Castelos e Fortalezas da Espanha – Parte 5

Os quase oito séculos do que se denomina “Reconquista Espanhola“, que compreende os anos de 711 (invasão árabe da Península Ibérica) e o ano de 1492 (conquista da cidade de Granada, último reduto da presença muçulmana), mantiveram o território espanhol num constante estado de guerra, favorecendo o permanente processo construtivo de castelos pelo país. Abaixo, vemos as muralhas da fortaleza de Trujillo (Província de Cáceres, Comunidade da Extremadura).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO período de maior construção de Castelos e Fortalezas na Espanha ocorreu entre os séculos XI e XIII, na fronteira entre os reinos cristãos do norte e as terras ocupadas pelos muçulmanos. A seguir, o Castelo de Morella, situado nesta belíssima cidade da Província de Castellón, Comunidade Valenciana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs conflitos internos entre a nobreza e a monarquia, que em muitas ocasiões deflagraram em verdadeiras guerras civis, também possibilitaram a construção de uma enorme quantidade de castelos na Espanha. Abaixo, vemos novamente o Castelo de Morella, em que apareço numa das portas da muralha da cidade, que começa no castelo, e seus elementos defensivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitas castelos foram edificados para contrarrestar uma grande variedade de necessidades, como proteger os territórios recém conquistados, defender zonas de cultivo e abastecimento de água, além de vias importantes de comunicação e a defesa de povoados e cidades. Abaixo, o Castelo de Ciudad Rodrigo (Província de Salamanca, Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEspanha possui ao redor de 2500 fortificações que seguem as características de um castelo, sem contar outras construções defensivas, como os fortes, por exemplo. A maior concentração de castelos situa-se na Província de Jaén, uma das que integram a Comunidade da Andalucía, considerada uma das regiões da Europa com a maior quantidade de castelos e fortalezas por quilômetro quadrado. Abaixo, o Castelo de Santa Catalina, situado na cidade de Jaén.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro núcleo de grande concentração de castelos corresponde às atuais comunidades de Castilla y León e Castilla La Mancha, como podemos imaginar pelo nome. Infelizmente, muitos dos Castelos da Espanha permanecem em estado de ruína, como podemos observar nos exemplos a seguir, ambos situados na Comunidade de Madrid. Abaixo, o Castelo de Buitrago de Lozoya..

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Torrejón de Velasco e sua Torre de Homenaje

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPara nossa alegria, muitos outros ainda se erguem imponentes e robustos, como o Castelo de Peñafiel (Província de Valladolid, Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu o Castelo de Arévalo (Província de Ávila, Comunidade de Castilla y León)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir da próximo post, vocês terão a oportunidade de conhecer muitos outros Castelos e Fortalezas da Espanha, não percam !!!!

Anúncios

Castelos e Fortalezas da Espanha – Parte 4

Neste post veremos outros elementos característicos dos Castelos e Fortalezas da Espanha, que integravam o sistema defensivo das fortificaçoes. A entrada era frequentemente sua parte mais débil. Para superar este problema foram colocadas torres a cado lado da porta, de forma que pudesse ser defendida com mais eficiência. Abaixo, vemos vários exemplos de portas fortificadas, como no Castelo de Manzanares, situado na Comunidade de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Castelo de Chinchilla de Montearagón (Província de Albacete, Comunidade de Castilla La Mancha)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Castelo de la Mota, situado na cidade de Medina del Campo (Província de Valladolid, Comunidade de Castilla y León)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitas vezes se construía uma fortaleza sobre um monte artificial plano denominado “Mota“. A escavação da terra para realizar o monte deixava uma vala ou fosso ao redor, que poderia ser preenchido com água. Abaixo, vemos novamente o Castelo de la Mota

OLYMPUS DIGITAL CAMERANormalmente os fossos rodeiam o perímetro da muralha defensiva exterior das fortalezas, dificultando a aproximação do inimigo. Para poder atravessar o fosso, foram construídas pontes levadiças, como vemos no Castelo de Chinchón, situado na Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o fosso do Palácio de la Aljafería de Zaragoza (Comunidade de Aragón).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Castelo de Chinchilla de Montearagón também se construiu um fosso defensivo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Castelo da Alameda de Osuna de Madrid um fosso rodeia boa parte seu perímetro, como vemos na foto a seguir…

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o desenvolvimento da arquitetura militar, foram incorporadas aberturas nos muros das fortalezas para que os guardas pudessem disparar peças de artilharia ou armas leves, caso das troneras, como vemos no Castelo de Coca (Província de Segovia, Comunidade de Castilla y León). Neste caso, a tronera possui uma forma de cruz, situada em cima da abertura circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm formato de tronera mais simples inclui apenas uma abertura vertical como as existentes no Castelo de Peñaranda del Duero (Província de Burgos, Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento característico das fortificações medievais eram os denominados Mata-cães (Matacán, em espanhol). Situavam-se na parte mais elevada das muralhas e ao redor das torres que constituíam o sistema defensivo. Através deles, se podía observar os inimigos situados na base da muralha para agredi-los com pedras, água quente, flechas, etc. Foram introduzidos na Europa através das Cruzadas, sendo utilizados na Síria já no século VIII. Inicialmente estavam construídos com madeira, e posteriormente passaram a ser construídos com pedras, tornando a estrutura mais duradoura e difícil de destruir. Abaixo, vemos um Matacán na Muralha de Ávila

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE no Castelo de Trujillo (Província de Cáceres, Comunidade de Extremadura), com uma imagem da Virgen de la Victoria, santa padroeira da localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm elemento imprescindível das fortalezas constituíam os chamados Pátios de Armas. Ao passar pela porta principal do castelo, nos encontramos nesta espécie de praça, que representava o espaço central onde se distribuíam as diversas dependências da fortaleza. Em muitos casos, possuíam um formato de claustro monástico. Abaixo, o Pátio de Armas do Castelo de Arenas de San Pedro (Província de Ávila, Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Pátio de Armas do Alcázar de Segovia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente , em muitos pátios se realizam eventos culturais e exposições diversas, como vemos no Castelo de Arévalo, situado na Província de Ávila, Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Pátio de Armas do Alcázar de Toledo, uma belíssima escada conduz às dependências superiores da fortaleza…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelos e Fortalezas da Espanha – Parte 3

Neste post e no seguinte veremos alguns dos principais elementos que caracterizam os Castelos e Fortalezas da Espanha. Um dos principais é a Torre, uma estrutura intimamente ligada às fortificações. Até o final do século XII, os castelos possuíam poucas torres. A partir deste momento, sua estrutura se torna mais complexa com a incorporação de várias delas, incrementando seu poder defensivo. Na Espanha é comum a presença de torres isoladas na paisagem e também em várias cidades do país. Abaixo, vemos a Torre de Valdenoceda, situada numa área rural da Província de Burgos (Castilla y León), numa belíssima região denominada “Las Merindades“. Foi construída no final do século XIII com uma planta retangular com cerca de 20m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, a Torre de Pinto, um município situado próximo a Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande importância na estrutura dos castelos, a denominada Torre del Homenaje (Torre de Menagem, em português) ergue-se de forma robusta e imponente na maioria das fortalezas. É considerada a torre principal, albergando as dependências mais importantes, já que frequentemente constitui a residência do proprietário. Geralmente é a torre mais alta do conjunto, podendo chegar a ter 40m de altura. Por este motivo, é a torre mais protegida e o último reduto de defesa da fortificação. Na sequência vemos algumas delas, como a Torre del Homenaje do Castelo de la Mota, em Medina del Campo (Província de Valladolid, Comunidade de Castilla y León)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo excepcional Alcázar de Segóvia (Comunidade de Castilla y león), a Torre del Homenaje destaca-se na silueta de seu maravilhoso castelo de contos de fada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma característica peculiar dos castelos muçulmanos na Península Ibérica foi a incorporação de torres isoladas chamadas Torres Albarranas, que formam parte do recinto defensivo da muralha a que está comunicada por um arco ou ponte. Um exemplo é  Torre de Espantaperros da Alcazaba de Badajoz (Comunidade de Extremadura), uma fortaleza de origem muçulmana do século XII. Possui um curioso formato octogonal.

20160516_183237OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento característico dos castelos e fortalezas são as muralhas ou cercas que rodeiam a fortificação. Elemento defensivo por natureza, constituem-se por torres ou cubos situados ao longo de seu perímetro, que permitiam diversificar os ângulos de tiros para sua defesa. Um exemplo é a muralha da fortaleza de Trujillo (Província de Cáceres, Comunidade de Extremadura)…

20181209_123522Ou a muralha do Castelo de Oropesa (Província de Toledo, Comunidade de Castilla La Mancha)

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm elemento típico da arquitetura militar medieval, as Almenas são pequenas estruturas salientes e verticais de formato retangular, dispostos a intervalos regulares da muralha ou mesmo da estrutura do castelo, para que os defensores pudessem resguardar-se e possibilitar um contra-ataque defensivo. Abaixo, vemos as Almenas do Castelo de Cuéllar, um palácio fortificado construído no século XV  e situado na Província de Segóvia (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos as almenas situadas na parte superior da torre do Castelo de Medina de Pomar, localizado na Província de Burgos (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara que o corpo de guardas da fortificação pudesse deslocar-se ao longo da muralha protetora, em sua parte superior situava-se um caminho de ronda estreito chamado Adarve. Abaixo, vemos o Adarve da muralha pertencente ao Real Alcázar de Córdoba (Comunidade de Andalucía).

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém apreciamos um Adarve na Alcazaba de Antequera, situada na Província de Málaga (Comunidade de Andalucía).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA evolução na complexidade das fortalezas e castelos medievais se deve, em boa parte, ao advento das Cruzadas. Muitas delas foram construídas por Ordens Militares, algumas delas fundadas para proteger os lugares santos de Jerusalém, como a Ordem dos Templários, por exemplo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das fortalezas templárias mais famosas da Espanha é o Castelo de Ponferrada (Província de León, Comunidade de Castilla y León), situado em pleno Caminho de Santiago. O castelo pertenceu à Ordem Templária até sua dissolução no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelos e Fortalezas da Espanha – Parte 2

Os primeiros castelos da Europa datam do século IX, e sua origem se remonta à arquitetura militar da Grécia e de Roma. A partir do ano 1000, as referências de castelos no continente aumenta consideravelmente. Para dar um exemplo, no ano 950, na região de Provença (França), haviam 12 castelos. Em 1030, já existiam mais de 100. No mesmo período na Espanha muitos castelos foram construídos, principalmente nas áreas limítrofes entre as terras ocupadas pelos reinos cristianos e muçulmanos. Normalmente situados nos locais mais elevados de uma zona, inicialmente os castelos exploravam as próprias defesas naturais para sua construção. Abaixo, vemos o Castelo de Frías (Província de Burgos, Comunidade de Castilla y León), que foi edificado num penhasco conhecido como “La Muela“, de grande valor estratégico na luta contra os muçulmanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Almansa (Província de Albacete, Comunidade de Castilla La Mancha) foi erguido no alto de uma formação rochosa conhecida como “Cerro del Águila“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA presença generalizada de castelos na Europa a partir dos séculos XI e XII reflete a presença constante de guerras, geralmente entre senhores locais. Os castelos feudais proliferaram durante a Idade Média, cumprindo não somente funções militares, como também transformando-se em residências nobres e inclusive propriedades reais, convertendo-se em verdadeiros palácios fortificados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o Castelo de Arévalos (Província de Ávila, Comunidade de Castilla Y León), construído no século XV pelo Duque de Béjar, Don Álvaro de Zuñiga. Posteriormente passou a ser propriedade dos Reis Católicos, e a própria Rainha Isabel La Católica nele viveu durante sua infância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA presença do senhor no castelo convertia a fortaleza num centro administrativo onde podia gerenciar suas terras. Como um local de grande importância social, nele os senhores feudais demonstravam seu poder.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInvariavelmente os castelos eram construídos em pontos elevados, para facilitar sua defesa, e próximos aos cursos de água para seu abastecimento. Abaixo,vemos o Pátio de Armas do Castelo de Frías, no qual ainda podemos apreciar a existência de dois Aljibes, uma palavra de origem árabe, que denominam os poços que aproveitavam a própria água da chuva para seu armazenamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos uma fortaleza de origem árabe, a Alcazaba de Alicante (Comunidade Valenciana), situada na parte mais alta da cidade, e um poço ou cisterna para o abastecimento de água…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA forma e o “design” dos castelos europeus variam dependendo da região considerada. No início do século XI, o recinto fortificado composto por uma torre constituía o formato típico das fortalezas. Enquanto na Itália, França e Grã-Bretanha se utilizava frequentemente a madeira como material construtivo, na Espanha se utilizava tijolos feitos de barro ou pedras, devido à escassez de madeira. A partir do século XI, a pedra tornou-se o principal material usado na construção dos castelos no país. Abaixo, o Castelo de Berlanga del Duero, localizado na Província de Soria, Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO impressionante Castelo de Peñafiel (Província de Valladolid, Comunidade de Castilla y León), uma das maiores fortificações medievais da Espanha

OLYMPUS DIGITAL CAMERA O Castelo de Molina de Aragón, situado na Província de Guadalajara, Comunidade de Castilla La Mancha….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Chinchilla de Montearagón (Província de Albacete, Comunidade de Castilla La Mancha), de origem muito antiga, já que foram descobertos restos romanos, visigodos e da ocupação árabe…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelos e Fortalezas da Espanha

Poucas construções da Europa estão tão vinculadamente associadas a ela como seus Castelos e Fortalezas,  abundantes por todos os países constituintes do “Velho Continente”. De fato, poder admirar estes edifícios resulta sempre numa experiência inesquecível e jamais me canso de apreciá-los, apesar de viver na Espanha há 13 anos. Símbolo de uma época, o feudalismo, e uma etapa histórica, a Idade Média, o poder simbólico dos castelos permanecem ainda em vigor no imaginário coletivo.

DSC00704Poucos países europeus possuem uma quantidade tão grande de castelos quanto a Espanha. Basta dizer que o nome de duas de suas comunidades autônomas se relacionam diretamente com eles, Castilla La Mancha e Castilla y León. Por este motivo, e também pela importância histórica que desempenharam, decidi realizar uma série de posts sobre os Castelos e Fortalezas da Espanha, salientando diversos aspectos sobre estas magníficas construçoes. Abaixo, uma foto minha no Castelo de Coca (Província de Segóvia, Castilla y León), um dos castelos mais famosos do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO termo Castelo é originário do latim “Castellum“, diminutivo da palavra “Castrum“, que significa “lugar fortificado“. Da origem latina desenvolveram-se palavras em vários idiomas para designar estas estruturas, como o “Château” francês, o “Castello” italiano, e o “Castillo” espanhol. A partir do século XI em Portugal, a palavra “Castelo” passa a ser utilizada como sinônimo de estruturas defensivas. O termo “Castle” do inglês foi introduzido um pouco antes da conquista dos Normandos. Segundo o dicionário da Real Academia Espanhola, castelo significa “Uma praça forte, cercada por muralhas, baluartes, fossos e outras fortificações”. No dicionário Aurélio, a palavra também possui este significado, atribuindo-se também o sinônimo de “Residência nobre ou real fortificada”. Abaixo, vemos o belíssimo povoado aragonês de Uncastillo, com as ruínas de seu antigo castelo em sua parte mais elevada, e o Castelo de Molina de Aragón, situado neste povoado da Comunidade de Castilla La Mancha.

DSC01783OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrequentemente, o termo “Castelo” é utilizado de forma genérica para muitos tipos de fortificaçoes edificadas com propósitos distintos. Um exemplo é o Castelo da cidade aragonesa de Jaca, que na realidade trata-se de um forte, como conhecemos no Brasil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste tipo de estruturas militares possui, na Espanha, uma analogia com os castelos, da mesma forma que as palavras Alcázar, Atalaya, Torre e Alcazaba. Num período de constantes guerras entre países, e devido aos conflitos internos de cada região, as cidades medievais estavam fortificadas, e muitas de suas construções integravam o sistema defensivo, como as pontes, por exemplo. A seguir, vemos a Ponte de Alcántara, situada aos pés do famoso Alcázar de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ponte romana de Córdoba, com suas torres defensivas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE a ponte medieval do povoado de Frías, localizado na Província de Burgos, Comunidade de Castilla y León. Ao fundo, vemos o Castelo da localidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs construções religiosas, muitas vezes, apresentam um aspecto de fortaleza, caso da Igreja Românica de Portomarín, situada na Galícia, que integra o patrimônio histórico do Caminho de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mesmo se pode dizer da Catedral de Ávila

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConventos e Monastérios de grande importância histórica foram devidamente fortificados, caso do Monastério de Poblet, situado na Catalunha e designado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA necessidade de construir-se estruturas defensivas surgiu com o crescente acúmulo de riquezas e recursos, como os alimentos, por exemplo. Normalmente associados à Idade Média na Europa, as primeiras fortificações apareceram na zona do Crescente Fértil, no Vale do Indo, no Egito e na China, onde os assentamentos humanos estavam protegidos por grandes muros ou muralhas. Foi somente na Idade de Bronze que os chamados “Castros“, povoados fortificados, começaram a espalhar-se pelo continente europeu. Localizavam-se normalmente no alto de uma colina, e um muro cercava suas casas feitas de barro com telhados de palha. Na Espanha, se conservam muitos castros relacionados à cultura pré-romana dos celtíberos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs fortificações romanas incluíam desde simples obras de caráter temporário levantadas pelos exércitos de campanhas militares até impressionantes construções permanentes feitas de pedra, como o Muro de Adriano (Inglaterra) ou a Muralha de Lugo (Galícia), cuja maravilhosa estrutura se conserva ainda hoje, justamente declarada Patrimônio da Humanidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs castelos como tal surgiram na Europa depois da queda do Império Carolíngio no século X. Inicialmente edificados com terra e madeira, sua evolução arquitetônica fez com que fossem construídos em pedra, fato que colaborou decisivamente para seu aspecto robusto e imponente. Abaixo, vemos o castelo do bonito povoado de Morella, Província de Castellón, situada na Comunidade Valenciana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a época das Cruzadas, os castelos espalham-se rápidamente por todo o Oriente Médio. Atualmente existem inumeráveis referências aos castelos em todos os campos artísticos, como elementos imprescindíveis para compreender a história da arquitetura,  como inspiração e relatos históricos na música, na literatura e na pintura, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, continuaremos descobrindo a história dos Castelos e Fortalezas da Espanha, cuja matéria está apenas começando…

Alarcón – Castilla La Mancha

Antes de começar o post de hoje, gostaria de convidar a todos (as) que visitem e sigam minha nova página no Instagram, conta umbrasileironaespanha. Já publiquei várias fotos de minhas viagens pela Espanha, e muitas outras serão publicadas com o tempo…

No final do ano passado realizei outra excursão com meus professores de história, que continuamente organizam passeios históricos por lugares de grande interesse e beleza. Passamos o dia visitando dois pueblos da Província de Cuenca (Comunidade de Castilla La Mancha), San Clemente e Alarcón, que merecem ser conhecidos por seu rico patrimônio histórico. O primeiro a ser visitado foi Alarcón, catalogado como Conjunto Histórico-Artístico desde 1981, por sua importância e conservação, além de estar localizado num lugar privilegiado, num espécie de canyon formado pelo Rio Júcar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO território onde situa-se este pueblo de apenas 150 habitantes esteve habitado desde a pré-história, como demonstram os achados arqueológicos encontrados, como cerâmicas da cultura celtíbera. No entanto, a vila de Alarcón entra para a história durante a ocupação islâmica, no final do século VIII. Os árabes, a quem se deve o nome do povoado, que significa fortaleza, construíram um grande castelo que integrava o conjunto de fortificaçoes de Alarcón. Sua história está intimamente relacionada ao castelo e sua condição de recinto militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO sistema defensivo desta grande fortaleza está composto por uma muralha que protegia a localidade e o castelo propriamente dito, além de outras 5 torres isoladas estrategicamente colocadas, e uma ponte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1184, o Castelo de Alarcón foi conquistado pelas tropas do Rei Alfonso VIII, depois de 9 meses de assédio, ampliando a fortaleza e transformando-a num impressionante baluarte defensivo. O capitão do exército, Fernán  Martínez de Ceballos, como recompensa pela façanha, recebeu o privilégio de ostentar o nome da vila em seu sobrenome, passando a chamar-se Fernán Martínez de Alarcón, dando origem a esta nova linhagem senhorial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADois anos depois da conquista do castelo, os reis castelhanos outorgaram um foro próprio à vila de Alarcón. Sua importância se comprova pela grande quantidade de outras aldeias que estavam submetidas a ela, mais de 60. Em 1194, passa a ser propriedade da Ordem Militar de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo princípio do século XIV, o Infante Don Juan Manuel recebeu do monarca Fernando IV o Senhorio de Alarcón, com o castelo incluído. Neste local, escreveu algumas de suas principais obras literárias. Um pouco depois, o Rei Pedro I retomou a vila como patrimônio real. No século XV, Alarcón foi cedida ao Primeiro Marquês de Villena, Don Juan de Pacheco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm fato crucial negativo para a história da vila e seu castelo foi o apoio dado pelo Marquês de Villeña a Juana de Beltraneja, em contra de sua tia Isabel la Católica, durante a guerra pela sucessão do trono do Reino de Castilla. Com a chegada ao trono de Isabel, paulatinamente a vila entra em decadência, e o Castelo se deteriorou, passando por um longo período de abandono. Abaixo, vemos a Torre de Homenagem, na qual o senhor recebia a vassalagem de seus servos. Era independente do resto da fortificação, e possuía um aljibe (depósito de água), dispensas variadas e um salão de armas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1966, o Castelo de Alarcón foi reabilitado como Parador Nacional, fazendo parte desta rede hoteleira que utiliza construçoes históricas para seus empreendimentos. Este fato gerou um novo impulso ao povoado, e o turismo se converteu numa atividade que revitalizou sua economia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

O Castelo de Trujillo

Desde a época árabe, Trujillo se converteu numa cidade protegida, graças ao seu valor estratégico. Em sua parte mais elevada, num cerro conhecido como “Cabeza del Zorro“, se levanta o castelo, uma fortaleza de grande valor defensivo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo data dos séculos X e XI, e seu imponente aspecto destaca-se na paisagem urbana de Trujillo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta principal do castelo está formada por dois torres quadradas unidas por um arco de ferradura, elemento característico das construções muçulmanas. Na parte superior vemos uma imagem da Virgem da Vitória que, segundo a tradição, apareceu aos exércitos cristãos durante as batalhas contra os árabes, colaborando para a reconquista da cidade no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJunto à imagem da Virgem se construiu, no século XVI, uma capela…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo é visitável, e vale a pena conhecê-lo e percorrer seu perímetro, principalmente por sua estrutura interna e as belas vistas da cidade que proporciona.

20181209_101206OLYMPUS DIGITAL CAMERASua parte mais antiga corresponde ao Aljibe Árabe, isto é, um local de depósito de água, fundamental em caso de assédio. Está situado em pleno pátio interior da fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPlataformas especialmente construídas possibilitam percorrer o perímetro da fortaleza…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos a muralha que rodeia o castelo e que integrava a estrutura urbana de Trujillo. Originalmente possuía 7 portas, das quais se conservam 4, além das 17 torres defensivas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria com um sino, colocado na parte superior da fortaleza….

OLYMPUS DIGITAL CAMERA