Arco de Santa Maria – Burgos

Burgos é uma cidade monumental com uma grande quantidade de locais históricos para se conhecer. Um de seus monumentos mais emblemáticos é o denominado Arco de Santa Maria, a porta de entrada mais importante da antiga muralha medieval.

20150725_174931Esta belíssima estrutura comunica a Ponte de Santa Maria, situada sobre o Rio Arlanzón, que atravessa a cidade, com a Plaza del Rey San Fernando, local onde se ergue sua maravilhosa catedral gótica. Foi construído a partir dos séculos XIV, mas entre 1536 e 1553 foi reformada para receber o Imperador Carlos V em sua visita pela cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA reforma do Arco de Santa Maria foi realizada pelos arquitetos Juan de Vallejo e Francisco de Colonia, que conceberam um grande arco triunfal, distribuído como se fosse um retábulo feito de pedra. Finalizou-se com a incorporação de várias estátuas, realizadas pelo escultor Ochoa de Arteaga, que representam personagens de relevância do antigo Reino de Castilla, da própria cidade de Burgos e da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO arco está presidido pela Virgem de Santa Maria, padroeira da cidade. Entre os personagens representados, destacam o herói castelhano El Cid, que viveu na cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o Imperador Carlos V

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a fachada posterior do arco, construída no século XIV…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Arco de Santa Maria foi a sede da Prefeitura da cidade até a construção da atual Casa Consistorial, erguida no século XVIII e situada na Plaza Mayor de Burgos. O mais interessante é que podemos visitar seu interior. Uma escada de origem medieval nos conduz à sala principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a sala principal, formada por dois níveis…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO espaço está coberto com uma grande estrutura de vidro e decorada com o Escudo da cidade de Burgos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento decorativo de interesse é uma pintura mural realizada em 1971 pelo pintor José Vela Zanetti, nascido na cidade, e dedicada ao Conde Fernán González e a Independência do antigo Reino de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1878 e 1955, o Arco de Santa Maria foi a sede do Museu Arqueológico da Província de Burgos. A seguir, vemos a Sala de la Poridad, de formato octogonal, onde eram realizadas as reuniões do Conselho de Burgos até 1780.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeus muros foram decorados com pinturas murais datadas do século XVI, que representam, entre outros, ao Imperador Carlos V e seu filho, Felipe II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA sala está coberta por um belo artesanato de estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os diversos objetos históricos que conserva, destacam, entre outros, uma cadeira onde se sentavam os juízes de Castilla para impor a justiça…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE um osso de El Cid Campeador….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcolhe também um Museu de Farmácia, com uma interessante coleção de recipientes de cerâmica dos séculos XVII ao XIX, procedente do desaparecido Hospital de San Juan, considerada uma das mais importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1943, o Arco de Santa Maria foi devidamente protegido por sua relevância histórica, ao ser declarado Monumento Histórico-Artístico Nacional. Atualmente, também é utilizado como Centro Cultural, onde se organizam diversas exposições temporárias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

El Cid em Burgos

O personagem lendário de El Cid foi criado através do poema épico anônimo El Cantar de Mio Cid, que relata as façanhas do herói castelhano e inspiradas nos últimos anos de sua vida, depois que foi desterrado por primeira vez pelo rei Alfonso VI. Foi escrito em torno ao ano 1200, e se trata da primeira obra narrativa da Literatura Espanhola em língua romance, uma evolução do latim vulgar. Se conserva quase completo e atualmente se encontra na Biblioteca Nacional de Madrid. Existe inclusive uma rota literária inspirada no poema, a denominada Rota de El Cid, que passa pelos locais em que esteve Rodrigo Díaz de Vivar. Como não poderia ser de outra forma, o trajeto inicia-se na vila de Vivar, seu local de nascimento. Em Burgos, existem muitos monumentos associados à figura de El Cid, que veremos a seguir. Está indicado, por exemplo, o local onde El Cid residiu na cidade, o chamado Solar de El Cid.

20150727_104531Muitas das histórias de El Cid se relacionam com as lutas sucessórias pela Coroa de Castilla y León. O rei Fernando I havia unificado ambos reinos, e no seu testamento havia repartido  seu território entre seus filhos: a Sancho II deixou o Reino de Castilla, a Alfonso VI coube o Reino de León e ao terceiro filho, Garcia, coube governar Galícia e Portugal. Apesar de devidamente distribuído, a discórdia entre os irmãos sobre a regência de cada região provocou inúmeros conflitos, até que o rei Sancho II foi assassinado em Zamora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEl Cid havia prestado fidelidade a Sancho II e obrigou a Alfonso VI a realizar um juramento em 1072, conhecido como de Santa Gadea, em que reconhecia que o herói não teve nenhuma participação no crime. Esta acontecimento ocorreu, segundo o poema, na Igreja de Santa Agueda de Burgos, seu atual nome, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja atual é gótica do séc. XV, que substituiu um anterior templo românico. Na fachada principal, foi colocado uma inscrição que relata que no local se realizou o dito juramento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local de referência em Burgos relativo a El Cid é a Ponte de San Pablo. Recebeu este nome por estar situada próxima ao Convento dedicado a São Paulo, atualmente desaparecido. O primeiro documento que notifica a existência desta ponte data de 1242.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi reformada várias vezes devido as inúmeras enchentes provocadas pelo RIo Arlanzón, principalmente nos séculos XVI e XVIII. No séc. XX, decidiu-se alargar a ponte, num momento de grande fervor em torno a figura de El Cid. Por isso, se planificou um grande projeto escultórico e arquitetônico em torno ao personagem, realizado pelo arquiteto Fernando Chueca Goitia. Várias foram as estátuas realizadas com personagens vinculados a El Cid, esculpidas por Joaquín Lucarini em 1954, depois de ter vencido o concurso nacional para sua realização.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre os personagens representados, vemos o de sua esposa Jimena,  na foto acima. Na Catedral de Burgos, além do simples túmulo do herói e de sua esposa situados na nave central, vemos também o denominado Cofre de El Cid, supostamente cheio de moedas e recebido por amigos judeus, depois que El Cid foi desterrado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo belo Arco de Santa Maria, El Cid aparece representado, ao lado de personagens reais, comprovando a importância do herói na cultura histórica de Burgos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior desta porta monumental, se guardam ossos do herói, com certificados de autenticidade, assim como outros objetos, como sua famosa espada. Alguns monumentos celebram o primeiro desterro de El Cid, como o de abaixo, chamado Glera. Segundo o poema, neste local, às margens do Rio Arlanzón, acampou El Cid quando soube da decisão de Alfonso VI de expulsá-lo do Reino de Castilla. O rei havia proibido os habitantes da cidade em ajudá-lo, sob pena de perda de seus bens e “os olhos da cara”…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1955, o escultor Juan Cristóbal, em colaboração com o arquiteto Fernando Goitia acima mencionado, realizou o monumento mais famoso de El Cid em toda a Espanha, sua estátua equestre em Burgos, inaugurada com grande solenidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, que dividirei em duas partes, veremos a Rota de El Cid existente em várias partes do país, que nos possibilita conhecer os itinerários por onde passou o herói, desde os antigos lugares que formavam o Reino de Castilla até Valencia.

As Muralhas de Burgos – Parte 2

A Muralha de Burgos possui um formato poligonal e alargada, junto com o cerro onde se situa o castelo. Os restos mais importantes conservados correspondem ao lado noroeste e nordeste, por estarem mais distante do centro da cidade. Isso porque a parte da cerca que dá para o Rio Arlanzón foi derrubada para a criação do Paseo del Espolón, que em breve veremos no blog. Muitas das antigas portas de acesso que compunham a muralha ainda se conservam, e nesta matéria poderemos conhecer as principais delas. A Porta da Judería, por exemplo, era o passo obrigatório daqueles que queriam chegar ao antigo bairro judeu, bem como ao bairro dos mouros, conhecido como a Morería.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta porta está localizada no Paseo de los Cubos, que vimos na matéria anterior. Outras foram devidamente restauradas, oferecendo atualmente todos seus detalhes arquitetônicos. Pela Porta de San Martín entravam os reis quando chegavam a Burgos, depois do juramento em manter os foros, liberdades e privilégios da cidade, até o séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor ela saíam os peregrinos que deixavam a cidade rumo a Santiago de Compostela, ainda bastante distante de Burgos. A Porta de San Martín foi construída no séc. XIV no estilo mudéjar, com sua característica combinação de pedra e tijolo e os Arcos de Ferradura que a compõem. Em suas imediações, se encontrava a desaparecida Igreja de San Martín, cuja titulação deu nome à porta.

20150727_103729A Porta de San Esteban é ainda mais antiga, pois formava parte do conjunto de muralhas construídos durante o reinado de Alfonso X no séc. XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém de estilo mudéjar e composto por Arcos de Ferradura, desta porta se conhece inclusive seu construtor, um mestre mouro chamado Mahomed.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta de San Gil, que permite o acesso a igreja de mesmo nome, foi profundamente modificada nos séc. XVI e XVIII. Nela podemos apreciar o escudo da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos monumentos mais conhecidos de Burgos é justamente uma porta, conhecida como Arco de Santa María.

20150725_174931Esta maravilhosa porta de acesso ao centro histórico da cidade conduz diretamente à Catedral de Santa María de Burgos. Edificada a modo de arco triunfal, foi erguida para celebrar a chegada do monarca Carlos I, entre 1533 e 1536, cuja representação vemos no centro da mesma.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta está decorada com um amplo conjunto de esculturas que retratam personagens históricos de Burgos. Se a parte externa foi construída na estética renascentista, seu interior é gótico, e se pode visitar. Em suas salas, se reuniam o Conselho de Burgos, e se exibem objetos e pinturas de grande valor, mas as fotos não estão permitidas…

Arévalo – Cidade Mudéjar

A Arquitetura Mudéjar é, indiscutivelmente, uma das características mais marcantes da cidade de Arévalo. Designamos Arte Mudéjar, especialmente no campo arquitetônico, a um estilo próprio da Península Ibérica desenvolvida nos Reinos Cristãos entre os séculos XII e XVI. O estilo distingue-se pela combinação das correntes artísticas européias da época (Românico e Gótico, principalmente) com os elementos da denominada tradição Hispano-Muçulmana. Seu surgimento foi possibilitado graças à convivência cultural entre povos de origens diversas na Espanha Medieval. O termo Mudéjar se refere à população muçulmana que permaneceu na península durante o Processo de Reconquista. Hábeis construtores, utilizavam para a construção de edifícios, normalmente de função religiosa, um material abundante e barato, o tijolo. Dois deles podem ser vistos na Praça Da Vila de Arévalo, por si só, uma verdadeira preciosidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça, historicamente falando, sempre representou o centro da localidade. Trata-se de uma típica praça castelhana porticada, cuja excelente conservação lhe valeu o título de Conjunto Histórico-Artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela, podemos apreciar exemplos da arquitetura popular medieval. As galerias que cumprem a função de suporte das construções estão formadas por 31 colunas de pedra e 25 de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm cada um de seus extremos, o espaço está delimitado pelas torres mudéjares das Igrejas de Santa Maria e San Martín.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santa Maria La Mayor é uma clara amostra do estilo mudéjar. Construída entre os séc. XII/XIII, nela destacam-se o ábside semicircular e a torre, a mais alta da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte inferior da torre está composta pelo Arco de Santa Maria, um dos principais acessos a esta belíssima praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante o processo de restauração do templo, foram encontrados em seu interior restos policromados de Pintura Mural da época em que a igreja foi erguida. A cena retrata uma imagem muito representada durante o período Românico, o denominado Pantocrátor ou Cristo em majestade. Com a mão direita e os dois dedos levantados (significando sua dupla natureza, divina e humana), Cristo bendiz a humanidade, enquanto a esquerda segura uma esfera, símbolo do universo. Ao seu lado, nos quatro ângulos da composição, vemos a representação simbólica dos quatro Apóstolos Evangelistas, denominados Tetramorfos. São eles: São João/Águia, São Marcos/Leão, São Mateus/Homem com Asas e São Lucas/Boi

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Martín foi construída em 1250, e se caracteriza por uma mistura estilística que engloba o românico, o mudéjar e o renascimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi reformada nas etapas renascentista e barroca, quando perdeu seu ábside original. Ela é conhecida também pelo nome  “Torres Gêmeas”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem acima, vemos o átrio românico que ainda se conserva, com os característicos Arcos de Meio Ponto. No séc. XX, foi usada como depósito de grãos e logo abandonada. Em 1931, a Igreja de San Martín foi declarada Monumento Nacional e realizou-se um intenso processo de restauração. Atualmente, não realiza cultos, como a Igreja de Santa Maria, e seu espaço interno está dedicado a eventos culturais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de finalizar o post, convém salientar que Arévalo sediou recentemente a décima oitava edição da Exposição “As Idades do Homem”. Estas exposições possuem um caráter itinerante e são organizada por uma fundação de caráter religioso, cujo objetivo é a divulgação da riquíssima Arte Sacra da Comunidade de Castilla y León. Na presente edição, a temática abordada foi o Credo.  Iniciada em 1988, a Exposição “Idades do Homem” repercute positivamente em todas as cidades sedes escolhidas, e com Arévalo não foi diferente, tal a quantidade de visitantes que a cidade recebeu durante o evento.