Antonio Mingote – Madrid (Parte 2)

Neste segundo e último post sobre o desenhista Antonio Mingote, veremos o legado deixado pelo artista na cidade de Madrid. Por exemplo, na Calle Duquesa de Osuna, em 1993, Mingote realizou a decoração dos balcões de um edifício, com personagens que nos mostram várias situações cotidianas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua obra pode ser admirada na Estação do Metrô do Retiro, que permite o acesso público ao famoso Parque do Retiro. Seus desenhos foram utilizados para decorar a plataforma da estação com azulejos, retratando cenas dentro do parque carregadas de grande humor e ironia, elementos essenciais de seu trabalho como humorista gráfico.

20190715_10335820190715_103305Mingote adorava passear pelo parque, e logo depois de decorar a estação em 1987, recebeu o título de Alcalde Honorífico do Parque do Retiro e a Medalha de Ouro da Comunidade de Madrid. Abaixo, vemos o diploma que lhe outorgava tal distinção, que pude fotografar durante a exposição em sua homenagem no Museu de História de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do Parque do Retiro foi colocado um busto de Antonio Mingote, esculpido pela artista Alicia García Huertas

20160528_112028Outro mural realizado por ele podemos ver na Calle de la Sal, junto à Plaza Mayor de Madrid. Pintado em 2001, o mural retrata cenas da famosa novela “Fortunata y Jacinta“, do escritor Benito Pérez Galdós

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua obra está relacionada também com os chamados Comércios Históricos de Madrid, aqueles estabelecimentos comerciais com mais de 100 anos prestando serviços à comunidade. Integram o patrimônio histórico da cidade, e a Prefeitura de Madrid decidiu no início do século XXI homenageá-los. Encarregou a Mingote o desenho de uma placa comemorativa, para que fosse colocada na calçada em frente ao estabelecimento histórico. Hoje em dia vemos centenas destas placas espalhadas, e a primeira foi outorgada em 2006 ao tradicional Restaurante Lhardy, fundado em 1839. Abaixo vemos o desenho de Mingote e uma foto do restaurante…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA20190724_172828Outro comércio histórico, uma antiga fábrica de relógios situada em frente ao mural da Calle de la Sal, recorreu a uma estratégia interessante ao colocar um boneco que realiza movimentos simulando o concerto de relógios. Em determinadas horas do dia, podemos ver este singelo e bonito artifício publicitário. O desenho foi feito, é claro, por Antonio Mingote

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Plaza de las Cortes, impressiona pela beleza de sua fachada o edifício de seguros da Companhia Plus Ultra, construído no início do século XX. Tornou-se famoso graças a um carrilhão (carrillón, em espanhol) que em determinados horários do dia (12hs/15hs/18hs e 20 hs) podemos apreciar. Pela janela da fachada central do edifício saem 5 bonecos que representam personagens emblemático da cultura espanhola. Da esquerda para direita aparecem: o famoso toureiro Pedro Romero, uma Maja madrilenha (no século XIX eram as mulheres bonitas que se vestiam com trajes vistosos e que utilizavam um vocabulário tradicional dos bairros populares), o Rei Carlos III com uma espingarda, a Duquesa de Alba e o pintor Francisco de Goya.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACada personagem realiza movimentos simples que o caracterizam, ao som de uma música tocada pelo total de 18 sinos situados a cada lado do relógio. Dependendo do horário, são diferentes as músicas que escutamos. Os bonecos foram construídos por uma empresa especializada da Holanda e o carrilhão foi inaugurado em 1993 pela Infanta Pilar de Borbón, Duquesa de Badajoz. Os desenhos originais dos bonecos foram realizados por Mingote. Abaixo, vemos os bonecos em miniatura, também fotografados na exposição a ele dedicada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo vídeo abaixo, vocês poderão assistir a uma “apresentação” do carrilhão. Com ele, finalizo esta matéria sobre Antonio Mingote, convidando a todos (as) que venham a Madrid e ver ao vivo sua importante obra artística….

Antonio Mingote – Madrid

Além do patrimônio histórico e cultural da Espanha, sempre que possível publico matérias sobre os personagens que colaboraram para seu desenvolvimento, muitos dos quais desconhecidos além da fronteira espanhola. Fazia tempo que almejava publicar um post em homenagem a Antonio Mingote (1919/2012), que com seus desenhos transformou a paisagem urbana de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMeu desejo concretizou-se com uma exposição a ele dedicado, no ano do centenário de seu nascimento, realizada no Museu de História de Madrid, denominada “Madrid se escreve com M de Mingote“. Abaixo, vemos este imprescindível museu da cidade e o cartaz publicitário da exposição…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntonio Mingote, membro da Real Academia Espanhola, foi um cartunista, escritor e jornalista espanhol. Apesar de ter nascido em Sitges, na Província de Barcelona, deixou um legado artístico relacionado com a cidade de Madrid, onde faleceu em 2012, com 93 anos de idade. Aprendeu a desenhar de forma autodidata, iniciando sua carreira de humorista gráfico em 1946. Devido a sua intensa atividade neste campo e a qualidade artística dos desenhos, foi reconhecido não somente na Espanha, como também em diversas partes do mundo. Suas ilustrações foram reproduzidas em meios de comunicação de prestígio internacional, como o New York Times, entre outros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1948 publicou sua primeira novela, “Las Palmeras de Cartón“, e em 1953 iniciou uma colaboração com o Diário ABC, que continuou até seu falecimento em 2012. Também escreveu roteiros para o cinema e séries de televisão. De grande interesse foram os livros de divulgação histórica que publicou, como “História de Madrid“, escrito em 1961.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa exposição podemos admirar a maior parte dos desenhos originais que ilustram o livro. De um total de 185 ilustrações, foram expostas no museu 125, constituindo uma maneira divertida para compreender a história da cidade, criadas com o humor característico do artista. Seu estilo está impregnado de sutilezas e ironia, além da sensibilidade social. Aproveito para publicar alguns deles, como o desenho em que arqueólogos tentam decifrar a origem da cidade de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro desenho curioso revela o apelido como são conhecidos os nascidos em Madrid, “Gatos“. A origem deste nome se remonta a época da Reconquista de Madrid pelo Rei Alfonso VI no final do século XI. Fundada pelos muçulmanos no século IX, durante pouco mais de dois séculos Madrid foi uma cidade islâmica. Se diz que quando a cidade foi conquistada pelo monarca castelhano, um de seus soldados começou a escalar a muralha árabe de 12 m de altura com tamanha agilidade e destreza, que o rei afirmou que mais parecia a um “gato“. A partir de então, todos começaram a chamá-lo de gato, assim como a todos os membros de sua família. Inclusive, parece que mudou seu sobrenome, incluindo seu novo apelido, que com o passar do tempo tornou-se ilustre em Madrid. Sua família ostentou um escudo de armas no qual aparecia um punhal (utilizado pelo soldado para escalar a muralha) e um muro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO soldado tornou-se tão famoso que, com o tempo, o termo “gato” identificava a qualquer pessoa valente de Madrid. Posteriormente, passou a ser relacionada a qualquer pessoa nascida na cidade. Abaixo, vemos a antiga muralha islâmica de Madrid, situada aos pés de sua bela catedral…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra teoria diz que o apelido “gato” se refere ao hábito dos nascidos na cidade de sair à noite, como os pequenos felinos…Na realidade, atualmente se consideram “gatos” autênticos aquelas pessoas cujos pais e avós, tanto maternos quanto paternos, tenham nascido em Madrid. Ou seja, cada vez se torna mais difícil encontrar um gato genuíno pela cidade…Abaixo, vemos outro desenho, em que Mingote retrata o “jogo de domingo” na Idade Média

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMadrid no ano 1500, com vistas da muralha árabe, e o antigo Alcázar, a fortaleza de origem islâmica que se incendiou em 1734, sendo substituído pelo atual Palácio Real de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO êxodo rural que multiplicou a população da cidade, depois de tornar-se capital da Espanha a partir de 1561…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMingote retratou também monumentos que ainda se conservam no Centro Histórico de Madrid, como o Real Monasterio de La Encarnación, fundado no início do séculoXVII…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo e último post sobre Antonio Mingote, veremos o legado deixado pelo artista pelas ruas da cidade…

Centenário do Metrô de Madrid- Parte Final

Neste último post sobre o Centenário do Metrô de Madrid veremos uma das mais interessantes iniciativas organizadas pela companhia metroviária para sua comemoração. Trata-se de uma exposição de trens históricos que podemos ver na Estação de Chamartín.

20190416_110440O visitante poderá contemplar na exposição 4 trens históricos considerados clássicos na história do Metrô de Madrid, que circularam desde a inauguração da primeira linha em 1919 até o momento em que foram substituídos por veículos mais modernos.

20190416_111044A maior parte destes  trens circularam até 1965, mais uma pequena série adicional que foi colocada em serviço em 1976. Muitos deles depois prestaram seus serviços como veículos auxiliares.

20190416_11060320190416_111747Algumas das características básicas destes trens são sua estrutura metálica com motores fabricados pelas empresas General Eletric e Westinghouse, que foram construídos na Espanha sob licença. O sistema de freios também foi fabricado pela Westinghouse. Abaixo, vemos o interior de um destes trens históricos…

20190416_110832Muitos destes trens originais foram designados pelo nome das estações de metrô a que estavam destinados. O denominado de “Cuatro Caminos“, a estação final da linha inaugural de 1919, por exemplo, foi construído entre 1919 e 1921 por uma empresa de Zaragoza, com a parte elétrica e o sistema de freios sendo fabricados nos EUA e França. Estes trens foram os primeiros em serem construídos com estrutura metálica em toda a Espanha. Na época, foram admirados pelo conforto em comparação com os veículos de transporte existentes e alcançavam uma velocidade de 55 km/h. Foram retirados de serviços no final da década de 80. Abaixo, vemos um destes trens em serviço numa foto antiga…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o interior restaurado deste tipo de trens…

20190416_112257Já na época estava proibido fumar no interior como podemos observar na placa existente…

20190416_112358O Metrô de Madrid investiu um grande esforço na restauração destes trens históricos. Abaixo vemos o aspecto que tinham antes do processo de recuperação…

20190416_111954A seguir vemos um trem histórico numa foto de 1966…

20190416_111613Na sequência, o interior de outro veículo, com acentos reservados para pessoas mutiladas, abundantes no período da Guerra Civil Espanhola (1936/1939).

20190416_11302820190416_113112Abaixo vemos trens atuais que circulam pelas linhas do Metrô de Madrid, evidentemente muito mais modernos que os chamados “trens históricos”, em quanto a design, tecnologia e infraestrutura que oferecem.

20190220_085559OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns dos modernos trens que circulam pela linha 1 foram pintados à maneira dos trens antigos, para comemorar o Centenário do Metrô de Madrid, como vemos na foto a seguir…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEspero que vocês tenham gostado desta série de matérias publicadas em homenagem ao Metrô de Madrid, que está cumprindo seus 100 anos de vida. Aproveitem para utilizá-lo quando venham visitar a cidade…

 

Centenário do Metrô de Madrid – Parte 3

Outra das interessantes iniciativas realizadas para se comemorar o Centenário do Metrô de Madrid foram os ensaios fotográficos nos quais vemos várias personalidades do mundo cultural e esportivo da Espanha e também do exterior. Um exemplo foi o cantor e compositor Joaquin Sabina, que mencionou o Metrô de Madrid em uma de suas canções, intitulada “De caballo de cartón“, na qual diz: “Tirso de Molina, Sol, Gran Vía, Tribunal, dónde queda tu oficina para irte a buscar ?”

20190416_110217O jogador de futebol Koke, do Atlético de Madrid, também participou das sessões fotográficas, salientando a importância do metrô para os torcedores que utilizam o transporte público para chegar ao Wanda Metropolitano, o novo estádio do clube.

20190416_110255A atleta paraolímpica de esgrima e primeira deportista a alcançar uma montanha com mais de 3 mil metros com uma cadeira de rodas, Gema Hassen-Bay, foi outra personalidade participante…

20190416_110334Como comentei no post anterior, o Metrô de Madrid é considerado um dos mais acessíveis do mundo. As primeiras escadas rolantes foram instaladas no começo da década de 60, e atualmente 63 % de toda a rede metroviária possuem elevadores e escadas rolantes (com quase 1700 escadas rolantes em suas linhas), cifra superada somente pelo Metrô de Shangai, na China. Abaixo vemos uma delas na Estação de Chamartín, que foi devidamente decorada para a comemoração do centenário.

20190416_11374920190416_113831 Até 1931, os trens do metrô possuíam um escudo com símbolos monárquicos, devido à participação do Rei Alfonso XIII como acionista da Companhia Metropolitana Alfonso XIII. O escudo foi inspirado no Escudo da cidade de Madrid da época, com o “Urso e o Madroño” no lado direito e um “dragão” no lado esquerdo. Atualmente o escudo da cidade está composto apenas pelo urso e a árvore, denominada Madroño

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1932, com a implantação da Segunda República, os símbolos monárquicos foram proibidos e, durante algum tempo, os trens deixaram de ter o escudo. A partir de 1942 se adotou outro escudo, formado por uma letra C com 2 letras M, iniciais da Cia Metropolitana de Madrid, a nova denominação da empresa…

20190416_112957Já o logotipo da empresa foi criado pelo arquiteto Antonio Palacios, responsável pelas primeiras estações e sua decoração, inspirando-se no “Underground” de Londres, com as mesmas cores, vermelho e azul, mas com um formato diferente. Abaixo, vemos a evolução dos logotipos do Metrô de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma séries de logotipos representando várias estações do Metrô de Madrid

20190416_110139Na década de 60, devido ao incremento do número de passageiros, o Metrô de Madrid decidiu ampliar o comprimento das plataformas de 60 a 90 m, com a finalidade de colocar trens com maior capacidade, de até 6 vagões. A Estação de Chamberí, que integrava a linha original de 1919 e também projetada por Antonio Palacios, foi fechada em 1966 pela impossibilidade de se realizar a reforma, pois encontrava-se numa curva. Durante anos esteve abandonada, mas foi restaurada e hoje em dia é um museu que se pode visitar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA Hoje em dia, o Metrô de Madrid alcança 294 km, formado por 12 linhas principais e chegando a 12 municípios situados próximo à cidade. Abaixo, vemos uma plataforma atual da linha 1, com fotos antigas que pertencem ao arquivo histórico do Metrô de Madrid, colocadas para a comemoração do centenário, muitas das quais estou publicando nesta série…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Centenário do Metrô de Madrid – Parte 2

Nesta segunda matéria sobre o Centenário do Metrô de Madrid veremos outros aspectos históricos de interesse deste popular sistema de transporte público da capital espanhola, através de fotos antigas pertencentes ao arquivo do Metrô e de fotos realizadas por mim. Como comentei no primeiro post, a linha inaugural ligava a Puerta del Sol, no centro da cidade, com o bairro de Cuatro Caminos, uma zona industrial importante na época, cuja imagem vemos abaixo, uma foto tirada no início do século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANeste bairro se construíram as oficinas mecânicas da companhia metroviária, que foram utilizadas durante um bom tempo no século XX, como podemos ver a seguir…

20190416_11214620190416_111453Abaixo, vemos o local em construção…

20190416_112223O Metrô de Madrid foi pioneiro na inserção da mulher no mercado de trabalho. Aquelas que conseguiram um posto de trabalho nas bilheterias foram as primeiras, junto com as telefonistas empregadas na empresa Telefônica, cuja sede se encontra também em Madrid. Somente podiam ocupar o emprego se estivessem solteiras. No momento em que se casavam, eram obrigadas a abandonar o trabalho, segundo o costume da época. Esta norma esteve vigente até 1984 ! A primeira mulher maquinista apareceu somente em 1983.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o corpo de funcionários do Metrô de Madrid está formado por mais de 7 mil funcionários. Abaixo, vemos outra foto antiga de empregados da empresa…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra Civil Espanhola, o metrô serviu como local de refúgio para a população, como aconteceu com muitas outras cidades européias durante a Segunda Guerra Mundial.

20190220_085904Muitos trens do metrô passaram a ser utilizados como ambulância durante o conflito…

20190416_111333Em 1924 se inaugurou a central elétrica que abasteceu de energia o sistema metroviário da cidade. Composta por 3 motores Diesel, foi a estação elétrica de maior potência da Espanha na época, sendo desativada nos anos 50. Durante a Guerra Civil foi a responsável do abastecimento de energia elétrica da cidade, Atualmente forma parte do patrimônio industrial de Madrid e pode ser visitada, pois foi transformada num museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas das primeiras estações construídas na linha inaugural contavam com elevadores manejados por ascensoristas, sendo que o primeiro elevador foi instalado em 1920. Abaixo, vemos a entrada da Estação de Gran Vía, projetada pelo arquiteto Antonio Palácios. Feita de granito, ferro e vidro, funcionou até 1970, quando foi desmontada e levada até o povoado de Porriño, situado na Galícia, local de nascimento do famoso arquiteto espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAté 1960, a profundidade médias das estações do Metrô de Madrid era de 9m. Em 1962, chegou aos 18m, quando as escadas rolantes começaram a funcionar. No final do século passado, a profundidade média chegou aos 25m. Atualmente, o Metrô de Madrid é considerado um dos sistemas de transporte de maior acessibilidade do mundo. Abaixo, vemos a Estaçao de Chamartín

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos cartazes comemorativos foram colocados nas estações da linha 1 com a celebração do centenário do Metrô. Neles podemos observar as diferenças na evolução  tecnológica dos trens ao longo dos anos, além da inclusão de novos “passageiros”…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a segunda parte desta série com uma foto atual da Estação Sol, a primeira em ser construída em 1919…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Centenário do Metrô de Madrid

O Sistema Metroviário de Madrid foi tema de duas matérias publicadas em 4/12 e 5/12/2012, momento em que abordei vários aspectos curiosos do transporte público da cidade. Este ano de 2019 constitui um ano especial, pois o Metrô de Madrid está completando seu centenário, e muitas iniciativas interessantes estão sendo realizadas pela companhia para celebrá-lo, como exposições de fotos antigas pertencentes ao arquivo histórico do Metrô, que podemos ver nas estações da primeira linha inaugurada em 17/10/1919.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO sistema metroviário de Madrid foi pioneiro na Espanha, revolucionando a mobilidade urbana e tornando-se com o tempo no transporte por excelência de seus habitantes. O primeiro metrô construído no mundo foi o de Londres, inaugurado em 1863. Depois vieram o de Chicago (1892), Budapest e Glasgow (1896), Boston (1897), Paris (1900), Berlín (1902), Atenas e Nova York (1904), Filadélfia (1907), Hamburgo (1912), Buenos Aires (1913) e Madrid (1919). A chegada do Metrô à capital da Espanha representou uma grande transformação para Madrid, convertendo-se numa cidade moderna como muitas outras metrópoles européias.

DSC03506Para a construção da primeira linha do metrô, o custo foi de 8 milhões de pesetas, dos quais a metade foi patrocinado pelo Banco Vizcaya, 3 milhões provenientes dos engenheiros fundadores da companhia e de particulares e 1 milhão de pesetas pagos pelo próprio Rei Alfonso XIII, na época monarca reinante da Espanha. Por este motivo, inicialmente o Metrô de Madrid recebeu a denominação de Companhia Metropolitana Alfonso XIII, sendo o rei um de seus principais acionistas e a primeira pessoa em realizar o trajeto inaugural da linha norte-sul, que ligava a Puerta del Sol (centro da cidade) com o Bairro industrial de Cuatro Caminos, uma zona industrial com uma grande quantidade de população obreira residente. Abaixo, vemos o Rei Alfonso XIII  no centro da foto no dia inaugural da linha.

20190416_113721OLYMPUS DIGITAL CAMERAO primeiro trecho compreendia 8 estações, com um trajeto de quase 4km, sendo que o trem realizava o percurso numa velocidade de 25 km/h. O trajeto era realizado em cerca de 10 minutos e o bilhete custava 15 centavos de peseta. Na época, Madrid tinha uma população de 750 mil habitantes, e no primeiro dia da inauguração do metrô utilizaram o novo sistema de transporte público 56 mil pessoas. Atualmente, Madrid é a maior cidade espanhola com aproximadamente 3.2 milhões de habitantes e diariamente utilizam o metrô 2.3 milhões de viajantes. Abaixo, vemos duas fotos em que vemos as primeiras obras de construção da linha 1 na Puerta del Sol, em 1917, e na então estação final de Cuatro Caminos, em 1918.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, a linha inaugural norte-sul está integrada na Linha 1 do Metrô de Madrid e conta com 33 estações num total de 24 km, unindo 8 distritos de Madrid e considerada a segunda em número de passageiros, superada apenas pela linha circular que rodeia a cidade. A seguir vemos uma foto atual da Puerta del Sol, um local emblemático da capital, e uma de suas portas de acesso ao metrô…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO arquiteto Antonio Palacios, personagem imprescindível da arquitetura madrilenha da primeira metade do século XX, foi durante os primeiros 25 anos da Cia Metropolitana Alfonso XIII o responsável pelo projeto das estações e também do logotipo da empresa. Inspirado na Arte Decô, Palácios proporcionou o estilo decorativo dos vestíbulos e das portas de acesso ao interior do Metrô de Madrid. Abaixo, vemos a entrada da Estação Sol, numa imagem dos anos 20 do século passado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo elemento decorativo principal, Antonio Palacios utilizou azulejos brancos com a finalidade de criar um ambiente interno acolhedor, como podemos observar na Estaçao Tirso de Molina, que conserva seu aspecto original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos uma aquarela pintada pelo próprio arquiteto representando o interior da Estação Sol

20190416_111106Finalizo esta primeira matéria sobre o Centenário do Metrô de Madrid com duas fotos em que vemos a Estação Sol nos anos 60…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

 

Arte Urbana em Madrid – Parte Final

Os artistas de Street Art em Madrid aproveitam não somente os muros dos edifícios para suas criaçoes artísticas, como também outros espaços onde expressarem-se, como os portões de garagens, por exemplo.

20190415_182214Um tema bastante comum é a representação de monumentos emblemáticos da capital, normalmente próximos dos monumentos representados. Abaixo, vemos uma reprodução da parte nova do Museu Reina Sofia, situada em frente ao museu…

20190415_173842Na Calle de Toledo, antigo caminho para a famosa cidade castelhana, vemos duas pinturas que representam a Puerta de Toledo, situada na rua, e a Puente de Toledo, ao final da mesma…

20190414_12200920190414_122140Uma infinidade de comércios dos mais variados tipos também recorreram à Arte Urbana para decorarem os estabelecimentos, como bares, restaurantes e discotecas…

20190415_18064620190416_125542Neste estabelecimento que vemos abaixo, que comercializa produtos asturianos como a Sidra, uma bebida alcoólica típica feita à base do fermento do suco da maçã, aparece o Simpsons enchendo um copo com a bebida à maneira tradicional…

20190415_181421A seguir, vemos um supermercado decorado com pinturas…

20190415_190446Um posto de gasolina….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutros exemplos de Arte Urbana em Madrid

20190415_180503OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm Madrid existem muitas hortas públicas, espaços públicos dedicados aos cidadãos da cidade, onde a Arte Urbana pode ser divulgada. Abaixo vemos uma delas, com uma grande pintura mural com conotaçoes ecológicas sobre o Escudo de Madrid, conhecido como o Urso e o Madroño (espécie da árvore que aparece no escudo)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo esta extensa matéria sobre Arte Urbana em Madrid com outras imagens, enaltecendo a capacidade dos artistas que divulgam esta autêntica modalidade artística, colaborando para seu desenvolvimento e propagação…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA20190416_105841