As Gárgolas

Um dos elementos mais reconhecíveis da Arquitetura Gótica, as Gárgolas constituem uma poderosa imagem dos templos e catedrais construídos durante o período medieval.

DSC02665Catedral de Palma de Mallorca (Ilhas Baleares).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACatedral de Tarragona (Catalunha).

Estas esculturas tipicamente góticas já eram conhecidas na antiguidade, e foram utilizadas pelas civilizações orientais (egípcia), pela cultura grega e nos países que adotaram as religiões budista e muçulmana. Na Arquitetura Cristã, foram introduzidas no período gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMonastério de San Juan de los Reyes (Toledo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMonastério de San Juan de los Reyes (Toledo).

As Gárgolas representam figuras humanas ou seres imaginários, que frequentemente assumiam formas grotescas e monstruosas, além de animais reais, fantásticos e oriundos de fontes mitológicas. Entre os animais reais mais representados encontramos o Leão, o Cachorro e a Águia. Entre os animais que compunham o Bestiário Medieval, os Grifos, Harpias, Sereias e o Dragão. Estas representações foram muito influenciadas pelo Estilo Românico, e foram incorporadas na iconografia das figuras.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIgreja de Castro Urdiales (Cantábria).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIgreja de Castro Urdiales (Cantábria).

Sua finalidade principal era de utilidade prática, escoar a água das chuvas de forma que não se acumulasse nos telhados dos templos. Ao expulsar a água, também evitavam que entrasse em contato com a superfície dos edifícios e ocassionasse infiltração e a deterioração das pedras. Existem antecedentes deste tipo de canalização para a eliminação da água nos templos egípcios e na Arquitetura Clássica Greco-Romana, formado por cabeças de animais. Normalmente a água é expulsa pela boca das figuras representadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACatedral de Barcelona (Catalunha).

As Gárgolas também cumpriam uma função simbólica como protetora dos templos e para espantar os maus espíritos, além de causar medo aos pecadores. Existem teorias que afirmam que representavam as almas condenadas impedidas de entrar nas igrejas ou como imagens relacionadas ao demônio, obrigados a participarem no processo construtivo das igrejas e catedrais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACatedral de Barcelona (Catalunha).

Eu me lembro que durante minha infância assisti um desenho na TV com uma paricular atmosfera sombria, em que as Gárgolas adquiriam vida e voavam com o objetivo de assustar a população de uma cidade, retornando depois a sua forma pétrea. Não recordo o nome do desenho, mas sua lembrança permaneceu em minha memória…

OLYMPUS DIGITAL CAMERACatedral de Barcelona (Catalunha).

A época de maior esplendor das Gárgolas corresponde aos séculos XIII e XIV, em pleno período em que o Gótico se desenvolveu como estilo artístico. Além dos templos religiosos, foi utilizado na arquitetura civil, como vemos abaixo na conhecida Casa das Conchas, situada na cidade de Salamanca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACasa das Conchas (Salamanca).

Desempenhavam também um papel decorativo importante. Neste caso, as imagens com esta função estética se denominam Quimeras, como as situadas na parte superior da Catedral de Notre Dame de Paris. Durante o Renascimento, as Gárgolas perderam protagonismo, e o escoamento de água passou a ser realizado somente por canos feitos de pedra ou metal, sem representação iconográfica. Somente no século XIX, com o advento da Arquitetura Neogótica, as Gárgolas recuperaram vida…

OLYMPUS DIGITAL CAMERACatedral Neogótica de Bilbao (País Vasco).

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s