Antonio Mingote – Madrid (Parte 2)

Neste segundo e último post sobre o desenhista Antonio Mingote, veremos o legado deixado pelo artista na cidade de Madrid. Por exemplo, na Calle Duquesa de Osuna, em 1993, Mingote realizou a decoração dos balcões de um edifício, com personagens que nos mostram várias situações cotidianas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua obra pode ser admirada na Estação do Metrô do Retiro, que permite o acesso público ao famoso Parque do Retiro. Seus desenhos foram utilizados para decorar a plataforma da estação com azulejos, retratando cenas dentro do parque carregadas de grande humor e ironia, elementos essenciais de seu trabalho como humorista gráfico.

20190715_10335820190715_103305Mingote adorava passear pelo parque, e logo depois de decorar a estação em 1987, recebeu o título de Alcalde Honorífico do Parque do Retiro e a Medalha de Ouro da Comunidade de Madrid. Abaixo, vemos o diploma que lhe outorgava tal distinção, que pude fotografar durante a exposição em sua homenagem no Museu de História de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do Parque do Retiro foi colocado um busto de Antonio Mingote, esculpido pela artista Alicia García Huertas

20160528_112028Outro mural realizado por ele podemos ver na Calle de la Sal, junto à Plaza Mayor de Madrid. Pintado em 2001, o mural retrata cenas da famosa novela “Fortunata y Jacinta“, do escritor Benito Pérez Galdós

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASua obra está relacionada também com os chamados Comércios Históricos de Madrid, aqueles estabelecimentos comerciais com mais de 100 anos prestando serviços à comunidade. Integram o patrimônio histórico da cidade, e a Prefeitura de Madrid decidiu no início do século XXI homenageá-los. Encarregou a Mingote o desenho de uma placa comemorativa, para que fosse colocada na calçada em frente ao estabelecimento histórico. Hoje em dia vemos centenas destas placas espalhadas, e a primeira foi outorgada em 2006 ao tradicional Restaurante Lhardy, fundado em 1839. Abaixo vemos o desenho de Mingote e uma foto do restaurante…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA20190724_172828Outro comércio histórico, uma antiga fábrica de relógios situada em frente ao mural da Calle de la Sal, recorreu a uma estratégia interessante ao colocar um boneco que realiza movimentos simulando o concerto de relógios. Em determinadas horas do dia, podemos ver este singelo e bonito artifício publicitário. O desenho foi feito, é claro, por Antonio Mingote

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Plaza de las Cortes, impressiona pela beleza de sua fachada o edifício de seguros da Companhia Plus Ultra, construído no início do século XX. Tornou-se famoso graças a um carrilhão (carrillón, em espanhol) que em determinados horários do dia (12hs/15hs/18hs e 20 hs) podemos apreciar. Pela janela da fachada central do edifício saem 5 bonecos que representam personagens emblemático da cultura espanhola. Da esquerda para direita aparecem: o famoso toureiro Pedro Romero, uma Maja madrilenha (no século XIX eram as mulheres bonitas que se vestiam com trajes vistosos e que utilizavam um vocabulário tradicional dos bairros populares), o Rei Carlos III com uma espingarda, a Duquesa de Alba e o pintor Francisco de Goya.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACada personagem realiza movimentos simples que o caracterizam, ao som de uma música tocada pelo total de 18 sinos situados a cada lado do relógio. Dependendo do horário, são diferentes as músicas que escutamos. Os bonecos foram construídos por uma empresa especializada da Holanda e o carrilhão foi inaugurado em 1993 pela Infanta Pilar de Borbón, Duquesa de Badajoz. Os desenhos originais dos bonecos foram realizados por Mingote. Abaixo, vemos os bonecos em miniatura, também fotografados na exposição a ele dedicada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo vídeo abaixo, vocês poderão assistir a uma “apresentação” do carrilhão. Com ele, finalizo esta matéria sobre Antonio Mingote, convidando a todos (as) que venham a Madrid e ver ao vivo sua importante obra artística….

Antonio Mingote – Madrid

Além do patrimônio histórico e cultural da Espanha, sempre que possível publico matérias sobre os personagens que colaboraram para seu desenvolvimento, muitos dos quais desconhecidos além da fronteira espanhola. Fazia tempo que almejava publicar um post em homenagem a Antonio Mingote (1919/2012), que com seus desenhos transformou a paisagem urbana de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMeu desejo concretizou-se com uma exposição a ele dedicado, no ano do centenário de seu nascimento, realizada no Museu de História de Madrid, denominada “Madrid se escreve com M de Mingote“. Abaixo, vemos este imprescindível museu da cidade e o cartaz publicitário da exposição…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntonio Mingote, membro da Real Academia Espanhola, foi um cartunista, escritor e jornalista espanhol. Apesar de ter nascido em Sitges, na Província de Barcelona, deixou um legado artístico relacionado com a cidade de Madrid, onde faleceu em 2012, com 93 anos de idade. Aprendeu a desenhar de forma autodidata, iniciando sua carreira de humorista gráfico em 1946. Devido a sua intensa atividade neste campo e a qualidade artística dos desenhos, foi reconhecido não somente na Espanha, como também em diversas partes do mundo. Suas ilustrações foram reproduzidas em meios de comunicação de prestígio internacional, como o New York Times, entre outros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1948 publicou sua primeira novela, “Las Palmeras de Cartón“, e em 1953 iniciou uma colaboração com o Diário ABC, que continuou até seu falecimento em 2012. Também escreveu roteiros para o cinema e séries de televisão. De grande interesse foram os livros de divulgação histórica que publicou, como “História de Madrid“, escrito em 1961.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa exposição podemos admirar a maior parte dos desenhos originais que ilustram o livro. De um total de 185 ilustrações, foram expostas no museu 125, constituindo uma maneira divertida para compreender a história da cidade, criadas com o humor característico do artista. Seu estilo está impregnado de sutilezas e ironia, além da sensibilidade social. Aproveito para publicar alguns deles, como o desenho em que arqueólogos tentam decifrar a origem da cidade de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro desenho curioso revela o apelido como são conhecidos os nascidos em Madrid, “Gatos“. A origem deste nome se remonta a época da Reconquista de Madrid pelo Rei Alfonso VI no final do século XI. Fundada pelos muçulmanos no século IX, durante pouco mais de dois séculos Madrid foi uma cidade islâmica. Se diz que quando a cidade foi conquistada pelo monarca castelhano, um de seus soldados começou a escalar a muralha árabe de 12 m de altura com tamanha agilidade e destreza, que o rei afirmou que mais parecia a um “gato“. A partir de então, todos começaram a chamá-lo de gato, assim como a todos os membros de sua família. Inclusive, parece que mudou seu sobrenome, incluindo seu novo apelido, que com o passar do tempo tornou-se ilustre em Madrid. Sua família ostentou um escudo de armas no qual aparecia um punhal (utilizado pelo soldado para escalar a muralha) e um muro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO soldado tornou-se tão famoso que, com o tempo, o termo “gato” identificava a qualquer pessoa valente de Madrid. Posteriormente, passou a ser relacionada a qualquer pessoa nascida na cidade. Abaixo, vemos a antiga muralha islâmica de Madrid, situada aos pés de sua bela catedral…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra teoria diz que o apelido “gato” se refere ao hábito dos nascidos na cidade de sair à noite, como os pequenos felinos…Na realidade, atualmente se consideram “gatos” autênticos aquelas pessoas cujos pais e avós, tanto maternos quanto paternos, tenham nascido em Madrid. Ou seja, cada vez se torna mais difícil encontrar um gato genuíno pela cidade…Abaixo, vemos outro desenho, em que Mingote retrata o “jogo de domingo” na Idade Média

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMadrid no ano 1500, com vistas da muralha árabe, e o antigo Alcázar, a fortaleza de origem islâmica que se incendiou em 1734, sendo substituído pelo atual Palácio Real de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO êxodo rural que multiplicou a população da cidade, depois de tornar-se capital da Espanha a partir de 1561…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMingote retratou também monumentos que ainda se conservam no Centro Histórico de Madrid, como o Real Monasterio de La Encarnación, fundado no início do séculoXVII…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo e último post sobre Antonio Mingote, veremos o legado deixado pelo artista pelas ruas da cidade…

Os Comércios Históricos de Madrid – Parte 3

Nas proximidades da central e frequentada Porta do Sol existem inúmeros Comércios Históricos que merecem a visita. Um deles, situado na própria praça, é a Casa Diego, especializada em leques (albanicos, em espanhol) e guarda-chuvas (paraguas).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde 1858, o estabelecimento fabrica e vende estes utensílios. A longa experiência acumulada fez com que a família proprietária do negócio, que atualmente constitui sua quarta geração, trabalhasse para várias casas reais do mundo, inclusive a espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa loja, muitos dos elementos decorativos são uma referência aos produtos comercializados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro estabelecimento histórico, situado bem próximo à Casa Diego, é a denominada loja de Cafés “La Mexicana”. Desde 1890, a casa elabora uma significativa variedade de cafés (17 tipos), entre os quais o seleto Tambo, cuja produção não supera os 250 sacos em todo o mundo. O nome se origina de uma mexicana que veio para a Espanha para ganhar a vida, e nela permaneceu. Como curiosidade, a loja entrou para o livro Guiness de Recordes por ter sido a loja que mais vendeu cafés num só dia (1500 kg).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExclusiva para o público feminino é uma loja de bijuteria (bisuteria, em espanhol), localizada na Calle Mayor, 28. Especializada em adornos para mulheres, a Bisuteria Otero foi fundada em 1905, e teve a Infanta Isabel como uma de suas principais clientes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo chão, encontramos a placa comemorativa entregue pela prefeitura homenageando os comércios centenários de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos centros mais importantes na fabricação de relógios da cidade situa-se na Calle de la Sal, próximo à Praça Maior. Esta Relojoaria, fundada em 1880, possui, no mesmo local, tanto a oficina, quanto a loja que comercializam os produtos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local chama a atenção dos pedestres que passam pela rua graças à simpática figura  situada na parte superior da loja. Na realidade, trata-se de um autômato que se move lateralmente, fabricado por Candido Valverde, a partir de um desenho de Antonio Mingote.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Praça das Cortes – Segunda Parte

No centro da Praça das Cortes levanta-se um monumento homenageando o Príncipe das Letras da Literatura Espanhola, Miguel de Cervantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estátua foi uma iniciativa de José I, irmão de Napoleão, mediante um decreto assinado em 1810. Para sua execução, foi convocado um concurso público vencido pelo artista Antonio Solá, considerado o último dos grandes escultores do neoclassicismo espanhol. No entanto, a estátua foi finalizada apenas em 1834. Realizada em bronze, trata-se da primeira estátua dedicada a um personagem civil de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm sua parte inferior, foram esculpidos baixo-relevos por José Piquer, que narram episódios da consagrada novela D.Quixote de La Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos lados da estrutura que suporta a estátua, vemos o nome do homenageado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estátua conta com várias réplicas espalhadas pelo mundo (Moscou, Pequim,Nova York, La Paz, entre outras). Um fato curioso sobre o monumento ocorreu em 2009, durante as obras de remodelação da Praça das Cortes. Ao mover-se a estátua, encontrou-se uma “cápsula do tempo” de 1834, isto é, uma caixa com 4 exemplares de sua famosa novela, datadas de 1819, um livro sobre a vida de Cervantes, além de outras publicações, medalhas, documentos e moedas, todos em bom estado de conservação. Tanto a caixa, quanto seu conteúdo, foram objetos de uma exposição realizada após seu achado. No local, foi colocada uma nova cápsula destinada às futuras gerações, com uma série de objetos relacionados com a caixa de 1834, bem como outros relativos à Madrid do séc. XXI.

Outro edifício relevante da praça é o Hotel Palace, matéria do post publicado em 11/10/2013. Ao seu lado, ergue-se uma bela construção, o edifício propriedade da Cia de Seguros Plus Ultra. Construído em 1913 pelo arquiteto Joaquim Roji López, encarregado de realizar um edifício residencial de aluguel para o Marques de Amboage, nele observamos a fachada de clara inspiração francesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Em 1915, o edifício recebeu um premio da prefeitura de Madrid como o melhor construído no ano na cidade. Abaixo, vemos detalhes decorativos deste belo edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPorém, o que desperta mais a atenção de todos aqueles que passam em frente do edifício é sua fachada principal, que dá para a praça. Em 1993 foi inaugurado pela Infanta Pilar de Borbón um curioso relógio e 18 sinos feitos de bronze que estão ao seu lado, capazes de interpretar um total de 500 melodias diferentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADiariamente, ao som dos sinos, as janelas onde está situado o relógio se abrem e dela saem uma série de personagens populares, que representam as chamadas figuras goyescas, pois recordam a personalidades pintadas pelo genial artista aragonês Francisco de Goya.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs figuras foram desenhadas pelo artista catalão Antonio Mingote, e o mecanismo que faz com que se movam e realizem movimentos, chamado na Espanha de Carrillón, foi desenvolvido por uma fábrica holandesa, uma das mais prestigiadas do mundo na fundição de sinos e fabricação de carrillones. Este exemplar é o único existente no país, composto por figuras móveis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs figuras representadas são, da esquerda para a direita: o toureiro Pedro Romero, que dizem que matou a mais de 5 mil touros, sem levar nenhuma chifrada sequer em toda sua vida; uma manola e seu leque; o rei Carlos III, tal como foi retratado por Goya; a Duquesa de Alba e, finalmente, o próprio Goya, com o pincel e sua inconfundível cartola. O espetáculo pode ser presenciado diariamente, em vários horários. No próprio edifício existe uma placa indicando as seções de apresentação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA