A Catedral Compostelana

Esta série de matérias sobre Santiago de Compostela estaria incompleta, caso não publicasse posts sobre seu edifício mais famoso e importante, a Catedral, que preside o Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade em 1985.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada um dos templos mais importantes de todo o mundo, a Catedral Compostelana está dedicada ao Apóstolo Santiago, cujos restos descansam em seu interior. Este fato a converteu num dos principais centros de peregrinação da Europa desde a Idade Média, através do Caminho de Santiago. O sepulcro do Apóstolo, nomeado Padroeiro da Espanha, foi descoberto no século IX por um eremita chamado Pelayo, que comunicou o achado ao Bispo Teodomiro de Iria Flávia, atual município galego de Padrón. O bispo, por su vez, avisou da notável descoberta ao Rei Asturiano Alfonso II, que posteriormente converteu-se no primeiro peregrino documentado do caminho. O monarca ordenou a construção de uma pequena capela no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADiante do crescente número de peregrinos e das reduzidas dimensões do templo, se construiu uma igreja maior no ano 829 e no final do século IX (899) uma outra igreja, de estilo pré-românico, construída pelo Rei Alfonso III, que se transformou gradualmente num importante local de peregrinaçao. Em 997, esta primitiva igreja foi destruída pelo General Almanzor, comandante do exército muçulmano do Califato de Córdoba, que respeitou, no entanto, o sepulcro do Apóstolo Santiago. Apesar disso, as portas e campanas da igreja foram levadas à Mesquita de Córdoba. Quando a cidade andaluza foi reconquistada pelo Rei Fernando III em 1236, foram transportadas por prisioneiros muçulmanos à cidade de Toledo, concretamente a sua notável catedral gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADestruída a igreja primitiva, durante o reinado de Alfonso VI e sob o patrocínio do Bispo Diego Peláez, se iniciou a construção da atual catedral, um dos edifícios de estilo românico de maior importância em toda Europa. Edificada basicamente com granito, as obras se detiveram em vários momentos, sendo finalizada em 1122 e consagrada por primeira vez seis anos depois. Seus principais arquitetos foram Bernardo El Viejo, seu discípulo Roberto e um grande arquiteto da Arquitetura Românica, o Mestre Esteban. A última etapa construtiva ocorreu a partir de 1168, quando o chamado Mestre Mateo realizou a cripta e o fabuloso Pórtico da Glória, considerado um dos expoentes máximos da Arte Românica. As obras finalizaram em 1211, ano em que a Catedral é definitivamente consagrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos o aspecto da fachada principal românica da catedral, antes da reforma barroca realizada no século XVIII, que dá para a Plaza del Obradoiro. Esta imponente e maravilhosa fachada, além de outras partes da Catedral, como o mencionado Pórtico da Glória, está sendo restaurada para solucionar o processo de deterioração em seus elementos estruturais e decorativos, causado principalmente pela humidade, além de intervenções realizadas no passado que resultaram problemáticas. Além do mais, a fachada recebeu um necessário tratamento de limpeza. Abaixo, vemos duas imagens da fachada, antes da reforma, e outra atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs primitivas torres da fachada principal eram românicas, mas forma substituídas pelas atuais durante a reforma barroca. Abaixo, vemos a Torre do Relógio, situada no lado direito da fachada. Foi realizada em 1680 por Domingo de Andrade. O relógio é de 1831, e os sinos são réplicas, cujos originais foram colocadas no claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo exterior da catedral, a única fachada que conserva sua fábrica românica é a impressionante Fachada de las Platerías, construída pelo Mestre Esteban entre 1103 e 1117.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACaracteriza-se por sua riqueza escultórica, tanto nos capitéis, quanto nos tímpanos de suas duas portas. No tímpano da esquerda, vemos cenas relacionadas às tentaçoes de Cristo. No extremo direito aparece a representação de Eva com uma caveira, identificada como adúltera pelo Códice Calixtino (um pouco complicado de ver na foto…).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo tímpano da direita, vemos outras cenas historiadas, como a Epifania em sua parte superior. Na parte inferior, a cura do cego e episódios da Paixão de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns elementos decorativos foram colocados posteriormente (final do século XIX), como estes 6 meninos que faziam parte do coro de pedra situado na nave central da igreja e realizado pelo Mestre Mateo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local destacável do exterior da catedral é a Porta Santa, cuja porta se abre somente nos denominados Anos Santos ou Jubilar, quando as festividades em honra ao Apóstolo Santiago (25 de julho) caem num domingo, algo que ocorre em intervalos de 5, 6 e 11 anos. Este privilégio foi concedido pelo Papa Calixto II em 1122.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas laterais da porta, também foram colocadas, no século XVII, 24 figuras de personagens bíblicos, do Antigo e do Novo Testamento, que originalmente integravam o coro pétreo do Mestre Mateo. Em sua parte superior, vemos o Apóstolo Santiago, cuja imagem foi realizada em 1694 por Pedro del Campo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos esta primeira parte sobre a Catedral de Santiago de Compostela com a Fachada da la Azabachería, construída em 1758, substituindo a antiga Porta do Paraíso, pela qual entravam a maioria dos peregrinos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santander

Esta foi a segunda vez que estive em Santander, capital da Comunidade da Cantábria. A primeira vez foi em 2012, e na época publiquei três matérias sobre a cidade: Pela Costa de Santander (26/4/2012), A Catedral de Santander (22/8/2012) e Belas Igrejas de Santander (1/7/2013). A partir de hoje, realizarei vários outros posts sobre esta que é uma das cidades mais importantes do norte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom cerca de 170 mil habitantes, Santander é a cidade mais populosa da Cantábria. Possui um clima ameno durante todo o ano, longe dos extremos de temperaturas que se observam em outras regiões. É também uma das zonas mais chuvosas do país. Santander é considerada uma das cidades mais seguras da Espanha, com uma das taxas mais baixas de delitos entre todas as cidades espanholas. Mais de 70% da população ativa trabalha no setor de serviços, especialmente relacionados ao turismo, provocando uma forte dependência econômica do comércio e das atividades turísticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século IX, o rei Alfonso II fundou a Abadia dos Corpos Santos, edificada sobre o relicário que continha as cabeças dos Santos Emeterio e Caledonio, que foram parar no local vindo de Calahora (cidade da atual Comunidade da Rioja). Estes santos foram decapitados no século III durante a época romana, e as relíquias foram levadas à então vila para protegê-las da invasão muçulmana, ocorrida a partir de 711 dC. Ainda hoje podemos ver o relicário de prata na Igreja de Cristo, que também conserva um braço de San German.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1187, o rei Alfonso VIII nomeou o abade proprietário da zona e concedeu a vila um foro. Em 1248, Santander participou, junto com outras vilas situadas na costa do Mar Cantábrico, da batalha pela reconquista de Sevilha, recebendo como recompensa um escudo de armas com as imagens da Torre do Ouro e do Rio Guadalquivir, dois símbolos da cidade andaluza. No final do século XIII, as vilas costeiras de Cantábria fundaram a Hermandade das Vilas da Marinha de Castilla, com o objetivo de fortalecer o comércio marítimo com ingleses e flamencos. Em 1372, Santander se converte na Base Naval do Atlântico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1497, a peste matou 6 mil pessoas, de um total de 8 mil que viviam na cidade. No final do século XVI, novamente foi vítima de outra peste, que reduziu a população a somente 800 habitantes, de um total de 2500.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVIII, Santander tornou-se uma diocese, e a igreja principal foi elevada à categoria de Catedral, fato que colaborou para a recuperação da cidade. Em 1755, Fernando VI concede o título de cidade. No princípio do século XIX, encabeça a lista dos portos mais importantes do norte da Espanha, registrando um intenso comércio com o continente americano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa segunda metade do século XIX, se introduziu na Europa um novo conceito de ócio associado à saúde. Desta forma, surgiram várias cidades-balneário para o desfrute da classe aristocrática européia. Santander foi uma delas, com a criação do Balneário de El Sardinero, até hoje uma de suas zonas turísticas mais famosas. Santander se transforma na cidade predileta da corte para os meses mais quentes do ano, principalmente durante o reinado de Alfonso XIIIOLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, até 1900, seu desenvolvimento econômico esteve relacionado com as atividades comerciais com as colônias espanholas, favorecendo o aparecimento de uma burguesia mercantil que impulsionou o crescimento urbano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de estar situada na costa, seu relevo está formado por morros que pouco a pouco começaram a serem habitados. Por este motivo, existem escadas rolantes e elevadores para alcançar as partes mais altas da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o turismo é uma das principais fontes de renda do município, e muitos  estrangeiros e turistas nacionais chegam à cidade em busca de suas praias e monumentos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEspero que vocês apreciem as matérias desta bela cidade espanhola, e que algum dia possam visitá-la…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Teruel – A Cidade das Torres

Dentro do campo artístico e arquitetônico que se desenvolveu ao longo de toda a história da humanidade, existe um estilo excepcional único, que encontrou no território espanhol um local perfeito para seu florescimento. No post de hoje, conheceremos a tradição Mudéjar, uma notável combinação das técnicas artísticas muçulmanas, executadas e aperfeiçoadas dentro do contexto dos Reinos Cristãos Ibéricos. Dentro do blog, inúmeras vezes realçamos sua importância, nas matérias dedicadas a Toledo, Zaragoza, Daroca, somente para citar alguns exemplos. Na Comunidade de Aragón, a Arte Mudéjar alcançou as maiores cotas de refinamento, sendo reconhecido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀ medida que os reinos cristãos medievais seguiam avançando sobre os antigos territórios peninsulares anteriormente ocupados pelos árabes, muitos deles permaneceram vivendo nas cidades conquistadas. Essa população muçulmana ficou conhecida como Mudéjares. Organizadas em comunidades denominadas de Aljamas ou Morerías (onde habitavam os mouros), seguiam praticando sua religião, possuindo um certo grau de autonomia política. Em geral, dedicavam-se aos trabalhos agrícolas e à construção. Foram eles os criadores deste singular  e formidável estilo, que na cidade de Teruel, situada no sul de Aragón, legaram um patrimônio peculiar e único. O Mudéjar desenvolveu-se entre os séc. XII e XVI, e incorporou elementos das correntes românica e gótica, como os arcos de meio ponto e os ojivais, juntamente com a cerâmica vidriada e o tijolo, materiais mudéjares por excelência. Neste caso, são empregados tanto como elementos construtivos, como decorativos. Em Teruel, suas inúmeras torres, todas elas construídas segundo este padrão, propiciaram o enriquecimento da paisagem urbana, realmente maravilhosa. A primeira das torres que vamos conhecer é a de San Martín.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAErigida em 1316, é o único resto mudéjar sobrevivente da antiga paróquia dedicada ao santo, reformada na época barroca. A torre foi reformada no séc. XVI, período em que as casas adossadas ao conjunto foram derrubadas, criando-se uma praça aberta diante da torre que possibilita sua inteira contemplação. Entre 2002/2007, foi alvo de uma restauração completa, que lhe devolveu toda sua beleza original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre imita a estrutura de um minarete islâmico (local das mesquitas cuja função é chamar os fiéis às orações diárias, um dos pilares básicos do Islã). Como nas demais torres da cidade, a de San Martín possui um arco aberto em sua parte inferior, permitindo a passagem de pedestres e veículos, estando, dessa forma, plenamente integradas em seu urbanismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela, admiramos sua decoração, baseada na utilização de cerâmicas verdes e brancas. No caso mudéjar, utiliza as denominadas formas alicatadas, que consiste na associação de peças de distintas formas, que combinadas, criam motivos geométricos. Sobressaem, também, os chamados Arcos Mixtilíneos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Torre de El Salvador está localizada em pleno centro urbano. A grande quantidade de edifícios que a cercam dificulta a tomada de boas fotografias. Como a Torre de San Martín, possui planta quadrada e foi construída na mesma época, no séc. XIV, durante um período de esplendor do Reino de Aragón, no qual vivia uma grande quantidade de população árabe, graças ao foro concedido pelo rei Alfonso II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre integrava o conjunto medieval da Igreja de El Salvador, que ruiu em 1677, sendo novamente reconstruída no estilo barroco. Na realidade, está formada por duas torres, uma construída dentro da outra. Na torre exterior, predomina exclusivamente o tijolo, enquanto a estrutura interior está composta por mampostería de gesso. Entre ambas, uma escada conduz o visitante à sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Torre de El Salvador é visitável, pois sedia o Centro de Interpretação da Arte Mudéjar, uma exposição que inclui vídeos, fotos, maquetes e vários painéis explicativos que ajudam na compreensão do estilo. Na parte superior da torre podemos ver os sinos, e a visão urbana que oferece de seus arcos é incrível.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem outras torres maravilhosas na cidade de Teruel, como as que formam a Catedral e a Igreja de San Pedro, que veremos em breve nos próximos posts…

Pueblos de Aragón – Parte 4

Hoje prosseguiremos com a série de posts dedicados aos pueblos da Comunidade Aragonesa. O primeiro deles é Alcaniz, capital da comarca de Bajo Aragón, situada na Província de Teruel. Seu grande destaque é o castelo, que foi cedido no ano de 1179 à Ordem de Calatrava, a primeira ordem militar do país, pelo rei Alfonso II.

Alcaniz1Parte de sua estrutura foi transformada na rede hoteleira dos Paradores Nacionais, e um de seus encantos é a decoração pictórica de época gótica que ainda se conserva.

Alcaniz3Alcaniz4Alcaniz2

Próximo à Alcaniz, a cidade de Calanda é o berço de um dos grandes cineastas do séc. XX: Luis Buñuel. Além disso, faz parte da chamada Rota do Tambor e do Bombo, atração popular realizada na semana santa, que congrega a centenas de tocadores destes instrumentos, produzindo algo similar ao carnaval brasileiro.

Existem outros pueblos que também se tornaram conhecidos por terem sido a cidade natal de personagens ilustres da história. Tal é o caso de Fuendetodos, localizado na Província de Zaragoza. Nele, nasceu em 1746, um dos aragoneses mais conhecidos internacionalmente, e um gênio da arte universal: Francisco de Goya y Lucientes.

Fuedentodos3Fuedentodos4

Sua casa foi convertida em museu e declarada Monumento Histórico-Artístico em 1982. Construída a princípios do séc. XVIII, a casa recria os ambientes de uma típica residência da época. Por todos os lados, existe uma referência ao genial pintor. A escassos metros da casa, localiza-se o Museu dos Gravados. Inaugurado em 1989, exibe a obra gráfica do artista e sua técnica de execução.

Fuedentodos1Fuedentodos2Fuendetodos está situada na comarca de Belchite, cuja capital, situada a 19 km de distância, tornou-se conhecida por motivos menos nobres. A denominada Belchite velha foi destruída em 1937 durante a Guerra Civil Espanhola, e suas ruínas ainda recordam os horrores da contenda. Arrasada, a população abandonou a cidade, e a nova Belchite foi reconstruída a 500m das ruínas.

Belchite1Belchite2Utebo, também um pueblo da Província de Zaragoza, é conhecida por possuir uma das torres de estilo mudéjar mais belas de toda a comunidade. Ela é parte integrante da Igreja de N.Sra da Asunçao, construída em duas fases: a primeira, do séc. XVI, em que foi levantada a torre gótica-mudéjar e a segunda, do séc. XVIII, que incorporou elementos barrocos.

Utebo2Utebo1A torre foi apelidada de Torre dos Espelhos, devido à decoração de cerâmica e os mais de 8000 azulejos que a compõem. Sua beleza fez com que fosse o monumento escolhido para representar a comunidade no interessante Pueblo Espanhol de Barcelona, em que foram realizadas réplicas de monumentos que simbolizam cada comunidade do país.

DSC01005