Reus Modernista

O principal motivo de minha viagem a Reus foi a possibilidade de conhecer seu excepcional patrimônio arquitetônico relacionado ao Estilo Modernista. Esta corrente artística, da qual sou grande admirador, esteve em voga na Europa a partir do final do século XIX até a década de 20 do século XX, aproximadamente. Nesta época, Reus era a segunda cidade em importância de toda a Catalunha, e o Modernismo foi utilizado de forma abundante para a construção de diversos edifícios espalhados pela cidade. A grande quantidade de edifícios modernistas reflete a pujança da classe burguesa de Reus, que passou a servir-se do estilo como símbolo de sua riqueza e poder. Um exemplo é a Casa Matorell, construída em 1915.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada uma das principais atrações da cidade, a denominada Rota Modernista de Reus está composta por 26 edifícios, que podem ser facilmente conhecidos através de planos indicativos que se pode obter nas Oficinas de Turismo da cidade, e integra a chamada Rota Européia do Modernismo. Muitos destes edifícios foram catalogados como Monumentos Históricos-Artísticos, comprovando a importância de seu conjunto modernista, um dos mais importantes de todo o continente. Nesta série de posts que começo a publicar hoje, vocês terão a oportunidade de conhecer a grande maioria destes belos edifícios. A Casa Bartolí, por exemplo, foi construída em 1903 pelo arquiteto José Lubietas, e situa-se numa das ruas comerciais mais importantes de Reus, a Carrer de Llovera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada do edifício foi construída somente com pedra esculpida e sua decoração baseia-se em elementos geométricos e vegetais. No andar térreo situa-se um estabelecimento comercial com o nome escrito e decorado com a estética modernista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs edifícios modernistas de Reus são facilmente identificáveis através de uma placa de bronze colocada na calçada, em frente ao edifício, com seu nome, ano de construção e o arquiteto responsável pela obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOtro arquiteto importante que deixou um belo legado modernista foi Joan Rubió i Bellver (1870/1952), nascido na cidade. Foi discípulo e colaborador de Gaudí, trabalhando na Sagrada Família, no Park Guell e na Casa Batlló, todos eles em Barcelona. Dele é a Casa Serra, construída entre 1924 e 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém neste caso, a fachada principal foi construída inteiramente em pedra, comprovando o interesse do arquiteto pelas construções tradicionais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Estilo Modernista não foi somente utilizado para os edifícios residenciais, como também para outros lugares públicos. Um exemplo é o Dispensário Antituberculoso, igualmente projetado por Joan Rubió i Bellver em 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local ficou isolado da rua mediante um pequeno jardim onde se abriu uma porta reutilizada, procedente de um antigo convento de freiras carmelitas. O centro foi construído para atender as pessoas afetadas pela tuberculose. como o próprio nome indica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos arquitetos fundamentais do Modernismo, Lluís Domènech i Montaner, deixou alguns dos edifícios mais belos da cidade (que em breve veremos no blog). Seu filho, Pere Domènech i Roura (1881/1962), estabeleceu uma ligação com Reus através do pai, realizando a Casa Marco em 1926.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste edifício apresenta uma singular fachada, localizada na esquina de duas ruas, com uma curiosa tribuna caracterizada pela combinaçao de formas geométricas, o cubo e o círculo. Seu projeto revolucionou a arquitetura da cidade, e anuncia a chegada do Estilo Art Decô.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA