Românico Espanhol – Pintura

Depois de várias matérias sobre a Escultura Românica, abordaremos a Pintura e sua relação com o estilo. Atualmente, quando entramos numa igreja românica, custa imaginar que na época em que foram construídas, elas estavam totalmente decoradas por pinturas murais em seu interior. Lamentavelmente, a erosão e o próprio desgaste natural das pinturas nos impedem poder apreciar como deviam ser originalmente. Por isso, são escassas as pinturas murais conservadas no interior dos templos românicos, apesar de que muitas delas podem ser admiradas nos museus espanhóis. Um modo de vivenciar algo parecido ao que as pessoas dos séculos XI e XII experimentavam ao entrar numa igreja da época é visitando as igrejas bizantinas atuais, uma das principais influências da Pintura Românica.

20160920_124826Catedral do Sangue Derramado  (São PetersburgoRússia).

Porque restam tão poucas pinturas murais do período românico ? Além dos motivos acima citados, muitas delas foram tapadas por retábulos de épocas posteriores, e algumas ocasionalmente reaparecem depois de obras de restauração no interior das igrejas. Em outros casos, as pinturas foram raspadas ou deterioradas pela umidade e por incêndios, ou mesmo substituídas por pinturas mais modernas, como vemos abaixo, na Igreja de San Miguel  de Daroca (Aragón), um templo românico que conserva pinturas do período subsequente, o gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInterior da Igreja de San Miguel de Daroca.

No final do século XIX e início do XX, o expólio (perda de um patrimônio artístico adquirido por particulares de outros lugares e paíseis) ocasionou um temor na Espanha em relação à sobrevivência das pinturas românicas, e muitas foram levadas a museus para sua conservação. Um exemplo típico ocorreu na Catalunha, quando muitas pinturas excepcionais, que decoravam as igrejas românicas dos vales situados nos Pirineus, começaram a ser compradas por magnatas americanos, e atualmente integram o acervo de museus nos EUA. Depois de um cuidadoso processo de retirada das pinturas de seu lugar de origem, atualmente fazem parte do Museu Nacional de Arte da Catalunha (MNAC), que acolhe um dos melhores conjuntos de pintura românica de todo o mundo. Outro exemplo encontramos no Museu do Prado de Madrid, que exibe pinturas românicas extraídas da Ermida de Vera Cruz, situada no povoado de Maderuelo (Província de Segóvia – Castilla y León). Abaixo, vemos o exterior deste singelo templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Antigamente, a cor era um bem escasso e caro, mas mesmo assim tanto na antiguidade (templos egípcios, gregos e romanos, por exemplo) quanto na Idade Média, as pinturas eram usadas como elementos decorativos, simbólicos, narrativos, etc. Normalmente, as igrejas românicas possuiam uma tonalidade branca no exterior, com exceção dos grupos escultóricos, que estavam policromados ns portas de acesso e nos elementos arquitetônicos como capitéis, tímpanos, etc. Seu interior eram decorados com pinturas murais representadas por motivos iconográficos religiosos, geométricos e inclusive de caráter profano. Um exemplo conservado parcialmente nos dias de hoje é a Ermida de San Baudélio, situada na cidade de Berlanga del Duero (Província de SóriaCastilla y León), construída antes do advento do Estilo Românico, mas decorada com pinturas pertencentes à época românica, e famosa por suas pinturas representativas de motivos profanos, como cenas de caça, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExterior da Ermida de San Baudélio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPintura Mural do interior da Ermida de San Baudélio.

Os Monastérios da Ordem Cisterciense constituem um caso à parte, em relação à decoração pictórica e também escultórica dos templos. A existência desta ordem religiosa originou-se como uma reforma dentro da Ordem Beneditina, uma reação contra os excessos decorativos e a riqueza que passou a ostentar muitas comunidades religiosas, principalmente a Abadia de Cluny, na França. Seu impulsor, São Bernardo de Claraval, um dos personagens mais influentes do século XII, proibiu expressamente a policromia dos muros e as esculturas narrativas, do Bestiário Medieval, etc. Segundo ele, os elementos decorativos distraíam a atenção dos monges, afastando a comunidade religiosa de sua atividade essencial, a oração e meditação. Também estava proibida a incorporação de vitrais coloridos, somente aqueles fabricados com materiais translúcidos, como o alabastro. Por este motivo, a austeridade e simplicidade decorativa constituem as características principais dos monastérios cistercienses.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInterior do Monast. Cisterciense de Santa María de Huertas –  Província de Sória.

A tradição da Pintura Mural, que se havia difundida na Espanha durante a época romana, acabou com a chegada dos Visigodos. Da mesma forma que ocorreu com a escultura, o Estilo Românico recuperou a pintura como expressão artística. Na Espanha, a Pintura Românica propagou-se inicialmente na Catalunha, influenciada por artistas italianos e a Arte Bizantina (pintura ítalo-bizantina). Depois, através do Caminho de Santiago e a influência da Abadia de Cluny (influência francesa). O auge da Pintura Românica na Espanha ocorre no século XII, na Catalunha e em outras zonas de Castilla y León. No início do século XIII, desenvolve-se um estilo autóctono, através da difusão dos livros iluminados (códices), denominado corrente hispano-românica. Os chamados Beatos, livros iluminados contendo os comentários sobre o Apocalipse descrito pelo Apóstolo João, tornaram-se muito populares na Idade Média, exercendo uma enorme influência na sociedade medieval. O mais famoso na Espanha é o Beato de Liébana, escrito originalmente no século VIII e copiado em muitos outros monastérios ao longo dos séculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABeato de LiébanaMonastério de El Escorial  (século Xedição facsímel).

No próximo post, veremos as características principais da Pintura Românica, suas influências e o modo de realização da Pintura Mural.

 

 

1 comentário Adicione o seu

  1. Pedro Pacheco disse:

    Tenho uma gravura de um portal, até agora ninguém conseguiu me dizer de onde é, alguns falaram em Valladoli, será que você poderia me ajudar ou saberia alguém que possa faze-lo, necessito deste auxilio para minha publicação acerca da familia Pacheco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s