Loeches – Comunidade de Madrid

Depois de publicar as matérias sobre os principais monastérios de Madrid, considerei oportuno este post sobre a cidade de Loeches, onde a influência destes históricos conventos é notória. Situada na parte leste da Comunidade de Madrid, Loeches encontra-se a apenas 40 km da capital. Sua existência está documentada desde o séc. XII, e seu nome é de origem vasco, devido a repovoaçao realizada com pastores do País Vasco depois da reconquista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALoeches recebeu o título de cidade em 1555, outorgado pelo rei Carlos I. A vila pertenceu ao senhorio da família Cárdenas, que fundou o Convento das Carmelitas em 1596. Ao falecer os membros da família, o senhorio foi adquirido pelo Conde Duque de Olivares, válido (primeiro ministro) do rei Felipe IV, em 1633. Até o nome da escola pública da cidade recebeu seu nome…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Conde Duque de Olivares foi o responsável pela construçao do monumento mais importante de Loeches, o Monastério de la Inmaculada Concepción.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlonso Carbonel foi o arquiteto encarregado de realizar a obra, finalizada em 1640. O edifício barroco foi totalmente inspirado no Monastério de la Encarnación de Madrid, que vimos recentemente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAté mesmo o material principal utilizado, o granito, visível na fachada, é o mesmo do convento da capital. O Monastério de la Inmaculada Concepción é conhecido como Monastério Grande, para diferenciar de outros existentes na cidade, e está habitado por freiras da Ordem Dominicana. O Conde Duque de Olivares, personagem fundamental da política espanhola do séc. XVII, nele está enterrado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém do mais, em 1909, Jacobo Fitz-James Stuart y Falcó, membro da famosa Casa de Alba, fundou um panteao agregado a uma capela do monastério. A partir de entao, todos os membros da família foram sepultados no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO panteao foi realizado por Juan Bautista Lázaro, que se inspirou no panteao real do Monastério de El Escorial. Os sepulcros foram feitos com mármore negro, exceçao feita ao que acolhe os restos de Francisca de Sales y Portocarrero, irma da Imperatriz da França Eugenia de Montijo, esposa de Napoleao III, feito com mármore branco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta tradiçao dos membros da Casa de Alba de serem sepultados na capela foi quebrada, com o recente falecimento de Cayetana, a última Duquesa de Alba, cujo desejo expresso de ser enterrada em Sevilha foi devidamente atendido. Abaixo, vemos uma foto da igreja do monastério e de sua cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro monumento de importância da cidade de Loeches é a Igreja de N.Sra de la Asunción, um templo renascentista levantado a partir de 1560. Sua torre de 30m de altura é um de seus destaques.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

O Palácio del Buen Retiro – Madrid

No post de hoje, conheceremos a história do Palácio del Buen Retiro, um complexo arquitetônico de enormes dimensoes, intimamente relacionado com o Parque do Retiro que atualmente contemplamos. O palácio foi construído pelo arquiteto Alonso Carbonel (1590/1660) como uma segunda residência e lugar de recreio do rei Felipe IV, que normalmente residia no antigo Alcázar, situado onde hoje vemos o Palácio Real de Madrid. Antes de sua construçao, Felipe IV tinha o costume de hospedar-se também nos aposentos anexos do denominado Convento de San Jeronimo, chamado de Quarto Real. Além do mais, aproveitava para passear pelos terrenos situados ao lado do convento, propriedade do seu válido (uma espécie de primeiro ministro, que realmente governava o país), o Conde Duque de Olivares. Com a intençao  de agradar ao monarca, Olivares inicia, a partir de 1630, uma série de gabinetes e pavilhoes que originaram o Palácio del Buen Retiro. Finalizado em 1640, contava com mais de 20 edifícios, que eram principalmente utilizados para a celebraçoes de festas, apresentaçoes teatrais, e inclusive recriaçoes de batalhas navais no lago do Retiro. Além do complexo arquitetônico, estava formado por inúmeros jardins e lagos, dado o caráter lúdico do local. Abaixo, vemos os retratos do rei Felipe IV e outro equestre do Conde Duque de Olivares, pintados pelo pintor real do monarca, Diego Velázquez.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO nível artístico empregado no palácio rivalizava com a residência habitual do rei, o Alcázar. Grande parte das coleçoes adquiridas por Felipe IV  que hoje decoram as paredes do Museu do Prado, embelezavam em sua origem o Palácio del Buen Retiro. O palácio foi praticamente destruído durante a Guerra da Independência, quando as tropas de Napoleao utilizaram o lugar como quartel de artilharia. Finalizada a guerra, a rainha Isabel II tentou acometer sua restauraçao, mas o grau de ruinas era tal que decidiu-se por sua quase total demoliçao. Na foto a seguir, vemos uma imagem antiga do Palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém do próprio Parque do Retiro, sao remanescentes do antigo palácio duas construçoes, atualmente situadas fora dos limites do parque (hoje em dia, o parque possui somente a metade de sua extensao original). O Casón del Buen Retiro é uma delas. Antigo Salao de Bailes do palácio, transformou-se numa dependência pertencente ao Museu do Prado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém projetado por Alonso Carbonel, seu aspecto neoclássico atual se deve às reformas realizadas pelo arquiteto Ricardo Velázquez Bosco no final do séc. XIX. A partir dos anos 70 do séc. XX, albergou a coleçao do Prado relativa ao séc. XIX, funçao que exerceu até 2009.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a ampliaçao do Museu do Prado realizada por Rafael Moneo, o Casón del Buen Retiro foi reformado e adaptado como Centro de Estudos do museu. Abaixo, vemos a parte detrás do Casón.

DSC08622Um detalhe escultórico dos capitéis que decoram as colunas.

DSC08624 Outro edifício sobrevivente do Palácio del Buen Retiro é o denominado Salao de Reinos, a estância principal para as recepçoes e celebraçoes do monarca. O salao possuía  as melhores obras de arte do acervo real e seu nome se deve aos 24 escudos dos reinos que constituiam a Monarquia Espanhola na época de Felipe IV.

DSC08628Inicialmente, foi concebido como palco, onde os reis pudessem assistir os espetáculos e obras teatrais que se realizavam. Depois, foi agregado o caráter cerimonial, como Salao de Trono do rei. Com esta nova funçao, cumpria a missao de impressionar as embaixadas e demais membros das cortes européias. Por isso, sua decoraçao era a mais suntuosa de todo o palácio.

DSC08634DSC08636Depois que deixou de ser parte integrante do palácio, foi a sede do Museu do Exército, até que em 2010 foi trasladado ao Alcázar de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADevido às constantes reformas realizadas após a Guerra da Independência, o Salao dos Reinos apresenta um aspecto bastante alterado. No entanto, estas duas edificaçoes nos dao uma idéia da magnificência e grandiosidade deste palácio que chegou a ser a “inveja da Europa”, e base do local que hoje conhecemos como o Parque do Retiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Salao de Reinos encontra-se novamente em reformas, e sua nova funçao ainda é um mistério….

A Catedral de Getafe – Parte 2

O interior da Catedral de Getafe está formado por 3 naves, separadas por grossas e altas colunas toscanas, que suportam arcos de meio ponto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA belíssima cúpula foi decorada com frescos realizados no séc. XVIII, com a representaçao de 8 anjos com os símbolos da paixao de Jesus Cristo. Nas laterais, observamos as pinturas dos Quatro Evangelistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral possui um órgao referente na interpretaçao de música sacra antiga. Construído pela influente família Echevarría no séc. XVIII (1726), este órgao barroco foi recentemente restaurado, pois foi severamente castigado pelos destroços provocados durante a Guerra Civil Espanhola. Visitar a catedral e poder escutar as incríveis melodias tocadas pelo simpático e jovem organista foi realmente um privilégio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do templo, o Retábulo Maior foi realizado entre 1612/1618 por Alonso Carbonel e os escultores Antonio de Herrera e Antón de Morales. Constitui um dos poucos retábulos existentes na Comunidade de Madrid desta época. Feito de madeira policromada e dourada, possui uma altura de 13m.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste típico retábulo barroco combina à perfeiçao elementos escultóricos e pictóricos. As pinturas foram realizadas em 1639 pelos artistas José Leonardo, Angelo Nardi e Félix Castelo. Está dedicado à titular da catedral, Santa Maria Madalena, cuja escultura vemos em sua parte central. A parte escultórica completa-se com a representaçao da Assunçao da Virgem Maria e o Calvário. Nas laterais, vemos a Sao Joao Batista e Sao Isidoro. As pinturas laterais representam episódios da vida de Maria Madalena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das jóias da Catedral de Getafe é o retábulo lateral, também barroco. Algumas de suas pinturas foram realizadas pelo pintor Alonso Cano (1601/1667).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlonso Cano foi um artista interessante do Barroco Espanhol. Viveu e faleceu em sua cidade natal, Granada, e destacou-se tanto nos campos da pintura, quanto da arquitetura e escultura. Abaixo, vemos uma pintura realizada por ele no mencionado retábulo acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outro belo retábulo que adorna o interior da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o interior da Catedral de Getafe está realizando uma exposiçao  em homenagem ao quarto centenário da morte do genial pintor El Greco. As obras foram realizadas pelo artista López Romeral, que em 20 quadros expoe sua interpretaçao de algumas obras do pintor toledano, como este autoretrato.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo átrio da igreja, contemplamos um mural realizado por 42 artistas da obra prima de El Greco, “O Enterro do Conde de Orgaz”. O original podemos admirar na Igreja de Sao Tomé, situado na cidade que tornou célebre o pintor, Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA