Igreja de San Nicolás – Valência

Em pleno Centro Histórico de Valência situa-se um dos templos mais belos da cidade, a Igreja de San Nicolás e de San Pedro Mártir. Recentemente, quando estive na cidade, tive a oportunidade de conhecê-la por primeira vez e admirá-la tanto sua parte exterior, quanto seu magnífico espaço interno.

20181004_144531O local onde a igreja se situa sempre foi, ao longo dos séculos, um espaço sagrado. Já em época romana, havia um templo, que foi substituído por uma mesquita durante a dominação muçulmana. Com a reconquista efetuada pelo Rei Jaime I no século XIII, a mesquita foi consagrada como uma paróquia cristã e entregue a Ordem Dominicana, que batizou o templo em homenagem a San Nicolás de Bari. Anos depois, a ordem decidiu incorporar a titularidade da igreja a San Pedro Mártir, considerado o primeiro santo mártir dos dominicanos.

20181004_144658No século XV, chamado de Século de Ouro Valenciano, a igreja foi reconstruída e ampliada, adquirindo o aspecto gótico que possui atualmente. Desta época, se conserva a portada exterior, que vemos nas imagens acima. Esta reforma ocorreu durante o governo eclesiástico do Bispo Alfonso de Borja, que se tornaria cardeal e posteriormente Papa com o nome de Calixto II.

20181004_144603Durante o período da Contrarreforma, no final do século XVII (entre 1697 e 1700), a igreja foi reformada no estilo barroco.

20181004_143337Todo o interior do templo foi coberto por um excepcional conjunto de pinturas (quase 2 mil metros quadrados), realizado pelo pintor Dionís Vidal, discípulo do grande Antonio Palomino (1653/1726), considerado um dos maiores teóricos da arte na Espanha, além de ter sido nomeado pintor de câmara do Rei Carlos II.

20181004_143349As pinturas foram realizadas na própria estrutura gótica do templo, e representam episódios das vidas dos santos titulares, San Nicolás e San Pedro Mártir. Conhecida como a Capela Sixtina Valenciana, a Igreja de San Nicolás é considerada um dos melhores exemplos da combinação do estilo gótico com a decoração barroca.

20181004_14383520181004_144022O interior da igreja possui nave única e 6 capelas de cada lado…

20181004_14430620181004_143555San Nicolás viveu no século IV, e foi Bispo de Mira, na atual Turquia. Devido às invasões otomanas, seus restos foram levados à cidade italiana de Bari, onde se encontra seu sepulcro. Protetor da infância e da família, também é invocado em momentos de dificuldades financeiras. Abaixo, vemos seu busto, situado junto ao altar maior da igreja.

20181004_143733San Pedro Mártir viveu no século XIII. Pertencente à Ordem Dominicana, nasceu em Verona, Itália, e faleceu em 1252. Abaixo, vemos o órgão da igreja…

20181004_143720A igreja conserva importantes obras artísticas, como este retábulo que representa o Calvário de Cristo, realizado pelo pintor Rodrigo de Osona em 1476, um exemplo da transição do gótico ao renascimento.

20181004_144211No século XIX, foram realizadas algumas reformas na parte exterior da igreja, no estilo neogótico

20181004_144612Finalmente, em 1981, a Igreja de San Nicolás de Valência recebeu, merecidamente, o título de Monumento Histórico-Artístico.

Praça de Cervantes – Alcalá de Henares

Alcalá de Henares conserva um dos maiores conjuntos históricos de toda Espanha, razão pela qual foi incluída na lista dos lugares Patrimônios da Humanidade da Unesco. Um dos locais mais representativos do centro histórico é a Praça de Cervantes, ponto de encontro dos habitantes da cidade, e núcleo central ao redor do qual se localizam as principais atrações da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta belíssima praça possui uma origem medieval, já que nela se realizavam as feiras anuais da vila, privilégio concedido pelo rei Alfonso VII em 1184. Por este motivo, recebeu inicialmente o nome de Praça do Mercado e durante muito tempo esta foi sua denominação. Originalmente situada fora das muralhas da cidade, nos séculos XV e XVI a praça passou a integrar-se plenamente no seu urbanismo, com a ampliação do recinto de muralhas e com o desenvolvimento ocorrido com a fundação da Universidade. A partir de então, transforma-se no espaço público central da cidade, servindo de limite entre a jurisdição municipal e a universitária. No século XVI nela se instalou a sede do conselho, como antigamente se chamavam as prefeituras ou Casas Consistoriais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlcalá de Henares recebeu o título de cidade em 1687 durante o reinado de Carlos II e a Praça de Cervantes passou a acolher a sede da Prefeitura (Ayuntamiento) desde 1609. Num primeiro momento, a sede da prefeitura esteve no num antigo convento do século XVIII, chamado dos Agonizantes. Com a deterioração do edifício, se construiu um novo no final do século XIX (1870), atual sede do Palácio Consistorial de Alcalá de Henares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra construção de relevância que encontramos no perímetro da praça é o Corral de Comédias, inaugurado em 1602 e considerado o mais antigo da Espanha. Este tipo de espaços culturais foram os precursores do Teatro Moderno, e sua estrutura estavam feitas de madeira. Em 1769, o Corral de Comédias foi reformado adquirindo um aspecto neoclássico e durante o século XX se transformou num cinema, atividade que durou até 1970. Depois de quase ser derrubado por seu péssimo estado, foi restaurado e atualmente se realizam excelentes visitas guiadas que mostram a beleza de seu interior e a importância de seu legado, que ainda perdura hoje em dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos extremos da praça observamos as ruínas da desaparecida Igreja de Santa María, lamentavelmente incendiada e destruída durante a Guerra Civil Espanhola.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo mesmo local existiu na Idade Média uma Ermita, dedicada a São João Batista. Em 1449, o arcebispo de Toledo Alfonso Carrillo decidiu trazer a Paróquia de Santa María La Mayor a este lugar e se construiu uma nova igreja em 1553, obra de Rodrigo Gil de Hontañón. Dez anos depois se levanta uma torre. No século XIX, esta torre primitiva foi derrubada e se ergueu uma nova, que acabou sendo uma das poucas partes que sobreviveu do antigo templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs pessoas interessadas podem subir no alto da torre, com um dos melhores mirantes da cidade. Abaixo, vemos uma panorâmica da Praça de Cervantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da torre pude apreciar uma foto da antiga Paroquia de Santa María, quando ainda se encontrava de pé…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro resquício da antiga igreja que se conservou é a Capilla del Oidor (Capela do Ouvidor), cuja construção foi ordenada por Pedro Díaz de Toledo, que ocupava o cargo de Oidor do rei Juan II de Castilla, como panteão familiar.  Como Oidor se denominavam os juízes membros dos tribunais castelhanos, que tinham como obrigação ouvir as partes num processo judicial. Atualmente é utilizada como sala de exposição. Na Paroquia de Santa María foi batizado Miguel de Cervantes em 1547, e atualmente podemos ver a Pia Batismal onde a cerimônia foi realizada, além do belo espaço decorado no estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Praça de Cervantes recebeu seu nome atual no século XIX, período em que foi embelezada com uma estátua em homenagem ao grande escritor nascido na cidade, inaugurada em 1879 e esculpida pelo italiano Pedro Nicoli. Está situada sob um pedestal em que aparecem cenas da grande novela de Cervantes, El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha, feitas pelo artista Pepe Noja. Em 2009 a estátua foi restaurada e se colocou uma pluma na mão do escritor…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XIX se construiu um belíssimo coreto, colocado no centro da praça…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAinda hoje a Praça de Cervantes continua sendo palco para as festividades da cidade, como seu interessante mercado medieval, celebrado anualmente, com a tradicional exibição de aves de rapina e brinquedos para a criançada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo outro extremo, a Praça de Cervantes desemboca na Calle Mayor, lugar de visita obrigatória num passeio pela cidade. Mas este é um local que veremos no próximo post…

Museu Lázaro Galdiano – Pintura Espanhola (Parte 2)

Lázaro Galdiano formou uma pinacoteca que, além de seu enorme valor, servisse de referência para avaliar a importância artística da Espanha e de sua própria história. Como outros grandes colecionadores da época, mostrou especial predileção pelos retratos de homens e mulheres ilustres, cuja coleção presente no museu é representativa de vários períodos, como veremos a seguir. O pintor Alonso Sánchez Coelho (1531/1588), por exemplo, tornou-se famoso por sua capacidade como retratista. Pintor de câmara do rei Felipe II, suas obras enaltecem os detalhes e a penetração psicológica do personagem, como neste quadro de Ana de Áustria (1549/1580), quarta esposa do rei Felipe II.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta obra é considerada uma das mais refinadas da pintura cortesana do reinado de Felipe II. Do período barroco, destacam os retratos de Sebastián Herrera Barnuevo (Madrid-1619/1671). Além de pintor de câmara do rei Carlos II, foi também escultor e arquiteto. Realizou o retrato do monarca quando menino, que vemos abaixo. Carlos II (Madrid-1661/1700) passaria a posteridade com o apelido de “El Hechizado” (O Enfeitiçado) por seus problemas de saúde, baixa estatura e esterilidade. Filho e herdeiro de Felipe IV e Mariana de Äustria, morreu sem descendência, fato que provocou a Guerra da Sucessão Espanhola e a chegada da Dinastia dos Bourbones ao trono espanhol, com o rei Felipe V.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs monarcas e rainhas de Espanha foram representados não só por pintores espanhóis, mas também por artistas estrangeiros, como Ticiano, por exemplo. Considerado um dos precursores do neoclassicismo, Anton Raphael Mengs (1728/1779) foi um grande  pintor alemão, além de teórico da arte, tornando-se célebre pelos retratos que realizou da corte europeia. Foi convidado pelo rei Carlos III para residir em Madrid, e nomeado pintor real. Retratou o monarca nesta importante obra que vemos na sequência. Carlos III (Madrid-1716/1788) era filho de Felipe V e Isabel de Farnesio. Entre 1734 e 1759 tornou-se o Rei de Nápoles e Sicília. Em 1759 foi proclamado Rei de Espanha, cujo reinado caracterizou-se pelas amplas reformas urbanas realizadas na capital. Por este motivo, passou a ser conhecido como o Rei Alcalde, sendo considerado até hoje como um dos melhores administradores que a cidade já teve em sua história.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estética neoclássica na Espanha foi enriquecida com a obra de Zacarías González Velázquez (Madrid-1763/1834). Formado pela Real Academia de Belas Artes de San Fernando em Madrid, tornou-se posteriormente diretor desta instituição fundamental na vida artística do país. Sua capacidade criativa pode ser apreciada no refinamento de suas obras, que pode ser vista no quadro em que representa a Manuela González Velázquez tocando o piano, um quadro de forte influência francesa pintado entre 1820 e 1821.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos artistas espanhóis mais admirados por Lázaro Galdiano foi Francisco de Goya. Adquiriu várias obras do pintor aragonês, cujo conjunto representa uma das maiores atrações do museu. Abaixo, o Enterro de Cristo, realizado entre 1771 e 1772.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro La Era ou El Verano, de 1786…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo período compreendido entre 1797 e 1799, o Museu Lázaro Galdiano conta com várias obras do pintor, como esta Madalena Penitente, de grande influência impressionista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa imagem abaixo, vemos a Santa Isabel curando as chagas de um enferma (esquerda) e San Hermenegildo na prisão (direita).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADuas das obras mais apreciadas do acervo pictórico do museu representam o mundo tenebroso de Goya, como o quadro El Conjuro o las Brujas

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o Aquelarre, nome pelo qual se conhece as reuniões de bruxas para a realização de rituais e feitiços.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA presença de artistas estrangeiros na coleção de Lázaro Galdiano ampliaria o conhecimento do povo espanhol em relação à arte que se desenvolvia no continente, contribuindo para sua educação cultural. No próximo post, veremos algumas das principais obras das escolas italiana, flamenca, alemã, etc, presentes no museu.

Museu Lázaro Galdiano – Pintura Espanhola

Um dos melhores motivos para se visitar o Museu Lázaro Galdiano é sua excelente pinacoteca. Formada tanto por artistas estrangeiros quanto espanhóis, nele estão representados alguns dos melhores pintores que a Espanha produziu. O acervo abarca desde a pintura gótica até o séc. XIX. Em sua atividade colecionista, Lázaro Galdiano tinha especial apreço pelas obras góticas e renascentistas. Com grande oportunismo, conseguiu adquirir quadros de grande qualidade por um bom preço. Os pintores góticos, denominados os Primitivos Espanhóis, na época eram pouco valorizados em seu próprio país. Lázaro Galdiano, ao comprar estes quadros, procurou que o público espanhol pudesse conhecer seu passado artístico e os artistas relacionados aos séc. XV e XVI, possibilitando uma nova visão de sua história cultural. Abaixo, vemos um quadro de Blasco de Grañén, pintado em 1439 com a representação da Virgem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1500, o chamado Mestre de Manzanillo realizou esta obra, em que aparecem os Reis Católicos junto com Santa Elena e Santa Bárbara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO século XVI representou uma fase de transição para a Pintura Espanhola, quando os novos modelos e influências renascentistas, tanto de Itália, quanto de Flandes, propiciaram uma mudança estética em sua arte. O Renascimento Italiano ofereceu uma reflexão científica da imagem representada, enquanto a Arte Flamenca enfatizava uma visão mais naturalista, com predomínio dos valores expressivos e emocionais. Um dos primeiros representantes do Renascimento em Castilla é conhecido como o Mestre de Astorga. No museu podemos admirar duas de suas obras, em que representa o desembarque do corpo do Apóstolo Santiago e seu transporte a Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA riqueza e expansão marítima nos séculos XVI e XVII possibilitaram o florescimento das artes, dando início ao apogeu da cultura espanhola, momento em que surgiram os grande nomes de sua literatura e de sua produção pictórica, com nomes mundialmente famosos. O denominado Siglo de Oro (Século de Ouro) está muito bem representado no museu, com obras fundamentais para sua apreciação. El Greco, por exemplo, realizou este quadro de São Francisco de Assis (1577/1580), um dos muitos que pintou, com um perfeito desenho do rosto, belos efeitos de luz, refinado colorido e uma bela expressão do olhar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Seu filho Jorge Manuel realizou o quadro que vemos abaixo, em sua parte superior, entre 1609 e 1612.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o advento do barroco no séc. XVII, a Pintura Espanhola rompe com o idealismo do período anterior, mostrando um acentuado realismo. Um dos pintores que melhor definem o Barroco Espanhol foi Bartolomé Esteban Murillo (Sevilha:1617/1652). Em suas obras, predomina a temática religiosa, mas também cultivou a pintura de gênero. Seu nome está associado aos quadros de Virgens que realizou, puras e delicadas. Sempre foi um artista mais conhecido e apreciado fora da Espanha. Dele é a representação de Santa Rosa de Lima, pintado em 1670.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrancisco de Zurbarán (Fuente de Cantos-1598/Madrid-1664) é outro dos maiores expoentes da Pintura Barroca Espanhola. É considerado o máximo representante do denominado naturalismo tenebrista na Espanha, com grande influência do pintor italiano Caravaggio. Contemporâneo e grande amigo de Velázquez, destacou-se na pintura religiosa, com obras de um intenso misticismo, característico do período da Contrarreforma. A seguir, vemos dois quadros de Zurbarán expostos no museu, um que representa a Imaculada Conceição e outro com a imagem da Virgem da Merced.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro dos grandes pintores do Século de Ouro foi José de Ribera (Xátiva-1591/Nápoles-1652). Desenvolveu sua carreira na Itália, precisamente em Nápoles, onde era conhecido como “Lo Spagnoletto“, devido a sua baixa estatura. Realizou este quadro de São Bartolomeu, exposto no Museu Lázaro Galdiano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertencente ao Barroco Pleno, Cláudio Coelho (1642/1693) nasceu e morreu em Madrid, lugar onde realizou inúmeros altares para as igrejas e conventos da cidade e região. No governo do monarca Carlos II, foi nomeado pintor real. Abaixo, vemos um quadro da Imaculada Conceição.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns belos retratos da Pintura Espanhola e um dos pintores mais apreciados por Lázaro Galdiano, Francisco de Goya.

Almansa – Província de Albacete

O último lugar que conheci em minha recente viagem à Província de Albacete (Comunidade de Castilla La-Mancha) foi Almansa, cidade cuja visita também recomendo. Situada a 75 km da capital provincial, conta com cerca de 25 mil habitantes, e possui um belo patrimônio histórico e artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHistoricamente, Almansa possui uma importância fundamental relacionada com a Guerra de Sucessao Espanhola. Em suas proximidades, desenvolveu-se a famosa Batalha de Almansa, uma das mais decisivas do conflito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Guerra da Sucessao Espanhola começou depois que Carlos II, o último monarca da Dinastia dos Habsburgos, faleceu sem deixar descendência. Os aspirantes ao ambicioso trono espanhol, o francês Felipe de Anjou e o arquiduque Carlos de Áustria, travaram um combate que envolveu todo o continente europeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Batalha de Almansa teve um papel fundamental no desenvolvimento do conflito, e o êxito das tropas de Felipe de Anjou abriu o caminho para a conquista do Reino de Aragón e da cidade de Valencia. Finalizada a contenda, o francês assume o trono espanhol com o nome de Felipe V, inaugurando a Dinastia dos Bourbones, vigente até os dias de hoje.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Oficina de Turismo da cidade, podemos ver uma instrutiva exposiçao sobre os acontecimentos cruciais da guerra e da batalha que se desenvolveu nos limites de Almansa (cujas fotos do post foram tiradas no local). Existe, inclusive, um roteiro histórico que pode ser realizado pelos campos onde ela ocorreu, e lugares emblemáticos relacionados ao conflito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro aspecto histórico interessante, tema de outra exposiçao que podemos apreciar na Oficina de Turismo, é que em Almansa nasceu Santiago Bernabéu (1895),  um dos personagens mais importantes do clube de futebol do Real Madrid. Bernabéu foi centroavante do clube madrilenho entre 1912 e 1927, marcando 69 gols em 78 jogos disputados no período. No entanto, é mais lembrado como presidente do clube, cargo que ocupou durante 35 anos, desde 1943 até 1978, quando falece em Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Santiago Bernabéu é considerado o presidente de maior sucesso na história do clube. Durante seu prolongado mandato, o Real Madrid venceu 16 ligas espanholas, além da conquista de 6 Copas da Europa. Foi também durante sua etapa como presidente quando se construiu o famoso estádio do clube, que leva seu nome desde 1955.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exposiçao relembra também os craques do passado, que vestiram a camisa do popular clube, e de outros mais recentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas próximas publicaçoes, veremos os principais pontos turísticos do município e antes de finalizar o post de hoje, adiciono fotos de belos edifícios encontrados no passeio pela cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Nuevo Baztán – Comunidade de Madrid

Existem lugares que devem sua existência a uma só pessoa e a uma finalidade muito concreta. Este é o caso de Nuevo Baztán, povoado situado na Comarca de Henares, a  sudeste da Comunidade de Madrid e a cerca de 50 km da capital. A cidade foi fundada em 1709 pr Juan de Goyeneche y Gastón, como residência dos trabalhadores de diversas indústrias que nela foram instaladas. Seu nome origina-se do Vale de Baztán, uma regiao navarra onde nasceu o fundador. Juan de Goyeneche foi o tesoureiro durante os reinados de Carlos II e Felipe V. Seu principal objetivo na construçao do povoado era resolver dois aspectos que afetavam o país na época, a falta de industrializaçao e a recessao demográfica. O rei Felipe V lhe concedeu, entao, privilégios para a construçao de um complexo industrial para ativar a economia da regiao, competir com o mercado estrangeiro e reduzir as importaçoes. O complexo incluía fábricas de tecidos, couros, sapatos, papel, vidros, etc. Estas atividades eram altamente especializadas, atraindo um grande número de artesaos à regiao de Nuevo Baztán.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fábrica de vidros, por ex., proveu de objetos finos a Madrid, outras cidades do país e inclusive o continente americano. Juan de Goyeneche estabeleceu também uma rede de serviços para os trabalhadores, como hospitais, farmácias, etc, e melhora as vias de comunicaçao ao local. Goyeneche encarrega o traçado urbano do povoado ao arquiteto José Benito de Churriguera, sendo que o projeto continua, até hoje, a ser objeto de estudos urbanos como exemplo do “Urbanismo Barroco Espanhol” e como povoado industrial. Nuevo Baztán foi construída totalmente em pedra, lembrando o pueblo natal de Goyeneche.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJosé Benito de Churriguera (1665/1725) foi o primogênito de uma importante família de artistas. Junto com os irmaos Alberto e Joaquim, definiram o denominado Estilo Churrigueresco, termo utilizado para definir o Barroco Espanhol do primeiro terço do séc. XVIII. Além de arquiteto, José Benito foi um fantástico escultor, realizando vários e admiráveis retábulos para igrejas. Uma das travessas do povoado homenageia o grande arquiteto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATanto as ruas, quanto as três praças que compoem o povoado, convergem ao recinto formado pela igreja e o Palácio de Goyeneche. Os traçados sao retos e regulares,  integrados entre si. O Palácio foi edificado entre 1709 e 1713, estando  adossado à igreja. Possui uma torre quadrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA entrada do palácio ostenta o escudo do Vale de Baztán, que consta de um tabuleiro de xadrez, concebido pelo rei Sancho VII pelo heróico comportamento dos habitantes do vale durante a Batalha de Las Navas de Tolosa, que supôs uma fatal derrota das tropas muçulmanas, propiciando o avance dos reinos cristaos durante a Idade Média.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída em 1722, a Igreja de San Francisco Javier apresenta duas belas torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro da fachada, vemos uma escultura de San Francisco Javier, co-padroeiro de Navarra e conhecido como Apóstolo das Índias, pela atividade missioneira que exerceu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior, o coro comunicava com o palácio, permitindo que a família de Goyeneche pudesse assistir os ofícios religiosos desde sua residência. O Retábulo Maior foi executado pelo próprio Churriguera e realizado em mármore verelho, estando presidido por uma imagem do santo titular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJuan de Goyeneche faleceu em 1735 e foi sepultado na cripta da igreja, mas atualmente seus restos nao se encontram mais no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs indústrias sofreram várias transformaçoes e acabaram fechando as portas. O povoado permaneceu num estado de abandono  durante muito tempo e no começo do séc. XX foram realizadas várias tentativas de restauraçao, até que em 1941, Nuevo Baztán foi catalogada como Monumento Histórico e em 1980 declarada Conjunto Histórico Artístico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém da singularidade do povoado, chama a atençao algumas árvoes que foram plantadas na época da fundaçao, como este exemplar, situado em frente à igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFamoso também é o denominado Olmo de Baztán, um dos últimos exemplares desta espécie que presidiam as praças dos pueblos madrilenhos. Churriguera mandou plantar uma fileira de Olmos para decorar a entrada do palácio, e a foto abaixo mostra o único sobrevivente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma escapada à Nuevo Baztán permite também saborear pratos típicos das culinárias madrilenha e castelhana, como o cordeiro assado, o churrasco ou a sopa castelhana. O Restaurante El Conde é uma excelente pedida e seu simpático e atencioso proprietário nao se cansa de contar curiosas e interessantes histórias do povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Guerra da Sucessao Espanhola – Barcelona

Os três locais que vamos conhecer hoje de Barcelona possuem uma mesma base histórica, cujo desenlace e consequências provocaram seu surgimento na paisagem urbana da cidade condal. Estamos falando da Guerra da Sucessão Espanhola, conflito que implicou na participação das potências européias de princípio do séc. XVIII. Seu fator desencadeante foi a falta de descendência do rei Carlos II, conhecido como o “enfeitiçado”, por sua débil saúde, física e mental. O monarca foi o último da denominada casa austríaca dos Habsburgos em governar o país ibérico. As principais cortes da Europa desejavam o trono espanhol, e dois foram os candidatos que o disputaram: o austríaco arquiduque Carlos, filho do imperador Leopoldo, e o francês Felipe de Anjou, neto de Luis XIV. O conflito iniciou-se na Espanha em 1702, sendo que  Felipe era o preferido de Castilla, enquanto que a Coroa de Aragón se decantava pelo austríaco. O exército de Felipe de Anjou conseguiu, no entanto, reduzir a resistência à cidade de Barcelona. Neste contexto, foi fundamental a tomada do Castelo de Montjuic, situado na montanha homônima,  um local estratégico para a defesa da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a morte do filho maior de Leopoldo, José I, o arquiduque Carlos foi para Viena de imediato para ser coroado imperador. Os ingleses, temerosos de que o austríaco ficasse também com o trono espanhol, assinaram com a França um tratado no qual reconheciam o francês como o novo rei espanhol, sob o nome de Felipe V. O Castelo de Montjuic só foi entregue definitivamente às tropas borbônicas em 1714. Dessa forma, a guerra propiciou o início da dinastia dos Borboun, que permanece até hoje com a casa real da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Tratado de Utrecht ratificou o acordo anteriormente assinado, desta vez com a participação da Áustria, e a paz foi restabelecida. O tratado foi redatado de uma forma que nenhuma das nações européias tivesse poder suficiente para impor-se às demais. Foram criados pequenos estados (Holanda, Prússia), impedindo qualquer expansão territorial e bloqueando uma possível aliança entre Espanha e França, impossibilitando a continuação geográfica de seus reinos. Outro local associado a guerra é o conhecido Parque da Cidadela, durante muitos anos o único parque da capital catalã. Essa extensa e popular área verde ocupa o antigo terreno ocupada por uma fortaleza construída por Felipe V, para dominar e controlar a cidade após a Guerra da Sucessão. Dita fortaleza era considerada a maior construção militar do continente e formava parte de um conjunto que incluía também o Castelo de Montjuic. Em 1868, a cidadela foi demolida e sua área foi transformada num parque, urbanizado com a realização da Exposição Universal de 1888. Para tanto, contou com a participação de Gaudi na elaboração da cascata monumental que, localizada no centro do parque, se destaca por sua profusão escultórica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO parque conserva alguns edifícios da antiga cidadela, como o do arsenal, hoje transformado no Parlamento da Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro de seus limites, podemos visitar também o zoológico da cidade, bem como edifícios remanescentes da Expo de 1888, como o Museu de Zoologia, de Lluís Domènech i Montaner.

Durante a construção da cidadela, muitas casas foram demolidas e seus habitantes foram levados a um novo local, atualmente conhecido como um dos bairros imprescindíveis numa visita à cidade. É a denominada Barceloneta, que depois de ocupada pela população do bairro da Ribera, onde se situava a cidadela, foi também o local escolhido para a residência de pescadores e operários.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbundante é a oferta gastronômica do bairro, principalmente no que se refere ao pescado. No centro, situa-se a Igreja de Sant Miquel del Port, edificada na mesma época em que se construiu o bairro (metade do séc. XVIII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA