Monastério de San Esteban – Última Parte

Neste último post sobre o Monastério de San Esteban de Ribas de Sil veremos outras dependências que integram o conjunto monacal. O monastério possui três claustros, como o denominado Claustro Pequeno, construído no último terço do século XVI e projetado por Diego de Isla. Sua característica principal é a austeridade decorativa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs monastérios beneditinos se articulavam em torno a um claustro, que formava um eixo através do qual se distribuía suas diversas dependências. O chamado Claustro Grande também foi projetado pelo arquiteto de Vizcaya Diego de Isla, sendo construído entre 1577 e 1599.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá composto por 3 níveis de altura, e antigamente albergava a hospedaria e as dependências do Colégio de Artes e Filosofia que começou a funcionar no século XVI. É conhecido também como Claustro de los Caballeros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das jóias do monastério é o outro claustro que possui, um dos poucos existentes em toda a Galícia construído no estilo românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado o mais belo e complexo de todos, foi edificado no século XIII. É conhecido como o Claustro dos Bispos, assim chamado para exaltar a memória dos 9 bispos que se retiraram ao monastério e cuja fama de santidade atraiu a peregrinos de vários lugares do país. Grande parte do poder econômico e territorial do monastério se deve a estes bispos. Foram enterrados no claustro, mas no século XV foram levados ao altar maior da igreja conventual. Os anéis dos bispos foram guardados numa arca e venerados como reliquias. O claustro possui dois níveis. Originalmente, possuía apenas um andar, formado por colunas duplas e rematadas por capitéis decorados com motivos vegetais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI foi ampliado com a construção do nível superior, dentro do estilo gótico. Robustos contrafortes rematados com pináculos, situados no pátio, compensam o peso da construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma das gárgulas existentes no claustro que foram colocadas durante esta reforma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara poder aceder ao nível superior se construiu uma bela escada, considerada uma das partes mais belas do monastério. Feita de granito, se remata com uma bôveda de crucería.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante sua existência como instituição religiosa, os monges do monastério cultivavam uma horta de 3.5 hectares. Além do cultivo de frutas, haviam moinhos, lugares de caça, colméias, olivares e uvas para a elaboração do vinho. A antiga bodega foi transformado num spa que integra as dependências do Parador Nacional. Além do mais, existiam lugares para pescar e um rebanho de gado, que eram arrendados para os habitantes locais. Outro espaço de grande interesse é a cozinha monacal que se conserva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo século XVII, possui três pias que ainda podemos admirar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cozinha complementava seus serviços com outros dois espaços, cujas ruínas podemos ver no bosque situado junto ao monastério, um local para a fabricação de pão e um matadouro. Abaixo, vemos os restos do forno para a elaboração do pão, isolado do resto do conjunto monacal para evitar incêndios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀ noite eu, o Marcelo e a Cristina nos encontrávamos no restaurante do monastério para provar suas delícias gastronômicas, e programar os passeios do dia seguinte. Um deles nos levou à cidade de Ourense, tema da próxima série de posts…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Monastério de San Esteban – Parte 2

No segundo post sobre o Monastério de San Esteban veremos a igreja conventual, cuja fachada forma um ângulo reto com a entrada do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de ser uma das partes mais antigas de todo o monastério, pois a igreja começou a ser construída em 1184, seguindo o estilo românico, a fachada atual se deve às reformas realizadas entre os séculos XVI e XVIII, momento em que foram colocadas as duas torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior da fachada foi colocada uma imagem de San Esteban, titular da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente à fachada da igreja situa-se um curioso cemitério (algo inusual, pois normalmente localizam-se na parte traseira), que ainda funciona…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do templo possui uma planta basilical com três naves, como podemos ver abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja está presidida pelo belo retábulo maior, que vemos na foto acima e também a seguir, no detalhe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutros interessantes retábulos adornam o interior da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANeste outro retábulo vemos a imagem do Apóstolo Santiago como peregrino….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das grandes obras de arte conservadas na igreja é este raro retábulo feito de pedra, de formato pentagonal e inserido no estilo românico. Pertencente ao início do século XIII, nele se representa a Jesus Cristo e os 12 apóstolos. Provavelmente fazia parte de uma porta românica, destruída devido às reformas realizadas no exterior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos muros internos da igreja vemos a representação de São Pedro, com as chaves do céu…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois do monastério ter sido abandonado no século XIX, a igreja conventual passou a funcionar como paróquia, função que exerce até os dias de hoje. Como foi dito na matéria anterior, atualmente o Monastério de San Esteban faz parte da Rede Nacional dos Paradores de Turismo, cujo primeiro hotel foi inaugurado em 1928, como certifica a placa colocada em sua fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo o post com algumas imagens das dependências do hotel…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Esteban – Galícia

Uma vez mais um casal de grandes amigos de São Paulo, o Marcelo e a Cristina, vieram à Espanha com a finalidade de percorrer o país e conhecer suas cidades e lugares de interesse. No ano passado, tive a oportunidade de realizar uma pequena parte do Caminho do Norte, uma das variantes do Caminho de Santiago, com este casal apaixonado pelo país, cujas matérias foram publicadas entre 15/10/2017 e 11/11/2017. Desta vez eles fizeram um trajeto de carro, e me encontrei com eles em Valladolid para iniciar uma viagem pela Galícia, uma comunidade autônoma situada no noroeste da Espanha, fronteira com o norte de Portugal. Nossa primeira parada, a 4 horas de carro desde Valladolid, foi o incrível Monastério de San Esteban de Ribas de Sil (Santo Estevo, no idioma gallego), onde permanecemos durante 3 dias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste monastério é considerado um dos mais importantes de toda a Galícia, além de ser um dos mais bem conservados. Está situado numa região de grande beleza natural, a denominada Ribeira Sacra, cortada pelas águas do Rio Sil, uma importante via fluvial da comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta zona do país possui uma longa tradição religiosa, e esteve habitada por tribos célticas, como podemos comprovar nos restos arqueológicos existentes no bosque localizado ao lado do monastério (século I aC). Constituem vestígios da base de uma casa circular que integrava um castro, como se conhecem os povoados habitados por esta cultura. Procedentes do norte da Europa, os celtas chegaram a atual Galícia no ano 700 aC, e foram conquistados pelos romanos no ano 60 aC.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA história deste monastério remonta à época visigoda, período em que provavelmente existiu uma construção que foi abandonada depois que a comunidade de religiosos se dispersou para seguir uma vida de eremitas. No século X, um ermitão chamado Franquila reuniu todos os anacoretas que viviam na zona para formar uma nova comunidade. No ano 909, o Rei Ordoño II concedeu privilégios ao abade do monastério, quando se inicia sua reconstrução.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANove bispos  se retiraram ao monastério nesta época, e ficaram conhecidos por sua fama de santidade. As nove mitras que integram o escudo de armas do monastério recordam o legado destes monges.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o tempo, o Monastério de San Esteban acolheu a regra beneditina, recebendo novas doações e privilégios, como os outorgados pelo monarca Alfonso IX em 1220. Na fachada principal do conjunto monacal, vemos uma escultura de Sao Bento (San Benito, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1506, por decisão do Papa Julio II, foi anexionado à Congregaçao de Valladolid. Depois, se fundou no monastério um colégio de artes e filosofia, quando alcança novos tempos de prosperidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1835, o monastério é novamente abandonado durante a denominada Desamortizaçao de Mendizábal, que causou a desapropriaçao dos bens eclesiásticos. Abaixo, vemos a fachada do monastério, realizada no século XVIII. Ao lado, a igreja conventual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa esquina da construção se ergue uma robusta torre, composta por 3 níveis de altura, limitando com um extenso bosque de robles e castanheiras, por cujas trilhas podemos passear e admirar sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADevido à antiguidade do monastério, podemos apreciar vários estilos artísticos, desde o românico até o barroco. Foi transformado em Parador Nacional em 2004, uma rede de hotéis da Espanha que se caracterizam pela instalação de sua rede hoteleira em locais históricos. Suas dependências, como de costume, são confortáveis e de bom gosto decorativo. Possui, inclusive, um spa para relaxar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa entrada do monastério foram colocados dois dos símbolos da Galícia, um Cruzeiro (cruceiro, em gallhego e crucero, em espanhol)) e um Hórreo. Este último constitui uma típica construção para fins agrícolas, destinado a armazenar e a secar o milho e outros cereais. Conta com um espaço retangular e estreito para este objetivo, e separado do solo para evitar a entrada de animais e também da umidade. Em Portugal, estas estruturas se conhecem como Espigueiros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá os Cruceiros, abundantes também no Brasil, constituem uma coluna de pedra situado sobre uma base e colocados em lugares estratégicos, como encruzilhadas de caminhos, locais elevados, diante de uma igreja etc. Em sua parte superior, normalmente aparece Cristo Crucificado de um lado, e a Virgem Maria ou um Santo do outro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte deste belo monastério….

Último Passeio por Olmedo

No meu último dia em Olmedo, pude conhecer lugares que ainda não havia visitado, como o Convento de la Concepción, cuja fundação foi autorizado por uma bula do Papa León X em 1516.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste convento franciscano representava um dos quatro conventos da ordem que existiu na cidade, e que perdeu sua função conventual. Depois, foi ocupado por freiras clarissas. Na porta principal da fachada, vemos os escudos dos fundadores (imagem acima). Atualmente é a sede de um museu sobre a Semana Santa, e na antiga igreja do convento se guarda as imagens que saem em procissão na rua durante as festividades.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuito interessante é o teto da nave da igreja, decorado com um artesanato em madeira policromado do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Outra instituição religiosa de importância é o antigo Convento de la Merced, situado em frente à Igreja de Santa María del Castillo, que vimos recentemente no blog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício, que impressiona por suas dimensões, conserva boa parte de sua estrutura do século XVIII, de tijolo e pedra, constituído por uma parte principal, igreja e claustro. Hoje em dia, abriga um Centro de Artes Cênicas e a Prefeitura Nova de Olmedo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOlmedo chegou a ter tamanha relevância em tempos passados que uma frase comprova o dito: “Quem señor de Castilla quiera ser, a Olmedo de su parte ha de tener.” A cidade contou com uma numerosa população muçulmana que nela permaneceu após a reconquista, quando passaram a ser conhecida como os Mudéjares, contribuindo para o enriquecimento monumental da vila, como vimos nas matérias anteriores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOlmedo também é conhecida como a Vila dos Siete Sietes, apelido que está relacionado com esta quantidade de igrejas, conventos, portas, praças, casas nobres, fontes, etc, que havia na cidade durante sua etapa de maior esplendor. A região onde se localiza a cidade está repleta de bodegas que elaboram deliciosos vinhos. Tive a oportunidade de conhecer o terreno de uma bodega histórica, a “La Mejorada“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta bodega encontra-se a dez minutos de carro de Olmedo, e sua construção fazia parte de um antigo monastério pertencente a Ordem dos Jerônimos, fundado no século XVI pelo monarca Fernando I de Aragón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local foi reformado pelo famoso arquiteto Rafael Moneo, que adaptou a antiga construção religiosa às necessidades de sua nova função. Pode ser que esteja equivocado, mas parece que o próprio arquiteto tornou-se o proprietário da bodega. Quando lá estive, estavam preparando o terreno para a próxima colheita…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara fechar com chave de ouro, o céu de Castilla y León me brindou com um espetacular pôr do sol. Lamentavelmente, as fotografias são incapazes de refletir a beleza do momento, mas podem nos dar uma idéia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs construções da cidade adquiriram uma tonalidade que as deixaram ainda mais belas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEspero que vocês tenham se surpreendido com esta cidade castelhana, e que eu tenha cumprido minha missão de divulgar as belezas históricas, artísticas e naturais da Espanha. Mas as possibilidades turísticas do país parecem não ter fim, de maneira que pé na estrada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santuário de N.Sra de la Peña de Francia

O povoado de La Alberca é considerada a capital da Comarca de Sierra de Francia, formada por vales e espaços naturais de grande importância, além de outros pueblos de grande interesse cultural e turístico. Uma das principais atrações da região é o Santuário de N.Sra de la Peña de Francia, um local emblemático da Província de Salamanca e centro de peregrinação há séculos. O santuário situa-se no alto de uma montanha denominada Peña de Francia, a uma altitude de 1783m, onde se guarda e venera a imagem da Virgen de la Peña, padroeira da província e da Comunidade de Castilla y León. Sua localização o converte no santuário mariano a maior altitude de todo o mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPraticamente inacessível durante o inverno, o santuário é visitado por uma grande quantidade de peregrinos durante o resto do ano. Como demonstra a foto acima, o inverno europeu deste ano foi muito rigoroso e, em plena primavera, as montanhas da Sierra de Francia continuavam nevadas. A Sierra de Francia encontra-se no limite entre a Província de Salamanca e Portugal. Deste modo, do alto da montanha podemos avistar a Serra da Estrela, situada no país vizinho, além da Comunidade de Extremadura e a planície da comunidade castelhana.

 

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome Peña de Francia, e a imagem venerada, é uma referência aos repovoadores procedentes de França que se assentaram na região nos séculos XI e XII. A importância religiosa do santuário começou em 1434, quando um tal Simón Vela descobriu a imagem de uma virgem negra numa cova no alto da montanha. Inicialmente se construiu uma capela para abrigar a imagem, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO lugar passou a pertencer a Ordem Dominicana, que se tornou a proprietária destas terras, como podemos observar na coluna que vemos a seguir, denominada Rollo Jurisdiccional, que outorga o status jurídico, neste caso eclesiástico, de uma localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1445, com o apoio real, se construiu o convento e a igreja do mesmo finalizou-se cinco anos depois. A torre atual foi levantada no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém faz parte do conjunto uma hospedaria independente do santuário e uma antena de telecomunicações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ difícil imaginar hoje em dia as dificuldades passadas pela comunidade de religiosos em épocas passadas devido ao rigor climático e o complicado que devia ser chegar ao alto da montanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs padres dominicanos desempenharam uma importante atividade missioneira, impulsando a devoção da virgem em muitos lugares do mundo, como na América e em Filipinas. De fato, a Virgen de la Peña é a padroeira da cidade de São Paulo, onde é conhecida como a Virgem de Nossa Senhora da Penha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA comunidade de religiosos abandonou o santuário com a Desamortização de Mendizábal em 1836, mas retornou em 1900, e continuam realizando suas atividades atualmente. Abaixo, vemos o interior da igreja e a imagem da Virgen de la Peña, talhada em 1890. Ignoro o destino da imagem original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Virgen de la Peña foi citada na universal obra de Cervantes, “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Convento de San Francisco – Medina de Rioseco

Apesar de seu reduzido tamanho, Medina de Rioseco possui um patrimônio histórico-artístico relevante, digno de ser conhecido. Possui duas belíssimas igrejas e um Convento da Ordem Franciscana, que podem ser vistos em visitas guiadas realizadas mediante uma entrada conjunta. Informações e horários de visitas podem ser obtidas no próprio convento, que sedia a Oficina de Turismo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Convento de San Francisco foi fundado em 1491 sob o patrocínio do IV Almirante de Castilla Don Fadrique Enríquez e sua esposa, Ana de Cabrera, como lugar de sepultamento para a família. Projetado pelo arquiteto Rodrigo de Astudillo, sua construçao finalizou-se em 1520, um pequeno período construtivo para a época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua fachada caracteriza-se pela austeridade, adornada somente com um óculo rodeado pelo cordão franciscano e pelo escudo dos Enríquez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo portão de entrada vemos uma imagem de São Francisco de Assis

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local funciona atualmente como um museu, pois o convento foi abandonado no século XIX com o processo de desamortização dos bens eclesiásticos. Das antigas dependências conventuais, se conserva apenas a igreja e duas capelas. Abaixo, vemos o claustro destruído…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre da igreja foi levantada no século XVIII com as pedras do antigo castelo dos Almirantes de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita inclui um espetáculo de luzes e som que contam a história do convento e as maravilhosas obras de arte que acolhe em seu interior. Um exemplo é o Retábulo Maior barroco construído no século XVIII, dedicado a N.Sra da Esperança

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao retábulo encontram-se o sepulcro do Almirantes de Castilla e duas estátuas orantes feitas de bronze, de sua mulher Ana de Cabrera e de sua irma, Isabel de Cabrera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das obras mais importantes que podemos admirar na visita constituem os grupos escultóricos realizados por Juan de Juni (1506/1577), considerado um dos melhores artistas do Renascimento Espanhol. Abaixo, vemos o Martírio de São Sebastião, obra na qual verificamos suas principais características e maestria na elaboração do conjunto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrancês de origem, Juan de Juni formou-se na Itália, recebendo influência de mestres italianos, como Miquelangelo, por exemplo. Artista versátil, trabalhou com vários tipos de materiais, técnicas e temáticas, sendo mestre também em pintura e arquitetura. Desenvolveu sua atividade artística em vários lugares de Castilla, como León, Salamanca e Medina de Rioseco. Em 1540, abriu um atelier em Valladolid, que se transformou num dos mais importantes da escola castelhana no período renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma de suas principais características, que podemos contemplar na obra acima, são as roupas profusamente decoradas, e com as dobras bem marcadas. A composição é definida por linhas curvas, que proporcionam dramatismo, expressividade e movimento à cena representada. Juan de Juni realizou também outra escultura que decora o interior da Igreja de São Francisco, na qual narra o Martírio de São Jerônimo, mas que infelizmente perdeu seu colorido…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra obra de arte magistral que vemos na visita é a Custódia realizada por Antonio de Arfe na metade do século XVI. Ao estar protegida por uma estrutura de vidro, a foto perdeu qualidade, mas mesmo assim merece pena vê-la, pela beleza da obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do convento está sediado o Museu de Arte Sacra, com algumas das obras religiosas mais importantes da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAImpressionante é a coleção de objetos de temática religiosa feitos de marfim, da primeira metade do século XVII, procedentes de Filipinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santuário de San Pedro Alcántara

Há cerca de 3 km de Arenas de San Pedro situa-se um dos monumentos de maior relevância da cidade, o Santuário de San Pedro Alcántara, o último convento fundado por seu santo padroeiro, em 1561.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara se chegar ao local, o ideal é percorrer o caminho à pé através de uma estrada muito frequentada pelos habitantes da cidade, que impressiona por sua beleza natural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção do convento tinha como finalidade inicial a contemplação e a vida de penitência da comunidade de religiosos, dentro da linha de ascetismo proposta por San Pedro de Alcántara para os membros da Ordem Franciscana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO falecimento do santo em Arenas de San Pedro transformou o santuário num local de grande devoção e peregrinação para as milhares de pessoas que o visitam durante o ano. No dia 19 de outubro, recebe uma grande quantidade de pessoas que vêm de todas as partes da Espanha, para assistir a procissão com a imagem do santo pelos campos da região.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO santuário que vemos atualmente foi projetado pelo arquiteto Ventura Rodríguez, com a colaboraçao do Rei Carlos III no século XVIII. Se realizam visitas guiadas pelo interior do conjunto conventual, e várias são as dependências que se podem conhecer. De grande interesse é a Capela Real, parecida à Capela do Palácio Real de Madrid, também construída por Ventura Rodríguez. De planta octogonal, guarda os restos do santo numa urna situada no altar maior, e protegida por duas esculturas de alabastro, que representam a fé e a esperança.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtrás da urna, vemos a representação da apoteose do santo em sua ascensão ao céu, realizado pelo escultor Francisco Gutiérrez em 1773.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a cúpula da capela…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja conventual é a parte mais antiga do santuário (XVI), e conserva um retábulo dedicado ao santo. Abaixo, vemos a entrada da igreja…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE seu interior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa sacristia podemos admirar um móvel utilizado para guardar roupas litúrgicas que foi construído pelos Astecas, povo que dominou a zona central do México, e que acabou sendo submetido à conquista espanhola no século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o claustro, adornado com pinturas relacionadas à vida do santo, além de uma coleção de cerâmicas de Talavera de la Reina do século XVIII, um dos maiores centros produtores de cerâmicas país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Museu Alcantarino guarda uma série de documentos, objetos e obras artísticas relacionados com a vida do santo e também da época em que viveu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm outro espaço do santuário acolhe o Museu de Arte Sacra, que possui mais de 200 obras entre pinturas, esculturas, objetos e roupas litúrgicas, compreendendo o período  que vai desde o século XVI até o XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua importante biblioteca possui um acervo de cerca de 18 mil livros, dos quais 165 pertencem ao século XVI e 325 ao século XVII. Em 1972, o Santuário de San Pedro de Alcántara foi declarado Monumento Histórico-Artístico Nacional, e constitui um motivo a mais para se conhecer a cidade de Arenas de San Pedro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA