Coruña del Conde – Província de Burgos

Recentemente realizei uma excursão organizada pelos meus professores de história a uma região de grande potencial turístico, a Província de Burgos, uma das províncias que formam a Comunidade de Castilla y León. Visitamos a antiga cidade romana de Clunia e o belo povoado de Caleruega, que em breve vocês verão no blog. Nossa primeira parada, no entanto, foi o município de Coruña del Conde, cujas principais atividades econômicas são a agricultura (cereais e vinho) e a indústria madeireira. Este pueblo conta com apenas 120 habitantes, mas em seus limites acolhe uma das construções mais antigas da zona conhecida como Ribera del Rio Duero, a Ermita de Santo Cristo de San Sebastián (a palavra ermita, em português, pode ser traduzida como uma pequena capela).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO reduzido tamanho da construção é inversamente proporcional à sua importância histórica, representando uma combinação das diversas culturas presentes nesta zona entre os séculos IX e X. Parece que o edifício original foi destruído pelos árabes no século X, sendo reconstruído no estilo pré-românico com influências bizantinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa etapa pré-românica, o grande destaque fica por conta do ábside da ermita, cujo formato retangular constitui uma das principais características desta corrente arquitetônica. Foi construído provavelmente no ano 912, quando este território foi incorporado ao antigo Condado de Castilla. Seu muro foi decorado com os denominados Arcos Cegos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa parede superior do ábside vemos um relevo com uma curiosa figura humana, que por sua vestimenta poderia remontar à época visigoda

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns dos capitéis que rematam as colunas da ermita também pertencem ao período pré-românico, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ermita foi novamente reformada no final do século XI, quando se adotou o estilo românico, como podemos observar em sua porta principal, formada por 3 arcos semicirculares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais curioso desta reforma foi a incorporação de diversos blocos de pedra que foram trazidos da cidade romana de Clunia, situada próxima ao município de Coruña del Conde. Algumas destas pedras apresentam relevos esculpidos, como observamos nas colunas que sustentam a porta principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutras apresentam símbolos pagãos, como o chamado corno da abundância

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior deste insólito templo religioso está composto por apenas uma nave retangular, que não visitamos pois a ermita estava fechada à visitação pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde a ermita, tínhamos uma bela vista das ruínas do Castelo de Coruña del Conde, cuja origem se remonta ao século X, quando o Rei García de León decidiu repovoar estas terras. No início do século XXI, o castelo foi reforçado para que não desabasse. Como curiosidade, a prefeitura do município, proprietária da fortaleza, colocou a construção a venda ao preço de 1 euro (acreditem, se quiser…) a qualquer pessoa que se comprometa em sua restauração e posterior conservação, diante da impossibilidade de obter fundos públicos para a tarefa….alguém se habilita ?

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Modernismo em Tarragona

Tarragona é uma cidade que conta com belos edifícios pertencentes aos séculos XIX e XX. alguns dos quais veremos no post de hoje. Vários deles localizam-se na Rambla Nova, como este que vemos abaixo, de grande complexidade decorativa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo encontramos o Teatro Metropol, um dos espaços culturais mais importantes de Tarragona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo em muitas outras cidades importantes da Catalunha, o Estilo Modernista difundiu-se em Tarragona, com vários exemplos de construções, residenciais e pùblicas. A Casa Ximenis foi construída em 1914, e destaca-se por seus elementos decorativos como o esgrafiado e o trabalho de ferro forjado nos balcões da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da Casa Ximenis vemos outra residência decorada seguindo a estética modernista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1915, o Mercado Central de Tarragona foi projetado pelo arquiteto Josep Maria Pujol, com interessantes incorporações modernistas na fachada e nos detalhes de sua estrutura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça de Touros de Tarragona também segue o estilo modernista, projetada pelo arquiteto da cidade Ramón Salas Ricomá, estando considerada uma das primeiras amostras do Modernismo na província.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a aprovação de uma lei que proíbe a realização de touradas na Catalunha ( uma das poucas comunidades da Espanha onde este tipo de espetáculos não é mais permitido), a Praça de Touros de Tarragona foi reformada em 2010 e atualmente serve de espaço para outros tipos de atividades culturais, como concertos e eventos esportivos. A partir de então, passou a ser chamada de Tarraco Arena Plaza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tarragona Medieval

Com a queda do Império Romano, Tarragona e o território espanhol foram invadidos pelos visigodos. Parece que a conquista foi tranquila, pois não se encontraram sinais de destruição. Os visigodos aproveitaram a estrutura urbana existente. No ano 585, Hermenegildo, irmão do Rei Visigodo Leovigildo, foi assassinado na cidade. Neste período, Tarragona entrou em decadência, com perda paulatina de suas atividades econômicas e população. Entre 713 e 714, foi invadida por um exército muçulmano. A maioria dos estudiosos afirmam que  a cidade foi destruída depois de um assédio de um mês. O Bispo de Tarragona fugiu para a Itália e a cidade careceu de um líder para organizar sua resistência. A antiga Tarraco perde toda sua importância adquirida em época romana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo ano 1129, San Olegario, Bispo de Tarragona, cedeu a cidade ao mercenário Robert Bordet, que foi nomeado Príncipe de Tarragona mediante um ato de vassalagem. O cavalheiro aproveitou a antiga torre romana, conhecida como Torre do Pretório, para no local estabelecer seu castelo. Com a morte de San Olegario, uma série de conflitos jurídicos culminaram na extinção do principado, e Tarragona passou a depender do Condado de Barcelona em 1151. No século XII, a cidade converte-se num núcleo urbano consolidado e centro de um grande território. Seu crescimento realizou-se ocupando a área do antigo Fórum Romano, mantendo a estrutura herdada dos romanos. Em 1171 se inicia a construçao da Catedral de Tarragona, que foi consagrada somente em 1331. O templo foi iniciado dentro do estilo românico, mas finalizada já no estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Tarragona foi o tema de dois posts, publicados em 8 e 9/4/2013, motivo pelo qual não me estenderei muito sobre ela. Apenas comentar que se trata de um templo belíssimo, e que sua visita é muito recomendável. Abaixo, vemos uma foto geral de seu interior e outra do claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFora do recinto defensivo desta época, haviam outras zonas diferenciadas. Por exemplo, a área ocupada pelo antigo Circo Romano transformou-se num núcleo situado fora das muralhas denominada El Corral, acolhendo uma população dedicada ao comércio e pequenas atividades industriais. Outra parte importante, a chamada Vila Nova prolongava-se desde El Corral até o porto, estando dedicada aos cultivos. Abaixo, vemos uma interessantíssima maquete que foi colocada no interior da Torre do Pretório, que nos proporciona uma excelente idéia da Tarragona Medieval na primeira metade do século XV. Foi realizada com dois tipos de madeiras. Uma mais escura, que sinaliza os edifícios romanos que se crê foram reutilizados dentro da estrutura urbana medieval, e uma mais clara, que representa os edifícios construídos na Idade Média.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala onde foi situada a maquete constitui uma atração por si só. Foi construída no ano 1368, durante o reinado de Pedro III “El Ceremonioso”, e se considera um dos melhores exemplos da Arquitetura Gótica Civil de toda a Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na sala vemos um curioso sarcófago romano do século I, que foi reutilizado por um legionário romano numa época posterior e novamente usado como sepulcro por um nobre medieval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1348, a Peste Bubônica chegou à Tarragona, causando uma alta taxa de mortalidade. Depois, a cidade começou um processo de reforço de suas antigas muralhas, mediante a construção da chamada La Muralleta, na altura do Circo Romano. Dessa forma, a zona conhecida como El Corral foi incorporado ao núcleo urbano. No século XV, a situaçao política agravou-se, ocasionando uma guerra civil que levou à cidade a mais absoluta decadência. As defesas da cidade foram duramente afetadas, principalmente as relacionadas com La Muralleta. A população mais uma vez diminuiu de maneira drástica e o município declarou-se em quebra. Os efeitos desta guerra foram visíveis na cidade durante muito tempo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo período medieval se conservam muitos outros elementos de interesse, como os arcos góticos do século XIV, que faziam parte da estrutura de um mercado municipal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, vemos o Palácio Episcopal, também edificado no estilo gótico (século XIV).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO atual Centro Histórico de Tarragona pertence ao período medieval, e outro de seus atrativos é visitar o antigo bairro judeu ou Judería. Estava formada por ruas pequenas, com uma acesso independente ao resto da cidade. Sua proximidade com o castelo real indica que seus habitantes estiveram sob a jurisdição do próprio monarca. A seguir, vemos uma parte do bairro que se conserva atualmente…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa antiga Casa del Degá, um palácio renascentista e barroco, propriedade dos diáconos da Catedral, vemos inscrições romanas e lápides judaicas de época medieval. Atualmente este edifício, totalmente reconstruído, é a sede do Colégio de Engenheiros Industriais de Tarragona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Finalizamos a matéria com os restos arqueológicos de um importante edifício da Judería de Tarragona, dos séculos XIII e XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Tarragona – Catalunha

Depois de visitar Salou, fiquei na dúvida em qual cidade finalizar minha viagem pela Catalunha. Ao final, decidi por Tarragona, uma cidade que já conhecia, mas que sempre vale a pena retornar. Além de seu excepcional patrimônio histórico-artístico, tive sorte de encontrar a cidade em festa, com um ambiente alegre e com muitos lugares interessantes, motivo pelo qual é considerada um destino turístico imprescindível na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATarragona é uma das 4 capitais de província que compõem o território da Comunidade da Catalunha (as outras três são Barcelona, Girona e Lérida). Sua população alcança os 130 mil habitantes, estando entre as 10 maiores de toda comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATarragona está banhada pelo Mar Mediterrâneo, em plena zona conhecida como a Costa Dourada. Seu clima mediterrâneo propicia invernos suaves e verões quentes e secos, com uma média de temperatura anual de 18 graus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua origem se remonta à antiga Tarraco Romana, uma das principais cidades do período em que o atual território espanhol fazia parte do poderoso Império Romano, quando foi chamada de Hispania. Tarraco tornou-se a capital da denominada Província Romana da Hispania Citerior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade conserva um impressionante conjunto arqueológico deste período histórico, que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Publicarei diversos posts sobre ele, para que vocês tenham uma idéia da importância que a cidade teve nesta época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Centro Histórico de Tarragona situa-se na parte alta da cidade, e percorrê-lo nos possibilita conhecer muitos edifícios e locais de grande relevância e de distintas etapas históricas, como a Idade Média, por exemplo. Esta parte da cidade coincide com o antigo Fórum Romano, estando cercado por uma muralha construída há mais de 2 mil anos atrás.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos da esquerda para a direita, as bandeiras de Tarragona, da Espanha, da Catalunha e da União Européia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos lugares principais do centro histórico é a Plaza de la Font, que ocupa parte do antigo Circo Romano, estando presidida atualmente pelo Edifício do Ayuntamiento (Prefeitura, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Edifício do Ayuntamiento foi construído no século XIX sobre o terreno que antigamente ocupava um convento, e foi projetado no estilo eclético, próprio do final do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo esta pequena matéria introdutória sobre Tarragona com algumas imagens de seus parques situados às margens do Mediterrâneo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Último Passeio por Salou

Em minhas andanças por Salou tive a oportunidade de conhecer sua antiquíssima história, apesar dos edifícios modernos que se destacam em sua paisagem litorânea. A cidade foi fundada pelos gregos no século VI aC, sendo que a primeira fonte documental que a menciona foi realizada pelo escritor romano Avieno no século IV, a “Ora Marítima“, no qual descreve a geografia do litoral mediterrâneo de Hispania. No período romano ficou conhecida como Salauris, mas durante a invasão muçulmana padeceu de um progressivo despovoamento até ficar abandonada. Salou voltou a florecer depois de ser reconquistada a partir de 1211, quando passa a pertencer ao Arcebispo de Tarragona. Devido às excepcionais condições de seu porto marítimo, transformou-se num dos mais importantes do antigo Reino de Aragón, que esteve em funcionamento até o século XIX, quando entra numa etapa decadente. Em 1530, o arcebispo ordenou a construção de uma torre para proteger a costa de ataques piratas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente conhecida como Torre Vella, sua parte interior foi reformada com os anos, mas seu aspecto exterior se conserva como era originalmente, com o escudo de Pere de Cardona, arcebispo que patrocinou a construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, a torre acolhe um centro cultural e um edifício anexo construído no século XVIII, com uma ponte que une ambas construções, realizada ja no século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um grupo escultórico que decora o jardim da torre, intitulado “A Dança das Graças“, realizada por Artur Aldomà Puig

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX, Salou começou a destacar-se como um importante centro turístico, experimentando um grande crescimento a partir da década de 60. Dentro deste contexto, o papel do estilo modernista foi crucial no início do século XX, fomentando a construção de diversas mansões para a burguesia local, aqui conhecidas como Chalets (Xalets no idioma catalao). Muitos deles foram construídas em frente a praia principal de Salou, embelezando sua paisagem. A maior parte deles pertencia às famílias acomodadas de Reus, que passaram a frequentar a cidade em busca de belas praias e tranquilidade. Um dos primeiros foi o denominado Xalet Bonet, considerado uma verdadeira jóia da última fase do Modernismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA casa foi projetada por um discípulo de Gaudí, o arquiteto Domènech Sugranyes i Gras. Seu interior foi decorado com pinturas murais, mas o local não é visitável. Abaixo, vemos alguns detalhes da construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Xalet Vila Enriqueta é de 1923, e foi estreado durante o casamento da filha do proprietário. Durante a Guerra Civil Espanhola tornou-se a sede do bando republicano na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído em 1929, o Xalet Torremar foi projetado pelo arquiteto Josep Bofarull, e atualmente acolhe a Oficina de Turismo de Salou.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra bela construção, o Xalet Loperena foi construído em 1925, também obra do arquiteto Domènech Sugranyes. Destaca sua torre com função de mirante e a cerâmica vidriada como elemento decorativo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA Finalizo a matéria sobre Salou com o Xalet Miarnau Navas, também de estilo modernista

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Reus Modernista – Pere Caselles (Última Parte)

O extenso e variado legado do arquiteto modernista Pere Caselles i Tarrats em Reus incluiu não somente belos edifícios residenciais, como também muitas outras obras públicas. Neste último post sobre sua obra, veremos algumas delas. A Igreja de Sant Joan Baptista foi construída a partir de 1912 no estilo neogótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja permaneceu inacabada. Durante a Guerra Civil Espanhola, o templo foi queimado, motivo pelo qual teve que ser reconstruída nos anos 40 do século XX. Abaixo, vemos o projeto original do arquiteto para sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior, apesar das circunstâncias históricas, é muito interessante, como podemos observar nas fotos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conserva belos vitrais, como vemos no detalhe a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPere Caselles incorporou o estilo modernista na arquitetura industrial. Em 1906, executou o projeto de uma Estação Enológica, criada no ano anterior por decreto real. Inicialmente foi pensada como uma Escola Nacional de Agricultura, com o tempo passou a ser usada como um local para o desenvolvimento de técnicas para a obtenção do vinho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO andar térreo foi destinado a oficinas, enquanto no primeiro andar situava-se a residência do engenheiro responsável e no andar superior para os demais funcionários. Em sua fachada foi colocada uma torre com finalidade não somente estética, mas devido a necessidade de poder abrigar instrumentos de observaçao metereológica. Em sua parte decorativa, vemos capitéis decorados com frutas, uma referência ao uso agrícola do local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo a este edifício Pere Caselles projetou o Matadouro em 1889, também com elementos modernistas. Atualmente é a sede de uma Biblioteca Pública e da Universidade Obreira da Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande interesse, a Escola Prat de la Riba constitui um exemplo da modernização do ensino através do desenho arquitetônico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto desta instituiçao reflete o interesse pelas correntes higiênicas presentes na reforma educacional da época, com ambientes frescos propiciados pela constante renovação do ar, além de espaços bem iluminados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte exterior foi construída com materiais resistentes e de fácil manutenção, como a pedra e o tijolo. Nela aparecem como elementos decorativos o Escudo da Catalunha, na imagem acima, e o da Espanha, sustentados por dois leões, prova de que o edifício foi financiado pelo estado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARepresentações florais geometrizadas em pedra também integram sua decoração, como se fossem os capitéis dos pilares construtivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma série de painéis decorativos feitos de cerâmica completam o conjunto, com desenhos azuis sobre fundo branco que retratam episódios do Novo Testamento relacionados à infância. Foram realizados por Francesc Labarta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA escola continua exercendo seu papel educacional ainda hoje…

Reus Modernista – Pere Caselles (Parte 2)

Neste segundo post sobre a obra arquitetônica de Pere Caselles i Tarrats, veremos outros edifícios projetados por ele em Reus, que integram o invejável patrimônio modernista da cidade. De 1905, a Casa Anguera destaca por sua esbelta decoração floral, recentemente restaurada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste edifício constitui a única obra de Pere Caselles em que os elementos decorativos possuem um caráter basicamente escultural. Os esgrafiados também possuem motivos florais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1908, o arquiteto realizou a Casa Sagarra, com uma decoração que inclui esgrafiados, a presença de animais fantásticos, motivos vegetais e bustos femininos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1909, a Casa Tomàs Jordi destaca por seu belo trabalho de ferro forjado nos balcões. Os elementos decorativos foram realizados com pedra natural, incluindo rosas (que aparecem no escudo da cidade) e rostos femininos, tipicamente modernistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs três janelas de cada andar do edifício coincidem com as três portas do andar térreo, facilitando a entrada de luz natural. Abaixo, detalhes decorativos do edifício…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituada na importante Plaza del Mercadal, a Casa Piñol foi construída em 1910. O edifício foi propriedade do comerciante Tomás Piñol Gasull, sócio fundador da Sociedade Manicômio de Reus, promotora da construção do Instituto Pere Mata. Sua decoração se concentra nos balcões e no coroamento da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs elementos decorativos florais ganham em complexidade na medida em que o edifício aumenta sua altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém construída em 1910, a Casa Grau Pla recebeu uma grande influência do modernismo belga, graças a viagem que o proprietário Miguel Grau Cabré realizou a Bruxelas. Apresenta uma interessante decoração floral, além das linhas curvas do edifício em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro edifício realizado pelo arquiteto Pere Caselles que recorda o modernismo do centro da Europa, a Casa Ramon Vendrell foi concluída em 1912. O proprietário, Jaume Ramon, encarregou o arquiteto a reforma de duas casas vizinhas, transformando-a em uma só. Sua decoração concentra-se nos andares superiores, com rostos femininos e as formas habituais do estilo modernista de Viena nos cabelos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA