertencente à Ordem dos Jesuítas, e conhecido como o Apóstolo das Índias, por sua atividade missioneira no continente asiático.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta igreja barroca do século XVIII fazia parte de um antigo colégio jesuíta, situado ao lado da igreja, e que atualmente é utilizado pelo governo da Comunidade de Extremadura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada da igreja está composta por duas torres quadradas e uma escultura de San Francisco Javier (1506/1552), junto com o escudo de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja segue o modelo dos templos jesuítas, com uma nave e capelas laterais que se comunicam entre si. O destaque fica por conta do Retábulo Maior, pintado na cor dourada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do retábulo vemos uma pintura realizada pelo artista italiano Paolo de Matteis que retrata o conhecido milagre do caranguejo, um dos mais representados na iconografia de San Francisco Javier. Em uma de suas travessias pelo mar, o santo tentou acalmar uma tempestade submergindo seu crucifixo na água, fato que ocasionou sua perda. Quando chegaram à costa e triste pela perda do crucifixo, um caranguejo saiu do mar e se parou aos pés do santo, elevando o crucifixo entre suas pinças…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo estive na cidade um pouco antes do Natal, pude admirar vários presépios pela cidade. No interior da Igreja de San Francisco Javier organizaram uma exposição com beléns (presépio, em espanhol) de diversas partes do mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa nave central da igreja foi montado um maravilhoso presépio feito com peças de Playmobil, que me impressionou pelo tamanho e riqueza de detalhes relacionados a várias civilizações da antiguidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA O acesso às torres estava permitido, e aproveitei para subir à parte mais elevada da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na praça vemos um belo espaço, o Jardim de Doña Cristina de Ulloa, inaugurado em 1963 em homenagem a esposa do então prefeito da cidade, falecida num acidente de carro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA