Igreja do Corpus Christi – Madrid

Madrid é uma cidade eminentemente barroca, em quanto a maioria de suas igrejas históricas. No princípio do século XVII, era  a capital de um grande império, e as ordens religiosas desejavam ter uma “casa mãe” na cidade. A Contrarreforma, que foi criada para deter o avance protestante na Europa, teve na Espanha e em sua monarquia o aliado principal  e sua grande defensora. Como consequência, Madrid torna-se uma cidade conventual. Tamanha concentração de templos atraiu a um grande contingente de artistas portugueses, italianos, flamencos, além dos próprios espanhóis, evidentemente, para decorar as inúmeras igrejas que se edificavam. A fase inicial do desenvolvimento do estilo barroco em Madrid possui algumas características que podemos identificar, como a simplicidade e austeridade exterior, mas uma rica coleção de imagens sacras no interior, destinadas à veneração dos santos como exemplo de conduta e a propagação da fé católica. Quadros e estátuas recriam a vida dos santos cristãos e os mistérios da fé católica para uma população em grande parte analfabeta, possibilitando a compreensão da doutrina. Um exemplo perfeito deste momento inicial na evolução do barroco na cidade é a Igreja de Corpus Christi, situada perto da Praça Maior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Apesar de sua localização em pleno Centro Histórico de Madrid, muitos habitantes da cidade nem sequer sabem de sua existência, ao estar numa praça algo escondida dos principais pontos turísticos e das ruas mais importantes. A Igreja do Corpus Christi é uma das mais acolhedoras da fase inicial do barroco madrilenho e, milagrosamente, chegou intacta aos dias atuais, sem qualquer tipo de reforma ou ampliação desde que foi construída em 1607. Na singela porta vemos as esculturas de Santa Paula e São Jerônimo adorando o Corpus Christi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento que caracteriza esta fase primeira do barroco é o predomínio da linha reta sobre a curva, um aspecto sobrevivente do estilo anterior, o renascimento, principalmente relacionado com o monumento mais representativo deste estilo na Espanha, o Monastério de El Escorial, e seu principal artífice, o arquiteto Juan de Herrera. Na realidade, a igreja integra um conjunto maior, o Monastério de Jerónimas del Corpus Christi, um convento de clausura que continua funcionando como tal, sendo que suas freiras seguem fabricando seus deliciosos doces, cuja produção não atende a demanda, pois são poucas e de idade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi fundado por Beatriz Ramírez de Mendoza,  descendente de outra Beatriz que tornou-se famosa por ser a educadora dos filhos de Isabel La Católica, Beatriz Galindo, que realizou diversas obras assistenciais na cidade. Entre outras qualidades, possuía um domínio perfeito do latim. Um dos principais bairros de Madrid para comer tapas homenageia esta mulher avançada para a época em que viveu, com o apelido que ficou conhecida, “La Latina“. O projeto construtivo da igreja e do convento se deve ao arquiteto Miguel de Soria, que realizou um templo de uma nave, como vemos acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm fato curioso repercutiu de forma permanente para a igreja e o nome como ela popularmente passou a ser conhecida foi o achado de um quadro da Imaculada Conceição numa carbonería, local onde se produz o carbón, carvão em português. Este quadro foi adquirido por uma frade franciscano, que o levou ao convento mais próximo onde se encontrava, o Convento do Corpus Christi. Uma vez colocado no interior da igreja, adquiriu a fama de milagroso por seus devotos. A partir deste momento, a igreja ficou conhecida como “Las Carboneras“, as freiras que custodiaram a obra. Abaixo, vemos dito quadro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja guarda inúmeras obras de importância artística, como o Retábulo Maior do século XVII, uma magnífica obra de Antón de Morales, síntese magistral de arquitetura, pintura e escultura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO destaque do retábulo é um excelente quadro da Última Ceia realizado por Vicente Carducho, raro por seu posicionamento vertical. A ambos lados, ente colunas de Ordem Corintio, vemos as esculturas de São Jerônimo (esquerda) e São João Batista (direita).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACulmina o retábulo um calvário atribuído a Pompeo Leoni, escultor que realizou diversos e impressionantes bustos dos monarcas espanhóis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém do século XVII é o retábulo dedicado à Virgem das Tribulações e da Paz Interior, atribuído a Pedro de la Torre. A escultura da virgem foi realizada em 1812 por José de Tomás.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa próxima matéria, veremos a Igreja das Calatravas, pertencente à segunda fase do Barroco Madrilenho….

A Catedral de Getafe – Parte 2

O interior da Catedral de Getafe está formado por 3 naves, separadas por grossas e altas colunas toscanas, que suportam arcos de meio ponto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA belíssima cúpula foi decorada com frescos realizados no séc. XVIII, com a representaçao de 8 anjos com os símbolos da paixao de Jesus Cristo. Nas laterais, observamos as pinturas dos Quatro Evangelistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral possui um órgao referente na interpretaçao de música sacra antiga. Construído pela influente família Echevarría no séc. XVIII (1726), este órgao barroco foi recentemente restaurado, pois foi severamente castigado pelos destroços provocados durante a Guerra Civil Espanhola. Visitar a catedral e poder escutar as incríveis melodias tocadas pelo simpático e jovem organista foi realmente um privilégio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro do templo, o Retábulo Maior foi realizado entre 1612/1618 por Alonso Carbonel e os escultores Antonio de Herrera e Antón de Morales. Constitui um dos poucos retábulos existentes na Comunidade de Madrid desta época. Feito de madeira policromada e dourada, possui uma altura de 13m.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste típico retábulo barroco combina à perfeiçao elementos escultóricos e pictóricos. As pinturas foram realizadas em 1639 pelos artistas José Leonardo, Angelo Nardi e Félix Castelo. Está dedicado à titular da catedral, Santa Maria Madalena, cuja escultura vemos em sua parte central. A parte escultórica completa-se com a representaçao da Assunçao da Virgem Maria e o Calvário. Nas laterais, vemos a Sao Joao Batista e Sao Isidoro. As pinturas laterais representam episódios da vida de Maria Madalena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das jóias da Catedral de Getafe é o retábulo lateral, também barroco. Algumas de suas pinturas foram realizadas pelo pintor Alonso Cano (1601/1667).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlonso Cano foi um artista interessante do Barroco Espanhol. Viveu e faleceu em sua cidade natal, Granada, e destacou-se tanto nos campos da pintura, quanto da arquitetura e escultura. Abaixo, vemos uma pintura realizada por ele no mencionado retábulo acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outro belo retábulo que adorna o interior da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o interior da Catedral de Getafe está realizando uma exposiçao  em homenagem ao quarto centenário da morte do genial pintor El Greco. As obras foram realizadas pelo artista López Romeral, que em 20 quadros expoe sua interpretaçao de algumas obras do pintor toledano, como este autoretrato.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo átrio da igreja, contemplamos um mural realizado por 42 artistas da obra prima de El Greco, “O Enterro do Conde de Orgaz”. O original podemos admirar na Igreja de Sao Tomé, situado na cidade que tornou célebre o pintor, Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA