O Porto de Málaga

Com esta publicaçao finalizo a extensa matéria sobre a Província de Málaga, que abrangeu a cidade de Ronda e a capital provincial. Nao poderia terminá-la sem antes realizar um post sobre um dos aspectos mais importantes que condicionou a história de Málaga, relacionado de forma determinante por sua geografia. Hoje conheceremos um pouco sobre o Porto de Málaga, e algumas histórias relativas a ele e ao Mar Mediterâneo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHistoricamente, a cidade desenvolveu-se graças às extensas reservas minerais que possuía, e ao porto natural que permitia sua comercializaçao. Atualmente, o Porto de Málaga desempenha, além da funçao comercial, o transporte de passageiros, a prática da pesca e a desportiva. A zona onde se situa está perfeitamente apta para um passeio agradável, e converteu-se em mais uma opçao de ócio para seus habitantes.

DSC09509 DSC09512Na foto abaixo, vemos uma panorâmica do porto, com destaque para o farol, cuja construçao foi concluída em 1816.

DSC09511Evidentemente, o mar tabém representa um aspecto fundamental na vida dos seus habitantes. Basta observar sua importância no alto de um dos conventos da cidade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERATive a sorte de poder presenciar uma fantástica exposiçao na Casa Consistorial de Málaga que me ajudou muito na matéria de hoje. Haviam alguns interessantes quadros justamente sobre o porto, que divido com vocês. Na primeira foto, vemos o porto no início do séc. XX, e na seguinte, nos anos 40 do século passado.

DSC09545DSC09538Outra curiosidade que me chamou a atençao foram as réplicas em minatura de barcos famosos da história naval, como o denominado Santíssima Trindade, o maior navio do séc. XIX pertencente à Armada Espanhola. Dispunha de uma artilharia formada por 140 canhoes, e acabou sendo capturado pelos ingleses na crucial Batalha de Trafalgar (1805), cujo desenlace final provocou a perda de Gibraltar para os britânicos. Os ingleses se esforçaram em salvar o barco e levá-lo a Gibraltar, mas o barco acabou naufragando ao sul de Cádiz.

DSC09550A exposiçao contava também com réplicas das caravelas que participaram da primeira expediçao de Cristóvao Colombo ao continente americano, em 1492. Abaixo, vemos a “Pinta”, a mais veloz das caravelas da expediçao.

DSC09560A menor das caravelas, chamada “Niña”

DSC09562Fico devendo uma foto da terceira nave, a “Santa Maria”…Um dos episódios mais conhecidos da história naval de Málaga envolveu uma embarcaçao estrangeira, o navio alemao Gneissenau, construído em 1909 e que naufragou devido a um temporal. Muitos habitantes da cidade prestaram socorro aos marinheiros, alguns dos quais perderam a vida durante o resgate. O ato heróico valeu à cidade o título de “Muy Hospitalária”, que ainda conserva em seu escudo. Abaixo, vemos uma representaçao pictórica do acontecimento.

DSC09540A história deste trágico naufrágio teve, no entanto, consequências positivas para a cidade. Quando no início do século passado o Rio Guadalmedina transbordou, levando as pontes existentes consigo, o povo alemao, como forma de agradecimento ao socorro prestado às vítimas do Gneissenau, iniciou uma campanha para a construçao de uma nova ponte, que por isso mesmo foi denominada Ponte dos Alemaes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA referida construçao também é conhecida pelo nome de Ponte de Santo Domingo, devido à proximidade com o convento de mesmo nome que se localiza nas margens do rio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

2 de Maio de 1808 – Madrid

A data acima assinalada representa uma das mais celebradas de todo o calendário madrilenho e, também, de todo o território espanhol, pois foi neste dia que se produziram os acontecimentos que originaram a denominada Guerra da Independência, contra o invasor francês. O episódio está inserido dentro do contexto imperialista de Napoleao Bonaparte, do qual Espanha foi um dos países involucrados. Por toda a cidade de Madrid encontramos monumentos  que prestam homenagem aos mortos deste célebre dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara poder compreender o sucedido, é necessário retroceder alguns anos, precisamente em 1805, quando foi travada a famosa Batalha Naval de Trafalgar, em que uma coalisao formada por Espanha e França foi derrotada pela armada inglesa, sob o comandante do almirante Nelson. A superioridade tática e técnica dos ingleses lhes conduziram à vitória, apesar do falecimento em combate do famoso comandante inglês. A batalha objetivava a destituiçao de Napoleao do trono francês, bem como dissolver a influência militar francesa no continente. O êxito alcançado pelos ingleses possibilitou a hegemonia marítima da Inglaterra durante todo o séc. XIX. Em 1806, após o fracasso da tentaiva de invasao à Inglaterra, Napoleao decretou o bloqueio continental. Portugal, tradicional aliado dos ingleses, negou-se a acatá-lo. Por este motivo, o imperador francês decidiu conquistar o território luso e, para tanto, tería que cruzar com seu exército o estado espanhol. Este problema foi solucionado em 1807, com a assinatura do Tratado de Fontainebleau, que promulgava também a divisao das terras portuguesas entre França e Espanha. Abaixo, vemos o edifício sede da presidência da Comunidade de Madrid, situado na Porta do Sol, onde foram travados sangrentos combates entre espanhóis e franceses.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA ocupaçao consentida das tropas de Napoleao no país gerou un descontentamento entre o governo do Ministro Godoy, máximo representante do entao rei Carlos IV, e a oposiçao, encabeçada pelo filho deste, o Príncipe de Astúrias Fernando VII, candidato legítimo ao trono espanhol. Godoy planejou, entao, a fuga da família real, levando a corte a Aranjuez, local onde se localiza um dos palácios reais, próximo a Madrid. Porém, a estratégia de Godoy resultou um fracasso, pois em março de 1808 estalhou uma rebeliao popular organizada pelos partidários do Príncipe de Astúrias, no episódio conhecido como o Motim de Aranjuez. Na foto abaixo, vemos o palácio real da localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMadrid foi ocupada pelas tropas francesas do General Murat no dia 23 de março de 1808 e, no dia seguinte, ocorreu a entrada triunfal na cidade de Fernando VII e de seu pai, o rei Carlos IV, que tinha sido forçado a abdicar em favor de seu filho. Os planos de Napoleao haviam tomado outro rumo, e tanto o rei quanto seu filho foram obrigados pelo imperador a um encontro na cidade de Bayona, na França. Na ocasiao, Napoleao comunicou a ambos que o trono espanhol sería entregue a José Bonaparte, seu irmao. Enquanto isso, começaram a surgir protestos em Madrid, contra a presença do exército invasor na cidade. Um exemplo ocorreu no conhecido Arco dos Cuchilleros, uma das portas de acesso mais conhecidas da Praça Maior. No local, que parece um púlpito, realizou um monge chamado Antônio enraivecidos sermoes, incitando a populaçao a rebelar-se contra os franceses. Abaixo, vemos uma imagem do lugar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA gota da água ocorreu no dia 2 de maio, quando uma multidao concentrada em frente ao Palácio Real de Madrid viu como o exército francês obrigava, à força, a saída do infante Francisco de Paula, o outro filho do rei Carlos IV. A rebeliao iniciou-se em frente à casa real, e uma placa comemorativa recorda o acontecimento, situada em frente ao palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de entao, a revolta alastrou-se pela cidade, cujo desenlace veremos no próximo post…