Mudéjar em Calatayud

O maior legado artístico da cidade de Calatayud para a posteridade é o estilo mudéjar, presente em muitas das construções religiosas do centro histórico, principalmente em suas admiráveis torres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, Calatayud é considerada uma das “capitais” do Mudéjar Aragonês, junto com Daroca (post publicado em 15/10/2013), Teruel (20/10/2013) e Zaragoza (9/10/2012). Mudéjar, como já foi dito em várias ocasiões, é a denominação que receberam a população de cultura, tradição e religião muçulmana que permaneceram vivendo na Espanha depois da Reconquista dos Reis Cristãos. Até 1610, quando os mouros foram expulsos do país, muitos muçulmanos mantiveram seus costumes nos lares das cidades que apresentavam uma comunidade importante de indivíduos que professavam a religião islâmica. Alguns eram hábeis construtores, incorporando elementos da tradição arquitetônica árabe nos edifícios religiosos cristãos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do séc. XIII, surgiram originais modelos construtivos, baseado na combinação de materiais como o tijolo (em espanhol, ladrillo), utilizado como elemento construtivo e decorativo, o gesso, a madeira e a cerâmica. A beleza e particularidades do Mudéjar Aragonês foi reconhecido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade em 2001, como um testemunho da convivência entre distintas culturas e a criação de uma arte exclusiva do território espanhol. A Província de Zaragoza conta com uma grande quantidade de construções deste estilo único. Provavelmente, a igreja mais antiga de Calatayud é a Paróquia de San Andrés, uma das primeiras fundadas depois de ser reconquistada pelo monarca Alfonso I “El Batallador”. É bem possível que se trata de um templo originário de uma antiga mesquita, que acabou sendo transformada em igreja católica.

20150813_100412No séc. XVI a igreja foi ampliada, momento em que se edifica sua bela torre octogonal mudéjar. Formada por 3 corpos, é um típico exemplo de torre alminar, elemento característico da arquitetura islâmica presente nas mesquitas, cuja função principal é a chamada dos fiéis à oração diária (também denominado de Minarete). Aqui observamos a importância do tijolo dentro do contexto construtivo, transformando-se no material principal da arquitetura mudéjar. Normalmente, os materiais usados no estilo mudéjar são de fácil obtenção e baixo custo. Porém, os artesãos islâmicos foram capazes de transformar estes simples materiais em obras artísticas de grande plasticidade, compostas por formas geométricas que se repetem, arcos entrecruzados (denominados de Sebka), motivos vegetais, etc.

20150813_100435A Igreja de San Juan El Real, apesar de ter sido construída somente no séc. XVIII (entre 1774 e 1777), adotou formas arquitetônicas inspiradas do mudéjar, que podemos observar em sua torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste templo foi construído para a Companhia de Jesus, nome pelo qual se conhece a Ordem dos Jesuítas, que se estabeleceram na cidade em 1584.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADevido a problemas estruturais, as igrejas mudéjares de Calatayud estão sendo submetidas a um importante processo de restauração em seu interior, de modo que não pude visitá-las por dentro. A exceção foi justamente a Igreja de San Juan, cuja visita realizei logo após chegar à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANesta igreja, o pintor aragonês Francisco de Goya, com apenas 20 anos, realizou as pinturas representativas dos 4 Padres da Igreja Católica Ocidental nas partes laterais da cúpula. Fico devendo imagens das mesmas (na foto acima, podemos ver, mas não contemplar, duas delas, no alto da imagem). Abaixo, observamos a parte lateral da nave central e seu belíssimo órgão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a segunda parte da matéria sobre o Mudéjar em Calatayud, com destaque para a Colegiata de Santa Maria.

Igreja da Clerecía – Salamanca

Bem em frente a Casa das Conchas de Salamanca situa-se a Igreja das Clerecías, um dos templos católicos mais importantes da cidade castelhana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASímbolo do esplendor barroco em Salamanca, foi construída por ordem de Margarita de Áustria, esposa do rei Felipe III, quando este já havia falecido. As obras de construçao se iniciaram em 1611 e foram finalizadas quase 150 anos depois, em 1755. Na época de sua construçao, os jesuítas gozavam de uma grande influência na cidade, e o objetivo principal da rainha era fundar um colégio de formaçao de missioneiros para difundir a fé católica pelo mundo e combater a heresia no continente europeu. Na fachada, vemos uma imagem de San Ignácio de Loyola, funadador da Ordem dos Jesuítas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALevantada numa época de decadência econômica e social do país, impressiona a grandiosidade de seu exterior, fato relacionado à importância adquirida pela Companhia de Jesus. Sua construçao exigiu a destruiçao de um grande número de casas e a própria Casa das Conchas sobreviveu por milagre. A antiga Igreja do Espírito Santo, pertencente a Real Clerecía de San Marcos também foi derrubada. Na Idade Média, os clérigos se agrupavam em grêmios denominados Clerecías, cuja finalidade era a defesa de seus direitos, sob a proteçao direta do rei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto inicial da construçao se deve ao arquiteto Juan Goméz de Mora, sendo terminado por Andrés Garcia de Quiñones. Na fachada, podemos apreciar a transiçao do estilo austero e sóbrio de Goméz de Mora (parte central e inferior) com a parte superior, plenamente barroca com as duas torres realizada por Garcia de Quiñones.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs jesuítas habitaram o Real Colégio até 1767, quando foram expulsos da Espanha pelo rei Carlos III. A partir de entao, voltaram a pertencer a Real Clerecía de San Marcos. Em 1854, a Ordem Jesuíta voltou a ser a proprietária do edifício. O conjunto está formado pela residência dos jesuítas, pela igreja e o chamado Claustro dos Estudos, uma obra fundamental do barroco castelhano, que vemos abaixo, também construído por Andrés García de Quiñones.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA parte interior do claustro está decorada com vários quadros que contam a história de San Ignácio de Loyola e da Companhia por ele fundada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro permite o acesso às antigas salas de estudo do Real Colégio, belamente decoradas com pinturas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a impressionante escada aos níveis superiores do conjunto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja está formada por apenas uma nave, uma planta típica representativa da Ordem dos Jesuítas. O Retábulo Maior Barroco foi realizado por José de Churriguera, no séc. XVII. A foto nao está boa, mas de qualquer maneira, podemos ter uma idéia da obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa sequência, a cúpula da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde 1940, o edifício é a sede da Universidade Pontifícia de Salamanca, cuja visita recomendo, pela rica história e a beleza que possui.

Colegiata de San Isidro – Madrid

Situada na Calle de Toledo, a Colegiata de San Isidro é um dos edifícios religiosos mais representativos da arquitetura madrilenha do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída como templo do antigo e famoso Colégio Imperial da Companhia de Jesus, que se encontrava anexa ao edifício, substituindo as paróquias de San Pedro e San Pablo, ambas do séc. XV, que foram demolidas. A destruiçao destes templos primitivos foi ordenada por Maria de Austria (1528/1608), filha do Imperador Carlos I, cujas instruçoes foram deixadas por ela em seu testamento, bem como sua fortuna, doada aos jesuítas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIniciada em 1622, o projeto da nova igreja foi realizado pelo arquiteto jesuíta Pedro Sánchez. Depois de sua morte em 1633, as obras prosseguiram sob a supervisao de Francisco Bautista, sendo finalizada em 1664. Foi consagrada em 1651, 13 anos antes de concluída, sob a titularidade de Sao Francisco Xavier. Em 1767, o rei Carlos III expulsou os jesuítas do país, e a igreja passou a ser uma colegiata. Desde a Paróquia de San Andrés, foram trazidos os restos do padroeiro de Madrid, San Isidro, bem como de sua esposa, Santa Maria de la Cabeza. A partir de entao, a colegiata adquiriu o nome do  santo padroeiro. Em 1816, durante o reinado de Fernando VII, voltou a ser propriedade da Companhia de Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante quase 100 anos, desde 1885, quando Madrid torna-se independente da diocese de  Toledo, até 1993, quando foi consagrada a Catedral de Almudena, a Colegiata de San Isidro foi a Catedral de Madrid. Em 1936, durante a Guerra Civil, sofreu um incêndio que afetou sua estrutura e provocando a perda de inúmeras obras de arte de seu interior. Terminado o conflito, foi restaurada, e finalizaram-se as torres, entao inacabadas. A fachada apresenta 3 pórticos de entrada, sendo o central mais alto que os laterais, contendo o escudo de María de Austria. Bem em cima da porta central, vemos duas imagens esculpidas, representando a San Isidro e Santa Maria de la Cabeza, realizadas pelo escultor Juan Pascual de Mena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo comentamos acima, o Colégio Imperial, uma das instiuiçoes de ensino mais famosas da época, encontrava-se situado num edifício anexo à igreja, cuja imagem vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Colégio foi fundado em 1558, três anos antes que Madrid tornasse a capital de Espanha, durante o reinado de Felipe II. O legado de Maria de Austria possibilitou a criaçao de um instituto de ensino de qualidade e prestígio, que Madrid carecia. Abaixo, vemos uma placa comemorativa colocada na fachada do edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua época de esplendor foi no séc. XVII, quando eram dadas aulas de Matemática, Teologia, Filosofia, Geografia e Ciências. Entre seus alunos mais conhecidos, mencionamos Lope de Vega, Francisco de Quevedo e Calderón de la Barca. O Colégio Imperial sediou também diferentes fundaçoes acadêmicas que acabaram absorvendo-o, como os Reais Estudos de San Isidro (1627) e o Seminário de Nobres (1725). Entre 1679 e 1681, foi levantado um pátio interior, a modo de claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO pátio apresenta características da obra de Juan de Herrera, construtor do Monastério do Escorial, e que marcou o estilo preferido dos monarcas da dinastia austríaca durante todo o séc. XVII. Uma delas é a austeridade decorativa, presente principalmente na parte inferior da composiçao. Já a parte superior está profusamente decorada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o edifício sedia o Instituto de San Isidro, um colégio de educaçao secundária, ou seja, a tarefa de educar continua presente neste histórico monumento da cidade. No próximo post, conheceremos o interior da Colegiata de San Isidro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Belas Igrejas de Guadalajara – Parte 2

Continuando nossa visita pelas igrejas mais belas e representativas de Guadalajara, no post de hoje conheceremos a de San Nicolás, a Igreja del Carmen e a Capela de Luis de Lucena. Considerada Monumento Histórico-Artístico Nacional desde 1981, a Igreja de San Nicolás ergue-se em pleno centro da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua construçao foi iniciada em 1647 e finalizada em 1691, constituindo-se num belo exemplo do Barroco Espanhol. Em suas origens, integrava o Convento da Santíssima Trindade, fundado em 1619. Os elementos construtivos do exterior sao o tijolo, como matéria prima essencial, e a pedra, usada em sua parte decorativa. No centro da fachada, vemos um relevo da Santíssima Trindade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Nicolás foi construída pelos jesuítas, anexa ao colégio que possuiam. O interior do templo destaca-se pela grandeza e exuberância decorativa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá formado por uma nave e seis capelas laterais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior, também barroco, está composto por colunas salomônicas, e se distingue por sua magistral ornamentaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos detalhes referentes a cúpula e a estrutura interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Capela da Imaculada Conceiçao é uma das mais bonitas de toda a igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos últimos conventos construídos em Guadalajara foi o pertencente a Ordem dos Carmelitas Descalços, cuja Igreja del Carmen vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo foi construído em 1632 pelo frade e arquiteto Alberto de la Madre de Dios, sob os preceitos da austeridade  e com mínimos recursos decorativos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, a Igreja del Carmen está ocupada por uma comunidade de franciscanos. Na sequência, vemos fotos do interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos o post com uma das construçoes mais interessantes da cidade, a Capela de Luis de Lucena, nome do projetor da construçao. A capela estava adossada à desaparecida Igreja de San Miguel, e seu aspecto exterior é parecido ao de uma fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs cubos situados em suas esquinas proporcionam a capela um caráter defensivo, como podemos ver. Outra de suas características a relaciona com a tradiçao mudéjar, devido à utilizaçao do material mais amplamente empregado neste estilo, o tijolo, embora tenha sido construída em 1540. O interior está repleto de pinturas murais, mas quando fui visitá-la, encontrava-se fechada. Fico devendo, pois, uma foto.

Arévalo – Província de Ávila

A cidade de Arévalo situa-se na Comunidade de Castilla y León, ao norte da Província de Ávila. Apesar de contar com apenas 8 mil habitantes, é a segunda cidade mais populosa da província, superada apenas pela capital, Ávila. Aparece documentada por primeira vez em 1090, quando é repovoada por habitantes procedentes do norte do país, dentro do processo de Reconquista dos antigos territórios ocupados pelos muçulmanos, efetuada pelos reis cristãos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArévalo adquiriu importância histórica por ter sido durante séculos uma cidade realengo, isto é, subordinada apenas pela autoridade real. Em muitas ocasiões, a cidade foi visitada pela monarquia, e nela foram convocadas as cortes reais, como sucedeu durante o reinado de Enrique IV de Castilla. Seu centro histórico conserva um invejável legado de arquitetura mudéjar, composto tanto por edifícios religiosos como de caráter civil. A Ponte de Medina é um exemplo deste último. A estrutura é considerada uma das principais obras públicas do estilo em todo o país, não só por suas dimensões (140m de comprimento), mas principalmente por sua época de construção (séc. XIV).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA ponte está presidida pelo neoclássico Arco de Medina, erguido em 1769.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArévalo tornou-se conhecida também por que nela viveram personagens fundamentais da história espanhola. San Ignácio de Loyola (1491/1556), fundador da Companhia de Jesus (Ordem dos Jesuítas), passou sua infância na cidade. O mesmo sucedeu com a rainha Isabel La Católica, que viveu sua juventude num palácio hoje desaparecido. Na denominada Porta de Alcocer, a principal e única das 5 portas conservadas que integravam a muralha medieval, vemos uma estátua da monarca realizada em 2004, para comemorar o quinto centenário de sua morte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1494, o Tratado de Tordesilhas foi ratificado em Arévalo. A economia local foi favorecida pela numerosa comunidade de mouros e judeus que possuía. No séc. XV, sua judería, ou bairro judaico, era o segundo maior de todo o Reino de Castilla. No entanto, o principal motor de seu desenvolvimento foi a produção de cereais, incrementada a partir do séc. XVIII,  época em que a comarca onde se localiza tornou-se a maior produtora de grãos da comunidade. A importância dos cereais pode ser comprovada no museu a eles dedicado, situado na antiga Casa do Conselho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu do Cereal apresenta, além da exposição permanente, muitas outras de caráter temporal. Quando estive visitando a cidade, me surpreendeu uma curiosa exposição pictórica, onde o autor utilizava uma técnica que transformava a perspectiva do quadro, dependendo da distância que dele nos encontrávamos. O efeito resultante só pode ser observado no próprio local, mas de qualquer forma deixo registrado uma das obras expostas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO local foi antigamente uma prisão, e ainda podemos observar uma de suas celas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conserva uma interessante coleção de sepulcros, cujos “proprietários” puderam ser identificados por seus escudos heráldicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente ao museu encontramos a praça onde situa-se a Prefeitura, num edifício renascentista construído no séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado, vemos um belo conjunto residencial formado pelas típicas galerias que servem de suporte para a estrutura dos edifícios, tão abundantes por toda a região castelhana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO tijolo é o material por excelência utilizado na construção dos principais monumentos, herança de sua tradição mudéjar. Abaixo, vemos a torre do Palácio Valdeáguila, erguido no séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA matéria sobre Arévalo está apenas começando, não percam os próximos posts sobre esta fascinante cidade.