Palácio de la Magdalena

Na parte mais elevada da Península de la Magdalena situa-se certamente o edifício mais emblemático de Santander, o Palácio de la Magdalena. Esta construção foi realizada por iniciativa popular para ser a residência de verão do rei Alfonso XIII e sua família.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio foi construído no estilo eclético, combinando elementos das arquiteturas francesa e inglesa e também da arquitetura regionalista da Cantábria. Em sua parte exterior destacam as duas torres octogonais de alturas diferentes, além de sua complexa cobertura rematada com pedra de ardósia (pizarra, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras iniciaram em 1909 e três anos depois o palácio foi entregue à família real. Durante a estadia do monarca no mês de julho, Santander se convertia na capital política do reino, fato que ocorreu entre 1913 e 1930.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a proclamação da Segunda República em 1931, a família real partiu para o exílio e o palácio acabou exercendo outras funções, como sede da Universidade Internacional de Verao, criada em 1932. Em 1977, a Prefeitura de Santander tornou-se a proprietária de toda a Península de la Magdalena e abriu o palácio para a visitação pública.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1982, o Palácio de la Magdalena foi declarado Monumento Histórico-Artístico. Atualmente é utilizado como museu e local para a celebração de congressos, eventos, casamentos e também como sede principal da Universidade Internacional Menéndez Pelayo. Abaixo, vemos o busto do rei Alfonso XIII (1886/1941) colocado no interior do palácio, realizado pelo grande escultor valenciano Mariano Benlliure (1862/1947).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o busto de Victoria Eugenia (1887/1969), esposa do rei e rainha consorte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe realizam visitas guiadas pelo interior do palácio, que exibe salas em perfeito estado de conservação. Abaixo vemos o comedor de gala, utilizado pelos reis…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Hall principal do palácio, decorado com o quadro intitulado “Retrato de Infantes“, obra de Manuel Benedito (1875/1963), outro artista valenciano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos elementos mais frequentes na decoração do palácio é a flor de liz, símbolo da Dinastia dos Bourbones, que continua sendo a dinastia real na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos imagens de outras dependências do Palácio de la Magdalena

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADentro dos limites do palácio também se conserva o local onde se guardavam os cavalos, carruagens, etc (na Espanha denominada Caballerizas). Foi construída em 1915 no estilo inglês e atualmente é usada como residência para estudantes, professores e profissionais da imprensa durante os cursos realizados pela Universidade Internacional Menéndez Pelayo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Anúncios

Península de la Magdalena

Visitar a cidade de Santander e nao conhecer a Península de la Magdalena é como conhecer o Vaticano e não ver o Papa. De fato, é um dos locais prediletos dos santanderinos para suas horas de entretenimento, e também para os turistas que chegam à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, a Península de la Magdalena acolhe um belíssimo parque, e em sua parte mais elevada se localiza o Palácio de la Magdalena, que foi a residência de verão do Rei Alfonso XIII e sua família (tema do próximo post…). Além de visitar o palácio, existem muitas outras atividades interessantes para se realizar em seus 24 hectares, como o Parque Marinho, cujo acesso é gratuito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste curioso parque foi construído ao ar livre, aproveitando os alcantilados existentes na zona e a entrada de água diretamente do mar, que formaram piscinas naturais onde vivem pinguins, focas e leões marinhos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém realizada ao ar livre, a exposição “O Homem e o Mar” atrai a atenção pelas peças expostas, relacionadas com as nove expedições realizadas pelo navegante nascido na cidade Vital Alsar Ramírez, entre 1966 e 1992. Um exemplo constituem os três galeões que foram utilizadas em suas aventuras oceânicas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPodemos contemplar a balsa usada pelo navegador durante a travessia pelo Pacífico, realizada em 1970. Depois de 161 dias e 8500 milhas náuticas, o navegante finalizou sua façanha nesta pequena balsa construída no Equador, com a finalidade de reviver as antigas travessias realizadas pelos povos pré colombianos da América do Sul.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA paisagem do entorno da península é realmente maravilhosa….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos a Ilha de Mouro e seu farol inaugurado em 1858, que sinaliza a entrada dos barcos na Baía de Santander. Em dias de fortes tempestades, a pequena ilha é batida por ondas de grande altura, que chegam a superar a altura do farol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda hoje podemos ver o campo destinado à prática do Polo, utilizado durante a estadia da família de Alfonso XIII, apesar que atualmente o local é utilizado para concertos, hipismo e inclusive foi sede de eliminatórias das partidas de tênis da Copa Davis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara aqueles (as) que preferem caminhar pouco, uma solução é pegar o trem turístico que percorre a península….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFormosas praias nos convidam a um bom mergulho nas águas frias do Mar Cantábrico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Santander

Minhas andanças por Santander começaram no centro histórico, precisamente na zona mais comercial e considerada o centro geográfico da cidade, a Plaza del Ayuntamiento, onde se localiza a sede da prefeitura ou Casa Consistorial, situada num edifício de estilo eclético de 1907, construído sobre o antigo Convento de San Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo vemos a Escola de Artes e Ofícios, instituição fundada em 1877.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo princípio do século XX desenvolveu-se na arquitetura da cidade o denominado estilo regionalista. Um dos maiores expoentes desta nova arquitetura foi o Edifício dos Correios, inaugurado em 1926 e projetado pelos arquitetos Secundino Zuazo, que realizou várias obras de importância em Madrid, e Eugenio Fernández Quintanilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício está situado ao lado da Catedral de Santander, e impressiona por sua beleza e composição, com duas torres poligonais nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1941, um incêndio arrasou o centro histórico da cidade, cujas ruas estreitas e grande parte das construções feitas com madeira colaboraram para a propagação do fogo. Por incrível que pareça, houve apenas uma vítima fatal, mas milhares de pessoas perderam suas residências. O Edifício dos Correios foi um dos poucos que se salvaram, apesar de se encontrar na zona afetada pelas chamas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao edifício, foi colocada uma estátua em homenagem ao Rei Alfonso XIII, que converteu a cidade em sua localidade preferida para as férias de verão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado do edifício, vemos um monumento comemorativo da reconstrução da cidade, realizado pelo escultor de Santander José Cobo Calderón. Simboliza a presença do fogo, do vento e seus habitantes, além do ressurgimento de Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMais distante do centro está situada a Praça de Touros de Santander, inaugurada em 1890 e projetada pelo arquiteto Alfredo de la Escalera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça de Touros possui uma capacidade para 10 mil espectadores e acolhe também o Museu Taurino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPequenas iniciativas culturais sempre fazem a diferença, e foi isso que percebi ao percorrer um dos túneis da cidade, decorado com pinturas realizadas por alunos das escolas de Santander, homenageando o escritor Miguel de Cervantes e sua universal novela “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santander

Esta foi a segunda vez que estive em Santander, capital da Comunidade da Cantábria. A primeira vez foi em 2012, e na época publiquei três matérias sobre a cidade: Pela Costa de Santander (26/4/2012), A Catedral de Santander (22/8/2012) e Belas Igrejas de Santander (1/7/2013). A partir de hoje, realizarei vários outros posts sobre esta que é uma das cidades mais importantes do norte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom cerca de 170 mil habitantes, Santander é a cidade mais populosa da Cantábria. Possui um clima ameno durante todo o ano, longe dos extremos de temperaturas que se observam em outras regiões. É também uma das zonas mais chuvosas do país. Santander é considerada uma das cidades mais seguras da Espanha, com uma das taxas mais baixas de delitos entre todas as cidades espanholas. Mais de 70% da população ativa trabalha no setor de serviços, especialmente relacionados ao turismo, provocando uma forte dependência econômica do comércio e das atividades turísticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século IX, o rei Alfonso II fundou a Abadia dos Corpos Santos, edificada sobre o relicário que continha as cabeças dos Santos Emeterio e Caledonio, que foram parar no local vindo de Calahora (cidade da atual Comunidade da Rioja). Estes santos foram decapitados no século III durante a época romana, e as relíquias foram levadas à então vila para protegê-las da invasão muçulmana, ocorrida a partir de 711 dC. Ainda hoje podemos ver o relicário de prata na Igreja de Cristo, que também conserva um braço de San German.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1187, o rei Alfonso VIII nomeou o abade proprietário da zona e concedeu a vila um foro. Em 1248, Santander participou, junto com outras vilas situadas na costa do Mar Cantábrico, da batalha pela reconquista de Sevilha, recebendo como recompensa um escudo de armas com as imagens da Torre do Ouro e do Rio Guadalquivir, dois símbolos da cidade andaluza. No final do século XIII, as vilas costeiras de Cantábria fundaram a Hermandade das Vilas da Marinha de Castilla, com o objetivo de fortalecer o comércio marítimo com ingleses e flamencos. Em 1372, Santander se converte na Base Naval do Atlântico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1497, a peste matou 6 mil pessoas, de um total de 8 mil que viviam na cidade. No final do século XVI, novamente foi vítima de outra peste, que reduziu a população a somente 800 habitantes, de um total de 2500.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVIII, Santander tornou-se uma diocese, e a igreja principal foi elevada à categoria de Catedral, fato que colaborou para a recuperação da cidade. Em 1755, Fernando VI concede o título de cidade. No princípio do século XIX, encabeça a lista dos portos mais importantes do norte da Espanha, registrando um intenso comércio com o continente americano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa segunda metade do século XIX, se introduziu na Europa um novo conceito de ócio associado à saúde. Desta forma, surgiram várias cidades-balneário para o desfrute da classe aristocrática européia. Santander foi uma delas, com a criação do Balneário de El Sardinero, até hoje uma de suas zonas turísticas mais famosas. Santander se transforma na cidade predileta da corte para os meses mais quentes do ano, principalmente durante o reinado de Alfonso XIIIOLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, até 1900, seu desenvolvimento econômico esteve relacionado com as atividades comerciais com as colônias espanholas, favorecendo o aparecimento de uma burguesia mercantil que impulsionou o crescimento urbano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de estar situada na costa, seu relevo está formado por morros que pouco a pouco começaram a serem habitados. Por este motivo, existem escadas rolantes e elevadores para alcançar as partes mais altas da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o turismo é uma das principais fontes de renda do município, e muitos  estrangeiros e turistas nacionais chegam à cidade em busca de suas praias e monumentos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEspero que vocês apreciem as matérias desta bela cidade espanhola, e que algum dia possam visitá-la…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Um Passeio por Castro Urdiales

Como vimos no último post, com a descoberta do continente americano Castro Urdiales prosperou de forma significativa através do incremento da atividade marítima, com notórias consequências sobre a paisagem urbana da cidade. Um passeio pelo centro histórico permite observar alguns resquicios das reformas urbanas realizadas a partir do século XVI, como a Praça do Ayuntamiento, local central da vila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPresidindo a praça situa-se a Casa Consistorial, edifício sede da prefeitura local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício atual é de 1755, e foi projetado pelo arquiteto Antonio de la Vega, menos o remate da torre central, realizada pelo arquiteto nascido na cidade Eladio Laredo, personagem fundamental na revitalização urbana que se deu no final do século XIX e princípio do XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs reformas urbanas realizadas a partir do século XVI proporcionaram a chegada do saneamento básico à cidade, além da construção de fontes públicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACastro Urdiales formava parte, junto com outras cidades da costa da Cantábria, da denominada Quatro Vilas da Marinha de Castilla, fornecendo homens e barcos de guerra para muitas das disputas e conflitos bélicos em que a Espanha participou ao longo dos séculos. No século XIX, Castro Urdiales foi praticamente destruída pelas tropas francesas sob a o comando do General Foix. Parte dos habitantes conseguiram escapar em naves inglesas, mas o número de vítimas foi enorme, como podemos ver neste monumento comemorativo aos caídos durante a conquista francesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do final do século XIX, Castro Urdiales transformou-se num local ideal para as férias de verão de muitos habitantes do país, graças as belas praias que possui e as paisagens que circundam a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1909, o rei Alfonso XIII concedeu o título de cidade a Castro Urdiales, e muitas das construções que contemplamos hoje em dia estão relacionadas a este período histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInteressantes construções foram realizadas no final do século XIX e princípio do século XX devido a esta nova fase de crescimento econômico, algumas das quais podemos admirar no Paseo Marítimo, como o Edifício Salvarrey.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi projetado em 1901 pelo arquiteto Severino Achúcarro, que encarregou a direção das obras ao seu discípulo Leonardo Rucabado, transformando o edifício num dos mais representativos do início do século XX, realizado com influências modernistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos palácios foram edificados nesta época, segundo a corrente eclética em voga no momento, como o chamado Chalet de San Martín, inspirado na arquitetura inglesa. O edifício foi construído em 1900 pelo arquiteto de Bilbao Gregorio de Ibarreche (1864/1933), e foi catalogado como Bem de Interesse Cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Escola de Artes e Ofícios de Toledo

O visitante que chega por primeira vez a Toledo observará que a cidade possui um certa homogeneidade arquitetônica, que se reflete em suas construções mais emblemáticas, como suas belas igrejas. Esta particularidade urbana se deve ao estilo mudéjar, abundante na cidade e seu estilo artístico por excelência. O Mudéjar é considerado a grande aportação espanhola à História da Arquitetura, e desenvolveu-se a partir do século XII, estendendo-se até o século XVI. Se caracteriza predominantemente pelo emprego do tijolo, não só como material construtivo, mas também como elemento decorativo. Outra de suas principais características é a utilização de elementos arquitetônicos associados à Arte Muçulmana, como o Arco de Ferradura, por exemplo. Abaixo, vemos a Igreja de Santiago Mayor, construída no estilo mudéjar.

DSC09136Em algumas construçoes mudéjares se utilizaram como elemento decorativo a cerâmica vidriada. A palavra Mudéjar está relacionada com a populaçao muçulmana que permaneceu na Espanha, mesmo depois da reconquista cristã. Um dos ofícios tradicionais da comunidade era justamente a construção, e os reis espanhóis admiravam sua arquitetura e arte. Desta forma, os mudéjares começaram a realizar edifícios para os reis espanhóis, incorporando elementos de sua própria arquitetura. Abaixo, vemos a Paróquia de Santa Leocádia de Toledo, erguida no estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIX apareceu na arquitetura uma corrente que propunha a revalorização dos chamados estilos históricos europeus, como o românico, gótico, etc. Evidentemente, na Espanha começaram a surgir edifícios que de uma certa forma interpretavam a antiga tradiçao mudéjar, que foram denominados neomudéjares. Um exemplo deste tipo de arquitetura podemos apreciar em várias Praças de Touros espalhadas pelo país. Em Toledo, um exemplo desta atividade construtiva está representada pela Escola de Artes e Ofícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das amostras mais significativas da arquitetura toledana de finais do século XIX, a Escola de Artes e Ofícios foi projetada pelo arquiteto Arturo Mélida, sendo que sua construção iniciou-se em 1882, durante o reinado de Alfonso XII.

DSC09362O edifício somente foi concluído em 1931, quando no país reinava o monarca Alfonso XIII, filho do anterior. Esta bela construção situa-se em pleno Bairro da Judería, o antigo bairro da comunidade hebraica, que será o tema dos próximos posts que publicarei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada do edifício principal vemos representado o Escudo dos Reis Católicos

OLYMPUS DIGITAL CAMERATodos os elementos do estilo mudéjar podem ser vistos no edifício, como a abundância de tijolo, a cerâmica vidriada e as características da Arte Muçulmana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém observamos a presença de novos materiais que passaram a ser usados na arquitetura a partir do final do século XIX, como o ferro forjado, empregado em sua decoração.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC09367Abaixo, vemos uma foto do teto na entrada da Escola de Artes e Ofícios

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi construído sobre terrenos antigamente ocupados pelo Monastério de San Juan de los Reyes, construído na época dos Reis Católicos e parcialmente destruído durante a invasão francesa de início do século XIX.

DSC09363OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cidade Universitária de Madrid: Parte 2

A Cidade Universitária de Madrid foi construída em terrenos que foram cedidos pela coroa espanhola, situados no Distrito de Moncloa. A idéia de sua construção surgiu nos anos 20 do século passado, e seu projeto nasceu com a celebração das bodas de prata do Rei Alfonso XIII. Na realidade, representava mais que um projeto construtivo, pois seu objetivo era criar um novo tipo de modelo universitário, que estivesse preocupado tanto pelas questões técnicas quanto acadêmicas, nas quais o esporte e a convivência determinassem suas relações e atividades, como acontecia então nos EUA. Abaixo, vemos a Escola Superior de Engenheiros de Montes, cuja construção foi realizada ao término da Guerra Civil, entre 1941 e 1945, e inspirada nos edifícios castelhanos, principalmente relacionados ao barroco de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, a Cidade Universitária foi a primeira em ser construída na Europa baseada na tipologia das universidades americanas. Sua construção reconhecia de maneira oficial a importância da juventude como um grupo social a ser levado em conta, pertencente a uma classe média em expansão. Para a elaboração do projeto se organizou uma junta diretiva, e o complexo deveria abrigar centros de ensino e pesquisa, administração e manutenção, bem como residências para os alunos e amplas áreas desportivas. A seguir, vemos o edifício do Conselho Superior de Deportes, e algumas esculturas que foram colocadas em seu jardim.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO recinto foi concebido como um campus autônomo, em que os edifícios docentes se agrupavam por áreas temáticas, humanidades, ciências, saúde e belas artes. Para que o projeto pudesse ser efetuado, foi necessário desativar as faculdades situadas no centro histórico, sediadas em velhos edifícios da Calle de San Bernardo que compunham a Universidade Central de Madrid, como vimos no post anterior. O plano construtivo da Cidade Universitária teve, desde o primeiro momento, pleno respaldo governamental, devido à implicação do rei, tornando-se um símbolo da modernidade educativa e científica do país. Abaixo, vemos a Faculdade de Odontologia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo responsável das obras, se designou a Modesto López Otero, um arquiteto de prestígio e respeitado por todos (nomeado pela monarquia, confirmado no período republicano e posteriormente também durante a etapa franquista). As primeiras faculdades se construíram entre os anos 1928 e 1936, e estavam quase finalizadas quando se iniciou a Guerra Civil Espanhola. Os estilos predominantes foram o Racionalismo de influência centro européia e o Funcionalismo americano. Em 1928 começaram as obras do campus da Faculdade de Medicina, o mais complexo de todos, cujo interior do edifício principal vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo jardim da faculdade vemos um monumento a Severo Ochoa (1904/1993), que foi congratulado com o Prêmio Nobel de Medicina em 1959. Realizado por seu sobrinho, Victor Ochoa, o monumento foi inaugurado em 1993, e contou com a participação do homenageado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs materiais utilizados na construção dos principais edifícios estavam relacionados com a tradição histórica de Madrid, como o tijolo. Suas principais características eram a ausência decorativa, a simplicidade das linhas arquitetônicas e as soluções clássicas combinadas com amplos volumes geométricos, sendo que algumas das faculdades continham pórticos de caráter monumental, como na Faculdade de Odontologia, visto acima, e também na Faculdade de Farmácia, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma antiga imagem da Faculdade de Farmácia, de 1952…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ampliação da Faculdade de Farmácia realizada entre 2002 e 2005…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA