Guadalajara – Parte Final

Com o post de hoje, finalizamos a extensa série dedicada à cidade de Guadalajara. Devido a proximidade com a capital, Guadalajara converteu-se numa espécie de cidade-dormitório, em que muitos habitantes trabalham em Madrid, mas nela vivem. A boa qualidade de vida que apresenta é uma boa opçao para aqueles que buscam um local mais tranquilo para viver. Guadalajara possui uma enorme área verde para as atividades de ócio da populaçao, sendo considerada uma das cidades com a maior relaçao de metros quadrados por habitante de todo o continente europeu, em relaçao a este aspecto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInúmeros sao os parques existentes que podem ser aproveitados como local de lazer. Estes espaços começaram a ser utilizados pela populaçao na segunda metade do séc. XIX. Anteriormente, os parques eram propriedades reais ou pertencentes à nobreza, e sua utilizaçao era, portanto, muito restrita. A partir da Revoluçao Francesa, a populaçao adquire o direito de cidadania e o espaço urbano se transforma com a criaçao de jardins e parques. Abaixo, vemos algumas áreas verdes de Guadalajara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais popular e central é o Parque da Concórdia, o primeiro de caráter público e inaugurado em 1854. Durante os anos da Guerra Civil Espanhola, foi denominado de Paseo da Uniao Soviética.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO coraçao da cidade encontra-se na Praça Maior, desde que foi reconquistada pelos cristaos em 1085. Nela está situado o Edifício do Ayuntamiento (prefeitura).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi construído em 1906 no estilo eclético, com destaque para a torre do relógio. Abaixo, vemos fotos do interior, cujo privilégio da visita me foi concedido pelos amáveis funcionários da prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o teto decorado e o escudo da cidade, que adorna suas estâncias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando estive conhecendo Guadalajara, ainda eram visíveis as marcas do recente carnaval pela Calle Mayor, uma das mais importantes da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABelos edifícios de arquitetura eclética podem ser admirados próximos à prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro monumento de interesse é o Forte de San Francisco, levantado no séc. XIX sobre um antigo convento dedicado ao santo, construído no séc. XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANao podemos despedir-nos de Guadalajara sem mencionar uma de suas iguarias mais apreciadas, um típico doce da província chamado Bizcochos Borrachos (literalmente, Biscoitos Bêbados). Este curioso nome é facilmente explicado, já que é feito com vinho. Uma delícia…

DSC07931

Arquitetura Eclética em Guadalajara

A Arquitetura Eclética, também denominda de Ecleticismo, desenvolveu-se no final do séc. XIX e princípios do XX, inspirando-se nos modelos artísticos que o precederam, como o Barroco, o Gótico, o Românico, etc. Adota, pois, um caráter histórico, reinterpretando estas influências sob uma novo paradigma, e apoiando-se na utilizaçao de novos materiais construtivos, possíveis graças à Revoluçao Industrial. Na cidade de Guadalajara, existe um conjunto de edificaçoes de uma importância fundamental na compreensao desta nova linguagem arquitetônica. Este fato tornou-se possível graças à participaçao de dois personagens decisivos na vida social e artística da Espanha deste período. O primeiro foi Maria Diega Desmaissières y Sevillano (Madrid-1852/ Bordeaux-1916), conhecida pelo seus títulos nobiliários, a Condesa de la Vega del Pozo e Duquesa de Sevillano. Herdeira de uma das maiores fortunas do país, a Condesa realizou um extenso programa de construçoes e, para tanto, encarregou a execuçao das obras ao maior arquiteto eclético da história do país, Ricardo Velázquez Bosco (1843/1923). Inicialmente, o arquiteto realizou as reformas de um antigo palácio do séc. XVI para que se tornasse a residência da condesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Em 1887, Velázquez Bosco combinou seu peculiar estilo historicista e aristocrático na reforma do palácio, anexando uma capela dedicada à Sao Sebastiao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO palácio conserva, ainda hoje, o pátio do antigo edifício renascentista do séc. XVI,  atualmente transformado em colégio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Condesa de la Vega del Pozo dedicou-se a inúmeras obras assistenciais de ajuda aos mais necessitados. Por este motivo, foi nomeada filha adotiva de Guadalajara. Seu projeto mais ambicioso foi a construçao de um  enorme complexo assistencial,  encarregado a Ricardo Velázquez Bosco, que incluiu um centro educacional, asilo e uma igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minha recente visita à cidade, tive  o privilégio de conhecer as dependências do colégio, que me contagiaram, tanto pela beleza da construçao, quanto pela amabilidade dos funcionários do mesmo. Abaixo, vemos algumas fotos do interior do colégio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo a este belíssimo conjunto arquitetônico e assistencial, encontra-se um dos monumentos mais emblemáticos de Guadalajara, o Panteao de la Condesa de la Vega, também projetado por Velázquez Bosco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua chamativa cúpula de cerâmica vidriada vermelha dota o edifício de uma caráter bizantino, que se pode apreciar à distância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, o exterior caracteriza-se pela influência da arquitetura românica, uma das fontes do ecleticismo do séc. XIX, razao pela qual passou a denominar-se de neorromânico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do panteao possui um formato de cruz grega, e uma maravilhosa decoraçao repleta de influências bizantinas, como o grande mosaico da cúpula. Infelizmente, as fotos nao estao permitidas, uma pena…