Casa de Allende – Madrid

Um dos edifícios mais interessantes do Centro Histórico de Madrid, a Casa de Allende é uma construção única situada na Plaza de Canalejas, esquina com a Carrera de San Jerónimo, a poucos metros da Puerta del Sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi projetado pelo arquiteto Leonardo Rucabado e construído entre 1916 e 1920 para um promotor imobiliário da cidade de Bilbao, chamado Tomás de Allende.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALeonardo Rucabado foi um arquiteto fundamental da denominada Arquitetura Regionalista, e a Casa de Allende representou sua principal obra na capital. O edifício destaca-se por sua riqueza decorativa, presente em elementos associados à história espanhola, como a concha relacionada ao Caminho de Santiago, que vemos acima, e os belíssimos balcões de ferro. Outra figura, no caso relacionada à Arte Ibérica, que podemos admirar na fachada do edifício, é a famosa Dama de Elche, considerada um ícono da Arqueologia Espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta escultura de finais do século V e princípio do século IV aC, foi encontrada casualmente na zona arqueológica de La Alcudia, situada a poucos quilometros da cidade de Elche, e pode ser vista no excepcional Museu Nacional Arqueológico, em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento arquitetônico de destaque é a Torre do edifício, decorada com cerâmicas realizadas por Daniel Zuloaga (1858/1921), um dos renovadores mais importantes da arte realizada com este tipo de material na história do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de Allende foi construída como um edifício residencial. No entanto, durante um bom tempo ficou conhecida como Edifício Credit Lyonnais, pois no andar térreo albergava a sede desta instituição financeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa construção do edifício foi empregada formas típicas da Arquitetura Tradicional Espanhola, principalmente da Cantábria, terra natal do arquiteto, seguindo os princípios da corrente regionalista de finais do século XIX. Neste aspecto, sobressai na fachada que dá para a Carrera de San Jerónimo um magnífico mirador (mirante, em português) totalmente realizado em madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Plaza de Canalejas recebeu este nome em homenagem a José de Canalejas (1854/1912), um famoso político liberal espanhol, que foi assassinado por um anarquista em plena Puerta del Sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com outras imagens da Casa de Allende

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Edifícios Art Decô – Gijón

Na primeira metade do séc. XX, graças ao desenvolvimento econômico de que foi protagonista, Gijón foi o centro, em Asturias, das chamadas correntes vanguardistas arquitetônicas que assolaram o continente europeu. A Art Decô foi uma das mais importantes, deixando uma grande quantidade de edifícios na cidade, que foram realizados neste estilo eminentemente decorativo, como vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO movimento Art Decô desenvolveu-se principalmente entre os anos 20 e 40 do século passado, tendo a sofisticação exterior e interior como um elemento referente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO arquiteto Manuel del Busto e seu filho Juan Manuel foram os pioneiros desta estética na cidade. Em 1929, por ex., realizou este edifício, marcado por uma concepção racionalista em voga na Europa, provocando uma mudança de seu estilo, anteriormente regionalista, para um conceito moderno, através da Art Decô. Destaca o geometrismo da composição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste outro edifício, de caráter modernista, foi projetado pelo arquiteto em 1913…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo começo do séc. XX, a repercussão da arquitetura modernista catalã provocou um grande impacto e Gijón acabou brindada com alguns belos edifícios, como o de abaixo, construído em 1902 pelo arquiteto José Craner Prat, situado ao lado do edifício acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira etapa de Manuel del  Busto esteve marcada por uma arquitetura regionalista, como dissemos acima. Um exemplo vemos a seguir, onde a decoração de azulejos foi encomendada a Daniel Zuloaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conhecido Café Dindurra, o mais antigo da cidade (1901), foi alvo de uma reforma nos anos 30, cujo teto e colunas foram inspirados na Art Decô, encargo que Manuel del Busto e o escultor Pepín Morán assumiram com grande competência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA20150721_221849Também neste período projetou a Estação Rodoviária da cidade, obra pertencente a última fase do Movimento Art Decô, que passa a incorporar critérios racionalistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO estilo foi adaptado a muitos outros tipos de construção, que proporcionaram glamour antigamente e mesmo hoje em dia, como neste bar à beira da praia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao bar vemos o Hotel Alcomar, cuja fachada apresenta uma decoração tipicamente Art Decô

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mesmo podemos dizer do Clube Náutico de Gijón

OLYMPUS DIGITAL CAMERANossa visita a cidade de Gijón está chegando ao fim. Antes, porém, de sua conclusão, veremos no próximo post um museu exemplar, que me impressionou muito, tanto pelo seu conteúdo, quanto pela amabilidade e simpatia de seus funcionários, o Museu Ferroviário de Gijón…até lá !!!

Gran Vía – Madrid

Uma das principais artérias de comunicaçao da cidade, e também uma das mais conhecidas, a Gran Via começa na Calle de Alcalá e termina na Praça de Espanha.

Desde sua construção no início do séc. XX, transformou-se num centro comercial, turístico e de entretenimento. De fato, o trecho compreendido entre a Praça de Callao e a Praça de Espanha é conhecido como a Broadway madrilenha, tamanha a quantidade de cines e teatros disponíveis. Em sentido contrário, também a partir da Praça de Callao, predominam as numerosas lojas de moda internacionais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos uma panorâmica da Gran Vía e, à esquerda, o Edifício Grassy, construído para acolher apartamentos de luxo.

A Gran Via sempre foi o cenário das grandes estréias cinematográficas e teatrais, das festas elegantes, de gente chic e a cara mais cosmopolita da cidade. O escritor Ernest Hemingway a ela se referiu como uma mistura da Broadway com a Quinta Avenida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Antes de sua abertura, já se cogitava a mediados do séc. XIX uma via que comunicasse o centro e o noroeste da cidade, substituindo o labirinto de pequenas ruas que conformavam esta parte de Madrid, e facilitando o trânsito de carros e pessoas.

Apesar do projeto de construção ter sido aprovado em 1904, as obras se iniciaram somente em 1910, devido aos protestos e a oposição dos habitantes e comerciantes que trabalhavam e viviam na região. Além disso, as dificuldades financeiras resultantes da necessidade e demolição de mais de 310 casas, além de 30 solares, atrasaram ainda mais as obras. O projeto final determinou a construção da nova rua em 3 etapas. A seguir, um detalhe decorativo da rua e o interior de um de seus edifícios.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de sua denominação atual, a Gran Vía recebeu outros nomes, sendo que cada trecho de seu comprimento total compreendia um nome diferente. Antes da Guerra Civil, por ex., os dois primeiros trechos chamavam-se Avenida da CNT, designação que mudou no período da guerra para Avenida Rússia. Ao finalizar a contenda, recebeu o nome de José Antônio Primo de Rivera, em homenagem ao fundador da falange espanhola. Em 1981, durante a transição política da ditadura para o regime democrático, a prefeitura mudou o nome de 27 ruas, entre as quais a Av. José Antônio, que a partir de então, se denominou oficialmente, Gran Vía. Atualmente, cerca de 50 mil carros circulam diariamente por ela. Estilisticamente, representa um inventário dos principais movimentos arquitetônicos da primeira metade do séc. XX. Um bom exemplo é o edifício da Cia de Capital francês Madrid-Paris, decorado com uma escultura da ave fênix.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADos 41 hotéis existentes, alguns são edifícios emblemáticos da capital espanhola, como o Hotel Atlântico, projetado pelo arquiteto Joaquim Saldaña y Lopez. Inspirado na arquitetura clássica francesa, inicialmente foi concebido como um edifício de residências de aluguel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste outro, destaca por sua bela fachada exterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Outros edifícios destacam-se por sua altura, como o que sedia a Cia Telefônica Nacional de Espanha, criado durante o reinado de Alfonso XIII, e que representou na época de sua construção, um dos maiores arranha-céus da Europa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá o edifício Matesanz foi projetado pelo arquiteto Antônio Palácios, autor de inúmera obras de importância, como o Palácio das Comunicações e o Círculo de Belas Artes, ambos retratados em posts específicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Muitos dos edifícios construídos sediam empresas de seguros, entre os quais o da Cia Estrella. Realizado segundo as características do estilo regionalista em voga no início do séc. XX, foi construído com finalidades mixtas, isto é, os andares inferiores estão destinados às oficinas, enquanto os superiores acolhem residências.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos cartões postais da avenida, o Edifício Carrión.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das construções que mais chamam a atenção é o Oratório del Caballero de Grácia. Desde a Gran Vía, somente se vê o ábside desta igreja, obra do arquiteto Juan de Villanueva, autor do desenho do Museu do Prado. De estilo neoclássico, pertence à Associação Eucarística dos Caballeros de Grácia, fundado pelo sacerdote italiano Jacobo de Gratiis a finais do séc. XVI, e mais conhecido como Caballero de Grácia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída entre 1786/1795, e a fachada norte, que dá para a Gran Vía, foi realizada entre 1911/1916. Atualmente, a instituição está regida pela Opus Dei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, uma imagem de Hotel Alfonso XIII, arquitetonicamente representativo da Gran Vía.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post na Praça do Callao, ponto de encontro de muitos madrilenhos e também de turistas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPreside a praça o Cine Callao, cujo edifício racionalista foi um dos primeiros desenhados especificamente como sala de espetáculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Edifícios de Madrid – Parte 3

Situado junto ao Paseo de la Castellana e próximo ao Santiago Bernabeu, no coração financeiro da capital espanhola, a Torre Picasso destaca na paisagem madrilenha por sua altura. De fato, no momento de sua construção, chegou a ser o arranha-céu mais alto do país, com 47 andares e 157m, status perdido com a construção de um hotel em Benidorm (Província de Alicante) e as denominadas 4 Torres, também em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O edifício foi projetado pelo arquiteto americano de origem japonesa Minoru Yamasaky, autor do desaparecido World Trade Center de NY, em 1974. A construção foi iniciada apenas em 1982, sendo inaugurado 6 anos depois.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Sua estrutura combina o concreto armado em sua base com pilares e vigas metálicas. Possui 18 elevadores e trabalham em seus escritórios aprox. 6 mil pessoas. Abaixo, vemos uma panorâmica da praça onde se localiza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPróximo à Torre Picasso, encontramos o Palácio de Congressos, que acolhe numerosos eventos durante todo o ano. Sua construção foi finalizada em 1970 pelo arquiteto Pablo Pintado y Riba, e chama a atenção por sua fachada, decorada por uma magnífica obra mural, colocada em 1980 pelo artista Joan Gardy Artigas, segundo o desenho original de Joan Miró. O mural está constituído por 7056 peças de cerâmica, e converteu-se no segundo maior de seu estilo em todo o mundo, somente superado pelo existente na cidade alemã de Wiesbaden, projetado pelo próprio Miró.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

No centro da cidade, precisamente na Praça Canalejas, também conhecida como a das 4 ruas, pela quantidade de vias que a atravessam, existem belos e emblemáticos edifícios. A chamada casa de Tomás Allende é um deles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído como edifício residencial entre 1916/1920, é uma bela amostra da chamada arquitetura regionalista vigente na segunda década do séc. XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAProjetado pelo arquiteto Leonardo Rucabado, foi conhecido também pelo nome de edifício do Crédito Lyonnais, entidade financeira que estava instalada no seu andar inferior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente, situa-se o edifício do antigo Banco Hispano Americano, projetado pelo mesmo arquiteto do Banco de Espanha, Eduardo Adaro. Iniciado em 1902, o edifício foi inaugurado em 1905, e foi a última obra do arquiteto, falecido em 1906. Segundo o costume da época, os andares inferiores estavam destinados aos negócios e ao trabalho, enquanto os superiores acolhiam os apartamentos residenciais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Na fachada, observamos a simetria e os recursos construtivos e decorativos clássicos, como pilastras, colunas e esculturas. Duas destas últimas adornam a portada, representando o cálculo e a economia. Atualmente, o imóvel pertence ao Banco Santander.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre ambos edifícios, um que nao conheço o nome, mas que é igualmente belo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post com um curioso e belo edifício do séc. XIX, mas cujo detalhe revela uma contribuição bastante contemporânea. O proprietário do edifício encarregou ao artista Jack Babiloni, premiado em vários eventos internacionais, a execução de desenhos sobre o muro branco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo total, são 900 metros quadrados de frescos, com 68 desenhos, realizados com apenas 4 cores: preto, azul, amarelo e ocre. O trabalho possui até um nome, “Tudo é felicidade”. Realmente, foi o que senti, quando por acaso o vi pela primeira vez…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Sevilha

Sevilha é a cidade mais populosa da Andaluzia (700mil hab. em 2011), e a quarta de Espanha. Capital da província homônima e também da Comunidade Andaluza, seu centro antigo é considerado o mais extenso do país, acolhendo inúmeros monumentos de interesse, além dos retratados nos dois últimos posts.

O rio Guadalquivir cruza toda a cidade, e seu porto é o único fluvial de toda Espanha, já que o rio é navegável nos 80km desde o oceano atlântico até a cidade.

Sevilha30

Seu nome provém da antiga Tartessos, povoado pré-romano, que a designava como Spal, que significa terra plana. Depois da conquista romana, o antigo nome foi latinizado, tornando-se Hispalis. Durante a época árabe, transformou-se em Isbiliya, donde procede a atual denominação. Em sua larga história, foi testemunho de vários povos que a habitaram, bem como de momentos de esplendor artístico e econômico. Sevilha foi durante o período romano uma das urbes mais importantes da Hispania. Depois da ocupação árabe, foi capital duas vezes, a primeira de um Reino de Taifas, e a segunda durante o denominado Império Almohade (dinastia originária do Marrocos, que dominou o norte da África e o sul da Península Ibérica entre os séc. XII e XIII. Desta época é a famosa Torre do Ouro, situada na margem esquerda do rio Guadalquivir.

Sevilha29A torre foi erguida como uma atalaia de vigilância, visando evitar possíveis invasoes pelo rio Guadalquivir. Uma de suas formas de proteção era uma gigantesca corrente que se desenrolava sob as águas e era erguida para impedir a passagem de barcos indesejáveis.Se nome explica-se pelo revestimento de azulejos dourados que possuía antigamente ou então como armazém das riquezas procedentes dos barcos que chegavam da América. Compõem-se de 3 partes, sendo a inferior dodecagonal e construída no séc. XII. A segunda, hexagonal, foi levantado na época do rei Pedro I, e a terceira, circular, foi rematado por uma cúpula, pertence ao séc. XVIII. Um pouco antes de finalizada, foi seriamente danificada pelo terremoto de Lisboa de 1755. A torre foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1931 e atualmente sedia o Museu Naval de Sevilha.

Sevilha27Em 1248, a cidade foi incorporada ao Reino de Castilla, pois foi reconquistada por Fernando III. Logo depois, uma grande comunidade judia assentou-se no conhecido bairro de Santa Cruz, um dos mais representativos e pitorescos do centro histórico, repleto de ruas estreitas e sinuosas, com suas casas brancas compostas de um pátio interior e adornada com balcões de ferro, cuja estampa é característica de toda a Andaluzia.

DSC00224A judería cresceu e transformou-se na segunda mais importante de toda a Espanha, depois da de Toledo. No bairrro, encontramos vários bares, onde tapear se converteu em quase uma religiao.

Sevilha2Em sua parte alta, encontramos o Hospital dos Venerados Sacerdotes, cujo edifício barroco do séc. XVII possui grande quantidade de obras de arte, além de exibir esplêndidas pinturas murais de Valdés Leal. A instituição foi criada para servir de asilo aos sacerdotes aposentados e fundada em 1675.

Sevilha3Sevilha4Abaixo, vemos algumas fotos da igreja e sua bela decoraçao.

Sevilha5Sevilha6

Atualmente, é a sede do Centro Velázquez, dedicado ao sevilhano mais conhecido internacionalmente do mundo artístico.

Depois do descobrimento da América em 1492, Sevilha converteu-se no centro econômico do Império Espanhol, pois as atividades comerciais entre a Espanha e suas colônias do novo mundo se realizavam a partir do porto da cidade de maneira exclusiva.

Nos jardins de Murillo, cujo nome homenageia o célebre e também pintor sevilhano Bartolomeu Esteban Murillo, vemos um monumento dedicado a Cristóvão Colombo, cujos restos encontram-se na catedral, como vimos no post anterior.

DSC00385

A época barroca na cidade contribuiu sobremaneira ao denominado Século de Ouro Espanhol, graças aos citados pintores acima. Um de seus monumentos de destaque desta época é a Praça de Touros da Real Maestranza, situada próxima à Torre do Ouro. Considerada a segunda mais importante do país, depois da de Madrid, possui, no entanto, a maior tradição taurina de todo o país. Construída em 1733 em madeira, é uma das mais antigas e belas e também a primeira em ter forma circular.

Sevilha31No séc. XIX, a cidade recebeu uma doaçao da Infanta Maria Luisa Fernanda, duquesa de Montpellier, que se transformou na área verde mais conhecida de toda a cidade, o Parque de Maria Luisa.

Sevilha32

O pavilhão de Alfonso XII homenageia a visita do rei na época de sua inauguração.

DSC00373

Em seu perímetro, podemos visitar dois dos principais museus da cidade, o Arqueológico e o dedicado às artes e costumes populares, cujas imagens vemos abaixo.

Sevilha33DSC00376Em 1929, Sevilha sediou a Exposição Ibero-Americana, e um de seus grandes trunfos foi a construção da Praça de Espanha.

DSC00368O espaço que a compreende é um dos mais espetaculares exemplos da denominada arquitetura regionalista surgida no país nos finais do séc. XIX. Sua concepção baseava-se na idéia de plasmar arquitetonicamente a essência de uma determinada região. Projetada pelo arquiteto sevilhano Aníbal González, possui uma forma semielíptica e destaca suas grandes dimensões.

Sevilha39

Sua construção à base de tijolos e os amplos elementos decorativos feitos de cerâmica, artesanato, ferro forjado e mármore lhe conferem um aspecto renascentista. As duas torres, uma em cada extremo da praça, no entanto, lhe proporciona um caráter barroco.

Sevilha36O canal que contém é cruzado por 4 pontes, que representam os antigos reinos espanhóis.

Sevilha37DSC00369Nas paredes, se encontram uma série de bancos que homenageiam as 50 províncias do país.

DSC00352A monumental praça foi cenário de muitos filmes de renome, entre os quais Lawrence da Arábia e Star Wars II – O Ataque dos Clones, em que representa o planeta Naboo.

Espero que esta série de posts dedicada à cidade tenha colaborado para que se tenha uma idéia dos seus inumeráveis encantos. Na sequência, outras imagens de Sevilha.

Sevilha10 Sevilha7