Menéndez Pelayo

Em todas as épocas e lugares existiram pessoas que contribuíram de forma significativa para o enriquecimento cultural da sociedade. Em muitos casos, a importância destas personalidades ultrapassaram seu local de origem, adquirindo um status nacional e mesmo universal. Este é o caso de Marcelino Menéndez Pelayo (Santander: 1856/1912), uma das figuras mais relevantes do âmbito intelectual, literário e político da história de Santander. Abaixo, vemos um busto deste grande homem no Palácio de la Magdalena, sede principal da universidade que leva seu nome.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMenéndez Pelayo foi escritor, crítico literário, historiador das idéias, da literatura espanhola e latino americana. Também foi político de grande relevância, cultivando a tradução, a poesia  e a filosofia. É considerado um dos mais importantes historiadores da Espanha, com um estilo incomparável e uma extraordinária capacidade crítica. Em Santander podemos conhecer a casa onde viveu junto com sua família, e nela também faleceu em 1912.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom apenas 22 anos obteve a cátedra de História Crítica de Literatura Espanhola na Universidade Central de Madrid, onde se licenciou e fez doutorado em filosofia e letras. Com 25 anos, foi eleito acadêmico da Real Academia Espanhola. Posteriormente também  recebeu esta distinção nas Reais Academias de História, de Ciências Morais e Políticas e de Belas Artes de San Fernando, sendo o único espanhol de sua época que logrou fazer parte das quatro instituições. A seguir, vemos no jardim de sua casa monumentos em sua homenagem, recebidos de vários países americanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir dos anos 90 do século XIX foi nomeado diretor da Biblioteca Nacional da Espanha, situada em Madrid, cargo que ocupou até sua morte. Seguiu a carreira política, e foi deputado e senador. Em 1905, este erudito de prestígio internacional foi nomeado ao Prêmio Nobel. Abaixo, vemos a estátua de Menéndez Pelayo realizada pelo escultor valenciano Mariano Benlliure e inaugurada em 1923, colocada em frente à Biblioteca Menéndez Pelayo de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta grande e impressionante biblioteca foi formada por Menéndez Pelayo ao longo de sua vida. Seu acervo está composto por mais de mil manuscritos e quase 42 mil livros, dos quais 22 do século XV, mais de 1000 dos século XVI e XVII, quase 3 mil do XVIII e cerca de 35 mil dos séculos XIX e princípio do XX. A seguir vemos uma foto da fachada principal da biblioteca, situada ao lado da casa onde viveu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo grande sábio que era, destacou-se por sua generosidade e sempre esteve disposto a comunicar seus enormes conhecimentos, além de abrir sua biblioteca a quem necessitasse. Em seu testamento, deixou sua biblioteca à Prefeitura de Santander, e hoje em dia é aberta ao público e investigadores para consultas. Fiz questão de conhecer seu interior, e abaixo publico uma foto…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos  uma imagem deste intelectual fundamental da história espanhola, que pude fotografar dentro da biblioteca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu sepulcro encontra-se no interior da Catedral de Santander….

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Palácio de la Magdalena

Na parte mais elevada da Península de la Magdalena situa-se certamente o edifício mais emblemático de Santander, o Palácio de la Magdalena. Esta construção foi realizada por iniciativa popular para ser a residência de verão do rei Alfonso XIII e sua família.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio foi construído no estilo eclético, combinando elementos das arquiteturas francesa e inglesa e também da arquitetura regionalista da Cantábria. Em sua parte exterior destacam as duas torres octogonais de alturas diferentes, além de sua complexa cobertura rematada com pedra de ardósia (pizarra, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras iniciaram em 1909 e três anos depois o palácio foi entregue à família real. Durante a estadia do monarca no mês de julho, Santander se convertia na capital política do reino, fato que ocorreu entre 1913 e 1930.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a proclamação da Segunda República em 1931, a família real partiu para o exílio e o palácio acabou exercendo outras funções, como sede da Universidade Internacional de Verao, criada em 1932. Em 1977, a Prefeitura de Santander tornou-se a proprietária de toda a Península de la Magdalena e abriu o palácio para a visitação pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1982, o Palácio de la Magdalena foi declarado Monumento Histórico-Artístico. Atualmente é utilizado como museu e local para a celebração de congressos, eventos, casamentos e também como sede principal da Universidade Internacional Menéndez Pelayo. Abaixo, vemos o busto do rei Alfonso XIII (1886/1941) colocado no interior do palácio, realizado pelo grande escultor valenciano Mariano Benlliure (1862/1947).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o busto de Victoria Eugenia (1887/1969), esposa do rei e rainha consorte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe realizam visitas guiadas pelo interior do palácio, que exibe salas em perfeito estado de conservação. Abaixo vemos o comedor de gala, utilizado pelos reis…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Hall principal do palácio, decorado com o quadro intitulado “Retrato de Infantes“, obra de Manuel Benedito (1875/1963), outro artista valenciano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos elementos mais frequentes na decoração do palácio é a flor de liz, símbolo da Dinastia dos Bourbones, que continua sendo a dinastia real na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos imagens de outras dependências do Palácio de la Magdalena

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADentro dos limites do palácio também se conserva o local onde se guardavam os cavalos, carruagens, etc (na Espanha denominada Caballerizas). Foi construída em 1915 no estilo inglês e atualmente é usada como residência para estudantes, professores e profissionais da imprensa durante os cursos realizados pela Universidade Internacional Menéndez Pelayo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Península de la Magdalena

Visitar a cidade de Santander e nao conhecer a Península de la Magdalena é como conhecer o Vaticano e não ver o Papa. De fato, é um dos locais prediletos dos santanderinos para suas horas de entretenimento, e também para os turistas que chegam à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, a Península de la Magdalena acolhe um belíssimo parque, e em sua parte mais elevada se localiza o Palácio de la Magdalena, que foi a residência de verão do Rei Alfonso XIII e sua família (tema do próximo post…). Além de visitar o palácio, existem muitas outras atividades interessantes para se realizar em seus 24 hectares, como o Parque Marinho, cujo acesso é gratuito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste curioso parque foi construído ao ar livre, aproveitando os alcantilados existentes na zona e a entrada de água diretamente do mar, que formaram piscinas naturais onde vivem pinguins, focas e leões marinhos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém realizada ao ar livre, a exposição “O Homem e o Mar” atrai a atenção pelas peças expostas, relacionadas com as nove expedições realizadas pelo navegante nascido na cidade Vital Alsar Ramírez, entre 1966 e 1992. Um exemplo constituem os três galeões que foram utilizadas em suas aventuras oceânicas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos contemplar a balsa usada pelo navegador durante a travessia pelo Pacífico, realizada em 1970. Depois de 161 dias e 8500 milhas náuticas, o navegante finalizou sua façanha nesta pequena balsa construída no Equador, com a finalidade de reviver as antigas travessias realizadas pelos povos pré colombianos da América do Sul.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA paisagem do entorno da península é realmente maravilhosa….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos a Ilha de Mouro e seu farol inaugurado em 1858, que sinaliza a entrada dos barcos na Baía de Santander. Em dias de fortes tempestades, a pequena ilha é batida por ondas de grande altura, que chegam a superar a altura do farol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda hoje podemos ver o campo destinado à prática do Polo, utilizado durante a estadia da família de Alfonso XIII, apesar que atualmente o local é utilizado para concertos, hipismo e inclusive foi sede de eliminatórias das partidas de tênis da Copa Davis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara aqueles (as) que preferem caminhar pouco, uma solução é pegar o trem turístico que percorre a península….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFormosas praias nos convidam a um bom mergulho nas águas frias do Mar Cantábrico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Paseo e Jardins de Pereda – Santander

Uma das zonas mais famosas de Santander, o Paseo e Jardins de Pereda é também uma das mais agradáveis para se caminhar, oferecendo belas vistas da baía situada bem em frente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAmbos, a avenida e o jardim que a embeleza, foram dedicados ao novelista cantábrico José María de Pereda (1833/1906), e constituem a zona mais emblemática e transitada da cidade. As primeiras construções do Paseo de Pereda foram levantadas em 1766, logo depois de Santander receber o título de cidade. Ainda hoje, podemos observar edifícios dos séculos XVIII, XIX e princípio do XX. A zona não foi afetada pelo grande incêndio que assolou o centro histórico,  motivo pelo qual representa uma das partes mais antigas de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Jardins de Pereda foram construídos sobre o antigo porto da cidade e inaugurados oficialmente em 1905, coincidindo com a Exposição de Artes e Indústrias realizadas neste ano. Da época em que a zona estava dedicada às atividades portuárias se conservou um guindaste (Grúa de Pedra), que tornou-se um símbolo da cidade. Utilizada desde 1900 para transportar mercadorias, era capaz de suportar 30 toneladas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias esculturas, fontes e monumentos tornam o espaço ainda mais bonito…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da escultura dedicada  a José María de Pereda, que esqueci de fotografar, outros monumentos homenageiam personalidades de renome nascidos na cidade, como a escritora Concha Espina (1877/1955), cuja importância literária foi reconhecida com um monumento realizado pelo escultor Victorio Macho em 1927, e inaugurado pelo rei de Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das esculturas mais famosas representam os Raqueros, personagens conhecidos na cidade que mergulhavam na baía para recolher as moedas que eram lançadas, e que foram descritos por José María de Pereda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARecentemente o jardim foi revitalizado e ampliado com a construção do Centro Botín, inaugurado este ano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste espaço cultural foi promovido pela Fundação Botín, uma das instituições culturais mais ativas da cidade. O projeto se deve ao arquiteto italiano Renzo Piano, cujo trabalho inovador foi reconhecido com o Prêmio Pritzker.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO centro está composto por dois edifícios apoiados por colunas, e permanecem suspensos parcialmente sobre o mar. Um dos edifícios está dedicado à Arte, com uma grande sala de exposições. O outro têm como finalidade as atividades educativas. O seu custo total foi de 77 milhões de euros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior do centro existe um mirante que proporciona uma bela panorâmica da zona. Observem o revestimento da construção, feito de porcelana branca…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra construção cultural destacável é o Palácio de Festivais da Cantábria, cujo projeto foi executado pelo renomado arquiteto Saénz de Oiza. Possui a maior sala de espetáculos do país, com capacidade para 2 mil espectadores, sendo que o interior é iluminado com luz natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Paseo e os Jardins de Pereda foram declarados Conjunto Histórico-Artístico em 1985, e representam um dos principais pontos de ócio para a população de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outras imagens desta famosa zona da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Banco Santander

Para muitos dos brasileiros, inclusive eu, a primeira menção da cidade de Santander se associa com a multinacional financeira espanhola, o Banco Santander, que possui importantes negócios no Brasil. Sua sede social, situada no Paseo de Pereda, na zona mais famosa da cidade, constitui um dos edifícios mais emblemáticos da capital da Cantábria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Banco Santander nasceu  da união de comerciantes que exportavam trigo e cereais  através do porto da cidade, além de importações com o continente americano. A data de sua fundação remonta ao ano 1857, quando a rainha Isabel II assinou o decreto que autorizava sua criação. Desde suas origens, foi uma instituição aberta ao exterior. O edifício onde se encontra sua sede social foi projetado pelo arquiteto Javier González Riancho, sobre uma construçao pré-existente, sendo reformado e ampliado ao longo dos anos para ser a sede do banco. Um dos problemas da reforma é que devia respeitar a rua que o atravessa, motivo pelo qual se adotou a solução de um grande arco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior do edifício, foram colocadas 4 esculturas, que representam as Artes, Ciências, Cultura, Comércio e Navegação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de 1900 a instituição iniciou um ambicioso processo de expansão, incorporando entre o início do século e os anos 20 outras entidades bancárias. Em 1942 se instala em Madrid, centro financeiro do país e cinco anos depois inaugura sua primeira oficina representativa na América, na cidade de Havana, Cuba. Em 1950, se expande por toda a Espanha. Em 1957, se converteu no sétimo banco espanhol e  no final do século XX passou a ocupar a primeira posição do mercado financeiro do país. Em 1995, amplia seus negócios em vários países sul-americanos, como Argentina, México, Colômbia e Brasil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 2016, o Banco Santander contava com mais de 12 mil agências espalhadas pelo mundo, e quase 200 mil empregado, além de 125 milhões de clientes. Atualmente é o vigésimo banco do mundo em volume de ativos. A sede operariva da empresa se encontra na Cidade Financeira do Santander, situada na Província de Madrid, na qual trabalham cerca de 6 mil funcionários. Abaixo, vemos uma foto tirada do interior do grande arco…

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem atrás do Edifício Santander vemos uma belíssima construção, também propriedade de uma entidade financeira. O edifício do Banco Mercantil foi construído em 1899 no estilo eclético, obra de Casimiro Pérez de la Riva, num momento de grande prosperidade econômica para a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício surpreende por sua enorme riqueza decorativa, sendo considerado um dos mais bonitos do centro histórico de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente o edifício pertence ao Banesto, outra entidade financeira. No próximo post, vocês terão a oportunidade de conhecer o Paseo e os Jardins de Pereda, a avenida mais famosa da cidade.

Mercados de Santander

Um dos referentes comerciais, culturais e gastronômicos de Santander constituem seus  tradicionais mercados, alguns dos quais de grande importância não só na cidade, como também na Espanha. Dois dos mais conhecidos situam-se no centro, como o Mercado de la Esperanza, localizado atrás da Casa Consistorial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi projetado pelos arquitetos Eduardo Reynals e Juan Moya em 1897, mas inaugurado somente em 1904. Está considerado como um dos melhores exemplos da denominado Arquitetura de Ferro existentes no país, que se desenvolveu no final do século XIX e que repercutiu principalmente nas estações ferroviárias e também nos mercados municipais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste mercado continua exercendo suas atividades como tal (muitos outros mercados antigos se converteram em centros gastronômicos ) principalmente em relação à venda de pescados e mariscos. O Mercado de la Esperanza foi declarado Monumento Histórico-Artístico em 1977 por sua importância histórica e arquitetônica. Abaixo vemos o Escudo de Santander na parte superior do mercado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Mercado del Este é outro dos mercados famosos da cidade. Foi construído por Antonio Zabaleta em 1840, e hoje é considerado como uma das primeiras galerias construídas na Espanha para uso exclusivamente comercial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Sua estrutura foi concebida segundo os critérios de ventilação e iluminação, bastante avançados para a época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma pena que o mercado foi reformado no ano 2000, uma intervenção que causou polêmica, pois conservou poucos elementos originais. Atualmente, o Mercado del Este é um centro comercial, com sala de exposições, lojas que vendem quadros e inclusive uma Oficina de Turismo. Alberga também o Museu de Pré-História e Arqueologia da Cantábria. Na fachada vemos um painel publicitário antigo que foi preservado, convidando os habitantes da cidade a realizarem excursões de navio ao continente americano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo principal restaurante do mercado também podemos observar fotos e quadros curiosos relacionados à vida marítima e a atividade comercial ligada ao Porto de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATive a oportunidade de comer duas vezes no restaurante, com uma excelente relação preço-qualidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMais afastado do centro e próximo à Praça de Touros de Santander se encontra o Mercado de México, que possui este nome devido à proximidade com a Praça do México. O mercado foi inaugurado em 1985, no mesmo local onde antes se erguia o matadouro da cidade, e continua exercendo sua atividade principal como local de abastecimento de alimentos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minhas caminhadas pela cidade constantemente realizava o trajeto do Caminho do Norte, do qual a cidade faz parte…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Santander

Minhas andanças por Santander começaram no centro histórico, precisamente na zona mais comercial e considerada o centro geográfico da cidade, a Plaza del Ayuntamiento, onde se localiza a sede da prefeitura ou Casa Consistorial, situada num edifício de estilo eclético de 1907, construído sobre o antigo Convento de San Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo vemos a Escola de Artes e Ofícios, instituição fundada em 1877.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo princípio do século XX desenvolveu-se na arquitetura da cidade o denominado estilo regionalista. Um dos maiores expoentes desta nova arquitetura foi o Edifício dos Correios, inaugurado em 1926 e projetado pelos arquitetos Secundino Zuazo, que realizou várias obras de importância em Madrid, e Eugenio Fernández Quintanilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício está situado ao lado da Catedral de Santander, e impressiona por sua beleza e composição, com duas torres poligonais nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1941, um incêndio arrasou o centro histórico da cidade, cujas ruas estreitas e grande parte das construções feitas com madeira colaboraram para a propagação do fogo. Por incrível que pareça, houve apenas uma vítima fatal, mas milhares de pessoas perderam suas residências. O Edifício dos Correios foi um dos poucos que se salvaram, apesar de se encontrar na zona afetada pelas chamas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao edifício, foi colocada uma estátua em homenagem ao Rei Alfonso XIII, que converteu a cidade em sua localidade preferida para as férias de verão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do edifício, vemos um monumento comemorativo da reconstrução da cidade, realizado pelo escultor de Santander José Cobo Calderón. Simboliza a presença do fogo, do vento e seus habitantes, além do ressurgimento de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMais distante do centro está situada a Praça de Touros de Santander, inaugurada em 1890 e projetada pelo arquiteto Alfredo de la Escalera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça de Touros possui uma capacidade para 10 mil espectadores e acolhe também o Museu Taurino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPequenas iniciativas culturais sempre fazem a diferença, e foi isso que percebi ao percorrer um dos túneis da cidade, decorado com pinturas realizadas por alunos das escolas de Santander, homenageando o escritor Miguel de Cervantes e sua universal novela “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA