Betanzos – Galícia

Durante minha estadia em Ferrol, além de visitar La Coruña, aproveitei para passar o dia e retornar a Betanzos, cidade que já havia estado em 2012, mas que nesta oportunidade pude conhecer com mais calma e profundidade. Na primeira vez que estive em Betanzos fiquei impressionado pela beleza e monumentalidade de seu centro histórico, considerado um dos mais importantes de toda a Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom aproximadamente 13 mil habitantes, Betanzos é conhecida por ser a capital do gótico na Galícia, devido às várias e preservadas igrejas que foram edificadas neste estilo artístico, que em breve poderão conhecer. Além do mais, desde 1970 a cidade foi declarada Conjunto Histórico-Artístico em virtude da conservação de seu patrimônio histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade faz parte da Província de La Coruña, estando situada numa colina cercada pelos Rios Mandeo e Mendo, que se unem em seu perímetro para formar a chamada Ría de Betanzos. Abaixo, vemos uma imagem aérea de Betanzos

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma lenda afirma que Betanzos foi fundada por um chefe militar de origem celta chamado Breogán. Sua existência já foi documentada numa época em que o território espanhol fazia parte do Império Romano, constituindo uma de suas principais províncias, denominada Hispania.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi somente em 1212 quando recebeu o título de vila, concedido pelo monarca Alfonso IX, Rei de León e Galícia. Em 1465, Enrique IV lhe outorga o título de cidade e dois anos depois permite a realização de uma feira anual. Durante o reinado dos Reis Católicos, no final do seculo XV, Betanzos se converte numa das sete capitais de província do antigo Reino de Galícia, quando alcança seu máximo esplendor. Nada mais chegar à cidade, fui “recebido” por um belo conjunto de Hórreos, este tipo de construção associado ao armazenamento de grãos, onipresentes por toda a comunidade galega.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtravessei uma das portas da antiga muralha medieval para conhecer suas principais atrações…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA muralha de Betanzos possuía 5 portas de entrada, das quais se conservam 3. Abaixo, vemos a porta situada em frente a uma das pontes que cruzam o curso fluvial que atravessa a cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA chamada Ponte Velha de Betanzos possuía uma torre defensiva no centro, que foi incorporada ao escudo da cidade. Atualmente pode ser visto em vários lugares do espaço urbano, como nas luminárias e também num pequeno parque, junto com os escudos de outras importantes cidades da Galícia. O escudo mais antigo que se conserva na cidade data do século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, publicarei várias matérias sobre a cidade, de forma que os leitores (as) do blog possam descobrir esta encantadora localidade do interior da Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Um Passeio por Ferrol

Em meus três dias de estadia em Ferrol pude conhecer a cidade caminhando por suas ruas, praças e igrejas, com muitos lugares interessantes para ver. O Bairro de la Magdalena é um dos mais conhecidos, e pela importância de seus edifícios e monumentos foi declarado Conjunto Histórico-Artístico em 1984. A Plaza de Amboage constitui uma das principais da cidade, servindo de ponto de encontro de seus habitantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta praça recebeu este nome devido a um monumento dedicado a Ramón Plá y Monge (1823/1892), empresário galhego nascido na cidade que recebeu o título de Marquês de Amboage. Antes, porém, foi conhecida como Plaza de Dolores, devido à igreja que se encontra em um de seus costados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Paróquia de Dolores foi construída na segunda metade do século XVIII como sede da congregação de mesmo nome, que reúne o grêmio de comerciantes da cidade, cuja origem se remonta ao século XIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo a praça se encontra a Igreja de San Francisco, construída a partir de 1757, substituindo um anterior templo gótico que formava parte do Convento de San Francisco, que deixou de ser habitado devido ao processo de desamortização dos bens eclesiásticos em 1835.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua fachada apresenta um caráter maciço em seu formato retangular, anunciando a chegada do neoclassicismo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos muros laterais da igreja se construiu, também na segunda metade do século XVIII, a Capela da Ordem Terceira de São Francisco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal templo religioso da cidade é a Concatedral de San Julián, que começou a ser construída em 1765, sendo inaugurada sete anos depois. Na realidade, a igreja atual substituiu uma anterior, situada na parte velha da cidade, cuja estrutura foi seriamente prejudicada com a construção do Arsenal de Ferrol em 1762, motivo pelo qual decidiu-se pela construção de uma igreja nova.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja combina influências do renascimento italiano e francês, além da tradição barroca espanhola. Até 1888, foi considerada a única paróquia da cidade. Em 1959, através de uma bula concedida pelo Papa João XXIII, foi elevada à categoria de Concatedral e Ferrol passou a ser sede episcopal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior apresenta uma planta de cruz grega, apreciável em sua estrutura circular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de percorrer a parte antiga da cidade, decidi conhecer o Parador de Turismo de Ferrol, e tomar um café enquanto descansava as pernas. Conheci um simpático garçom senegalês e batemos um descontraído papo em espanhol…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJunto ao Museu Naval, que em breve publicarei uma matéria, existe uma bonita área verde ideal para relaxar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAMe chamou a atenção uma colorida escultura em homenagem à rica tradição musical da Galícia

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

San Martín del Castañar

Meu passeio de fim de semana pela Província de Salamanca finalizou em outro pueblo encantador da Sierra de Francia, chamado San Martín del Castañar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo contrário dos outros povoados visitados, a origem de San Martín del Castañar data do período romano, fato comprovado por um monumento de pedra situado no centro da cidade, um espécie de coluna que se conhece como estela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom pouco mais de 200 habitantes, a vila foi declarada Conjunto Histórico-Artístico em 1982. Historicamente o povoado era um senhorio episcopal, pertencente ao Bispo de Salamanca. Um de seus principais destaques é o castelo construído no século XV, ainda que seja provável a existência de uma fortaleza em épocas anteriores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo antigo conjunto defensivo, se conserva a torre. No século XVI, o castelo foi utilizado como prisão. Atualmente é uma propriedade da prefeitura de San Martín del Castañar, e cumpre uma função dupla, como cemitério municipal e também como Centro de Interpretação da Reserva Natural da Sierra de Francia, cuja importância ecológica foi reconhecida como Reserva da Biosfera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro monumento relevante do povoado é a Igreja Paroquial de San Martín de Tours, edificada a partir do século XIII, mas reformada posteriormente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior do templo é muito bonito, estando formado por 3 naves, separadas por amplos arcos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO retábulo central está dedicado a San Martín, um personagem que nasceu na Itália (315/397), sendo criado em Pávia, mas que foi aclamado por uma grande maioria popular como Bispo de Tours, cidade francesa. No ano 337 ocorreu o episódio mais importante de sua iconografia (representação na história da arte), quando exercia a função de soldado. Se encontrava na cidade de Amiens (França) quando viu em uma das portas da cidade um mendigo praticamente nu pedindo esmolas. Como ninguém lhe ajudava, se aproximou ao pobre mendigo entregando-lhe sua capa de soldado. Na mesma noite, Jesus Cristo lhe apareceu, vestido com a capa. Esta é a principal representação artística do santo, que podemos contemplar no retábulo da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO culto a San Martín estendeu-se rapidamente desde Tours a todo o continente europeu. A capa do santo encontra-se na Capela Palatina de Aquisgrán (Alemanha), cuja construção foi ordenada pelo Imperador Carlos Magno para albergar suas relíquias. Abaixo, vemos o  teto da igreja, construído com um belo artesanato de madeira no estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a cúpula

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE um interessante púlpito de pedra, construído na época dos Reis Católicos (século XV)…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Um Passeio por Mogarraz

A Comarca de la Sierra de Francia está formada por montanhas e vales, onde se assentaram uma série de pueblos de grande interesse histórico, como La Alberca, sua capital, San Martín del Castañar, que veremos no próximo post, e Mogarraz. Seus habitantes, desde tempos remotos, se dedicaram à agricultura e à pecuária, aproveitando todos os espaços disponíveis, criando áreas nas ladeiras das montanhas para o cultivo e o pasto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra característica que compartem estes povoados é sua arquitetura popular, cujas casas foram construídas com entramados de madeira, que vimos mais detalhadamente num post recém publicado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMogarraz é um pueblo com menos de 300 habitantes, cuja importância histórica foi reconhecida ao ser declarado Conjunto Histórico-Artístico em 1986. Suas ruas estreitas seguem o urbanismo medieval, como podemos observar nas fotos desta matéria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fundação de Mogarraz se deve ao processo de repovoamento efetuado pelos reis castelhanos no século XII. Obteve o título de vila somente em 1656.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua economia sempre esteve baseada no cultivo da uva, da cereja e na exploração dos recursos naturais da zona, como a madeira, realizada de forma sustentável desde séculos. Neste sentido, Mogarraz situa-se num local privilegiado, dentro dos limites do Parque Natural de Las Batuecas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo contrário de La Alberca, em que muitas de suas típicas casas foram restauradas, em Mogarraz conservam seu aspecto original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém aqui encontramos as fachadas das residências ornamentadas com motivos religiosos esculpidos, a grande maioria talhados pela comunidade de judeus conversos que passaram a viver na comarca em épocas passadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal monumento do povoado é a Igreja Paroquial de N.Sra de las Nieves, construída no estilo renascentista. A torre campanário é posterior, erguida no século XVIII, cumprindo uma função de defesa e vigilância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu artesanato é famoso em toda a Espanha e no estrangeiro, principalmente as jóias feitas com fios de ouro e prata, além do bordado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutros produtos de grande fama, extensivo à toda a Província de Salamanca, constituem os embutidos, derivados da criação de cerdos (porcos, em português), como o jamón, o chorizo, a morcilla, etc. Tivemos o prazer de realizar uma degustação maravilhosa destes produtos numa loja que comercializa alguns dos melhores embutidos da zona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACaminhamos sem pressa pelo povoado, principalmente quando a chuva dava uma trégua, sob o olhar atento dos retratos, admirando sua bela, rústica e peculiar arquitetura popular

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Urueña – Vila do Livro

O belíssimo povoado de Urueña também é conhecido como a “Vila do Livro“, o primeiro de toda a Espanha ao receber esta distinção, em 2007.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste título foi outorgado ao pueblo pela Província de Valladolid com o intuito de dinamizar sua vida cultural e atrair o turismo, objetivos que foram plenamente alcançados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExistem várias outras “Vilas do Livro” espalhadas pelo mundo. Todas elas se caracterizam pela recuperação de espaços público como locais de compra e venda de livros e na celebração de eventos culturais relacionados à literatura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASomente para mencionar algumas, as cidades de Montolieu (França), Redu (Bélgica) e Brownville (Estados Unidos) também são consideradas “Vilas do Livro“. A mais antiga de todas é a cidade galesa de Hay-on-way, que recebeu o título em 1961.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra característica das “Vilas do Livro” é que constituem pequenas localidades rurais na qual se concentram livrarias de segunda mão e antiquários. A maioria destas vilas surgiram em povoados de interesse histórico e beleza pitoresca, como no caso de Urueña.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUrueña possui menos de 200 habitantes, mas possui 10 livrarias !!!! Em 1975, foi declarada Conjunto Histórico-Artístico, pela conservação e importância de sua estrutura medieval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Espanha, além de Urueña, existe outro povoado classificado como “Vila do Livro“, chamado Bellprat, situado na Província de Barcelona, na Catalunha (desde 2008).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAs “Vilas do Livro” possuem uma associação, a “International Organization of Books Town“, que promove e divulgam sua existência entre os amantes dos livros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Medina de Rioseco – Prov. Valladolid

A Comunidade de Castilla y León é um verdadeiro museu a céu aberto, com uma quantidade enorme de lugares históricos de grande interesse para o visitante. Recentemente, estive três dias viajando pela Província de Valladolid com o objetivo de conhecer algumas das cidades da região. Minha primeira parada foi a cidade de Medina de Rioseco, que conta com apenas 5 mil habitantes, mas que possui um patrimônio histórico extremamente rico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco é conhecida como a Cidade dos Almirantes desde o século XV, quando Don Alfonso Enríquez recebeu do Rei Enrique III o título de Almirante de Castilla em 1405. Em 1423, outro monarca, Juan II, lhe concedeu o senhorio desta vila. Sua importância aumenta quando os reis castelhanos concedem à cidade um mercado semanal e uma feira anual. O auge econômico de Medina de Rioseco ocorre no século XVI, quando são construídos os templos mais importantes. O município se converte no centro mundial de distribuição de prata que chegava do continente americano através do porto de Sevilha. Uma placa colocada numa das ruas da cidade homenageia os habitantes da cidade que participaram da conquista do novo continente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco faz parte do Caminho de Santiago que começa em Madrid e termina em Sahagún, no norte da Espanha, quando se une com o tradicional Caminho Francês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1632, o Rei Felipe IV concede o título de cidade a Medina de Rioseco e, em 1725, Felipe V suprime o título de Almirante que ostentavam os senhores da vila. A cidade teve uma participação fundamental na Guerra da Independência contra os franceses em 1808, momento em que foi travada nos campos de Medina de Rioseco a Batalha de Moclín, uma das mais importantes da guerra. A terrível derrota do exército espanhol, que contabilizou mais de mil mortos nesta batalha, propiciou o avance das tropas de Napoleão a Madrid. Antes, porém, o exército francês saqueou e incendiou a cidade. O próprio imperador francês ordenou que o nome desta batalha fosse gravada no Arco do Triunfo de Paris. Segundo o próprio Napoleão, a vitória nos campos de Medina de Rioseco possibilitou a chegada ao trono espanhol de seu irmão, José Bonaparte. Em 1908, em homenagem ao centenário da batalha, foi esculpido um monumento, que podemos apreciar atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco possui um dos maiores legados culturais da Província de Valladolid, motivo pelo qual recebeu o título de Conjunto Histórico-Artístico. A tranquila cidade se transforma durante a Semana Santa, a principal festividade de seu calendário, com belíssimas procissões realizadas pelas 16 cofradías existentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA paixão de seus habitantes pela Semana Santa é herdeira de tradições antigas que se remontam ao século XVI, quando foi criada a primeira cofradía da cidade, a de Vera Cruz. Devido à sua antiguidade e importância, a Semana Santa de Medina de Rioseco foi declarada Festa de Interesse Turístico Internacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIgreja de Santa Cruz é a sede do Museu da Semana Santa, que vale a pena ser visitado pelas impresionantes imagens que contém e que participam das procissões. A igreja foi construída em 1549 sobre um anterior templo gótico, e foi afetada pelo Terremoto de Lisboa de 1755.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada da igreja foi inspirada na Igreja dos Jesuítas de Getsu, em Roma. Sua decoração representa a exaltação de Santa Cruz e seus milagres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade possui também lugares de grande beleza natural, como o Canal de Castilla, que veremos num post especial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFiz minha viagem de Madrid a Medina de Rioseco em ônibus, num trajeto de um pouco mais de 3 horas. Até 1969, a cidade esteve comunicada por uma ferrovia de via estreita que realizava o percurso de Valladolid a Medina, inaugurada em 1884. O serviço foi suprimido e atualmente somente podemos ver uma locomotiva que realizou o trajeto entre 1911 e 1930.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA antiga estação ferroviária foi transformada num Mercado, cuja estrutura principal vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

San Vicente de la Barquera: Parte 2

Uma das grandes atraçoes de San Vicente de la Barquera é seu centro histórico, declarado Conjunto Histórico-Artístico. Está presidido pelo castelo, um dos poucos existentes na Comunidade da Cantábria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe forma alongada, foi construído a partir do século XIII e possui duas torres, uma quadrada e outra pentagonal. O castelo é visitável, mas quando estive na cidade ele se encontrava fechado. Atualmente, é utilizado como museu e local de exposições.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo formava parte do sistema defensivo da cidade, que incluía também uma muralha. Abaixo, vemos uma das portas de acesso ao centro histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO traçado da muralha passa ao redor da Igreja de Santa María de los Ángeles

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste belo templo é considerado um dos melhores exemplos da arquitetura gótica na Cantábria. Sua construção iniciou-se em 1210, mas somente foi finalizada no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XV a igreja foi ampliada, momento em que se construiu a torre. Abaixo, vemos a porta de entrada ao templo, de características românicas, apesar do predomínio do gótico em sua estrutura geral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja é muito bonito, principalmente por sua bela arquitetura gótica, estando formada por 3 naves e grossos pilares que sustentam o edifício.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs retábulos que decoram a igreja pertencem ao estilo barroco, como o que preside o templo, com a imagem da Virgem de los Ángeles, de final do século XIV, que vemos no centro da foto acima. Em uma das naves laterais vemos um retábulo com a imagem de Santiago Peregrino em sua parte superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Capela de Santo Antônio foi colocado o sepulcro do fundador, o inquisidor Antonio del Corro, falecido em 1564. Feito de mármore, foi realizado por Juan Bautista Vázquez, “El Viejo”, no estilo renascentista. No lado esquerdo, vemos o sepulcro de seus pais, feito de alabastro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, uma imagem do centro histórico de San Vicente la Barquera, situado numa escarpa rochosa que domina o povoado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de seus monumentos históricos, na parte histórica da cidade podemos admirar as excepcionais vistas de sua privilegiada natureza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com a Casa Consistorial ou edifício sede da prefeitura, constituída em 1822..

OLYMPUS DIGITAL CAMERA