Último Passeio por Santiago de Compostela

Finalmente, depois de mais de 40 posts e dois meses de publicações, finalizo minha recente viagem pela Galícia (que terá um complemento especial sobre o Apóstolo Santiago). Neste último post sobre Santiago de Compostela, veremos alguns lugares e atrações da cidade que não foram incluídos nas matérias anteriores. A capital galega possui inúmeras casas nobres de importância histórica, como o Palácio de Fonseca, que pertenceu a Alonso III de Fonseca, um dos principais impulsores da prestigiosa e histórica Universidade de Santiago de Compostela. O palácio foi construído na primeira metade do século XVI e foi projetada pelo famoso arquiteto Rodrigo Gil de Hontañón. Em sua fachada, vemos o escudo da família dos Fonseca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUm belo exemplo da Arquitetura Civil do período barroco é o Palácio de Fondevila, construído em 1760. Situa-se na chamada Calle de las Casas Reales, assim denominada pelos palácios que ainda conserva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu nome é uma referência a D.Pedro Varela Fondevila, que foi o proprietário do imóvel e prefeito da cidade. Também destaca o escudo situado na fachada da construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo seu lado, um outro palácio, datado de 1500, conserva um portal composto por um Arco Conopial, algo raro na arquitetura civil…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outra casa nobre, cuja história ignoro….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das ruas mais representativas do Centro Histórico, declarado Patrimônio da Humanidade, é a Rua del Villar, com abundantes casas dos séculos XVI, XVII e XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe todas as fontes da cidade a mais famosa é, sem dúvida, a Fonte dos Cavalos, situada na Plaza de las Platerías, em frente à famosa fachada românica da Catedral Compostelana. Nesta praça situava-se o grêmio que representava os artesãos que trabalham com a prata, em cujas lojas ainda podemos comprar objetos feitos de metal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela os visitantes jogam uma moeda com o desejo de retornar à cidade. A fonte foi construída em 1825. Atrás da fonte, vemos a Casa do Cabildo, um edifício pertencente à segunda metade do século XVIII, também barroco. No lado esquerdo, o antigo Edifício do Banco de Espanha, que atualmente é uma das sedes do Museu das Peregrinações, que possui uma interessante coleção de objetos artísticos e arqueológicos encontrados na Catedral, enaltecendo a importância das rotas de peregrinações ao redor do mundo, especialmente o Caminho de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, um detalhe da Fonte dos Cavalos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu das Peregrinações possui uma outra sede, situada numa casa gótica do século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor sua vez, o denominado Museu Casa de la Troya recria o ambiente de uma pensão de estudantes do final do século XIX, no qual se inspirou o escritor Alejandro Pérez Lugín (1870/1926) para escrever sua célebre novela “La Casa de la Troya“, em 1915. Este autor espanhol frequentou a Universidade de Santiago de Compostela e muitas de suas obras retratam temas e ambientes galegos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo aspecto gastronômico, a Comunidade da Galícia destaca-se principalmente por seus pescados, como o Pulpo à Gallega, polvo feito ao modo tradicional da região. Outro prato de referência é o Caldo Gallego, uma deliciosa sopa feita com legumes, batatas, muito parecido ao Caldo Verde português. No Caminho de Santiago, os peregrinos reforçam a dieta com esta sopa, principalmente nos frios dias do inverno.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda tive tempo de conhecer a Ponte sobre o Rio Sar, que cruza a parte baixa da cidade, construída provavelmente no século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo, vemos juntos dois símbolos da comunidade, o cruzeiro e o hórreo, presentes na grande maioria das cidades e pueblos da Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAproveito uma vez mais para agradecer aos meus queridos amigos Marcelo e Cristina, que me convidaram novamente para participar desta viagem por terras da Galícia. Amantes incondicionais desta região espanhola, ambos possuem uma autêntica alma de peregrinos, e caminhar pelas cidades e povoados da comunidade junto a eles foi um verdadeiro prazer, repleto de momentos que somente as inesquecíveis viagens podem produzir…

Anúncios

A Catedral Compostelana

Esta série de matérias sobre Santiago de Compostela estaria incompleta, caso não publicasse posts sobre seu edifício mais famoso e importante, a Catedral, que preside o Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade em 1985.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada um dos templos mais importantes de todo o mundo, a Catedral Compostelana está dedicada ao Apóstolo Santiago, cujos restos descansam em seu interior. Este fato a converteu num dos principais centros de peregrinação da Europa desde a Idade Média, através do Caminho de Santiago. O sepulcro do Apóstolo, nomeado Padroeiro da Espanha, foi descoberto no século IX por um eremita chamado Pelayo, que comunicou o achado ao Bispo Teodomiro de Iria Flávia, atual município galego de Padrón. O bispo, por su vez, avisou da notável descoberta ao Rei Asturiano Alfonso II, que posteriormente converteu-se no primeiro peregrino documentado do caminho. O monarca ordenou a construção de uma pequena capela no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADiante do crescente número de peregrinos e das reduzidas dimensões do templo, se construiu uma igreja maior no ano 829 e no final do século IX (899) uma outra igreja, de estilo pré-românico, construída pelo Rei Alfonso III, que se transformou gradualmente num importante local de peregrinaçao. Em 997, esta primitiva igreja foi destruída pelo General Almanzor, comandante do exército muçulmano do Califato de Córdoba, que respeitou, no entanto, o sepulcro do Apóstolo Santiago. Apesar disso, as portas e campanas da igreja foram levadas à Mesquita de Córdoba. Quando a cidade andaluza foi reconquistada pelo Rei Fernando III em 1236, foram transportadas por prisioneiros muçulmanos à cidade de Toledo, concretamente a sua notável catedral gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADestruída a igreja primitiva, durante o reinado de Alfonso VI e sob o patrocínio do Bispo Diego Peláez, se iniciou a construção da atual catedral, um dos edifícios de estilo românico de maior importância em toda Europa. Edificada basicamente com granito, as obras se detiveram em vários momentos, sendo finalizada em 1122 e consagrada por primeira vez seis anos depois. Seus principais arquitetos foram Bernardo El Viejo, seu discípulo Roberto e um grande arquiteto da Arquitetura Românica, o Mestre Esteban. A última etapa construtiva ocorreu a partir de 1168, quando o chamado Mestre Mateo realizou a cripta e o fabuloso Pórtico da Glória, considerado um dos expoentes máximos da Arte Românica. As obras finalizaram em 1211, ano em que a Catedral é definitivamente consagrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos o aspecto da fachada principal românica da catedral, antes da reforma barroca realizada no século XVIII, que dá para a Plaza del Obradoiro. Esta imponente e maravilhosa fachada, além de outras partes da Catedral, como o mencionado Pórtico da Glória, está sendo restaurada para solucionar o processo de deterioração em seus elementos estruturais e decorativos, causado principalmente pela humidade, além de intervenções realizadas no passado que resultaram problemáticas. Além do mais, a fachada recebeu um necessário tratamento de limpeza. Abaixo, vemos duas imagens da fachada, antes da reforma, e outra atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs primitivas torres da fachada principal eram românicas, mas forma substituídas pelas atuais durante a reforma barroca. Abaixo, vemos a Torre do Relógio, situada no lado direito da fachada. Foi realizada em 1680 por Domingo de Andrade. O relógio é de 1831, e os sinos são réplicas, cujos originais foram colocadas no claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo exterior da catedral, a única fachada que conserva sua fábrica românica é a impressionante Fachada de las Platerías, construída pelo Mestre Esteban entre 1103 e 1117.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACaracteriza-se por sua riqueza escultórica, tanto nos capitéis, quanto nos tímpanos de suas duas portas. No tímpano da esquerda, vemos cenas relacionadas às tentaçoes de Cristo. No extremo direito aparece a representação de Eva com uma caveira, identificada como adúltera pelo Códice Calixtino (um pouco complicado de ver na foto…).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo tímpano da direita, vemos outras cenas historiadas, como a Epifania em sua parte superior. Na parte inferior, a cura do cego e episódios da Paixão de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns elementos decorativos foram colocados posteriormente (final do século XIX), como estes 6 meninos que faziam parte do coro de pedra situado na nave central da igreja e realizado pelo Mestre Mateo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local destacável do exterior da catedral é a Porta Santa, cuja porta se abre somente nos denominados Anos Santos ou Jubilar, quando as festividades em honra ao Apóstolo Santiago (25 de julho) caem num domingo, algo que ocorre em intervalos de 5, 6 e 11 anos. Este privilégio foi concedido pelo Papa Calixto II em 1122.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas laterais da porta, também foram colocadas, no século XVII, 24 figuras de personagens bíblicos, do Antigo e do Novo Testamento, que originalmente integravam o coro pétreo do Mestre Mateo. Em sua parte superior, vemos o Apóstolo Santiago, cuja imagem foi realizada em 1694 por Pedro del Campo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos esta primeira parte sobre a Catedral de Santiago de Compostela com a Fachada da la Azabachería, construída em 1758, substituindo a antiga Porta do Paraíso, pela qual entravam a maioria dos peregrinos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Plaza del Obradoiro – Santiago de Compostela

Em Santiago de Compostela, todos os caminhos levam à Plaza del Obradoiro, a praça mais importante, monumental e movimentada da cidade. Milhares de peregrinos, depois de muitos dias caminhando, finalmente se aproximam à praça para visitar a Catedral de Santiago de Compostela, cuja fachada principal dá para a praça, e finalizar o caminho abraçando a imagem do apóstolo que se encontra no interior do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome da praça está relacionada com o grêmios de obreiros que trabalharam na construção da catedral. No centro da praça encontra-se o “Km 0” do Caminho de Santiago e uma placa com a declaração do caminho de peregrinação como o “Primeiro Itinerário Cultural Europeu“. Abaixo, vemos uma panorâmica da praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada principal da Catedral preside este lugar maravilhoso da cidade. O templo foi construído a partir do século XI no estilo românico, mas a fachada foi alvo de várias reformas a partir do século XVI, com a intenção de proteger uma de suas partes mais famosas, o incrível Pórtico da Glória, além de suas duas torres. No século XVIII decidiu-se pela construção de uma nova fachada no estilo barroco, que acabou se transformando numa obra prima do estilo na Espanha e um símbolo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto da fachada barroca da Catedral de Santiago de Compostela se deve ao arquiteto nascido e falecido na cidade Fernando de Casas Novoa. Destaca-se por sua riqueza decorativa, verticalidade e seu formato relativamente côncavo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre ambas torres, foram colocadas janelas acristalados que permitem a iluminaçao interna do interior. Toda a iconografia escultórica da fachada relaciona-se com o Apóstolo Santiago, cuja imagem vemos na parte superior do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAInfelizmente, o arquiteto responsável não pôde ver finalizada a obra, terminada em 1750, um ano depois de seu falecimento. A escada de acesso foi construída no século XVII, no estilo renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, a fachada está sendo objeto de uma intensa restauração, com a finalidade de limpeza de sua estrutura. Em algumas fotos da presente matéria, vocês podem observar a fachada limpa e quase terminada, enquanto nas demais fotos, tiradas em 2012, podemos ver a sujeira acumulada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente à Catedral encontra-se o Palácio de Raxoi (Rajoy, em espanhol), atual sede da Presidência da Junta de Galícia e do Centro de Cultura da Galícia, além de albergar a Prefeitura de Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInspirado nos palácios franceses do século XVIII, o edifício foi projetado pelo engenheiro francês Charles Lemau no estilo neoclássico, e realizado na segunda metade do século XVIII. Inicialmente, foi construído como residência dos meninos que integravam o coro da catedral e também como seminário. Depois funcionou como prisao civil e eclesiástica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte superior do palácio vemos um rico conjunto escultórico que representa a Batalha de Clavijo, a primeira em que o Apóstolo Santiago aparece como guerreiro para auxiliar o exército cristão na luta contra os árabes, ocorrida em 844 e considerada uma das mais célebres da denominada Reconquista. O próprio santo, representado como Padroeiro da Reconquista, remata a estrutura do palácio. A construção do palácio permitu o fechamento da Plaza del Obradoiro, antigamente denominada Plaza del Hospital, graças ao antigo hospital fundado pelos Reis Católicos que vemos em uma de suas laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste local será o tema da próxima matéria, onde vocês poderão conhecer com mais profundidade sua história e beleza. Do outro lado da praça localiza-se o  Colégio de San Jerónimo (em galhego, San Xerome), atual sede da Reitoria da Universidade de Santiago de Compostela. Sobre a Universidade também publicarei posts especiais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da catedral situa-se o Palácio de Xemírez, que foi a residência do primeiro arcebispo da cidade, Diego Xemírez. Ele ordenou a construção, a partir de 1120, de um novo palácio de estilo românico que substituiu o anterior, destruído durante uma revolta popular. O palácio é visitável, pois atualmente se realizam exposições no interior, mas as fotos não estão permitidas…

 

Santiago de Compostela

Minha viagem com o Marcelo e a Cristina pela Galícia finalizou de forma maravilhosa em Santiago de Compostela, cidade monumental cujos adjetivos escasseiam para definir sua beleza e importância histórica. Capital da Comunidade da Galícia, sede do governo e do parlamento galhego, meta última dos milhares de peregrinos que realizam o Caminho de Santiago, pois acolhe o sepulcro do Apóstolo Santiago, padroeiro da Espanha, e Patrimônio da Humanidade desde 1985, Santiago de Compostela é uma destas cidades que merecem ser visitadas ao menos uma vez na vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASuas origens estão intimamente relacionadas ao culto do apóstolo que lhe dá nome, pois até o descobrimento de seus restos no início do século IX, se pode dizer que a cidade não existia. O crescimento e importância desta cidade se deve à enorme quantidade de peregrinos que desde a Idade Média visitam a tumba do apóstolo, situado em sua impressionante Catedral Românica, que recebiam o apelativo genérico de “francos“, independente de seu local de origem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome “Compostela” deriva da expressao latina “Campus Stellae“, que significa “Campo de Estrela“. Segundo a tradição medieval, no ano de 813 um eremita chamado Pelayo, alertado pelas estrelas que iluminavam o céu noturno num bosque denominado Libredón, encontrou os restos do Apóstolo Santiago e avisou ao Bispo Teodomiro de Iria Flávia sobre as relíquias do santo. A descoberta propiciou que o Rei Alfonso II de Asturias (760/842) realizasse a primeira peregrinação a este novo local sagrado para o Cristianismo, pois as outras rotas de peregrinação, como Roma, encontravam-se, naquele momento, num período de decadente, e Jerusalém estava sob o poder dos árabes. Abaixo, vemos a imagem do apóstolo que preside a incrível fachada barroca da Catedral de Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco a pouco a cidade começou a desenvolver-se devido a este protagonismo religioso, mas foi destruída pelo General Almanzor em 997, numa batalha situada dentro do processo de reconquista cristã das terras ocupadas pelos mouros. Almanzor, respeitou, no entanto, a tumba do apóstolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra explicação para o nome da cidade vem da expressao “Composita Tella“, que significa “Tierras Hermosas“. A cidade foi reconstruída e fortificada a partir do século XI, momento em que se construiu uma nova muralha, além de transformar-se numa sede apostólica pelo Bispo Cresconio. Em 1075, o Bispo Diego Pelaéz ordenou a construção da Catedral Românica, que atualmente contemplamos apesar das reformas realizadas, principalmente em sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo ponto de vista político, destaca-se a coroação do Rei Alfonso VI (1040/1109) na catedral compostelana. Este monarca foi Rei de León, Castilla e da Galícia. Em 1181, o Papa Alexandro III concedeu o privilégio do Ano Santo Jacobeu. Nesta época foi redatado o famoso Códice Calixtino, um conjunto de textos que tornou-se uma fonte primordial para os peregrinos que realizavam o caminho, e que atualmente encontra-se protegido dentro da catedral, depois que foi roubado há poucos anos atrás e posteriormente reencontrado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra data fundamental para a cidade foi 1643, quando o Rei Felipe IV estabeleceu o Apóstolo Santiago como o Padroeiro da Espanha. A prosperidade alcançada fez com que se tornasse um grande centro artístico a partir da época barroca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos a Plaza del Obradoiro, a principal da cidade, onde situa-se a fachada principal da Catedral, a Prefeitura, um maravilhoso Parador de Turismo e um dos edifícios de sua famosa Universidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Atualmente, Santiago de Compostela é uma cidade de serviços em virtude do intenso turismo religioso e cultural que possui. Sua economia destaca-se também pela indústria de telecomunicações e do setor madeireiro, além de centro universitário e sede administrativa do Governo Autônomo da Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATive o privilégio de ficar 4 dias na cidade, e conhecer boa parte de seus monumentos, igrejas, praças, ruas e pontos de interesse turístico. A partir de hoje, inicio uma extensa série de matérias, onde os leitores (as) do blog poderão conhecê-la com mais profundidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Torre de Hércules – Patrimônio da Humanidade

Em maio de 2012 estive na cidade de La Coruña, uma das mais importantes da Galícia, e sobre ela publiquei um dos primeiros posts do blog, em 23/5/2012. Naquela oportunidade, comentei um pouco sobre a história da cidade, mencionando algumas de suas principais atrações. Retornei a La Coruña com o Marcelo e a Cristina para um passeio de um dia, partindo de Ferrol, e voltei a visitar a Torre de Hércules, um impressionante farol de origem romano que foi declarado Patrimônio da Humanidade em 2009.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO tempo não estava muito convidativo, com chuva, vento e um pouco de frio, mas não impediu que visitássemos o farol, situado numa colina a 60 metros sobre o nível do mar. A Torre de Hércules é considerado o único farol da antiguidade que segue em funcionamento. Foi construído pelos romanos, no século I dC, e sob a torre se encontram  restos arqueológicos e os cimentos originais da estrutura, além de construções que foram realizadas posteriormente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA lenda atribui ao herói grego Hércules sua construção, relatada pelo Rei Alfonso X “El Sábio” em 1270. Conta a história que Hércules venceu um gigante chamado Gerión, que ameaçava todos os habitantes da zona. Vitorioso, o herói enterrou a cabeça de seu inimigo e sobre ela ordenou que se edificasse uma torre. Em suas proximidades fundou uma cidade com o nome de Crunia, lembrança da primeira mulher que a habitou e da qual se apaixonou. Esta denominação latina evolucionou até o nome da cidade atual, La Coruña (em espanhol) ou A Coruña (em galhego). A origem lendária do farol podemos observar numa das portas da torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATrata-se do único farol romano de todo o mundo do qual se sabe o nome do arquiteto que o projetou, Caio Sevio Lupo, graças a uma inscrição conservada. A Torre de Hércules se iluminava com uma lâmpada de azeite, similar às de uso doméstico, mas de grande tamanho. Abaixo, vemos uma pedra circular que fazia parte do sistema de iluminação do farol, colocada sobre o recipiente que continha o azeite. Vemos na foto o orifício onde a mancha era acesa, projetando a luz sobre um espelho parabólico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente o farol era mais baixo, com 41.5 metros de altura e mais largo, porque contava com uma rampa exterior através da qual se transportava o combustível que o alimentava. Atualmente, possui 59m de altura e possui uma planta quadrada, sendo que sua luz alcança as 24 milhas náuticas. Da parte subterrânea, onde se encontram os restos arqueológicos, começa uma escada que nos conduz ao alto da torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACartazes advertem que a subida não é apta para pessoas com problemas cardiorrespiratórios ou claustrofobia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInfelizmente, em razão das medidas de segurança adotadas devido ao mau tempo, no dia em que estivemos no farol as visitas à parte mais alta da torre foram suspensas. De qualquer modo, pudemos admirar o núcleo interno desta maravilhosa obra de engenharia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo de sua milenar história, o farol sofreu diversas modificações, sendo a mais importante realizada em 1788, durante o reinado de Carlos III, cuja estátua colocada em frente a torre celebra o fato.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA reforma recobriu a estrutura romana com fachada que vemos atualmente. Para recordar a antiga rampa existente, se introduziu na fachada uma faixa ascendente que percorre toda a altura da torre. Abaixo, vemos alguma imagens do farol tiradas em 2012, quando o sol embelezava este emblemático monumento da arquitetura romana na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo o post com uma placa colocada na fachada que enaltece a importância da reforma de Carlos III.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Os Pátios de Córdoba – Parte 2

Os Pátios de Córdoba ficaram famosos, em grande parte, graças ao impulso proporcionado pelo concurso municipal que se realiza anualmente na primeira quinzena do mês de maio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO primeiro concurso dos mais belos Pátios de Córdoba ocorreu em 1921, e o festival foi declarado de Interesse Turístico Nacional em 1980. Em 1974 foi criada a Associação dos Amigos dos Pátios Cordobeses, que divulga a festa e a beleza destes encantadores lugares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o festival, os proprietários das casas  decoram com esmero seus pátios, tornando-os ainda mais bonitos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo comentei no post anterior, muitos pátios da cidade encontram-se abertos à visitação pública. Além do mais, existem percursos pagos onde se podem conhecer os pátios particulares de outras residências, a grande maioria deles vencedores de concursos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Bairro de San Basilio, próxima a zona monumental da cidade, concentra vários destes pátios incluídos nestas visitas pagas. Em minha viagem por Córdoba, realizei duas destas rotas, sendo que cada uma custa 5 euros aproximadamente, com direito a visitar 5 pátios cada uma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo iniciar a rota prévio pagamento da visita, recebemos um folheto com o endereço de cada pátio que podemos visitar. O proprietário (a) de cada casa nos recepciona e nos conta a história do pátio e outros aspectos curiosos do mesmo, como suas peças históricas, como as fontes, poços, objetos relacionados à limpeza, colunas que datam da época romana, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASe algo chama a atenção dos proprietários é a simpatia e amabilidade de todos eles (as). Num dos pátios, fui recepcionado com uma taça de vinho, um detalhe que tornou a visita ainda mais agradável.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos objetos históricos que se destacam por sua curiosidade fazem parte da visita, como esta espécie de filtro formado pelos recipientes que vemos abaixo. A água do poço é colocado nos recipientes da parte superior do móvel, que vai filtrando a água aos recipientes situados justo embaixo. Finalmente, a água que se consome é a que está no recipiente da parte inferior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara finalizar a matéria, gostaria de enaltecer a paz de espírito que sentimos nos Pátios de Córdoba, favorecida pela contemplaçao de sua beleza, o aroma das flores e árvores frutíferas que o compõem, além da tranquilidade que reina nestes imperdíveis lugares da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Os Pátios de Córdoba – Patrimônio da Humanidade

Visitar Córdoba e nao conhecer os pátios de suas casas, restaurantes, palácios, etc é um verdadeiro pecado. Isso porque constitui uma das mais agradáveis atrações da cidade, pela beleza decorativa de cada um deles e pela importância na vida dos seus habitantes ao longo dos séculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Pátios de Córdoba foram declarados Patrimônio Imaterial da Humanidade, aumentando para três os locais da cidade que receberam esta privilegiada distinção (os outros dois correspondem a Mesquita-Catedral e o Centro Histórico de Córdoba). Convertidos num verdadeiro símbolo da cidade, os pátios cordobeses originaram-se das antigas casas romanas, denominadas Domus.  As dependências das residências romanas estavam distribuídas ao redor de dois pátios, um utilizado como local de recepção (atrium) e outro como local de recreio e lazer, com jardins, fontes, etc (peristilo). O atrium encontrava-se aberto para recolher a água da chuva. Já o Peristilo, de influência grega, estava formado por um pátio porticado e ajardinado, que a partir do século II aC começou a adquirir protagonismo nas casas da elite romana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs árabes introduziram na Península Ibérica o gosto pelo jardim, incorporando árvores frutíferas e plantas comestíveis, gerando o chamado Jardim Hispano-Muçulmano. Na Córdoba Omeya se consolida o pátio como uma parte fundamental da residência e também como uma zona privada, aberto ao céu mas fechado à visitação pública. O pátio passa a constituir o elemento articulador da casa, em torno do qual girava a vida familiar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASeus elementos mais comuns eram a fonte e o poço para o abastecimento de água, além das plantas. Originários de uma terra desértica e árida, a presença da fonte nos pátios da Córdoba Muçulmana criava uma espécie de oásis nos tórridos verões cordobeses. De fato, existe um certo microclima nos pátios, com temperaturas bem mais amenas que no exterior da casa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente vivam várias famílias numa mesma residência e o pátio representava a área comum. Sua conservação e manutenção se realizava de forma comunitária, servindo como ponto de encontro social.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom o tempo, o pátio cordobês vai se enriquecendo com outros elementos decorativos, como a cerâmica, vasos, etc. A partir do século XVIII e, principalmente do século XIX, a emergente burguesia utiliza o pátio como símbolo de seu status social, adornando-o com plantas exóticas e peças arqueológicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, muitos dos Pátios de Córdoba se encontram abertos ao exterior por meios de cancelas, de forma que possam ser apreciados desde a rua. Por isso recomendo que a todos (as) que visitem a cidade, quando observem uma porta aberta de uma casa com pátio, nao deixem de observá-lo e contemplar sua beleza…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo área comum para as famílias residentes, no pátio se encontra, além do poço e da fonte, as pias para lavar a roupa, muitas delas com objetos históricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma característica essencial, a presença de inúmeros vasos com plantas nos muros dos pátios, faz com que regar todos elas seja uma tarefa árdua. Os cordobeses utilizam uma espécie de mangueira com uma caneca na ponta para regar as plantas e flores situadas em alturas elevadas, como demonstra esta escultura que encontrei no centro da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor toda a cidade vemos cartazes com escritos, muitos deles realizados por autores famosos, sobre a importância dos Pátios de Córdoba…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm alguns pátios funciona uma pequena loja, onde se comercializam produtos típicos da tradição espanhola…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA