Os Pátios de Córdoba – Parte 2

Os Pátios de Córdoba ficaram famosos, em grande parte, graças ao impulso proporcionado pelo concurso municipal que se realiza anualmente na primeira quinzena do mês de maio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO primeiro concurso dos mais belos Pátios de Córdoba ocorreu em 1921, e o festival foi declarado de Interesse Turístico Nacional em 1980. Em 1974 foi criada a Associação dos Amigos dos Pátios Cordobeses, que divulga a festa e a beleza destes encantadores lugares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o festival, os proprietários das casas  decoram com esmero seus pátios, tornando-os ainda mais bonitos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo comentei no post anterior, muitos pátios da cidade encontram-se abertos à visitação pública. Além do mais, existem percursos pagos onde se podem conhecer os pátios particulares de outras residências, a grande maioria deles vencedores de concursos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Bairro de San Basilio, próxima a zona monumental da cidade, concentra vários destes pátios incluídos nestas visitas pagas. Em minha viagem por Córdoba, realizei duas destas rotas, sendo que cada uma custa 5 euros aproximadamente, com direito a visitar 5 pátios cada uma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo iniciar a rota prévio pagamento da visita, recebemos um folheto com o endereço de cada pátio que podemos visitar. O proprietário (a) de cada casa nos recepciona e nos conta a história do pátio e outros aspectos curiosos do mesmo, como suas peças históricas, como as fontes, poços, objetos relacionados à limpeza, colunas que datam da época romana, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASe algo chama a atenção dos proprietários é a simpatia e amabilidade de todos eles (as). Num dos pátios, fui recepcionado com uma taça de vinho, um detalhe que tornou a visita ainda mais agradável.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos objetos históricos que se destacam por sua curiosidade fazem parte da visita, como esta espécie de filtro formado pelos recipientes que vemos abaixo. A água do poço é colocado nos recipientes da parte superior do móvel, que vai filtrando a água aos recipientes situados justo embaixo. Finalmente, a água que se consome é a que está no recipiente da parte inferior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara finalizar a matéria, gostaria de enaltecer a paz de espírito que sentimos nos Pátios de Córdoba, favorecida pela contemplaçao de sua beleza, o aroma das flores e árvores frutíferas que o compõem, além da tranquilidade que reina nestes imperdíveis lugares da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Os Pátios de Córdoba – Patrimônio da Humanidade

Visitar Córdoba e nao conhecer os pátios de suas casas, restaurantes, palácios, etc é um verdadeiro pecado. Isso porque constitui uma das mais agradáveis atrações da cidade, pela beleza decorativa de cada um deles e pela importância na vida dos seus habitantes ao longo dos séculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Pátios de Córdoba foram declarados Patrimônio Imaterial da Humanidade, aumentando para três os locais da cidade que receberam esta privilegiada distinção (os outros dois correspondem a Mesquita-Catedral e o Centro Histórico de Córdoba). Convertidos num verdadeiro símbolo da cidade, os pátios cordobeses originaram-se das antigas casas romanas, denominadas Domus.  As dependências das residências romanas estavam distribuídas ao redor de dois pátios, um utilizado como local de recepção (atrium) e outro como local de recreio e lazer, com jardins, fontes, etc (peristilo). O atrium encontrava-se aberto para recolher a água da chuva. Já o Peristilo, de influência grega, estava formado por um pátio porticado e ajardinado, que a partir do século II aC começou a adquirir protagonismo nas casas da elite romana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs árabes introduziram na Península Ibérica o gosto pelo jardim, incorporando árvores frutíferas e plantas comestíveis, gerando o chamado Jardim Hispano-Muçulmano. Na Córdoba Omeya se consolida o pátio como uma parte fundamental da residência e também como uma zona privada, aberto ao céu mas fechado à visitação pública. O pátio passa a constituir o elemento articulador da casa, em torno do qual girava a vida familiar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASeus elementos mais comuns eram a fonte e o poço para o abastecimento de água, além das plantas. Originários de uma terra desértica e árida, a presença da fonte nos pátios da Córdoba Muçulmana criava uma espécie de oásis nos tórridos verões cordobeses. De fato, existe um certo microclima nos pátios, com temperaturas bem mais amenas que no exterior da casa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente vivam várias famílias numa mesma residência e o pátio representava a área comum. Sua conservação e manutenção se realizava de forma comunitária, servindo como ponto de encontro social.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom o tempo, o pátio cordobês vai se enriquecendo com outros elementos decorativos, como a cerâmica, vasos, etc. A partir do século XVIII e, principalmente do século XIX, a emergente burguesia utiliza o pátio como símbolo de seu status social, adornando-o com plantas exóticas e peças arqueológicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, muitos dos Pátios de Córdoba se encontram abertos ao exterior por meios de cancelas, de forma que possam ser apreciados desde a rua. Por isso recomendo que a todos (as) que visitem a cidade, quando observem uma porta aberta de uma casa com pátio, nao deixem de observá-lo e contemplar sua beleza…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo área comum para as famílias residentes, no pátio se encontra, além do poço e da fonte, as pias para lavar a roupa, muitas delas com objetos históricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma característica essencial, a presença de inúmeros vasos com plantas nos muros dos pátios, faz com que regar todos elas seja uma tarefa árdua. Os cordobeses utilizam uma espécie de mangueira com uma caneca na ponta para regar as plantas e flores situadas em alturas elevadas, como demonstra esta escultura que encontrei no centro da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor toda a cidade vemos cartazes com escritos, muitos deles realizados por autores famosos, sobre a importância dos Pátios de Córdoba…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm alguns pátios funciona uma pequena loja, onde se comercializam produtos típicos da tradição espanhola…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Córdoba

Para se conhecer o Centro Histórico de Córdoba, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o ideal é caminhar por suas ruas sem pressa, pois sempre existem lugares de interesse para os visitantes curiosos por sua milenar história. Ao redor da Mesquita-Catedral, por exemplo, existem várias construções que se destacam, como o antigo Hospital de San Sebastián, construído pelo arquiteto Hernán Ruiz “El Viejo” entre 1512 e 1516.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA instituição foi criada pela Confraria de San Sebastián, cuja origem se deve a grande quantidade de crianças abandonadas que haviam na época. Atualmente o edifício é a sede do Palácio de Congresso e Exposições, e conserva a bela fachada de sua igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do Real Alcázar situa-se uma grande edifício, as Reales Caballerizas de Córdoba, fundada pelo Rei Felipe II com a finalidade de criar cavalos de pura raça espanhola para os serviços da Casa Real.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1757 sofreu um incêndio, sendo reconstruído durante o reinado de Carlos III. Em 1822, os cavalos utilizados pela corte foram retirados, e o edifício passou a ser usado pelo Corpo de Cavalaria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 2002 foi adquirido pela Prefeitura de Córdoba como um espaço cultural. Atualmente se realizam espetáculos equestres no local, além de visitas guiadas pelo interior do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos uma foto das Reales Caballerizas tirada desde o Real Alcázar

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro lugar emblemático do centro histórico é a Plaza de la Corredera, um verdadeiro ponto de encontro dos habitantes da cidade, declarada Bem de Interesse Cultural em 1981.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada a única praça de formato quadrangular de toda a Comunidade de Andaluzia, ao modo das praças castelhanas, possui 113m de comprimento por 55m de largura. Seu espaço foi sempre utilizado para a representação de espetáculos públicos, como as Corridas de Touros. Em uma delas, a arquibancada de madeira caiu, para o desespero das pessoas que se encontravam no local. Se projetou então uma nova praça, antes irregular, num espaço uniforme, alinhando as fachadas dos edifícios de três níveis de altura e melhorando a segurança dos espetáculos públicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras da nova praça realizaram-se no final do século XVII e foram pagas pelos próprios habitantes da cidade. O projeto se deve ao arquiteto Antonio Ramós Valdés. Grandes personagens da época presenciaram as Corridas de Touros, como o Rei Felipe IV e inclusive Cosme de Médici. A Plaza de la Corredera conserva edifícios cuja construção é anterior a própria praça, como a antiga Casa Consistorial, erguida no final do século XVI pelo arquiteto Hernán Ruiz II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de representar o centro político da cidade, nela se situava também a prisão, que permaneceu no local até 1821, quando foi levada ao Real Alcázar de Córdoba. Em 1846, o edifício foi adquirido por um empresário cordobês, José Sánchez Peña, que instalou uma fábrica de sombreros, colocando as residências dos trabalhadores em sua parte superior. Depois, passou a abrigar o Mercado da cidade. Outro espetáculo famoso realizado na praça, antes da reforma, ocorreu em 1571, durante as festividades celebradas pela vitória na Batalha de Lepanto contra os turcos otomanos, quando se organizou uma verdadeira batalha naval na praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Tribunal da Inquisição também escolheu a praça para a realização de vários autos de fé, quando foram julgados os condenados por cometer delitos contra os dogmas da igreja. Escavações realizadas na praça durante as reformas descobriram mosaicos romanos em seu subsolo, atualmente expostos no Real Alcázar, cujas imagens já publiquei na matéria sobre a Córdoba Romana. Durante a Guerra da Independência no início do século XIX, os franceses colocaram patíbulos na praça para execução pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XX,  a praça foi pintada nas cores vermelha, verde e ocre, retornando ao aspecto que tinha no final do século XVII. Se dizia que nesta época a tonalidade vermelha se conseguia com o próprio sangue dos touros sacrificados na praça. É mole?

As Muralhas de Córdoba

Outro monumento de Córdoba que reflete os vários períodos históricos que atravessou a cidade são suas muralhas, estas estruturas que cercavam as cidades antigas com uma clara função defensiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs primeiras muralhas edificadas em Córdoba foram realizadas no século II, durante a etapa romana. Possuía um perímetro de 2650m e continha 4 portas, orientadas aos pontos cardeais. Com a chegada dos árabes, seu estado era deplorável, motivo pelo qual teve que ser reconstruída e ampliada devido ao  grande crescimento urbano verificado a partir de então. As crônicas existentes relatam que o perímetro da muralha durante a fase final do Califato de Córdoba, no início do século XI, era de 22 km, ocupando um espaço maior que a atual cidade no século XXI. Chegou a ter 13 portas !!!

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pouco antes da reconquista de Córdoba no século XIII pelo Rei Fernando III, se construiu  uma nova muralha anexa à existente, com o objetivo de proteger as residências situadas fora da primitiva muralha. Desta forma, o recinto de muralhas ficou dividido em duas partes. Por um lado, o antigo recinto histórico, denominado Medina, e o novo, situado em sua porção oriental, que passou a ser chamado de La Axerquía. Abaixo, vemos uma parte da Muralha del Marrubial, que integrava este novo conjunto defensivo, e que atualmente encontra-se em fase de restauração (séculos XI e XII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da reconquista, as muralhas foram conservadas e restauradas. Também se construíram novas portas e torres, que passaram a integrar o recinto de La Axerquía, caso da Torre de la Puerta del Rincón, edificada no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo século XV se conserva a Torre de la Malmuerta. Sua construção iniciou-se em 1404, durante o reinado de Enrique III de Castilla, sob os restos de uma torre muçulmana. De planta octogonal, está apoiada sobre um arco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma antiga lenda diz que seu nome se deve à morte de uma dama cordobesa por seu marido ciumento, cujo desenlace ocorreu junto à torre. Outra estória a respeito desta torre relata que se um cavalheiro, passando a cavalo por debaixo do arco, fosse capaz de ler toda a inscrição existente na torre, esta se derrubaria e de seu interior sairia um tesouro, que passaria a ser propriedade do afortunado leitor. Perdida sua função defensiva, foi utilizada como prisão para nobres. No final do século XX, foi a sede da Federação de Xadrez da cidade. O núcleo principal da muralha rodeia parte do Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste tramo da muralha possui 360m, estando formado por 7 torres. Abaixo, vemos a conhecida Porta de Almodóvar. Situada junto à Judería de Córdoba, sua origem é árabe, mas seu aspecto atual data do século XIV. Está composta por duas torres unidas a modo de uma ponte por um arco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta de Sevilha foi reconstruída, pois a original foi demolida em 1865. Diante dela, vemos o monumento em homenagem ao poeta, filósofo e teólogo cordobês Ibn Hazam (994/1064).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei uma matéria sobre um local representativo do Centro Histórico de Córdoba, a famosa Judería

Real Alcázar de Córdoba

Bem próximo à Mesquita-Catedral de Córdoba localiza-se outro monumento relevante da cidade, o Real Alcázar de los Reyes Cristianos (original em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta fortaleza foi assim denominada para diferenciá-lo do desaparecido Alcázar Árabe que se levantava em suas proximidades.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi construído sobre restos romanos e árabes pelo Rei Alfonso XI em 1328, quase cem anos depois da cidade ter sido reconquistada por Fernando III. Possui um formato quadrado, com torrens nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a reconquista de Granada, foi utilizado pelos Reis Católicos como quartel geral. A partir de 1482, foi a sede do Tribunal da Inquisição de Córdoba, função que exerceu até a desintegração do tribunal em 1821.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo alto de suas muralhas, as vistas da cidade são belíssimas, com destaque para a torre campanário da Mesquita-Catedral

OLYMPUS DIGITAL CAMERANesta fortaleza nasceu a Infanta María, filha dos Reis Católicos, que depois se tornaria Rainha de Portugal. Em 1486, recebeu a visita de Cristóvão Colombo, mostrando por primeira vez seu projeto aos Reis Católicos, que alguns anos depois financiariam  as viagens do navegante genovês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFuncionou também, a partir do século XIX e durante boa parte do século XX, como prisão e quartel militar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente é um museu, e em seu interior podemos contemplar diversas peças arqueológicas cujas imagens já foram publicadas no blog, principalmente quando abordei a época romana da cidade (mosaicos, sarcófagos, etc). A visita inclui banhos de época muçulmana que acabaram integrando-se às dependências do Alcázar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das características dos banhos árabes, herdeiros dos antigos banhos romanos, constituem as pequenas aberturas nos tetos das salas, para iluminar o ambiente, como as que vemos acima. Belos pátios interiores compõem a estrutura do Real Alcázar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs jardins que decoram o Real Alcázar de Córdoba constituem outra imagem emblemática da cidade e são simplesmente maravilhosos, tema que comentarei no próximo post. Finalizo a matéria com outras fotos da fortaleza…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Córdoba – Parte 3

Um dos elementos arquitetônicos mais emblemáticos da Mesquita-Catedral de Córdoba é a esbelta torre, que se eleva de forma imponente. Guarda em parte de sua estrutura, os vestígios de sua primitiva existência como Minarete, como são conhecidas as torres dos templos muçulmanos, cuja função principal é convocar os fiéis às cinco preces que devem ser realizadas diariamente pelo crente mulçumano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Minarete, também denominado Alminar, foi edificado em tempos do Califa Abderramán III (ano 951 dC), com 48 metros de altura. Parte de sua estrutura, de 22 metros, se encontra integrado na atual torre, construída pelo arquiteto Hernán Ruiz III como torre campanário. Inicialmente, projetou dois níveis para alojar as campanas e um relógio em 1593. Um pouco depois, em 1644, foi construído outro corpo, onde foi colocada uma estátua do protetor da cidade, o Arcanjo São Rafael. Em 1755, o Terremoto de Lisboa causou estragos em sua estrutura. É possível subir ao alto da torre para contemplar os sinos e também as maravilhosas vistas da cidade de Córdoba.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Córdoba, além de seu núcleo central formado pela Capela Maior, o Coro e o Trascoro, que vimos na matéria anterior, está formada por mais de 50 capelas, boa parte delas construídas junto ao muro da antiga mesquita. Vejamos algumas das mais importantes. A denominada Capela Real, de estilo mudéjar, foi fundada em tempos do Rei Enrique II de Castilla como local de sepultamento dos monarcas Fernando IV e Alfonso XI. Em 1736 os sepulcros de ambos reis foram levados para outra igreja de Córdoba, a de San Hipólito, e neste templo permanecem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de N.Sra La Antigua está decorada com uma bela imagem da Virgem realizada em 1641 pelo artista Francisco Vargas, inspirada na tradição bizantina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1565 é a Capela da Natividade de Nossa Senhora, cujas pinturas do retábulo foram realizadas por Gabriel Rosales. Representa a Árvore de Jessé, como tradicionalmente se conhece a Árvore Genealógica de Cristo, iniciada partir de Jessé, pai do Rei Davi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de N.Sra do Rosário fundou-se em 1612. As coloridas colunas que compõem o retábulo simulam o mármore. Esta bela obra é atribuída ao pintor barroco, natural de Córdoba, Antonio del Castillo (1616/1668), considerado um dos grandes nomes do Século de Ouro Espanhol. No quadro vemos a Virgem do Rosário no centro, com São Sebastião no lado esquerdo e São Roque no direito. Na parte superior, aparece Cristo Crucificado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de N.Sra da Concepção é uma das mais belas da Catedral de Córdoba. Também conhecida como Capela do Santíssimo Sacramento, foi construída a partir de 1679, estando decorada por pinturas em sua cúpula que representam ao Espírito Santo e os 4 evangelistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra capela de grande beleza é a de Santa Teresa, fundada em 1697 pelo Cardeal Pedro de Salazar Gutiérrez de Toledo, grande admirador e devoto da santa de Ávila. De planta octogonal, está coberta por uma esplêndida cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela se encontra o sepulcro do cardeal fundador, feito com mármore branco e negro, e com a estátua orante do cardeal, junto com querubins. A capela foi construída no começo do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta capela acolhe a Câmara do Tesouro, que exibe algumas das peças artísticas mais valiosas da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA principal delas foi situada no centro da capela, uma custódia realizada por Enrique de Arfe no princípio do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte exterior da Mesquita-Catedral podemos admirar alguns altares, como o dedicado à Virgen de los Faroles (original em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERABrasões do século XVIII com os escudos episcopais decoram um dos muros da catedral…

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom esta matéria, finalizo os posts dedicados a este templo sagrado universal, a Mesquita-Catedral de Córdoba. No entanto, as matérias sobre a cidade estão longe de finalizar-se devido a grande quantidade de locais de interesse histórico e artístico que podemos ver numa visita pela cidade. No próximo post, veremos outro lugar fundamental, o Alcázar dos Reis Cristianos

Catedral de Córdoba – Parte 2

A construção da Catedral de Córdoba iniciou-se em 1523, quando se abriu uma grande nave central dentro da estrutura da mesquita.O projeto foi encarregado ao arquiteto Hernán Ruiz “El Viejo” no estilo renascentista, e as obras prosseguiram sob o cuidado de seu filho, Hernán Ruiz “El Joven”. Outro arquiteto de importância na execução das obras foi Juan de Ochoa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADedicada à Assunção de Nossa Senhora, o núcleo central da catedral está formada pela Capela Maior, o Coro e sua parte traseira, o Trascoro. Abaixo, vemos a Capela Maior, decorada com um belo retábulo realizado em 1618 pelo mestre jesuíta Alonso Matias, que utilizou mármore vermelho e jaspe cordobês em sua arquitetura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA O Coro, belíssimo, foi realizado com madeira de caoba, procedente do continente americano, a mediados do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu autor foi Pedro Duque Cornejo, que também realizou o trono episcopal que preside o Coro, que vemos na imagem acima. Adornado com cenas relativas à Ascensão de Cristo, abaixo vemos o requinte das representações escultóricas que decoram cada um dos assentos do coro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas laterais do Coro, foram colocados dois órgãos de grande beleza, que impressionam a todos os visitantes da Catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos instrumentos no detalhe…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Trascoro, com uma representação de São Pedro em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cúpula da nave central é maravilhosa, como podemos ver a seguir…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Córdoba finalizou-se em 1766. Aproveito para publicar outras imagens do templo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a última parte desta construção símbolo da cidade de Córdoba, a Mesquita-Catedral, declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.