Belos Ayuntamientos de España

Prosseguindo com a série sobre os edifícios sedes das Prefeituras de España, neste post e no próximo publicarei uma lista com alguns dos mais Belos Ayuntamientos do país. Evidentemente, trata-se de uma seleção totalmente subjetiva, levando em consideração apenas aqueles edifícios que tive a oportunidade de conhecer em minhas viagens pelo país. Alguns dos Ayuntamientos mais bonitos foram erguidos no século XVI, durante o Renascimento, período de grande florescimento na Arquitetura Civil Espanhola. Um exemplo é o Ayuntamiento de Úbeda, cujo edifício da Prefeitura está situado numa das praças mais impressionantes da Espanha. A cidade, junto com sua “irmã” Baeza, foram declaradas Patrimônio da Humanidade pela excelência de seu conjunto renascentista preservado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUm aspecto que levei em conta nesta lista, além da beleza do edifício, é sua própria localização, como ocorre com o Ayuntamiento de Morón de Almazán, um povoado da Província de Sória (Comunidade de Castilla y León) que possui um dos mais interessantes conjuntos renascentistas em terras castelhanas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUm edifício que não poderá faltar em nenhuma lista dos mais Belos Ayuntamientos de España é o de Tarazona, situado na Província de Zaragoza (Comunidade de Aragón). Sua fachada com uma grande riqueza de elementos decorativos é excepcional. Concluído em 1557, foi levantado junto à muralha da cidade e está composto por escudos, figuras mitológicas, alegorias, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADo período barroco, se conservam belos exemplos, como o Ayuntamiento de Salamanca (Castilla y León), situado numa das Plazas Mayores mais fascinantes do país, concluído em 1755.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ayuntamiento de Pamplona (Comunidade de Navarra) também pertence ao século XVIII, sendo inaugurado em 1759. De seu balcão principal se inaugura uma das festas de maior renome do país, dedicado ao padroeiro da cidade, San Fermín, conhecida internacionalmente pelo Encierro de San Fermín, em que os touros correm num trajeto de quase 1 km pelo centro da cidade, junto com um grande número de valentes (e muitas vezes inconsequentes) participantes…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe 1791 é o Ayuntamiento de Ocaña (Castilla La Mancha), situado numa belíssima Plaza Mayor, que se caracteriza pela harmonia e homogeneidade arquitetônica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos com o Ayuntamiento de Alicante (Comunidade Valenciana), um exemplo do Barroco Levantino. Erguido no século XVII, foi reconstruído no século XVIII. Sua planta nobre está formada por 5 balcões, destacando em sua fachada as duas torres situadas nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ayuntamientos de España: Parte 2

Na Arquitetura Civil Espanhola se destaca por sua importância e originalidade o Edifício do Ayuntamiento ou da Prefeitura. A própria evolução dos estilos arquitetônicos deixará suas marcas nas construções realizadas para acolher a sede desta instituição pública. Normalmente, a construção era realizada o mais sólida e artisticamente possível, por constituir o símbolo representativo das cidades. Abaixo, vemos os Edificios do Ayuntamiento de Arévalos e de Toro, ambas cidades situadas na Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes que o Conselho tivesse um local próprio para exercer suas funções políticas e administrativas, as sessões eram realizadas em lugares como as Praças de Mercado, Igrejas e Catedrais. Por exemplo, houve uma lei aprovada em 1325 em Calatayud na qual estava terminantemente proibido jogar lixo no átrio da Igreja de San Andrés, local de reunião do Conselho. O Conselho de Sevilha se realizava na antiga mesquita árabe, naquela época já transformada em catedral. O Conselho de Burgos se reuniu em vários lugares distintos, como o claustro de sua Catedral Gótica, que vemos abaixo.

IMG_2857O Caso de Burgos é curioso, pois até finais do século XVIII as sessões do Ayuntamiento se realizavam no Arco de Santa María, que exerceu as funções de Casa Municipal, porta de entrada à cidade e Arco de Triunfo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1788 se finalizou o atual Edifício do Ayuntamiento de Burgos, levantado sobre uma das portas da muralha que cercava a cidade.

20150727_113517Uma constante da administração municipal era situar as Casas Consistoriais junto à Praça do Mercado ou no local de maior atividade do perímetro urbano, como no caso dos Ayuntamientos de Gijón (Asturias) e de Guadalajara (Comunidade de Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV iniciam-se as construções de edifícios para sediar a instituição, adaptando antigas construções ou então erguendo novos edifícios. A primeira época de esplendor da Arquitetura Civil relacionada com os Ayuntamientos ocorrerá com a chegada do Renascimento, momento em que se erguerá numerosos e belos edifícios ao longo do século seguinte, como os de Úbeda (Comunidade de Andalucía) e de Sigüenza (Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERAO ímpeto construtivo dos conselhos inicia-se durante o reinado dos Reis Católicos, a partir de 1480. Com o aparecimento das Plazas Mayores, herdeira das antigas Praças de Mercado, os Edifícios do Ayuntamiento passam a ter seu lugar preferencial, pelo caráter representativo da praça, com o edifício consistorial presidindo a mesma, como nos casos de Salamanca e Riaza, ambas cidades castelhanas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da Lei de Desamortização dos bens eclesiásticas, aprovada em 1835, muitos edifícios religiosos ou conventos passaram a ser propriedade municipal, transformando-se em Ayuntamientos. Este é o caso do Ayuntamiento de Bilbao (País Vasco), construído sobre o antigo Convento de San Agustín, e finalizado em 1892.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da Guerra Civil de 1936/1939, numerosas construções foram praticamente destruídas e tiveram que ser reconstruídas. Outros edifícios, originalmente destinados como Ayuntamiento, atualmente exercem outras funções, como em Albacete (Castilla La Mancha).

DSC09468A seguir, vemos o atual Ayuntamiento de Albacete, uma construção moderna…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm fato marcante na vida pública das cidades espanholas, algo que não mudou ao longo dos séculos, foi a construção dos Edifícios do Ayuntamiento. Finalizamos com uma imagem do Ayuntamiento de Toledo (Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Catedral de Valencia

Depois da reconquista de Valencia, êxito alcançado pelo monarca Jaime I em 1238, as mesquitas da cidade foram convertidas ao culto cristão e muitas delas foram transformadas em paróquias. O mesmo aconteceu com a Mesquita Mayor, a principal da cidade. A partir de 1262, foi sendo derrubada e em seu lugar se iniciou a construção da Catedral da Assunção de Nossa Senhora. O processo construtivo foi rápido, de forma a  “marcar o território” ocupado pelo novo rei cristão, e foi patrocinado pela burguesia local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa realidade, este foi sempre um local sagrado, pois a Mesquita Mayor foi edificada sobre uma anterior Basílica Visigoda, que por sua vez foi construída sobre um templo romano dedicado a Júpiter ou Diana. O estilo predominante da catedral é o gótico, pois sua estrutura básica pertence  aos séculos XIII e XIV. Como é habitual, outros estilos foram sendo incorporados com a passagem do tempo, na medida em que se realizavam reformas e ampliações. Um exemplo desta variedade corresponde às 3 portas de acesso ao templo. A mais antiga de todas é a Porta de Almoina, que dá para a praça de mesmo nome, também chamada de Praça do Arcebispo. De estilo românico, foi edificada nos primeiros anos das obras e muitos estudiosos afirmam que foi construída para eliminar rapidamente a parte mais sagrada da mesquita, o Mihrab, já que este se localizava justamente onde foi colocada a porta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe estilo gótico francês é a belíssima Porta dos Apóstolos. Iniciada em 1303, foi realizada pelo mestre Nicolás Autun. Em sua parte lateral, vemos as esculturas dos 12 apóstolos, e no tímpano a representação da Virgem Maria com o Menino Jesus nos braços, e rodeada por anjos músicos. Nas arquivoltas, vemos uma grande quantidade de santos, anjos e profetas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANicolás de Autun empregou uma pedra de baixa qualidade e, como resultado, a porta teve que ser restaurada várias vezes. Em 1960, se procedeu a uma nova intervençao e as estátuas originais foram retiradas e guardadas no Museu Catedralício devido ao seu péssimo estado de conservação, e foram substituídas por cópias, que vemos atualmente. Diante da Porta dos Apóstolos se reúne todas as quintas feiras às 12hs o Tribunal das Águas, instituição secular de administração e justiça relacionada ao direito e utilização da água nos campos da cidade. Abaixo, vemos uma panorâmica da catedral com a Porta dos Apóstolos ao fundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da Porta dos Apóstolos se construiu, no século XVI, uma tribuna com três níveis denominada Arcada Nova. De estilo renacentista italiano, servia como um palco para a contemplaçao de espetáculos públicos que se realizavam na praça. No século XX, seu telhado foi retirado, acentuando seu formato parecido ao de um teatro romano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA última porta preside a fachada principal da catedral, denominada Porta de Hierros (Ferros, em português), por estar cercada por um portão feito deste material. De estilo barroco, foi realizada pelo escultor de origem alemã Konrad Rudolf a partir de 1703 e finalizada por seus discípulos Francisco Vergara e Ignacio Vergara, em 1713.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta porta possui um notável interesse artístico por seu atrevimento construtivo, dentro do contexto espanhol da época. Isso porque é considerada um dos poucos exemplos da arquitetura barroca italiana da Espanha, com formas ondulantes e em movimento, ao estilo dos italianos Bernini e Borromini. Quando se construiu, pretendia criar uma ilusão de ótica, proporcionando uma maior sensação de espaço num local de dimensões reduzidas. Possui 3 corpos diferenciados, e abaixo vemos o emblema da Virgem com a glória dos anjos, feito por Ignacio Vergara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra obra prima gótica da Catedral de Valencia é o elegante cimbório, que ilumina o altar maior da igreja, magistral tanto em seu aspecto exterior, quanto interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral possui duas passagens exteriores que comunicam com outras dependências, como o Palácio do Arcebispo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, continuaremos conhecendo a bela Catedral de Valencia

Catedral de Badajoz

Na matéria publicada sobre a Alcazaba de Badajoz, vimos como logo após a reconquista da cidade por Alfonso IX em 1230, a mesquita árabe foi convertida na primeira catedral da cidade, com a denominação de Santa María del Castillo. Badajoz tornou-se sede episcopal e o primeiro bispo, Fray Pedro Pérez, decidiu logo depois construir uma nova catedral, que acabou sendo edificada fora dos limites do recinto militar, na atual Plaza de España.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO corpo principal da Catedral de Badajoz foi construído entre a segunda metade do séc. XIII e finais do XIV. Como podemos observar na foto acima, caracteriza-se pela sobriedade e austeridade decorativas. Seu aspecto de fortaleza se deve ao caráter bélico da cidade. Dedicada a São João Batista, sua construção foi iniciada pela cabeçeira, estando orientada de leste a oeste, como de costume nos templos catedralícios. Na segunda metade do séc. XV iniciou-se a construção da torre de planta quadrada, dividida em 3 partes, mais o corpo para acolher os sinos. Foi finalizada apenas no século seguinte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte inferior da torre mostra a transição da arquitetura gótica ao período inicial do renascimento. O segundo corpo é plateresco, como podemos ver nos detalhes decorativos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO terceiro corpo acolhe o relógio e o último, a parte onde foram colocados os sinos, é de um renascimento mais puro, com arcos de meio ponto e rematada com pináculos e almenas. Abaixo, vemos a porta principal da igreja, construída em 1619 com uma escultura de São João Batista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos a fachada lateral…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo lado direito da foto acima, podemos observar a Porta de San Blás, também renascentista e construída em 1546. O interior da Catedral de Badajoz é de cruz latina, formada por 3 naves, sendo a central de maior altura e largura que as naves laterais. Abaixo, vemos o Retábulo Maior, projetado por Ginés López e dourado por Manuel de los Reyes entre 1715 e 1717, inserindo-se, portanto, dentro da estética barroca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minha visita ao interior do templo, conheci a Jesus, o guia da catedral. Seus amplos conhecimentos de história e arte tornaram minha visita muito mais interessante e proveitosa. Entre outras coisas, comentou que é a única catedral da Espanha que possui 3 órgãos barrocos, um central e dois laterais situados sobre o coro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJesus me explicou que graças a participação de artistas do país vizinho, a Catedral de Badajoz é a mais “portuguesa” das catedrais espanholas. Este importante detalhe pode ser visto na reja que separa o coro da nave central.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA participação de artistas lusos pode ser admirada também no claustro, construído nas primeiras décadas do século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o claustro está sendo reformado, não estando aberto à visitação pública. Amavelmente, Jesus me levou para conhecê-lo, permitindo que tirasse fotos de uma de suas partes, assim como da curiosa composição dos seus arcos góticos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Badajoz foi decorada com tapetes flamencos do séc. XVI. Na sequência vemos um deles, junto com Jesus. Aproveito para agradecer sua atenção, simpatia, e a verdadeira aula de história e arte que me proporcionou.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo a matéria com a foto de uma enorme lamparina colocada na nave central. Possui 102 braços e pesa 3750 kg !!!!.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Um Passeio por Calatayud

Em 1967, Calatayud foi declarada Conjunto Histórico-Artístico, graças a conservação e importância de seus monumentos. Hoje veremos alguns deles, num passeio pelo centro da cidade. Da antiga muralha medieval, se preservam algumas portas, como a Porta de Zaragoza, uma das principais vias de acesso ao seu interior, que foi reconstruída no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta de Terrer impressiona por seu aspecto monumental. Construída no séc. XVI, está formada por duas torres cilíndricas, feitas de tijolo. Na parte inferior, vemos dois brasões, um representando a Dinastia dos Áustrias e o outro da própria cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem em frente a esta bela porta, situa-se a Fonte dos Oito Canos, construída também no séc. XVI para trazer água a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas residências nobres antigas ainda se conservam, apesar da passagem dos séculos. Uma delas é o Palácio de los Sese, um palácio renascentista do séc. XVI, realizado ao estilo aragonês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHistoricamente, uma das principais ordens religiosas que se instalaram em Calatayud foi a dos jesuítas, com o objetivo de criar centros de estudos superiores. O chamado Seminário de Nobres foi levantado com este fim no séc. XVIII. Com a posterior expulsão dos jesuítas da Espanha, o edifício passou a exercer outras funções, como Hospital Municipal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pequeno monumento serve de homenagem a uma das manifestações culturais mais características da Comunidade, a Jota Aragonesa. Este gênero musical é encontrado em boa parte do pais, mas em Aragón adquiriu fama internacional por suas particularidades. Tal como se conhece atualmente, a jota foi criada no séc. XVIII ou princípio do XIX, e hoje em dia faz parte do folclore aragonês. Ao lado de uma típica dançarina de jota, vemos alguns dos monumentos da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASegundo algumas teorias, a jota originou-se na cidade de Valência. Por este motivo, existe uma pequena inscrição junto ao monumento, que devido ao pequeno tamanho não se pode ler, mas que diz o seguinte:

” La jota nasció en Valencia, Se crió en Aragón, Calatayud fue su cuna (berço), A la orilla (nas margens) del Jalón ( o nome do rio que atravessa a cidade)”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA jota se expressa através da combinação de dança, canto e interpretação instrumental. É acompanhada por castañuelas, e os participantes se vestem com trajes típicos. Um lugar que não poderia faltar em Calatayud é a Praça de Touros. O Coso Taurino, como muitas vezes se denominam estes espaços, da cidade foi construído em 1877.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe forma octogonal, sua construção foi inspirada na arquitetura mudéjar, de cuja importância na cidade falaremos na próxima matéria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de visitar a cidade, uma boa dica é conhecer uma das paisagens mais belas da comunidade aragonesa, o famoso Monastério de Piedra. Situado a pouca distância do centro de Calatayud, este monastério cistercense do séc. XII está localizado numa reserva natural de grande beleza. O Rio Piedra, num paciente processo de erosão, formou grutas e um relevo acidentado, responsável pela enorme quantidade de cachoeiras no local. Além do mais, é possível hospedar-se no próprio monastério e ver as ruínas do antigo convento cistercense. Um passeio imperdível…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Calatayud – Comunidade de Aragón

Calatayud é, tanto no plano histórico quanto no econômico, uma das principais cidades da Comunidade de Aragón. Situada na Província de Zaragoza, dista aproximadamente 90 km da capital aragonesa, estando comunicada pelos trens de alta velocidade que unem Madrid e Barcelona. Sem contar as chamadas capitais de província da comunidade (Zaragoza, Teruel e Huesca), Calatayud é a única cidade que conta com mais de 20 mil habitantes (21 mil, no senso realizado em 2014).

20150813_092026Sua localização na confluência dos rios Jiloca, Jalón e Ribota condicionou sua longa história, representando um lugar de passagem entre as principais rotas que comunicavam o Vale do Rio Ebro e a zona central do país. Abaixo, vemos o Rio Jalón, que atravessa a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs primeiros habitantes da cidade, os celtíberos, se assentaram a 4 km da atual cidade de Calatayud, num povoado denominado Bílbilis, que foi posteriormente conquistada pelos romanos, transformando-se numa importante cidade. Até hoje, os nascidos em Calatayud são chamados de bilbilitanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, Calatayud “aparece no mapa” com a chegada dos árabes em 716, quando foi construído o Castelo de Qual at Ayub, que deu o nome à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XI, Calatayud transformou-se numa das maiores cidades da Taifa de Zaragoza. Foi reconquistada em 1120 pelo rei Alfonso I “El Batallador”, quando então recebeu o foro. Desde 2006 celebram-se as festas chamadas “Las Alfonsadas“, quando a cidade volta a ter um aspecto medieval, recriando os acontecimentos que sucederam durante o processo da reconquista. A necessidade de repovoamento do território depois de reconquistada fez com que o foro da cidade fosse respeitoso com as minorias. A partir de então, passaram a conviver junto com os cristãos, os judeus e os mouros. Abaixo, vemos o atual aspecto da antiga Judería da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA presença judaica em Calatayud foi simultânea com a dominação islâmica. Se assentaram principalmente na parte alta, próximo às fortalezas da cidade, criando ruas sinuosas e estreitas. Como Aljama, isto é, como bairro judeu, se constituiu no séc. XII. No final do séc. XIII, a população judaica estava formada por quase 200 famílias, uns 900 habitantes aproximadamente (um número significativo na Idade Média), convertendo a Judería de Calatayud na mais importante de Aragón, depois da comunidade judaica de Zaragoza. Os judeus permaneceram na cidade até o edito de expulsão promulgado pelo Reis Católicos em 1492. Os que não se converteram foram obrigados a emigrar a outros países. Já os judeus conversos permaneceram na cidade, mantendo seus ritos, crenças e tradições na clandestinidade. Em Calatayud, como em grande parte das cidades que chegaram a possuir importantes bairros, os judeus desenvolveram uma importante atividade comercial, artesanal e científica, neste caso principalmente relacionada com a medicina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs mouros habitaram um bairro próprio, a Morería, até que foram expulsos em 1610. Abaixo, vemos uma foto da antiga morería, reconhecível pelo nome da rua com um desenho da lua em quarto crescente, símbolo do islã.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA convivência entre estas três culturas produziu uma das artes mais originais do continente europeu, embora seja exclusivamente espanhola, o Mudéjar. Em Aragón, este estilo adquiriu características próprias, que lhe valeram o reconhecimento da Unesco como Patrimônio da Humanidade em 2001. Calatayud é, junto com Zaragoza, Teruel e Daroca, uma das capitais do mudéjar aragonês, e algumas das igrejas da cidade formam parte da lista de monumentos mudéjares da comunidade que foram protegidos pela Unesco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACalatayud ostenta o título de cidade desde 1366. O principal ponto de encontro de seus habitantes é a medieval Plaza de España, que originalmente era o local onde se realizava o mercado.

20150813_101406Nela também se realizavam corridas de touros, como sucedeu com a maioria das praças maiores do país. A maior parte das casas que vemos atualmente foram construídas nos séc. XVII e XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal edifício da praça é a Casa Consistorial, sede da Prefeitura de Calatayud, uma construção renascentista do séc. XVI e reformada no XIX.

20150813_101418 Calatayud faz parte do Caminho de El Cid, que vimos recentemente no blog. Nos próximos posts veremos com mais profundidade a história dos principais monumentos desta bela e importante cidade aragonesa.

Catedral de Jaén

A Catedral da Assunçao da Virgem Maria é, indiscutivelmente, o monumento mais importante de Jaén e sua visita foi um dos motivos principais de minha ida à cidade.

DSC00220Situada na Plaza de Santa Maria, é considerada uma jóia do Renascimento Espanhol e atualmente aspira converter-se em Patrimônio da Humanidade, pois serviu de modelo para a construçao de outras catedrais, tanto no país, quanto no continente americano. Desde 1931, foi declarada Monumento Nacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando Fernando III reconquistou a cidade em 1246, transformou a antiga mesquita em igreja. Três anos depois, a sede episcopal foi trazida de Baeza à Jaén e uma nova catedral gótica foi construída. Sua deficiente construçao fez com que fosse derrubada e uma outro templo foi erguido no mesmo estilo, a partir de 1494. Em 1525, o cimbórrio caiu, sendo necessária uma grande reforma que acabou transformando o templo gótico na catedral renascentista que hoje contemplamos.

DSC00203Sua construçao durou 184 anos, de 1540 a 1724. Dentre os arquitetos que lhe deram forma, destaca Andrés de Vandelvira como projetor geral do templo. Abaixo, vemos uma estátua que o homenageia, situada ao lado da catedral, e o contrato que assinou para sua construçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC00149A fachada principal da catedral foi realizada pelo arquiteto Eufrasio López de Rojas em 1660, logo depois da consagraçao do templo. Considerada uma das principais obras do Barroco Espanhol, impressiona por suas grandes dimensoes. A parte escultórica se deve ao artista Pedro Roldán.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC00206A Catedral de Jaén possui 3 portas de acesso. A chamada Porta dos Fiéis possui um belo relevo escultórico de San Miguel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta do Clero destaca-se por um conjunto que representa a Santa Catalina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta central, denominada do Perdao, está representada pelas imagens de Sao Pedro e Sao Paulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs duas belas torres gêmeas proporcionam uma identidade renascentista à construçao, em contraposiçao à horizontalidade dos 70m da fachada. Foram finalizadas no começo do séc. XVIII e estao organizadas em 5 níveis, que aumentam de complexidade arquitetônica e decorativa na medida em que ganham altura. O nível superior, por exemplo, possui uma planta octogonal.

DSC00205DSC00201No próximo post, veremos o maravilhoso interior da Catedral de Jaén