Iberia

Recentemente, vi uma excelente exposição comemorativa no Centro Cultural Conde Duque de Madrid sobre os 90 anos da Aviação Civil na Espanha. A exposição recorda os principais fatos históricos em relação à história da aviação mundial e, em particular, sobre a Companhia Aérea Iberia, a principal empresa espanhola do ramo. Inicia sua trajetória falando sobre o secular desejo de voar do ser humano e as distintas máquinas que foram construídas para alcançar este objetivo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA A exposição homenageia os pioneiros da aviação mundial e da Espanha. Os primeiros seres humanos que lograram voar realizaram a façanha em planadores, máquinas inventadas sem motor. Foram os Irmãos Wright quem realizaram o primeiro vôo documentado de um aparato que incorporou motor à sua estrutura, em 1903. Abaixo, vemos uma foto com o biplano dos inventores americanos, que realizaram a patente de sua invenção em 1908.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exposição destaca a figura do brasileiríssimo Alberto de Santos Dumont, que em 1906 foi capaz de voar com seu 14 Bis durante 60 metros, a uma altura entre 2 e 3 metros ante o olhar atônito dos franceses que contemplaram o espetáculo em Paris.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1909, o engenheiro brasileiro inventa o ultraleve

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutras façanhas aéreas foram protagonistas da exposição, como a realizada pelo americano Charles Lindberg, o primeiro em realizar um vôo transatlântico sem escalas entre Nova York e Paris, pilotando o “Spirit of St Louis” ao longo de 5810 km, um trajeto percorrido em 33 horas e 30 minutos. Abaixo, vemos sua chegada à capital francesa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA história dos incríveis dirigíveis também foi abordada. Estas impressionantes máquinas foram utilizadas  num primeiro momento com finalidades bélicas e somente depois passaram a ser usadas para o transporte de passageiros. O “Graf Zepellin“, um dos mais famosos da história, sobrevoou a cidade de Madrid, como vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre todos aqueles que contribuíram para o surgimento da Aviação Espanhola, Juan de la Cieva é o nome mais popular. Foi ele o inventor do Autogiro, uma máquina cujas asas estavam fixas a um rotor que girava através da ação do vento. Em seu primeiro vôo, realizado em 1923, foi capaz de percorrer a distância de 123m em sua aeronave no Aeroporto de Getafe, próximo à Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1927, a Empresa Aérea Iberia se converte na primeira aerolínea espanhola em oferecer serviços regulares. No dia de sua inauguraçao, estiveram presentes personalidades destacadas, como o Rei Alfonso XIII (à esquerda na foto).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o primeiro bilhete aéreo emitido pela empresa….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO vôo inaugural de Iberia foi realizado por uma avião denominado “Rohrbach Roland“. Abaixo, vemos modelos posando sobre sua asa…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm um das salas da exposição foi recriado o interior desta aeronave…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira sede da empresa foi Salamanca e, a partir de 1939, passa a ser Madrid. Em 1946 se converte na primeira empresa aérea a oferecer vôos regulares entre a Europa e a América do Sul, com a inauguração da rota Madrid-Buenos Aires. Para a realização deste percurso, os aviões DC-4 demoravam 36 horas em realizá-lo, com escalas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1954, a companhia modifica sua imagem corporativa, encarregando o desenho dos uniformes de seus funcionários e da tripulação a um profissional da moda, Pedro Rodríguez, considerado o Pai da Alta Costura na Espanha. Uma série de modelos históricos destes uniformes nos mostra a evolução dos mesmos ao longo dos anos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO uniforme atual da empresa foi desenhado por Adolfo Domínguez

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1974 se inaugura a Ponte Aérea entre Madrid e Barcelona, que durante muitos anos se transformou na rota entre duas cidades com o maior tráfego aéreo do mundo. Abaixo, vemos a atriz Ava Gardner em sua chegada ao Aeroporto de Barajas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exposição enaltece também fatos marcantes da história contemporânea da Espanha com a participação da Iberia, como a chegada definitiva do quadro “Guernica” de Pablo Picasso em 1981, depois de décadas exposto em Nova York.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra curiosidade da exposição foram as peças que fazem parte dos grandes aviões comerciais. A que me despertou mais atenção foi a “Caixa Negra” de um Boeing 747, dispositivos obrigatórios que registram as atividades dos instrumentos de navegação e da conversação entre os tripulantes, armazenando dados essenciais que, em caso de acidente, permitem analisar o sucedido nos momentos prévios e estabelecer suas causas. As primeiras caixas negras começaram a funcionar na década de 50 e seu nome permanece o mesmo até hoje, embora tenham a cor laranja para facilitar sua localização após um acidente…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara maiores informações sobre o Centro Cultural Conde Duque de Madrid, ver a matéria publicada em 12/4/2015.

Quartel do Conde Duque – Madrid

Os guardas da monarquia espanhola tiveram que esperar até princípios do séc. XVIII para ter um local que lhes acolhessem no centro da cidade de Madrid. Como vocês viram no post anterior, depois que Madrid tornou-se capital da Espanha em 1561, os soldados inicialmente se hospedaram nas próprias casas dos moradores da cidade, desde que a residência tivesse mais de um andar, segundo ditava a lei da Regalía do Aposento instituída por Felipe II. Somente a partir de 1717, durante o reinado de Felipe V, o primeiro monarca da Dinastia dos Bourbones, se construiu um quartel para albergar a Real Guardia de Corps, um corpo militar de elite criado para a custódia pessoal do rei em 1704.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo começo do séc. XVIII, o exército espanhol passava pelos piores momentos de sua história, devido a uma série de derrotas sofridas no continente europeu naquele período. Por isso, no início de seu reinado, Felipe V construiu vários quartéis na cidade, dos quais o chamado Quartel do Conde Duque tornou-se o mais famoso. Durante muito tempo foi considerada a maior construçao da capital, com 224m de comprimento por 82m de largura. O quartel foi edificado sobre o solar do antigo Palácio do Conde de Lemos e III Duque de Berwick y Líria, que se casou com a filha do Duque de Alba, família proprietária dos terrenos da regiao. Daí vem a explicaçao de seu nome.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grandiosidade da construçao se explica porque foi concebida para acolher 600 sodados da Guardia de Corps, além de 400 cavalos. Felipe V ordenou ao prefeito de Madrid na época, o Marquês de Vadillo, a construçao deste magnífico edifício. Este, por sua vez, encarregou o arquiteto Pedro de Ribera, que projetou a última amostra do Barroco Madrilenho, visível principalmente na fachada feita de pedra pelo grande arquiteto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO escudo de Felipe V preside a maravilhosa fachada do edifício, que vemos na parte superior. Exemplo da arquitetura militar francesa, o Quartel do Conde Duque possui 3 enormes pátios, sendo o central maior que os demais, e utilizado para os exercícios de cavalaria da Real Guardia de Corps.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem visitas guiadas que possibilitam conhecer zonas que normalmente nao estao permitidas nos dias normais, como a parte superior da construçao, com amplas vistas da cidade. Em 1869, um incêndio devastador provocou a decadência do Quartel do Conde Duque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos anos 50 do século passado, foi quase derrubado, mas em 1969 foi adquirido pela prefeitura que o converteu num centro cultural, depois de uma reforma de reabilitaçao para tal fim.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1976, foi declarado Monumento Nacional. Suas antigas funçoes militares deram lugar a um centro cultural repleto de atividades, como conferências, exposiçoes, além de sediar a Biblioteca Pública Municipal e o Arquivo Histórico da Vila de Madrid, entre outras entidades.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA