Belos Ayuntamientos de España: Parte 2

A partir do século XIX foram construídos vários Ayuntamientos que merecem constar de minha lista dos mais belos de Espanha. Um exemplo é o Ayuntamiento de Murcia (Comunidade Murciana), edificado no estilo neoclássico e inaugurado em 1859.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom a chegada do Ecleticismo no final do século, muitos Edifícios de Ayuntamientos seguiram os preceitos desta corrente artística, como o Ayuntamiento de Cartagena (Comunidade Murciana), finalizado em 1907. De planta triangular, nele destacam o grande pórtico rematado por uma cúpula, e seu belo vestíbulo e escada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ayuntamiento de Bilbao (País Vasco) foi concluído em 1892, e também se insere dentro da Arquitetura Eclética.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituado na Praça de María Pita, uma das mais conhecidas da cidade, o Ayuntamiento de La Coruna (Galícia) destaca-se por sua grandiosidade e beleza de suas formas. O edifício foi concluído em 1917.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ayuntamiento de Valencia apareceu diversas vezes nestas matérias sobre os Ayuntamientos da Espanha por conter vários dos elementos essenciais relacionados aos edifícios que se tornaram sedes de Prefeituras. Outro belo exemplo da Arquitetura Eclética

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, o Ayuntamiento de Logroño (Comunidade da Rioja) tornou-se famoso por sua arquitetura contemporânea, cujo projeto foi realizado por Rafael Moneo, um dos mais conhecidos arquitetos atuais do país. O edifício foi inaugurado em 1980, e o projeto possibilita a entrada de luz natural em todas as partes do amplo edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Anúncios

Ayuntamientos de España: Parte 6

Nesta matéria sobre os Ayuntamientos de España, veremos alguns elementos que caracterizam o interior dos edifícios sedes das prefeituras espanholas. Desde os primeiros exemplos medievais, o interior destas construções tiveram uma grande evolução, adaptando-se às necessidades cada vez mais complexas da administração municipal. As dependências mais importantes estão ligadas diretamente à vida civil, como a Sala de Plenos, a Sala de Justiça, Arquivo Municipal, prisão, etc. Ao entrar no edifício, o Vestíbulo é a primeira parte de contato do cidadão com a Prefeitura, sendo considerado um local de recepção. Em muitos casos, possui uma entrada para carruagens e veículos. Abaixo, vemos o decorado teto do vestíbulo pertencente ao Ayuntamiento de Cartagena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANele situa-se o posto de guarda municipal e de segurança. Em muitos edifícios vemos o Escudo da Cidade, como no Ayuntamiento de Badajoz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Vestíbulo comunica com uma grande escada de acesso ao nível superior, onde se localizam as dependências principais. Muitas delas destacam por sua beleza e suntuosidade, como no Ayuntamiento de Cartagena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, a escada do Ayuntamiento de Valencia

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo Ayuntamiento de Murcia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma constante decorativa, os vitrais estão presentes em vários Edifícios de Ayuntamientos (nas paredes e nas coberturas), caso de Málaga

DSC09534No Ayuntamiento de Cartagena

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe Murcia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm vários Ayuntamientos existe um pátio, que serve de eixo organizador de suas dependências. Uma parte fundamental é o Salão de Plenos, onde se realizam as sessões municipais. Normalmente, possui um formato retangular ou quadrado e está presidido por um quadro de Cristo, do Escudo da Cidade ou pelo retrato do Rei da Espanha. Pinturas alegóricas contribuem para sua decoração, como representação das artes, comércio, indústria, etc. A seguir, vemos esta dependência crucial no Ayuntamiento de Valencia, que possui um formato semicircular, como se fosse um teatro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Salão de Festas apresenta geralmente uma rica decoração, mas encontram-se somente nos edifícios de maior tamanho, como em Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma importante dependência da administração municipal constitui o Arquivo, onde se guardam importantes documentos da história local. Seu aparecimento nos Edifícios de Ayuntamientos oficialmente se deu com os Reis Católicos, que promulgaram uma lei em 1500 criando os arquivos municipais, embora já existissem em algumas prefeituras. Os documentos eram custodiados por um escrivão ou secretário, até que foram substituídos pelos cargos de bibliotecário ou arquivador. Em algumas prefeituras , os documentos eram colocados em arcas ou armários situados junto ao despacho do prefeito, ainda que nas cidades de maior importância existia uma sala específica para o Arquivo. Em determinadas Casas Consistoriais podemos ver o Museu Municipal (geralmente situado em edifícios separados da Prefeitura), onde estão expostas peças artísticas relevantes da história da cidade, como ocorre no Ayuntamiento de Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente, todas as dependências administrativas e judiciárias situavam-se no mesmo edifício. Por este motivo, em muitas Casas Consistoriais havia uma prisão, normalmente situada em sua planta inferior. Infelizmente, se conservam poucas das prisões municipais, da mesma forma que as Capelas situadas no interior dos Ayuntamientos.

Ayuntamientos de España: Parte 5

Outro aspecto importante a salientar em relação à decoração das fachadas dos edifícios que albergam os Ayuntamientos de España constituem as imagens, tanto religiosas, quanto profanas, e os símbolos heráldicos. Por exemplo, no Ayuntamiento de Zaragoza, foram esculpidos os Anjos da Cidade, pelo famoso escultor Pablo Serrano, em 1965.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANumerosas também, as imagens profanas recordam heróis mitológicos, como na excepcional fachada do Ayuntamiento de Tarazona (Comunidade de Aragón).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitas das imagens possuem um significado alegórico, representando a indústria, o comércio, os ofícios tradicionais, bem como virtudes morais, como a justiça, a caridade, etc. Em certos edifícios, aparecem medalhões representando a personagens reais, como no Ayuntamiento de Chinchilla de Aragón (Castilla La Mancha) com o busto do Rei Carlos III, cuja construção ocorreu durante seu reinado (segunda metade do século XVIII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Escudos de Armas representam outro elemento decorativo presentes em muitas Casas Consistoriais do país. Originários da Idade Média, os escudos mais antigos pertencem ao período gótico, como podemos observar no Ayuntamiento de Baeza (Andalucía), cidade que conserva três edifícios que foram sedes da prefeitura local. Este é o mais antigo deles.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, com o florescimento da arquitetura civil, os escudos se proliferam nos edifícios sedes de Ayuntamientos, caso do Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo (Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMuitos dos escudos de armas estão relacionados a títulos nobiliários e linhagens, principalmente em edifícios que foram construídos originalmente como palácios, que depois se converteram em prefeituras. Um exemplo é o Ayuntamiento de Úbeda, antigo palácio de Vázquez de Molina, cujo escudo preside a fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO mesmo sucede com o Ayuntamiento de Ayllón (Castilla y León), antigo palácio dos Marqueses de Villena, senhores da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns escudos se referem aos alcaldes que promocionaram a construção do edifício, como em Ciudad Rodrigo. As Armas Reais também aparecem em muitos edifícios, principalmente dos monarcas da Dinastia dos Habsburgos. No antigo Ayuntamiento de Covarrubias (Castilla y León), por exemplo, vemos o Escudo de Armas de Felipe II

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ayuntamientos de España: Parte 4

Outros elementos identificáveis das fachadas dos edifícios que sediam os Ayuntamientos de España constituem o Relógio e as Campanas (sinos), ambos situados na estrutura que formam as torres. Um exemplo é o Ayuntamineto de Avilés, cidade do Principado de Asturias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJunto às “Campanas del Consejo”, símbolo de poder civil ou eclesiástico, foram colocados os primeiros relógios das cidades, que marcavam sua hora oficial. O relógio público nasceu com a necessidade de regular as tarefas cotidianas da população. Um exemplo perfeito era a denominada Torre Nueva de Zaragoza, uma maravilhosa torre construída em estilo mudéjar no século XVI e derrubada a partir de 1892 pela prefeitura local. Hoje em dia, vemos apenas um desenho no local onde antes se erguia a bela construção.

DSC00894O primeiro relógio mecânico instalado num Edifício de Ayuntamiento foi em Tortosa, Comunidade de Catalunha, no ano 1378. Abaixo, o Ayuntamiento de Carrión de los Condes, povoado que integra o Caminho de Santiago (Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm alguns edifícios, foram colocados artifícios mecânicos que acompanham os relógios, normalmente personagens representativos da cultura local, como os Maragatos no Ayuntamiento de Astorga (Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém no Ayuntamiento de Plasencia (Extremadura) vemos estas simpáticas figuras, que tocam o sino com seu martelinho em determinadas horas do dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem Prefeituras que possuem Relógios de Sol, como em Úbeda e Santillana del Mar. Em relação às campanas, nos edifícios consistoriais perdem seu caráter religioso (convocação dos fiéis para a missa). Tradicionalmente, os sinos estão unidos à instituição municipal para a convocação do conselho, quando toca. Em muitos casos, a torre passa a ser denominada Torre do Relógio ou das Campanas. A utilização das campanas é bastante anterior ao dos relógios mecânicos. Abaixo, vemos o Ayuntamiento de Morón de Almazán (Castilla y León), construído no século XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post com o belíssimo Ayuntamiento de Cartagena (Comunidade Murciana).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ayuntamientos de España: Parte 3

Nesta terceira parte sobre os Ayuntamientos de España, veremos os elementos arquitetônicos presentes nas fachadas exteriores dos edifícios que nos permitem a identificação dos mesmos como sede da Prefeitura. Ao longo da história se foram estabelecendo as partes constituintes das Casas Consistoriais, relacionados à sua função representativa. A fachada representa o primeiro contato entre a instituição pública do Ayuntamiento e o cidadão. O primeiro elemento a ser levado em consideração é o Pórtico, um local importante de sua constituição, formado por um espaço coberto e ao mesmo tempo aberto com colunas, que proporciona sombra nos meses de calor, como vemos abaixo no Ayuntamiento de Aranda del Duero (Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Pórtico é disposto sobre toda a parte inferior do edifício, e em muitos casos nele se desenvolve uma intensa atividade comercial, principalmente nos pequenos povoados. Em alguns edifícios se coloca uma placa em que se alerta sobre a proibição do “jogo de pelotas” sob os pórticos. Abaixo, o pórtico do belíssimo pueblo de Santillana del Mar, situado na Cantábria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm recurso constante da arquitetura civil que propicia a construção dos pórticos é o Arco. Alguns foram construídos sobre as antigas portas de acesso das muralhas medievais, como no Ayuntamiento de Burgos. Em muitos casos, os Arcos servem como elo de comunicação  entre ruas e praças, como podemos ver no Ayuntamiento de Cuenca, situado na Plaza Mayor da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO mesmo sucede no Ayuntamiento de San Martín de Valdeiglesias, povoado da Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento presente é o Balcão, situado na planta nobre do edifício. Na maior parte dos casos está coroado pelo Escudo da Cidade, com as bandeiras de cada localidade, da Espanha e da comunidade a qual pertence. Em alguns edifícios aparece também a bandeira azul da Comunidade Européia, como no Ayuntamiento de Málaga, na Andalucía.

DSC09532A seguir, vemos o belo Ayuntamiento de Múrcia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ayuntamiento de Badajoz, na Comunidade de Extremadura…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Torre é outro elemento sempre presente nos Edifícios dos Ayuntamientos. Normalmente possui um papel representativo, mas em certas ocasiões como parte de um sistema defensivo, no caso da  Casa Consistorial ser atacada. Em sua maior parte, as torres foram colocadas nas esquinas do edifício, como vemos no Ayuntamiento de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na cidade de Pinto, situada na Comunidade de Madrid…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm outros Edifícios de Ayuntamientos, as torres ocupam a parte central, como em Oviedo (Asturias).

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém em Alcalá de Henares, Comunidade de Madrid…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ayuntamientos de España: Parte 2

Na Arquitetura Civil Espanhola se destaca por sua importância e originalidade o Edifício do Ayuntamiento ou da Prefeitura. A própria evolução dos estilos arquitetônicos deixará suas marcas nas construções realizadas para acolher a sede desta instituição pública. Normalmente, a construção era realizada o mais sólida e artisticamente possível, por constituir o símbolo representativo das cidades. Abaixo, vemos os Edificios do Ayuntamiento de Arévalos e de Toro, ambas cidades situadas na Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes que o Conselho tivesse um local próprio para exercer suas funções políticas e administrativas, as sessões eram realizadas em lugares como as Praças de Mercado, Igrejas e Catedrais. Por exemplo, houve uma lei aprovada em 1325 em Calatayud na qual estava terminantemente proibido jogar lixo no átrio da Igreja de San Andrés, local de reunião do Conselho. O Conselho de Sevilha se realizava na antiga mesquita árabe, naquela época já transformada em catedral. O Conselho de Burgos se reuniu em vários lugares distintos, como o claustro de sua Catedral Gótica, que vemos abaixo.

IMG_2857O Caso de Burgos é curioso, pois até finais do século XVIII as sessões do Ayuntamiento se realizavam no Arco de Santa María, que exerceu as funções de Casa Municipal, porta de entrada à cidade e Arco de Triunfo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1788 se finalizou o atual Edifício do Ayuntamiento de Burgos, levantado sobre uma das portas da muralha que cercava a cidade.

20150727_113517Uma constante da administração municipal era situar as Casas Consistoriais junto à Praça do Mercado ou no local de maior atividade do perímetro urbano, como no caso dos Ayuntamientos de Gijón (Asturias) e de Guadalajara (Comunidade de Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV iniciam-se as construções de edifícios para sediar a instituição, adaptando antigas construções ou então erguendo novos edifícios. A primeira época de esplendor da Arquitetura Civil relacionada com os Ayuntamientos ocorrerá com a chegada do Renascimento, momento em que se erguerá numerosos e belos edifícios ao longo do século seguinte, como os de Úbeda (Comunidade de Andalucía) e de Sigüenza (Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA OLYMPUS DIGITAL CAMERAO ímpeto construtivo dos conselhos inicia-se durante o reinado dos Reis Católicos, a partir de 1480. Com o aparecimento das Plazas Mayores, herdeira das antigas Praças de Mercado, os Edifícios do Ayuntamiento passam a ter seu lugar preferencial, pelo caráter representativo da praça, com o edifício consistorial presidindo a mesma, como nos casos de Salamanca e Riaza, ambas cidades castelhanas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da Lei de Desamortização dos bens eclesiásticas, aprovada em 1835, muitos edifícios religiosos ou conventos passaram a ser propriedade municipal, transformando-se em Ayuntamientos. Este é o caso do Ayuntamiento de Bilbao (País Vasco), construído sobre o antigo Convento de San Agustín, e finalizado em 1892.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da Guerra Civil de 1936/1939, numerosas construções foram praticamente destruídas e tiveram que ser reconstruídas. Outros edifícios, originalmente destinados como Ayuntamiento, atualmente exercem outras funções, como em Albacete (Castilla La Mancha).

DSC09468A seguir, vemos o atual Ayuntamiento de Albacete, uma construção moderna…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm fato marcante na vida pública das cidades espanholas, algo que não mudou ao longo dos séculos, foi a construção dos Edifícios do Ayuntamiento. Finalizamos com uma imagem do Ayuntamiento de Toledo (Castilla La Mancha).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Ayuntamientos de España

Sempre que tenho a oportunidade de viajar pelas cidades e pueblos da Espanha, procuro encontrar, por uma série de razões de índole histórica e cultural (que irei explicando ao longo desta série de matérias que hoje começamos) o edifício sede da Prefeitura local, ou se vocês preferirem, o Ayuntamiento, no idioma espanhol. Normalmente, esta agradável tarefa é simples, pois a maioria deles estão situados em lugares emblemáticos, como a Plaza Mayor, ou outro lugar de importância histórica, caso do Ayuntamiento de Teruel (Comunidade de Aragón), situado próximo de sua bela catedral mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ayuntamiento de Zaragoza, a principal cidade aragonesa, situa-se  no local mais visitado da cidade, na chamada Plaza de las Catedrales, entre a famosa Basílica do Pilar e a Catedral de San Salvador (La Seo).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de ter lido o livro “Ayuntamientos de España“, uma referência no tema, escrito por Wifredo Rincón García, resolvi publicar esta série sobre estes edifícios de importância capital e que fazem parte do patrimônio histórico, artístico e cultural do país. As informações contidas nestes posts foram tiradas deste livro, e abordaremos alguns aspectos desta representativa instituição, sua arquitetura e os elementos que tornam estes edifícios facilmente reconhecíveis, além de alguns dos mais belos Ayuntaminetos de Espanha. A seguir, vemos o Ayuntamiento de um povoado aragonês situado nos Pirineus, chamado Sallent de Gállego.

IMG_2982A instituição municipal espanhola originou-se durante o período romano, mantém suas peculiaridades no Reino Visigodo, mas rompe sua estrutura durante a etapa árabe, ressurgindo nos tempos da reconquista. Sua organização se remonta ao século X, determinada por uma coesão cada vez maior dos grupos humanos unidos por interesses e finalidades comuns. Num primeiro momento, as reuniões de cidadãos que habitavam uma cidade ou povoação realizavam-se numa assembléia chamada Conselho. Nos séculos seguintes, o conselho é favorecido pelo monarca, uma forma de contrabalancear o poder cada vez maior da nobreza. O principal cargo do Conselho variava segundo a localidade espanhola, mas na maioria dos casos denominava-se Alcalde, que possuíam atribuições administrativas, políticas, judiciárias e militares. O florescimento dos Conselhos ocorreu entre os séculos XII e XIV, quando os municípios chegaram a dispor de uma certa autonomia. A seguir, o Ayuntamiento de Calatayud, outra importante cidade da Comunidade de Aragón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste poder municipal, no entanto, em muitas ocasiões, não favorecia os interesses do rei, nem dos nobres. A instituição transforma-se num regime aristocrático, embora em pequenas cidades conserve uma estrutura mais democrática. Nas grandes cidades, os cargos e ofícios públicos começaram a ser um privilégio de alguma influentes famílias, cuja nomeação era efetuada pelos monarcas de cada período. A seguir, vemos o Ayuntamiento de Valladolid (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o renascimento do direito romano na Idade Moderna, surge a figura do regidor perpétuo, ou corregidor, cujo cargo se conservará até 1835, quando as funções judiciárias passam a ser realizadas pelos juízes de primeira instância, enquanto as atribuições econômicas e administrativas ficam reservadas novamente aos Alcaldes. Em 1877, uma nova lei, originária da Constituição de 1876, prescrevia que os cargos municipais seriam escolhidos pelos próprios cidadãos. Abaixo, os Ayuntamientos de Coca e Lerma, ambas cidades da Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício da Prefeitura, além da denominação Ayuntamiento, recebe outros nomes, como por exemplo Casa Consistorial ou Consistório, Casa da Vila e Casa do Conselho. Em termos gerais, prevalece Casa Consistorial ou Ayuntamiento, este último como uma referência à instituição municipal, mas que passou a ser utilizado indiscriminadamente para denominar o edifício sede da Prefeitura. Abaixo, uma imagem do Ayuntamiento de Burgo de Osma, cidade castelhana situada na Província de Sória.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do século XII se fixam as características que marcaram a arquitetura civil dos conselhos, permitindo sua fácil identificação. Por exemplo, muitos dos edifícios sede de Ayuntamientos eram originalmente palácios que foram reformados e adaptados às novas funções. Um elemento destacável na maioria deles é a Torre, situada nas esquinas ou então na parte central do edifício, como no Ayuntamiento de Brihuega, cidade da Comunidade de Castilla La Mancha.

DSC08257Na cidade de Aranjuez, situada na Comunidade de Madrid, também a torre situa-se no centro.

DSC09689Geralmente, os Edifícios dos Ayuntamientos possuem dois níveis. O inferior, em alguns casos também em sua parte subterrânea, eram utilizados como prisão. No nível superior encontram-se as principais dependências da instituição, onde se realizava as sessões como a Sala dos Regidores, Arquivo, Capela e Tesouro. Em muitos edifícios antigos existia um espaço para o vigilante, que comunicava aos habitantes a toque de campana (sinos) que as sessões iriam ser iniciadas, e alertavam a população em caso de incêndios, ataques, etc. Finalizamos esta primeira matéria com os Ayuntamientos de Jaén (Comunidade da Andalucía) e de Taragona (Comunidade da Catalunha).

DSC00202OLYMPUS DIGITAL CAMERA