O Botafumeiro da Catedral de S.Compostela

O templo sagrado da Catedral de Santiago de Compostela oferece inúmeras atrativos para o visitante, como sua arquitetura românica, o Sepulcro do Apóstolo Santiago, suas belíssimas fachadas e capelas, etc. Além do mais, um espetáculo digno de se ver tem, como protagonista, o chamado Botafumeiro, um grande incensário banhado de prata e com 1.60 m de altura. O movimento pendular que realiza pela nave transversal da catedral deixam incrédulos peregrinos e turistas que visitam a Catedral Compostelana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA tradição no uso deste instrumento de purificação remonta ao século XI, com a função de perfumar o ambiente interno da catedral, eliminando o mau cheiro provocado pelos centenares de peregrinos que, cansados e suados, chegavam a catedral para venerar o Sepulcro do Apóstolo Santiago. O Botafumeiro é posto em ação durante o culto das missas, logo após a comunhão, quando o hino do Apóstolo Santiago é tocado pelos órgãos barrocos da catedral, iniciando seu espetacular trajeto em frente ao altar maior. Durante o movimento que realiza, o instrumento quase chega a tocar o teto do transepto (nave transversal). Nos 90 segundos que dura sua trajetória, alcança uma velocidade de 68 km/h e chega a formar um ângulo de 82 graus sobre a vertical, descrevendo um arco de 65 m de amplitude sobre a nave e uma altura máxima de 21 m. No total, os espectadores contemplam 17 ciclos de vai e vem do instrumento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Botafumeiro aparece no Códice Calixtino, e o ritual que se realiza atualmente data, como mínimo, do século XII. O mecanismo que possibilita sua trajetória baseia-se no movimento de poleas e na lei do pêndulo, e foi realizado pelo Mestre Celma no final do século XVI. A corda que o sustenta é de material sintético e, antes que realize sua trajetória, se coloca carvão e incenso. O Botafumeiro vazio pesa 62 kg, mas chega aos 100 kg depois da colocação destes materiais. O início do espetáculo ocorre quando um funcionário da catedral empurra o instrumento para movê-lo de sua inércia. Depois, um grupo formado por 8 homens, conhecidos como “Tiraboleiros“, puxam cada um de sua respectiva corda para aumentar sua velocidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente existem dois incensários que se guardam na Biblioteca da Catedral, sendo o mais antigo de 1851. Nos oito séculos de existência, foram registrados alguns incidentes durante o espetáculo, como o ocorrido em 1499, quando o instrumento se desprendeu da corda e saiu voando, chocando-se contra o muro da catedral. Em 1622, a corda se rompeu e o Botafumeiro caiu contra o solo. No século XX, rompeu as costelas e o nariz de uma pessoa que se aproximou demais para admirá-lo….No Youtube existem vários vídeos onde se pode observar os preparativos do Botafumeiro e sua notável trajetória. Escolhi este de abaixo, vale a pena ver…

Anúncios

A Catedral Compostelana – Parte 2

A Catedral de Santiago de Compostela constitui um formidável exemplo do que se conhece como Igrejas de Peregrinação, que se desenvolveram ao longo do Caminho de Santiago no século XI, dentro do Estilo Românico. Uma outra igreja, que também faz parte da rota jacobea (como também se conhece o Caminho de Santiago) é a Basílica de Saint Sernin, situada na cidade francesa de Toulouse, construída na mesma época que a catedral compostelana (séculos XI e XII).

IMG_2321Estas grandes e monumentais construções possuem características comuns, que nos ajudam a compreender a arquitetura românica da Catedral de Santiago de Compostela. O interior possui uma planta de cruz latina, estando composta de 3 a 5 naves, sendo a central mais larga e alta que as laterais. A Catedral Compostelana possui 3 naves que alcançam os 100 m de comprimento e outra parte transversal, também com 3 naves, de 70 m de comprimento. Abaixo, vemos a planta da catedral, junto com o claustro de formato quadrado que complementa o conjunto, situado no lado direito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas igrejas estão abovedadas, isto é, possuem uma estrutura arqueada que cobrem o espaço entre dois apoios, formando o teto do templo. A nave central está coberta por uma Bôveda de Cañón, frequentemente utilizada na Arquitetura Românica, que está formada por arcos de meio ponto ou semicirculares, como podemos ver abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, as naves laterais estão formadas por Bôvedas de Arista, que se originam pelo cruzamento entre duas Bôvedas de Cañón, formando uma cruz que divide em 4 compartimentos a própria bôveda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra característica das Igrejas de Peregrinação é a profusão decorativa através de um conjunto de esculturas de caráter religioso e simbólico, como vimos, por exemplo, na Fachada das Platerías, na matéria anterior. Os grossos muros da igreja possuem dois níveis. O formado pelas arquerias em sua parte inferior e a tribuna, em sua parte superior. Esta última estrutura permitia alojar uma grande quantidade de peregrinos, além de suportar as forças arquitetônicas transmitidas desde a bôveda da nave central, gerando uma maior estabilidade. Na Catedral de Santiago de Compostela, a tribuna rodeia todo o edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo redor da capela maior, encontramos um espaço denominado Girola, também conhecido como Deambulatório. No plano arquitetônico que inicia a matéria, podemos observar a girola como um alargamento das naves laterais. Esta solução construtiva possibilitou no período românico, o trânsito dos peregrinos pela igreja, sem prejudicar os cultos religiosos e para que pudessem contemplar as relíquias colocadas em suas várias capelas. Devido ao considerável peso das bôvedas, os muros são grossos, com poucas janelas para a iluminaçao interior, que se realiza principalmente através da cúpula da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro atual foi edificado em época posterior. De enorme tamanho, foi construído a partir de 1521 por Juan de Álava e Juan Gil de Hontañón. Como foi dito, possui uma forma quadrada, com 34 m de cada lado. Nele foi colocado os sinos que originalmente se situavam na Torre do Relógio, também vista no post anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo claustro da Catedral de Santiago podemos observar uma de suas principais funções, como local de enterramento, tanto através de sarcófagos talhados com esmero, quanto em tumbas colocadas no próprio solo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAVárias capelas foram situadas junto ao claustro. Abaixo, vemos uma delas com seu belo retábulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das portas do claustro conduz ao Arquivo da Catedral, um local de visita proibida, pois nele se guarda um dos principais tesouros da cidade, o famoso Códice Calixtino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste manuscrito iluminado de mediados do século XII constitui o exemplar mais antigo e completo que se conhece da obra “Liber Sancti Iacobi” ou “Livro do Apóstolo Santiago“, do qual existe 200 cópias. Reúne hinos, textos litúrgicos, relatos de milagres e episódios relacionados com o santo. Consta de 5 livros e 2 apêndices, num total de 225 folhas feitas de pergaminho. O quinto livro constitui uma guia para os peregrinos (a mais antiga que se conhece), com descrições da rota do caminho, conselhos, etc. Sua autoria, um sacerdote francês chamado Aymeric Picaud, está atualmente posta em dúvida. O códice começa com um comentário do Papa Calixto II, no qual relata, através de uma carta dirigida à Ordem de Cluny e ao Arcebispo de Compostela Diego Gelmírez, os testemunhos dos milagres realizados pelo Apóstolo Santiago. Em 2011, o códice foi roubado por um eletricista que havia trabalhado na catedral, mas felizmente foi recuperado um ano depois. Finalizamos a matéria com um facsímil do Códice Calixtino, uma reprodução exata do livro original…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Santiago de Compostela

Minha viagem com o Marcelo e a Cristina pela Galícia finalizou de forma maravilhosa em Santiago de Compostela, cidade monumental cujos adjetivos escasseiam para definir sua beleza e importância histórica. Capital da Comunidade da Galícia, sede do governo e do parlamento galhego, meta última dos milhares de peregrinos que realizam o Caminho de Santiago, pois acolhe o sepulcro do Apóstolo Santiago, padroeiro da Espanha, e Patrimônio da Humanidade desde 1985, Santiago de Compostela é uma destas cidades que merecem ser visitadas ao menos uma vez na vida.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASuas origens estão intimamente relacionadas ao culto do apóstolo que lhe dá nome, pois até o descobrimento de seus restos no início do século IX, se pode dizer que a cidade não existia. O crescimento e importância desta cidade se deve à enorme quantidade de peregrinos que desde a Idade Média visitam a tumba do apóstolo, situado em sua impressionante Catedral Românica, que recebiam o apelativo genérico de “francos“, independente de seu local de origem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome “Compostela” deriva da expressao latina “Campus Stellae“, que significa “Campo de Estrela“. Segundo a tradição medieval, no ano de 813 um eremita chamado Pelayo, alertado pelas estrelas que iluminavam o céu noturno num bosque denominado Libredón, encontrou os restos do Apóstolo Santiago e avisou ao Bispo Teodomiro de Iria Flávia sobre as relíquias do santo. A descoberta propiciou que o Rei Alfonso II de Asturias (760/842) realizasse a primeira peregrinação a este novo local sagrado para o Cristianismo, pois as outras rotas de peregrinação, como Roma, encontravam-se, naquele momento, num período de decadente, e Jerusalém estava sob o poder dos árabes. Abaixo, vemos a imagem do apóstolo que preside a incrível fachada barroca da Catedral de Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco a pouco a cidade começou a desenvolver-se devido a este protagonismo religioso, mas foi destruída pelo General Almanzor em 997, numa batalha situada dentro do processo de reconquista cristã das terras ocupadas pelos mouros. Almanzor, respeitou, no entanto, a tumba do apóstolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra explicação para o nome da cidade vem da expressao “Composita Tella“, que significa “Tierras Hermosas“. A cidade foi reconstruída e fortificada a partir do século XI, momento em que se construiu uma nova muralha, além de transformar-se numa sede apostólica pelo Bispo Cresconio. Em 1075, o Bispo Diego Pelaéz ordenou a construção da Catedral Românica, que atualmente contemplamos apesar das reformas realizadas, principalmente em sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo ponto de vista político, destaca-se a coroação do Rei Alfonso VI (1040/1109) na catedral compostelana. Este monarca foi Rei de León, Castilla e da Galícia. Em 1181, o Papa Alexandro III concedeu o privilégio do Ano Santo Jacobeu. Nesta época foi redatado o famoso Códice Calixtino, um conjunto de textos que tornou-se uma fonte primordial para os peregrinos que realizavam o caminho, e que atualmente encontra-se protegido dentro da catedral, depois que foi roubado há poucos anos atrás e posteriormente reencontrado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra data fundamental para a cidade foi 1643, quando o Rei Felipe IV estabeleceu o Apóstolo Santiago como o Padroeiro da Espanha. A prosperidade alcançada fez com que se tornasse um grande centro artístico a partir da época barroca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo vemos a Plaza del Obradoiro, a principal da cidade, onde situa-se a fachada principal da Catedral, a Prefeitura, um maravilhoso Parador de Turismo e um dos edifícios de sua famosa Universidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Atualmente, Santiago de Compostela é uma cidade de serviços em virtude do intenso turismo religioso e cultural que possui. Sua economia destaca-se também pela indústria de telecomunicações e do setor madeireiro, além de centro universitário e sede administrativa do Governo Autônomo da Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATive o privilégio de ficar 4 dias na cidade, e conhecer boa parte de seus monumentos, igrejas, praças, ruas e pontos de interesse turístico. A partir de hoje, inicio uma extensa série de matérias, onde os leitores (as) do blog poderão conhecê-la com mais profundidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Manuscritos Medievais do Castelo de Ponferrada – Parte 2

“Cada folha de um manuscrito ilustrado equivale a visita de uma ampla galeria de Arte Medieval”. Esta frase revela a importância destes documentos, que serviram de inspiraçao a artistas dos campos da pintura, arquitetura e escultura dos períodos românico, gótico e renascentista. Como vimos no post anterior, na Exposiçao Tempum Libri, sediada no Castelo de Ponferrada, podemos admirar as obras que mais influenciaram a cultura medieval. Uma delas é o famoso Códice Calixtino, um dos mais importantes da Idade Média. Trata-se de um conjunto de textos de diversos autores, parte deles atribuído ao monge francês Aymerie Picaud. Os 225 pergaminhos que compoem o códice estao compostos por 5 livros e 2 apêndices. O quinto livro constitui uma espécie de guia turístico para os peregrinos que realizavam o Caminho de Santiago. Além do mais, o códice contêm hinos, sermoes, milagres e relatos da vida do Apóstolo Santiago. O exemplar que se encontra na Catedral de Santiago de Compostela é o mais antigo e completo da obra conhecida como Liber Sancti Iacobi, das cerca de 200 cópias existentes na Europa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe finais do séc. XV é o Breviário de Isabel La Católica, cujo original se encontra na British Library. A obra foi um presente oferecido à rainha por seu embaixador, Francisco de Rojas, para comemorar o casamento duplo de seus filhos, os infantes Juan e Juana, assim como os êxitos de seu reinado, como o Descobrimento da América e a Conquista do Reino de Granada, ambos ocorridos em 1492. O breviário saiu de Espanha durante a Guerra de Independência, depois do assalto das tropas francesas ao Monastério do Escorial, onde se guardava. Levado à França, em 1851 foi parar nas maos de um banqueiro, que o vendeu ao British Museum por 3 mil libras. O Breviário reflte a história artística e política da época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderada a obra principal do Cristianismo Celta, o famoso Livro de Kells foi realizado por monges irlandeses no ano 800 dC, na Abadia de Kells. Um dos manuscritos iluminados mais suntuosos realizados na Idade Média, muitos o celebram como o mais importante vestígio da Arte Religiosa Medieval. Escrito em latim, contêm os 4 evangelhos do Novo Testamento, e o original se encontra na Biblioteca do Trinity College, de Dublin.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá o Leccionario Farnese é um livro litúrgico reealizado no séc. XVI para o Cardeal Alejandro Farnesio. Obra excepcional, destaca por suas dimensoes e extraordinária riqueza decorativa. Durante séculos, foi utilizado na Capela Sixtina durante solenes cerimônias nela realizadas. Reflete a exuberância da pintura renascentista, constituindo uma das obras principais de Julio Clovio, célebre artista ilustrador italiano do séc. XVI. O original está na Biblioteca Pública de Nova York.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEscrito em latim no séc. XII por uma autor anônimo, o Bestiário de Sao Petersburgo relata um conjunto de fábulas populares, alguma provenientes da antiga tradiçao celta da regiao de York, razao pela qual o livro também é conhecido como Bestiário de York. Testemunho do apogeu das técnicas de iluminaçao inglesa do período românico, o manuscrito original encontra-se na Biblioteca Russa, situada em Sao Petersburgo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém dos manuscritos religiosos, na exposiçao podemos ver alguns de caráter científico, como o conhecido Canon de Avicena (médico, filósofo e cientista de origem persa). Avicena escreveu cerca de 300 obras sobre temática diversa. Seus discípulos o denominavam Príncipe dos Sábios, e atualmente é considerado um dos médicos mais importantes de todos os tempos. O Canon de Avicena foi trazido à Espanha durante as cruzadas, influenciando a prática e o ensino da medicina durante séculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra obra fundamental é o Livro do Saber de Astronomia do rei Alfonso X “El Sábio”. O manuscrito, escrito em 1277, contêm 16 tratados de astronomia e os instrumentos de observaçao. Escrito em pergaminho com letras góticas, existem apenas 9 cópias em todo o mundo, sendo que o original encontra-se na Biblioteca da Universidade Complutense de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPedro de Teixeira foi um importante cartógrafo português (Lisboa-1595/Madrid-1662), que viveu muitos anos de sua vida na capital espanhola. Conhecido pelos mapas da cidade que realizou com infinidade de detalhes em 1656, o rei Felipe IV lhe encarregou a execuçao de um atlas em 1634, que tornou-se famoso na época, pela minuciosidade com que retratou a costa da Península Ibérica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas obras de caráter literário chamam a atençao na exposiçao, como esta ediçao de Don  Quijote de La Mancha, a universal obra de Cervantes, ilustrada por Salvador Dalí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA invençao da imprensa no séc. XV representou o fim da Arte dos Manuscritos, apesar de que até os finais do séc. XVI se continuou a escrever sobre pergaminhos.