Na Torre da Catedral de Ávila

A Catedral de Ávila é outra das atrações históricas da cidade, e foi tema de uma série de 3 posts, publicados nos dias 21, 22 e 23/01/2017. Considerada a primeira catedral de estilo gótico na Espanha, foi edificada como templo e como fortaleza, já que o ábside da construção constitui um dos cubos da própria muralha de Ávila, algo inédito nos edifícios catedralícios, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANão se sabe com precisão quando começou a ser levantada. A teoria mais aceita diz que data de mediados do século XII, cujo projeto foi realizado por um mestre francês chamado Fruchel, coincidindo com o processo de repovoamento de terras castelhanas por Raimundo de Borgoña, genro do Rei Alfonso VI. A parte construída por Fruchel, correspondente ao altar maior da catedral, se insere no estilo românico de transiçao ao gótico. Posteriormente, outros mestres finalizaram as obras da catedral (naves, capelas e o remate das torres) já no estilo gótico. Abaixo, vemos a fachada principal da Catedral de Ávila e seu impressionante aspecto de fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo vemos na imagem acima, se construiu apenas uma torre, a outra permaneceu inacabada. O primeiro corpo da torre campanário data do século XIII, assim como as naves da igreja. As bôvedas (teto) e o segundo corpo da torre campanário datam do século XIV. No século XV, finalmente se finaliza todas as obras da catedral. Abaixo, vemos uma foto de seu interior, destacando sua bôveda de crucería, característica da arquitetura gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesta última vez que estive em Ávila com o Marcelo, a Cristina e o Ernesto, tivemos a oportunidade de subir no alto da torre campanário, um passeio imperdível que proporciona visitar lugares de uma catedral que normalmente estão fechados ao público. Antes de chegar na parte mais elevada da torre, pudemos contemplar umas excelentes vistas da nave central da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre campanário possui 7 sinos (campanas, em espanhol), cada qual com seu nome de batismo, como “Maria Teresa”, “Platera”, devido à presença de prata em sua fabricação, ou “San Segundo”, em homenagem ao Santo Padroeiro de Ávila. Abaixo, vemos algumas delas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, uma foto da torre inacabada, que foi fechada com tijolos, mas que deixa à vista uma parte da construção de pedra…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA visita inclui um elemento que normalmente os visitantes não têm acesso, a estrutura de madeira construída como sustentação do telhado ou cobertura da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro aspecto curioso foi observar as diversas marcas de canteiros ao longo da construção. Estas marcas talhadas na pedra constituem uma espécie de assinatura dos trabalhadores que colaboraram na edificação da catedral. Cada um deles possuía uma marca diferente e, desta forma, podiam cobrar pelo trabalho realizado. As marcas de canteiros são habituais nas catedrais românicas e góticas. Abaixo, vemos algumas das que descobrimos no passeio…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro aspecto que me surpreendeu está relacionado com o antigo ofício dos campaneiros. Na realidade, este termo se refere a dois ofícios tradicionais, designando aqueles responsáveis pela fabricação dos sinos (elaboração do molde e posterior fundição do metal) e também às pessoas que realizavam os toques das campanas. Sempre pensei de como seria a vida destes trabalhadores que executavam este trabalho de tocar os sinos e, na visita à torre, muitas perguntas foram respondidas. A primeira questionava onde viviam e o mais curioso, é que residiam na própria torre, ao nível dos próprios sinos. A torre da Catedral de Ávila conserva maravilhosamente a casa do campaneiro. De estilo castelhano humilde, parece incrível que se manteve intacta. Os campaneiros nela viveram até os anos 50 do século XX. A residência possuía sala, alcobas, cozinha com chaminé, banheiro, etc…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA casa dos campaneiros foi construída aos pés da catedral, sobre a bôveda gótica. Para visitá-la, subimos os 113 degraus de uma escada em espiral, que salva a diferença entre o solo da catedral e sua cobertura. Nela se desenvolvia  a vida familiar dos campaneiros, sendo praticamente tarefa de todos seus membros realizar o toque das campanas, durante todo o dia. Frequentemente, o ofício passava de pai para filho, e as condições de vida eram extremamente duras, como nos explicou o guia que conduziu a visita. Em primeiro lugar, tinham que suportar um frio aterrador, numa cidade na qual as temperaturas normalmente atingem mínimas negativas, e muitos padeciam de doenças respiratórias. Além do mais, muitos campaneiros, depois de uma longa vida dedicada ao ofício, ficavam surdos com o forte som decorrente dos sinos. Em seus momentos de ócio, construíram pequenos jogos talhados nas pedras da torre (algo parecido com o atual jogo de damas), como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs dificuldades de acesso a esta peculiar residência fizeram com que fossem criados mecanismos de abastecimento e comunicação com o mundo exterior. O sistema implantado na Catedral de Ávila se resume a uma corda atada a uma polea que se utilizava para para subir alimentos e água, além de outros objetos essenciais à vida, e para baixar tudo aquilo que já não servia. Abaixo, vemos o sistema desde o solo da catedral e em sua parte superior, junto à casa dos campaneiros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante séculos as campanas funcionaram como uma forma de comunicação social, anunciando festas, falecimentos e os atos litúrgicos, entre outros. O ofício de campaneiros data do período medieval em sua concepção atual. Atualmente, está em perigo de extinção com o desenvolvimento de métodos eletromecânicos para os toques de sinos e muitos aspiram que o toque manual seja declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. As campanas e seus variados sons constituem um maravilhoso universo, e seu estudo denomina-se Campanologia. Para saber mais sobre elas, ver as matérias publicadas em 6 e 7/3/2018, cujo tema foi o Museu das Campanas da belíssima cidade de Urueña, também situada na Comunidade de Castilla y León.

Apóstolo Santiago

Como complemento às matérias dedicadas a minha recente viagem realizada pela Galícia, decidi publicar uma pequena série de dois posts sobre o personagem fundamental destas terras, e motivo principal da existência de muitas das cidades que pertencem ao Caminho de Santiago, como a própria Santiago de Compostela. Refiro-me ao Apóstolo Santiago, o Santo Padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos 12 apóstolos de Jesus Cristo, Santiago (em português São Tiago) nasceu provavelmente na Galileia, e foi um dos filhos de Zebedeu e Salomé. Seu irmão, São João Evangelista, também fez parte do círculo íntimo de Jesus. Ambos o conheceram às margens do Mar da Galileia, quando pescavam junto com Simão Pedro e seu irmão André. Pedro, e os irmãos João e Tiago, formaram o trio de discípulos preferidos de Jesus e foram testemunhos diretos de alguns dos principais episódios da vida de Cristo. Depois da morte e ascensão de Jesus, Santiago começou a anunciar a nova fé e se encontrava em Jerusalém quando foi vítima da perseguição contra os cristãos promovida por Herodes Agripa, Rei da Judeia e neto de Herodes O Grande, que decapitou o santo pelas costas no ano 44. Santiago tornou-se, portanto, o primeiro apóstolo que foi martirizado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste pequeno resumo de sua vida constitui o ciclo evangélico da vida do santo. Com seu martírio em Jerusalém e seu posterior sepultamento em terras galegas, iniciou-se uma das maiores devoções a um santo cristão graças aos milhares de peregrinos que, desde a Idade Média, realizam o Caminho de Santiago para venerar seu sepulcro na Catedral de Santiago de Compostela. A tradição de seu enterramento na Galícia se fundamenta em vários textos que adquirem sua forma definitiva no século XII, como a “História Compostelana”, escrito em 1139 por ordem do Bispo Diego Gelmírez de Santiago de Compostela, e o Códice Calixtino, onde se relata os acontecimentos mais importantes de sua vida. Depois de predicar na região da Judeia, veio a Espanha para seguir com seu papel evangelizador. O primeiro em admitir a evangelização do apóstolo na Península Ibérica foi o famoso Beato de Liébana em seus comentários sobre o Apocalipse, redatado em 776. Foi ele também o primeiro em referir-se ao Apóstolo Santiago como Padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos episódios mais importantes da vida de Santiago na Espanha ocorreu na cidade de Zaragoza, quando no ano 40 a Virgem Maria, em “carne mortal”, ou seja, em vida, apareceu ao apóstolo no alto de uma coluna feita de jaspe, conhecida como Pilar. Como testemunho de sua presença, o apóstolo ergueu uma pequena capela, que com o passar dos séculos originou a construção da Basílica do Pilar, um dos centros de devoção mariana mais antigos e importantes do mundo, onde ainda hoje se venera a Coluna do Pilar. A denominada Virgem do Pilar foi declarada a Santa Padroeira da Espanha e do mundo hispânico. Abaixo, vemos uma foto da bela Basílica do Pilar de Zaragoza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois do martírio do santo em Jerusalém, seus restos foram trazidos por dois de seus discípulos, Atanasio e Teodoro, num barco à Galícia. Então, ambos discípulos começaram a procurar um local santo para seu enterramento, e foram recebidos pela Rainha Lupa, perversa governante da Galícia, que os enviou a uma de suas propriedades, onde prometeu bois para o transporte do sepulcro. No entanto, ao chegarem ao local, viram que se tratava de touros bravos. Também encontraram com um feroz dragão que esculpia fogo. Os discípulos, em vez de se assustarem, fizeram o sinal da cruz e, milagrosamente, o dragão explodiu e os touros se transformaram em bois mansos. Retornaram ao palácio da Rainha Lupa que, arrependida, se converteu ao cristianismo e transformou seu palácio numa igreja. Este fato foi mencionado no livro “A Lenda Dourada”, escrito em 1264 por Jacobo de la Vorágine. Abaixo, vemos uma pintura que retrata o episódio, que faz parte do acervo do Museu do Caminho, sediado no magnífico Palácio Episcopal de Astorga, projetado pelo arquiteto modernista Antoni Gaudí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO sepulcro do santo foi enterrado na cidade de Iria Flávia, atual Padrón, e abandonado no século III devido às perseguições religiosas na época em que o território formava uma província do Império Romano, conhecida como Hispania. Perdida a memória exata do local onde foi enterrado o santo, segundo a lenda uma luz misteriosa apareceu ao eremita Pelayo indicando o local do sepulcro. O Bispo Teodomiro de Iria Flávia foi comunicado e descobriu o sepulcro de mármore do santo e de seus dois discípulos numa antiga necrópole da cidade. Este local, indicado por uma estrela, recebeu o nome de “Campus Stellae“, ou “Campo da Estrela“, origem da cidade de Santiago de Compostela. Na época do Rei Alfonso II “El Casto” (791/842), se difunde por toda a península a notícia da descoberta do sepulcro do santo, fato que originou uma das maiores rotas de peregrinação de todo o mundo cristão, o Caminho de Santiago. Abaixo, vemos o Apóstolo Santiago na fachada da igreja a ele dedicado, em Medina de Rioseco, cidade da Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEvidentemente, na Espanha existem muitos templos dedicados ao seu santo padroeiro. Abaixo, vemos a Igreja de Santiago de Madrid

OLYMPUS DIGITAL CAMERA A Igreja de Santiago de Málaga, onde foi batizado Pablo Picasso em 1881…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm muitas capelas existentes nas Catedrais da Espanha vemos sua figura, como na Capela Funerária de Santiago da Catedral de Toledo, em sua parte superior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu na Capela de Santiago, pertencente à Catedral de Segovia

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Interior da Catedral de Santiago de Compostela

Nas duas primeiras matérias sobre a Catedral de Santiago de Compostela comentei um pouco sobre sua história, arquitetura, fachadas externas e o claustro. No post de hoje, veremos os espaços mais emblemáticos de seu interior, como algumas de suas inúmeras capelas, iniciando pela Capela do Sancti Spiritus, que possui um belo retábulo barroco com a Virgem da Solidão (Virgen de la Soledad, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA denominada Capela de Mondragón foi fundada pelo canônigo Juan de Mondragón em 1521, estando decorada com um precioso conjunto escultórico de terracota que representa a lamentação do falecimento de Cristo, realizado por Miguel Perrín em 1526.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela de la Comunión foi realizada no estilo neoclássico, com um retábulo do século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas das capelas existentes pertencem à época românica, quando se construiu a catedral. Abaixo, vemos a porta de uma delas, chamada da Corticela, ornamentada com uma cena da Epifania, de mediados do século XII, e realizada pelo atelier do Mestre Mateo. No centro, vemos uma imagem da Virgem Maria com o Menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Santiago de Compostela possui dois belíssimos órgãos barrocos, um de frente para o outro, fabricados no início do século XVIII. Foram colocados no meio da nave central.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela Maior, originalmente românica, foi reformada no período barroco por Domingo de Andrade. Está formada por um baldaquino, uma estrutura formada por 4 colunas, que alberga o altar situado sobre o Sepulcro do Apóstolo Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO altar está presidido por uma imagem do Apóstolo Santiago, de pedra policromada e vestido como peregrino, pertencente ao século XIII. Uma escada na parte posterior permite que, finalmente, os peregrinos se aproximem à imagem do santo e realizem um emotivo abraço, dando por concluída a peregrinação do Caminho de Santiago. Apesar de  ter realizado apenas de forma parcial o caminho, fiz questão de realizar o gesto, e a emoção que senti não pode ser descrita com palavras…

OLYMPUS DIGITAL CAMERADebaixo do altar encontra-se a cripta com o Sepulcro do Apóstolo Santiago, um dos locais mais sagrados do cristianismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA urna de prata que guarda os restos do santo foi inspirada na Arte Românica, sendo fabricada por artesãos da cidade em 1885.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral possui um Panteão Real onde se guardam diversas sepulturas de monarcas espanhóis, como os leoneses Fernando II ( 1137/1188) e Alfonso IX (1171/1230). Infelizmente, nao tive ocasião de vê-los. No entanto, pude contemplar o singelo sepulcro de Teodomiro, Bispo de Iria Flávia considerado o descobridor da tumba do Apóstolo Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uns dos vitrais do interior da igreja….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post com a parte interna da Porta Santa que, como dissemos anteriormente, se abre apenas nos Anos Santos, quando as festividades em honra ao Apóstolo de Santiago (25 de julho) caem num domingo. Como elemento decorativo, destacam as figuras que integravam o coro pétreo original, realizado pelo Mestre Mateo em 1200. Na parte superior, uma cruz com inscrições referentes à consagração da catedral. A porta de bronze foi realizada no século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO próximo post estará dedicado a uma das grandes atrações da Catedral de Santiago de Compostela, o Botafumeiro

A Catedral Compostelana – Parte 2

A Catedral de Santiago de Compostela constitui um formidável exemplo do que se conhece como Igrejas de Peregrinação, que se desenvolveram ao longo do Caminho de Santiago no século XI, dentro do Estilo Românico. Uma outra igreja, que também faz parte da rota jacobea (como também se conhece o Caminho de Santiago) é a Basílica de Saint Sernin, situada na cidade francesa de Toulouse, construída na mesma época que a catedral compostelana (séculos XI e XII).

IMG_2321Estas grandes e monumentais construções possuem características comuns, que nos ajudam a compreender a arquitetura românica da Catedral de Santiago de Compostela. O interior possui uma planta de cruz latina, estando composta de 3 a 5 naves, sendo a central mais larga e alta que as laterais. A Catedral Compostelana possui 3 naves que alcançam os 100 m de comprimento e outra parte transversal, também com 3 naves, de 70 m de comprimento. Abaixo, vemos a planta da catedral, junto com o claustro de formato quadrado que complementa o conjunto, situado no lado direito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas igrejas estão abovedadas, isto é, possuem uma estrutura arqueada que cobrem o espaço entre dois apoios, formando o teto do templo. A nave central está coberta por uma Bôveda de Cañón, frequentemente utilizada na Arquitetura Românica, que está formada por arcos de meio ponto ou semicirculares, como podemos ver abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, as naves laterais estão formadas por Bôvedas de Arista, que se originam pelo cruzamento entre duas Bôvedas de Cañón, formando uma cruz que divide em 4 compartimentos a própria bôveda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra característica das Igrejas de Peregrinação é a profusão decorativa através de um conjunto de esculturas de caráter religioso e simbólico, como vimos, por exemplo, na Fachada das Platerías, na matéria anterior. Os grossos muros da igreja possuem dois níveis. O formado pelas arquerias em sua parte inferior e a tribuna, em sua parte superior. Esta última estrutura permitia alojar uma grande quantidade de peregrinos, além de suportar as forças arquitetônicas transmitidas desde a bôveda da nave central, gerando uma maior estabilidade. Na Catedral de Santiago de Compostela, a tribuna rodeia todo o edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo redor da capela maior, encontramos um espaço denominado Girola, também conhecido como Deambulatório. No plano arquitetônico que inicia a matéria, podemos observar a girola como um alargamento das naves laterais. Esta solução construtiva possibilitou no período românico, o trânsito dos peregrinos pela igreja, sem prejudicar os cultos religiosos e para que pudessem contemplar as relíquias colocadas em suas várias capelas. Devido ao considerável peso das bôvedas, os muros são grossos, com poucas janelas para a iluminaçao interior, que se realiza principalmente através da cúpula da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro atual foi edificado em época posterior. De enorme tamanho, foi construído a partir de 1521 por Juan de Álava e Juan Gil de Hontañón. Como foi dito, possui uma forma quadrada, com 34 m de cada lado. Nele foi colocado os sinos que originalmente se situavam na Torre do Relógio, também vista no post anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo claustro da Catedral de Santiago podemos observar uma de suas principais funções, como local de enterramento, tanto através de sarcófagos talhados com esmero, quanto em tumbas colocadas no próprio solo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias capelas foram situadas junto ao claustro. Abaixo, vemos uma delas com seu belo retábulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das portas do claustro conduz ao Arquivo da Catedral, um local de visita proibida, pois nele se guarda um dos principais tesouros da cidade, o famoso Códice Calixtino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste manuscrito iluminado de mediados do século XII constitui o exemplar mais antigo e completo que se conhece da obra “Liber Sancti Iacobi” ou “Livro do Apóstolo Santiago“, do qual existe 200 cópias. Reúne hinos, textos litúrgicos, relatos de milagres e episódios relacionados com o santo. Consta de 5 livros e 2 apêndices, num total de 225 folhas feitas de pergaminho. O quinto livro constitui uma guia para os peregrinos (a mais antiga que se conhece), com descrições da rota do caminho, conselhos, etc. Sua autoria, um sacerdote francês chamado Aymeric Picaud, está atualmente posta em dúvida. O códice começa com um comentário do Papa Calixto II, no qual relata, através de uma carta dirigida à Ordem de Cluny e ao Arcebispo de Compostela Diego Gelmírez, os testemunhos dos milagres realizados pelo Apóstolo Santiago. Em 2011, o códice foi roubado por um eletricista que havia trabalhado na catedral, mas felizmente foi recuperado um ano depois. Finalizamos a matéria com um facsímil do Códice Calixtino, uma reprodução exata do livro original…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Catedral Compostelana

Esta série de matérias sobre Santiago de Compostela estaria incompleta, caso não publicasse posts sobre seu edifício mais famoso e importante, a Catedral, que preside o Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade em 1985.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada um dos templos mais importantes de todo o mundo, a Catedral Compostelana está dedicada ao Apóstolo Santiago, cujos restos descansam em seu interior. Este fato a converteu num dos principais centros de peregrinação da Europa desde a Idade Média, através do Caminho de Santiago. O sepulcro do Apóstolo, nomeado Padroeiro da Espanha, foi descoberto no século IX por um eremita chamado Pelayo, que comunicou o achado ao Bispo Teodomiro de Iria Flávia, atual município galego de Padrón. O bispo, por su vez, avisou da notável descoberta ao Rei Asturiano Alfonso II, que posteriormente converteu-se no primeiro peregrino documentado do caminho. O monarca ordenou a construção de uma pequena capela no local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADiante do crescente número de peregrinos e das reduzidas dimensões do templo, se construiu uma igreja maior no ano 829 e no final do século IX (899) uma outra igreja, de estilo pré-românico, construída pelo Rei Alfonso III, que se transformou gradualmente num importante local de peregrinaçao. Em 997, esta primitiva igreja foi destruída pelo General Almanzor, comandante do exército muçulmano do Califato de Córdoba, que respeitou, no entanto, o sepulcro do Apóstolo Santiago. Apesar disso, as portas e campanas da igreja foram levadas à Mesquita de Córdoba. Quando a cidade andaluza foi reconquistada pelo Rei Fernando III em 1236, foram transportadas por prisioneiros muçulmanos à cidade de Toledo, concretamente a sua notável catedral gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADestruída a igreja primitiva, durante o reinado de Alfonso VI e sob o patrocínio do Bispo Diego Peláez, se iniciou a construção da atual catedral, um dos edifícios de estilo românico de maior importância em toda Europa. Edificada basicamente com granito, as obras se detiveram em vários momentos, sendo finalizada em 1122 e consagrada por primeira vez seis anos depois. Seus principais arquitetos foram Bernardo El Viejo, seu discípulo Roberto e um grande arquiteto da Arquitetura Românica, o Mestre Esteban. A última etapa construtiva ocorreu a partir de 1168, quando o chamado Mestre Mateo realizou a cripta e o fabuloso Pórtico da Glória, considerado um dos expoentes máximos da Arte Românica. As obras finalizaram em 1211, ano em que a Catedral é definitivamente consagrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima, vemos o aspecto da fachada principal românica da catedral, antes da reforma barroca realizada no século XVIII, que dá para a Plaza del Obradoiro. Esta imponente e maravilhosa fachada, além de outras partes da Catedral, como o mencionado Pórtico da Glória, está sendo restaurada para solucionar o processo de deterioração em seus elementos estruturais e decorativos, causado principalmente pela humidade, além de intervenções realizadas no passado que resultaram problemáticas. Além do mais, a fachada recebeu um necessário tratamento de limpeza. Abaixo, vemos duas imagens da fachada, antes da reforma, e outra atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs primitivas torres da fachada principal eram românicas, mas forma substituídas pelas atuais durante a reforma barroca. Abaixo, vemos a Torre do Relógio, situada no lado direito da fachada. Foi realizada em 1680 por Domingo de Andrade. O relógio é de 1831, e os sinos são réplicas, cujos originais foram colocadas no claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo exterior da catedral, a única fachada que conserva sua fábrica românica é a impressionante Fachada de las Platerías, construída pelo Mestre Esteban entre 1103 e 1117.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACaracteriza-se por sua riqueza escultórica, tanto nos capitéis, quanto nos tímpanos de suas duas portas. No tímpano da esquerda, vemos cenas relacionadas às tentaçoes de Cristo. No extremo direito aparece a representação de Eva com uma caveira, identificada como adúltera pelo Códice Calixtino (um pouco complicado de ver na foto…).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo tímpano da direita, vemos outras cenas historiadas, como a Epifania em sua parte superior. Na parte inferior, a cura do cego e episódios da Paixão de Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns elementos decorativos foram colocados posteriormente (final do século XIX), como estes 6 meninos que faziam parte do coro de pedra situado na nave central da igreja e realizado pelo Mestre Mateo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local destacável do exterior da catedral é a Porta Santa, cuja porta se abre somente nos denominados Anos Santos ou Jubilar, quando as festividades em honra ao Apóstolo Santiago (25 de julho) caem num domingo, algo que ocorre em intervalos de 5, 6 e 11 anos. Este privilégio foi concedido pelo Papa Calixto II em 1122.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANas laterais da porta, também foram colocadas, no século XVII, 24 figuras de personagens bíblicos, do Antigo e do Novo Testamento, que originalmente integravam o coro pétreo do Mestre Mateo. Em sua parte superior, vemos o Apóstolo Santiago, cuja imagem foi realizada em 1694 por Pedro del Campo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos esta primeira parte sobre a Catedral de Santiago de Compostela com a Fachada da la Azabachería, construída em 1758, substituindo a antiga Porta do Paraíso, pela qual entravam a maioria dos peregrinos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Lugo

A Catedral de Lugo é o principal monumento religioso da cidade, e sua esbelta arquitetura destaca-se na paisagem urbana do centro histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Lugo foi consagrada à Santa Maria, em sua variante conhecida como a Virgem dos Olhos Grandes, padroeira da cidade. Uma visita ao templo nos permite apreciar os vários estilos que compõem sua estrutura. Sua construção iniciou-se no ano 1129 no mais puro estilo românico, e finalizou-se em 1273. Se conhece inclusive o arquiteto da obra, Raimundo de Monforte. Possui uma planta de cruz latina, com três naves e seus correspondentes ábsides.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeste período inicial construtivo, podemos contemplar a Porta Norte, decorada com esculturas românicas de grande qualidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta está formada por 4 arquivoltas  e 6 colunas, três de cada lado. No centro vemos a representação do Pantocrátor, uma imagem comum tanto na Arte Românica, quanto na Bizantina. A palavra Pantocrátor é originária do grego, e significa “Todo Poderoso”,  podendo representar ao Deus Pai ou a Jesus Cristo. Normalmente sua figura está moldurada por uma Mandorla. Como o filho de Deus, Jesus com a mão direita oferece a bendição, e na esquerda segura o Evangelho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte inferior vemos uma espécie de capitel, com a representação da Última Ceia. O conjunto pertence ao século XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da catedral, a estrutura predominante também é de estilo românico, como podemos ver em sua nave central…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA foto saiu desfocada, mas penso que se pode ter uma idéia da estrutura interior. Abaixo, vemos uma das portas de acesso a uma das capelas laterais, também românica. Chama a atenção as figuras em sua parte superior (em espanhol denominadas Canecillos).

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo princípio do século XIV, a cabeceira original foi derrubada para a construção de uma girola, espaço que rodeia o altar maior e que foi aproveitado para acolher 5 novas capelas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA girola foi construída no estilo gótico, como podemos ver acima em sua parte exterior, e abaixo, desde o interior da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADas duas torres que foram construídas, a mais antiga é gótica….

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVI, sobre os dois corpos da torre medieval, se rematou a estrutura que passou a ser conhecida como a Torre do Relógio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Lugo foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1931, por sua importância, arquitetônica, religiosa, artística e histórica. Abaixo, vemos uma imagem da nave lateral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda e última parte desta matéria sobre a Catedral de Lugo.

A Catedral de Valencia

Depois da reconquista de Valencia, êxito alcançado pelo monarca Jaime I em 1238, as mesquitas da cidade foram convertidas ao culto cristão e muitas delas foram transformadas em paróquias. O mesmo aconteceu com a Mesquita Mayor, a principal da cidade. A partir de 1262, foi sendo derrubada e em seu lugar se iniciou a construção da Catedral da Assunção de Nossa Senhora. O processo construtivo foi rápido, de forma a  “marcar o território” ocupado pelo novo rei cristão, e foi patrocinado pela burguesia local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa realidade, este foi sempre um local sagrado, pois a Mesquita Mayor foi edificada sobre uma anterior Basílica Visigoda, que por sua vez foi construída sobre um templo romano dedicado a Júpiter ou Diana. O estilo predominante da catedral é o gótico, pois sua estrutura básica pertence  aos séculos XIII e XIV. Como é habitual, outros estilos foram sendo incorporados com a passagem do tempo, na medida em que se realizavam reformas e ampliações. Um exemplo desta variedade corresponde às 3 portas de acesso ao templo. A mais antiga de todas é a Porta de Almoina, que dá para a praça de mesmo nome, também chamada de Praça do Arcebispo. De estilo românico, foi edificada nos primeiros anos das obras e muitos estudiosos afirmam que foi construída para eliminar rapidamente a parte mais sagrada da mesquita, o Mihrab, já que este se localizava justamente onde foi colocada a porta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe estilo gótico francês é a belíssima Porta dos Apóstolos. Iniciada em 1303, foi realizada pelo mestre Nicolás Autun. Em sua parte lateral, vemos as esculturas dos 12 apóstolos, e no tímpano a representação da Virgem Maria com o Menino Jesus nos braços, e rodeada por anjos músicos. Nas arquivoltas, vemos uma grande quantidade de santos, anjos e profetas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANicolás de Autun empregou uma pedra de baixa qualidade e, como resultado, a porta teve que ser restaurada várias vezes. Em 1960, se procedeu a uma nova intervençao e as estátuas originais foram retiradas e guardadas no Museu Catedralício devido ao seu péssimo estado de conservação, e foram substituídas por cópias, que vemos atualmente. Diante da Porta dos Apóstolos se reúne todas as quintas feiras às 12hs o Tribunal das Águas, instituição secular de administração e justiça relacionada ao direito e utilização da água nos campos da cidade. Abaixo, vemos uma panorâmica da catedral com a Porta dos Apóstolos ao fundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da Porta dos Apóstolos se construiu, no século XVI, uma tribuna com três níveis denominada Arcada Nova. De estilo renacentista italiano, servia como um palco para a contemplaçao de espetáculos públicos que se realizavam na praça. No século XX, seu telhado foi retirado, acentuando seu formato parecido ao de um teatro romano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA última porta preside a fachada principal da catedral, denominada Porta de Hierros (Ferros, em português), por estar cercada por um portão feito deste material. De estilo barroco, foi realizada pelo escultor de origem alemã Konrad Rudolf a partir de 1703 e finalizada por seus discípulos Francisco Vergara e Ignacio Vergara, em 1713.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta porta possui um notável interesse artístico por seu atrevimento construtivo, dentro do contexto espanhol da época. Isso porque é considerada um dos poucos exemplos da arquitetura barroca italiana da Espanha, com formas ondulantes e em movimento, ao estilo dos italianos Bernini e Borromini. Quando se construiu, pretendia criar uma ilusão de ótica, proporcionando uma maior sensação de espaço num local de dimensões reduzidas. Possui 3 corpos diferenciados, e abaixo vemos o emblema da Virgem com a glória dos anjos, feito por Ignacio Vergara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra obra prima gótica da Catedral de Valencia é o elegante cimbório, que ilumina o altar maior da igreja, magistral tanto em seu aspecto exterior, quanto interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA catedral possui duas passagens exteriores que comunicam com outras dependências, como o Palácio do Arcebispo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, continuaremos conhecendo a bela Catedral de Valencia