Cáceres – Extremadura

Cáceres foi a cidade que escolhi como base para conhecer a parte norte da Comunidade de Extremadura. Com quase 100 mil habitantes, Cáceres é a cidade mais populosa da parte norte da comunidade e considerada o município mais extenso de toda a Espanha (1.750 km quadrados).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos centros medievais mais importantes de todo o continente europeu, Cáceres foi declarada Patrimônio da Humanidade em 1986. Fundada pelos romanos, a cidade foi, no entanto, ocupada muito antes, como demonstram as pinturas rupestres encontradas em cavernas situadas na parte sul de seu núcleo urbano, como a Cueva de Maltravieso, cujas pinturas remontam a 20 mil anos atrás. Também foi ocupada pelos povos ibéricos, que construíram um castro (povoado ibérico) na região.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Cáceres foi fundada pelos romanos no ano de 28 aC com  a denominaçao de “Norba Caesarina“, em homenagem ao general romano Cayo Norbano Flaco, seu fundador, e ao Imperador Júlio César. Este primitivo núcleo transformou-se com o tempo no atual Centro Histórico da cidade. A cidade foi construída num local estratégico, na atualmente denominada Vía de la Plata, um caminho que unia as cidades de Astorga, no norte do país, com Mérida (Extremadura) e Sevilha (Andaluzia). Deste nome antigo, Norba Caesarina, procede o atual nome da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a chegada dos Visigodos no final do século V, o anterior assentamento romano foi arrasado e até os séculos VIII e IX não existem nenhuma referência à cidade. Foram os muçulmanos que aproveitaram sua localização estratégica e o que sobrou da antiga colônia romana como base militar para combater os reinos cristianos do norte. Desta forma, em 1147, Abd al-Mumin refundou a cidade e, a partir do século XII, árabes e cristãos se sucederam alternativamente no governo de Cáceres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1169, o Rei Fernando II conquistou a cidade, entregando-a a um grupo de cavalheiros que constituíram uma ordem religiosa e militar, embrião da futura Ordem de Santiago. Quatro anos depois, Abu Yaqub reconquistou a cidade para os muçulmanos, ordenando degolar a maioria destes cavalheiros. A partir de 1212, data da vitória cristã na famosa Batalha de Navas de Tolosa, os avanços cristianos na Extremadura foram definitivos e em 1218 as Ordens Militares de Alcântara e de Santiago ampliaram seus domínios por quase toda a zona. Finalmente, em 1229, Cáceres foi definitivamente reconquistada pelo Rei Alfonso IX de León. O fato ocorreu precisamente no dia 23 de Abril, dia de São Jorge, que foi declarado padroeiro da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO falecimento de Alfonso IX de León um ano depois da reconquista fez com que Cáceres passasse a integrar o antigo Reino de Castilla. No século XIV, sucessivas lutas entre a nobreza local fez com que os Reis Católicos, no século seguinte, ordenassem a derrubada das torres defensivas pertencentes a estas famílias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante as décadas seguintes ao Descobrimento da América, em Cáceres nasceram várias personalidades que desempenharam um importante papel no novo continente, ocupando cargos de relêvancia, como Diego García de Cáceres. Em 1790, ocorreu um fato decisivo para sua história, quando o Rei Carlos IV estabeleceu na cidade a sede da Real Audiência de Extremadura, o máximo órgão jurídico da região, fato que a transformou de uma simples vila a constituir uma cidade importante.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XIX, com a divisao administrativa de Extremadura em duas províncias, Cáceres foi designada capital de sua parte norte, enquanto Badajoz tornou-se a capital da província da metade sul. No verão de 1936, no início da Guerra Civil Espanhola, o General Franco estabeleceu em Cáceres seu quartel general. Atualmente, sua economia está baseada no setor de serviços, principalmente a construção e o turismo. Por ela passa o trem que liga Madrid a Lisboa, e transformou-se num dos principais destinos turísticos de toda a comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANesta nova série de matérias que hoje inicio, vocês poderão conhecer esta belíssima cidade e seu excepcional centro histórico, cuja visita é mais que recomendável….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Betanzos – Galícia

Durante minha estadia em Ferrol, além de visitar La Coruña, aproveitei para passar o dia e retornar a Betanzos, cidade que já havia estado em 2012, mas que nesta oportunidade pude conhecer com mais calma e profundidade. Na primeira vez que estive em Betanzos fiquei impressionado pela beleza e monumentalidade de seu centro histórico, considerado um dos mais importantes de toda a Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom aproximadamente 13 mil habitantes, Betanzos é conhecida por ser a capital do gótico na Galícia, devido às várias e preservadas igrejas que foram edificadas neste estilo artístico, que em breve poderão conhecer. Além do mais, desde 1970 a cidade foi declarada Conjunto Histórico-Artístico em virtude da conservação de seu patrimônio histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade faz parte da Província de La Coruña, estando situada numa colina cercada pelos Rios Mandeo e Mendo, que se unem em seu perímetro para formar a chamada Ría de Betanzos. Abaixo, vemos uma imagem aérea de Betanzos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma lenda afirma que Betanzos foi fundada por um chefe militar de origem celta chamado Breogán. Sua existência já foi documentada numa época em que o território espanhol fazia parte do Império Romano, constituindo uma de suas principais províncias, denominada Hispania.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi somente em 1212 quando recebeu o título de vila, concedido pelo monarca Alfonso IX, Rei de León e Galícia. Em 1465, Enrique IV lhe outorga o título de cidade e dois anos depois permite a realização de uma feira anual. Durante o reinado dos Reis Católicos, no final do seculo XV, Betanzos se converte numa das sete capitais de província do antigo Reino de Galícia, quando alcança seu máximo esplendor. Nada mais chegar à cidade, fui “recebido” por um belo conjunto de Hórreos, este tipo de construção associado ao armazenamento de grãos, onipresentes por toda a comunidade galega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtravessei uma das portas da antiga muralha medieval para conhecer suas principais atrações…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA muralha de Betanzos possuía 5 portas de entrada, das quais se conservam 3. Abaixo, vemos a porta situada em frente a uma das pontes que cruzam o curso fluvial que atravessa a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA chamada Ponte Velha de Betanzos possuía uma torre defensiva no centro, que foi incorporada ao escudo da cidade. Atualmente pode ser visto em vários lugares do espaço urbano, como nas luminárias e também num pequeno parque, junto com os escudos de outras importantes cidades da Galícia. O escudo mais antigo que se conserva na cidade data do século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, publicarei várias matérias sobre a cidade, de forma que os leitores (as) do blog possam descobrir esta encantadora localidade do interior da Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Esteban – Galícia

Uma vez mais um casal de grandes amigos de São Paulo, o Marcelo e a Cristina, vieram à Espanha com a finalidade de percorrer o país e conhecer suas cidades e lugares de interesse. No ano passado, tive a oportunidade de realizar uma pequena parte do Caminho do Norte, uma das variantes do Caminho de Santiago, com este casal apaixonado pelo país, cujas matérias foram publicadas entre 15/10/2017 e 11/11/2017. Desta vez eles fizeram um trajeto de carro, e me encontrei com eles em Valladolid para iniciar uma viagem pela Galícia, uma comunidade autônoma situada no noroeste da Espanha, fronteira com o norte de Portugal. Nossa primeira parada, a 4 horas de carro desde Valladolid, foi o incrível Monastério de San Esteban de Ribas de Sil (Santo Estevo, no idioma gallego), onde permanecemos durante 3 dias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste monastério é considerado um dos mais importantes de toda a Galícia, além de ser um dos mais bem conservados. Está situado numa região de grande beleza natural, a denominada Ribeira Sacra, cortada pelas águas do Rio Sil, uma importante via fluvial da comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta zona do país possui uma longa tradição religiosa, e esteve habitada por tribos célticas, como podemos comprovar nos restos arqueológicos existentes no bosque localizado ao lado do monastério (século I aC). Constituem vestígios da base de uma casa circular que integrava um castro, como se conhecem os povoados habitados por esta cultura. Procedentes do norte da Europa, os celtas chegaram a atual Galícia no ano 700 aC, e foram conquistados pelos romanos no ano 60 aC.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA história deste monastério remonta à época visigoda, período em que provavelmente existiu uma construção que foi abandonada depois que a comunidade de religiosos se dispersou para seguir uma vida de eremitas. No século X, um ermitão chamado Franquila reuniu todos os anacoretas que viviam na zona para formar uma nova comunidade. No ano 909, o Rei Ordoño II concedeu privilégios ao abade do monastério, quando se inicia sua reconstrução.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANove bispos  se retiraram ao monastério nesta época, e ficaram conhecidos por sua fama de santidade. As nove mitras que integram o escudo de armas do monastério recordam o legado destes monges.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o tempo, o Monastério de San Esteban acolheu a regra beneditina, recebendo novas doações e privilégios, como os outorgados pelo monarca Alfonso IX em 1220. Na fachada principal do conjunto monacal, vemos uma escultura de Sao Bento (San Benito, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1506, por decisão do Papa Julio II, foi anexionado à Congregaçao de Valladolid. Depois, se fundou no monastério um colégio de artes e filosofia, quando alcança novos tempos de prosperidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1835, o monastério é novamente abandonado durante a denominada Desamortizaçao de Mendizábal, que causou a desapropriaçao dos bens eclesiásticos. Abaixo, vemos a fachada do monastério, realizada no século XVIII. Ao lado, a igreja conventual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa esquina da construção se ergue uma robusta torre, composta por 3 níveis de altura, limitando com um extenso bosque de robles e castanheiras, por cujas trilhas podemos passear e admirar sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADevido à antiguidade do monastério, podemos apreciar vários estilos artísticos, desde o românico até o barroco. Foi transformado em Parador Nacional em 2004, uma rede de hotéis da Espanha que se caracterizam pela instalação de sua rede hoteleira em locais históricos. Suas dependências, como de costume, são confortáveis e de bom gosto decorativo. Possui, inclusive, um spa para relaxar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa entrada do monastério foram colocados dois dos símbolos da Galícia, um Cruzeiro (cruceiro, em gallhego e crucero, em espanhol)) e um Hórreo. Este último constitui uma típica construção para fins agrícolas, destinado a armazenar e a secar o milho e outros cereais. Conta com um espaço retangular e estreito para este objetivo, e separado do solo para evitar a entrada de animais e também da umidade. Em Portugal, estas estruturas se conhecem como Espigueiros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá os Cruceiros, abundantes também no Brasil, constituem uma coluna de pedra situado sobre uma base e colocados em lugares estratégicos, como encruzilhadas de caminhos, locais elevados, diante de uma igreja etc. Em sua parte superior, normalmente aparece Cristo Crucificado de um lado, e a Virgem Maria ou um Santo do outro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte deste belo monastério….

La Alberca – Província de Salamanca

Viajar pelo interior da Espanha é uma experiência inesquecível, pois possibilita conhecer lugares encantadores, como os pequenos povoados, aqui denominados Pueblos, abundantes por todo o país. Alguns destes povoados, apesar de seu reduzido tamanho, possuem uma valioso patrimônio histórico-artístico. Outros se caracterizam por suas peculiaridades e por serem lugares realmente pitorescos, como o povoado de La Alberca, situado numa região serrana ao sul da Província de Salamanca, uma das províncias que formam a Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALocalizada numa região de grande beleza natural, a denominada Sierra de Francia, neste povoado não veremos castelos, palácios ou belas igrejas, pois La Alberca é conhecida principalmente por sua interessantíssima arquitetura popular tradicional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom pouco mais de mil habitantes, La Alberca foi o primeiro povoado da Espanha em receber o título de Monumento Nacional, em 1940. A partir deste momento, o povoado, antes conhecido apenas por curiosos viajantes, alcançou grande popularidade e prestígio, sendo frequentado por milhares de turistas que a visitam anualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA beleza e a singularidade deste pueblo foi divulgada por personalidades do mundo artístico como o cineasta Luis Buñuel (1900/1983) e por intelectuais famosos, como o escritor e filósofo espanhol Miguel de Unamuno (1864/1936), cujo retrato aparece decorando uma das casas do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATive o privilégio de conhecer La Alberca num passeio de fim de semana organizado pelos professores de história Rafael (conhecido como “Rafa”) e Fernando, cujas aulas sobre a história de Madrid pude presenciar durante dois anos em cursos que realizei na capital espanhola. Rafa foi nosso guia na excursão, brindando as cerca de 40 pessoas que faziam parte do passeio com seus amplos e profundos conhecimentos sobre história, arte e arquitetura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO povoado de La Alberca localiza-se numa das zonas mais úmidas do país, e seu nome procede do artigo árabe “Al” com o termo de origem hebraico “Bereka”, significando “lugar das águas”. Foi habitada desde tempos remotos por tribos pré-romanas, os celtíberos, como demonstram os restos de um antigo castro, como são conhecidos os assentamentos deste povo, sobre o qual se construiu o povoado de La Alberca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os séculos XII e XIII, o local foi repovoado por ordens do Rei Alfonso IX de León, principalmente por franceses, justificando desta forma a presença de inúmeras palavras na região de origem francesa ou relacionadas ao país vizinho (Sierra de Francia, por exemplo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV, o monarca Juan II concedeu o povoado à Casa de Alba, transformando-se num senhorio. Esta condição permaneceu até 1834, quando  finalmente os senhorios foram abolidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALa Alberca foi edificada sem nenhum tipo de planificação urbana, e suas ruas, praças e casas se adaptaram às condições geográficas do local, uma montanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos consideram La Alberca como o Pueblo mais belo da Espanha, e razões não faltam para tanto. De fato, aparece sempre nas listas dos povoados mais bonitos do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No próximo post, faremos um passeio pelo pueblo, e vocês terão a oportunidade de conhecê-lo com mais profundidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Jerez de los Caballeros – Província de Badajoz

Durante minha estadia em Badajoz, tive a oportunidade de conhecer a encantadora cidade de Jerez de los Caballeros, situada na zona sudoeste da Comunidade de Extremadura e a cerca de 1h de ônibus da capital da província, Badajoz. Com aproximadamente 10 mil habitantes, foi declarada Conjunto Histórico-Artístico em 1966, graças ao seu belo centro histórico, em especial suas construções barrocas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando cheguei à cidade nas primeiras horas da manha, a neblina pairava sobre ela, ocultando parcialmente seus monumentos, mas que logo se dispersou com o calor do sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das mais prósperas cidades da comunidade, Jerez de los Caballeros destaca-se sobretudo na pecuária, sendo reconhecida pela criação do cerdo ibérico (porco) e a produção de seu saboroso jamón. Na primavera, celebra-se o famoso “Salão do Jamón Ibérico”, uma feira que reúne especialistas de todo o país do laureado “pata negra“, uma das maravilhas da cozinha espanhola. Evidentemente que esta delícia gastronômica fez parte de meu cardápio, acompanhado por azeitonas e uma taça de vinho espanhol. Sem palavras…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA geografia da cidade é um tanto sinuosa, ao estar localizada dentro dos limites da denominada Comarca de las Sierras del Sur, conferindo-lhe seu peculiar atrativo de um povoado repleto de casas brancas e ruas empinadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJerez é uma cidade rica em história e monumentos, e em sua paisagem urbana ressaltam as belas torres de suas igrejas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPovoada desde a antiguidade, durante a dominação romana chamava-se Fama Iulia, e alguns restos deste período comprovam sua importância, como uma vila denominada El Pomar, que não tive o privilégio de conhecer. A cidade ampliou-se durante o período visigodo, momento em que surge um enclave medieval em torno a uma pequena igreja dedicada a Santa Maria, no século VI. Na época muçulmana passou a denominar-se Xeris, e se conservam restos materiais, como a Alcazaba, que em breve veremos no blog.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade foi reconquistada no primeiro quarto do século XIII pelo rei Alfonso IX de León, e a partir deste momento as Ordens Militares se estabeleceram sobre a região. Inicialmente, a cidade foi entregue à Ordem dos Templários, que tomaram posse do território em nome do rei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa primeira metade do século XIV, a Ordem dos Templários foi dissolvida. Em 1379, a vila então conhecida como “Xerez próxima a Badajoz” passa a formar parte dos domínios da Ordem de Santiago durante o reinado de Enrique II, e se desenvolve rapidamente. No século XVI, Carlos I lhe concede o título de “Muy Noble y Leal Ciudad”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVIII, converteu-se no núcleo mais populoso de toda a Extremadura, depois de Badajoz. Atualmente, Jerez de los Caballeros recebe muitos visitantes, graças a sua beleza e importância de seus monumentos. A partir do próximo post, veremos os principais deles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Alcazaba de Badajoz – Parte 2

O sistema defensivo da Alcazaba de Badajoz estava composto por 3 partes: as portas de acesso, as torres e a barbacana. A Barbacana constitui um muro de menor altura, que foi levantado na parte externa da muralha principal. Representava o primeiro obstáculo a ser superado pelo inimigo, e quando em perigo, se abandonava continuando-se a defesa nos muros superiores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, se conservam 4 portas da muralha (das quais veremos duas) e praticamente todas suas torres defensivas. A maioria destas portas são chamadas de Recodo, isto é, composta por uma porta dupla que conduz a um pátio interior. Estão protegidas por uma torre almenada para sua vigilância. A chamada Porta do Capitel foi edificada no período almohade, e recebeu este nome devido a presença de um capitel romano em sua parte superior, procedente do foro romano da cidade de Mérida. É considerada a porta de acesso principal a Alcazaba.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Porta de Yelves foi reconstruída com grande fidelidade a obra original. Apresenta arcos duplos, de ferradura no exterior e de meio ponto (semicircular) no interior do pátio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm relação às torres, destacam as denominadas Torres Albarranas, que se situavam fora das muralhas, mas a elas comunicadas, cuja construção visava proteger as partes mais vulneráveis do conjunto, ou um ponto estratégico determinado. A mais importante de todas, por seu tamanho e características de estilo, é a Torre da Atalaia, também chamada de Espantaperros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPossui planta octogonal, característica da arquitetura militar almohade. Representa um dos exemplos mais notáveis deste tipo de torre relacionada ao período almohade em toda a Península Ibérica, sendo erguida no século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, foi colocado um campanário no estilo mudéjar em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo foi dito no post anterior, a Alcazaba, além de sua função defensiva, era o local de residência do governante da cidade. O Palácio Árabe não sobreviveu aos séculos, e segundo a bibliografia tradicional, possuía 3 mesquitas. Badajoz foi reconquistada em 1230 pelo rei de Castilla y León Alfonso IX. Foi então quando estes templos muçulmanos foram convertidos em igrejas católicas, como habitualmente ocorreu em todo o país. A mais importante delas, a Mesquita Maior, transformou-se na primeira catedral de Badajoz, conhecida como Igreja de Santa María del Castillo. Infelizmente, na segunda metade do século XIX, se construiu um hospital militar e a igreja foi derrubada. Recentemente, o edifício foi totalmente reformado, convertendo-se na sede conjunta da Faculdade de Biblioeconomia e Documentação e da Biblioteca Regional. Durante a reforma, restos arqueológicos foram encontrados, como partes da igreja (um ábside) e ruínas do antigo palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Salamanca Medieval

Como vimos no post anterior, a Diocese de Salamanca foi restaurada depois da reconquista da cidade pelos Reinos Cristaos na Idade Média, fato que provocou a construçao da Catedral Românica que podemos visitar atualmente. Além do mais, foram fundadas as chamadas escolas catedralícias, germe da futura Universidade de Salamanca. Em 1218, o rei Alfonso IX de León outorgou a estas escolas o título de Estudo Geral, que no ano de 1253 se transformarao num dos centros culturais mais importantes da história de Espanha.  Em 1311, nasce o único rei castelhano que deu a cidade, Alfonso XI. No séc. XV, as famílias nobres da cidade atuaram como um elemento fundamental na paisagem urbana de Salamanca, como patrocinadores de diversas construçoes que ainda resistem à passagem do tempo. Um exemplo é o Palácio de Almarza e Arias Convelle, decorado com belos esgrafiados. Desde 1999, é a sede do Centro Cultural Hispano-Japonês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs membros destas famílias, como os Maldonado e os Anaya, refletiram seu poder social e econômico na atividade construtiva, levantando inúmeros palácios como símbolo de sua influência. Durante a época dos Reis Católicos, no final do séc. XV, as lutas pelo poder realizadas pela aristocracia da cidade ao longo de séculos, chegam ao fim. Em troca de submissao à coroa, recebem importantes privilégios. Em alguns dos palácios construídos, observamos reminiscências dos antigos castelos rurais, como vemos abaixo, no Palácio de Villena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA conhecida Torre del Aire é o único resto sobrevivente do Palácio de Fermoselle, levantado a partir de 1440.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMonumento Nacional desde 1931, a Torre del Clavero pertencia a uma casa palácio propriedade da Ordem Militar de Alcântara. Com 28m de altura, destaca-se por sua planta quadrada em sua parte inferior e octogonal, na superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém dos palácios, a nobreza, auxiliada pelo clero, foram responsáveis pela construçao de vários conventos, igrejas e capelas como lugares de enterramento, para que seu poder perdurasse mesmo depois da morte. O Convento das Úrsulas, também chamado da Anunciaçao, foi fundado no séc. XV por Sancha Maldonado, destinado às irmas da Ordem Terceira de Sao Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja, além da funçao de templo conventual, exerce também o papel de espaço funerário, albergando o sepulcro do bispo Alonso II de Fonseca, aos pés da Capella Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO retábulo foi construído no séc. XVIII pelo escultor Miguel Martínez. Abaixo, vemos uma escultura de Sao Miguel lutando contra o dragao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro recinto conventual de importância é o Convento de las Dueñas, também fundado no séc. XV para a Ordem dos Dominicanos. Nao pude conhecer seu interior, apenas o claustro, cuja imagem vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO séc. XVI representou a época de maior esplendor de Salamanca, graças à consolidaçao do prestígio de sua Universidade, gerando a maior parte dos monumentos mais conhecidos da cidade, levantados dentro da estética renascentista. Esta será a matéria dos próximos posts…