Guerra da Sucessao Espanhola – Barcelona

Os três locais que vamos conhecer hoje de Barcelona possuem uma mesma base histórica, cujo desenlace e consequências provocaram seu surgimento na paisagem urbana da cidade condal. Estamos falando da Guerra da Sucessão Espanhola, conflito que implicou na participação das potências européias de princípio do séc. XVIII. Seu fator desencadeante foi a falta de descendência do rei Carlos II, conhecido como o “enfeitiçado”, por sua débil saúde, física e mental. O monarca foi o último da denominada casa austríaca dos Habsburgos em governar o país ibérico. As principais cortes da Europa desejavam o trono espanhol, e dois foram os candidatos que o disputaram: o austríaco arquiduque Carlos, filho do imperador Leopoldo, e o francês Felipe de Anjou, neto de Luis XIV. O conflito iniciou-se na Espanha em 1702, sendo que  Felipe era o preferido de Castilla, enquanto que a Coroa de Aragón se decantava pelo austríaco. O exército de Felipe de Anjou conseguiu, no entanto, reduzir a resistência à cidade de Barcelona. Neste contexto, foi fundamental a tomada do Castelo de Montjuic, situado na montanha homônima,  um local estratégico para a defesa da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a morte do filho maior de Leopoldo, José I, o arquiduque Carlos foi para Viena de imediato para ser coroado imperador. Os ingleses, temerosos de que o austríaco ficasse também com o trono espanhol, assinaram com a França um tratado no qual reconheciam o francês como o novo rei espanhol, sob o nome de Felipe V. O Castelo de Montjuic só foi entregue definitivamente às tropas borbônicas em 1714. Dessa forma, a guerra propiciou o início da dinastia dos Borboun, que permanece até hoje com a casa real da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Tratado de Utrecht ratificou o acordo anteriormente assinado, desta vez com a participação da Áustria, e a paz foi restabelecida. O tratado foi redatado de uma forma que nenhuma das nações européias tivesse poder suficiente para impor-se às demais. Foram criados pequenos estados (Holanda, Prússia), impedindo qualquer expansão territorial e bloqueando uma possível aliança entre Espanha e França, impossibilitando a continuação geográfica de seus reinos. Outro local associado a guerra é o conhecido Parque da Cidadela, durante muitos anos o único parque da capital catalã. Essa extensa e popular área verde ocupa o antigo terreno ocupada por uma fortaleza construída por Felipe V, para dominar e controlar a cidade após a Guerra da Sucessão. Dita fortaleza era considerada a maior construção militar do continente e formava parte de um conjunto que incluía também o Castelo de Montjuic. Em 1868, a cidadela foi demolida e sua área foi transformada num parque, urbanizado com a realização da Exposição Universal de 1888. Para tanto, contou com a participação de Gaudi na elaboração da cascata monumental que, localizada no centro do parque, se destaca por sua profusão escultórica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO parque conserva alguns edifícios da antiga cidadela, como o do arsenal, hoje transformado no Parlamento da Catalunha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro de seus limites, podemos visitar também o zoológico da cidade, bem como edifícios remanescentes da Expo de 1888, como o Museu de Zoologia, de Lluís Domènech i Montaner.

Durante a construção da cidadela, muitas casas foram demolidas e seus habitantes foram levados a um novo local, atualmente conhecido como um dos bairros imprescindíveis numa visita à cidade. É a denominada Barceloneta, que depois de ocupada pela população do bairro da Ribera, onde se situava a cidadela, foi também o local escolhido para a residência de pescadores e operários.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbundante é a oferta gastronômica do bairro, principalmente no que se refere ao pescado. No centro, situa-se a Igreja de Sant Miquel del Port, edificada na mesma época em que se construiu o bairro (metade do séc. XVIII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERA