Museu Reina Sofia – Arte Espanhola

Esta matéria e as seguintes estarão dedicadas às melhores obras do acervo permanente do Museu Reina Sofia em relação à Arte Espanhola, com alguns de seus pintores consagrados e outros em sua maioria desconhecidos pelo grande público, mas de enorme qualidade artística. Começamos por Joan Miró (Barcelona-1893/Palma de Mallorca-1983). Sua carreira como pintor se desenvolveu a partir do quadro La Casa de la Palmera, realizado em 1918. Esta casa existiu realmente, e nela Miró passou algumas temporadas. Foi retratada com uma certa atmosfera infantil e ingênua, quase onírica, e a composição representa o local de forma realista e descritiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMiró sempre demonstrou um interesse permanente pelo subconsciente e pelo mundo infantil, como podemos ver na obra intitulada La Sonrisa de Alas Flameantes (1953), considerada um de seus quadros mais conhecidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO artista catalão cultivou também a escultura, como podemos observar no jardim do Museu Reina Sofia, onde foi colocada sua escultura de bronze denominada Pájaro Lunar (1966). Para o artista, as aves representavam a conexão entre os mundos terrestre e celestial. Esta é uma de suas primeiras esculturas monumentais, herança das formas ligadas à natureza e a escultura surrealista. Se trata de uma versão de grande tamanho de uma peça homônima realizada nos anos 40, sendo concebida com outra chamada Pájaro Solar. A dualidade é outra das características presente em sua obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntoni Tàpies (Barcelona: 1923/2012), também um artista catalão, foi um grande teórico da Arte Espanhola. Pintor e escultor, é considerado um dos principais expoentes do chamado Informalismo, e um dos mais destacados artistas do século XX na Espanha. Autodidata, criou um estilo próprio dentro das artes vanguardistas, combinando a tradição e a inovação dentro de um estilo abstrato carregado de simbolismo. Grande defensor da cultura da Catalunha, sua obra possui um centro de estudo e conservação em Barcelona, a Fundação Antoni Tàpies, que vale a pena ser visitada. Em 1950, realizou a obra Personaje, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos pintores que mais me causou admiração em sua obra desde que estou no país, Darío de Regoyos (Ribadesella-1857/Barcelona-1913) é considerado o maior expoente da pintura impressionista espanhola. Em sua vida, sua obra foi mais valorizada no estrangeiro que em sua própria terra natal. Destacou-se pela capacidade para representar diferentes e originais efeitos luminosos e atmosféricos nas paisagens da Espanha, como podemos observar no quadro Irun por la tarde (Irun é um município da Província de Guipúzcoa, pertencente ao País Vasco), pintado em 1900.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO quadro El Gallinero (1912) é considerado uma de suas obras mais conhecidas, e pode ser vista no museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAArtista extremamente prolífico, a Joaquín Sorolla (Valencia-1863/Cercedilla-1923) se atribuem mais de 2200 obras catalogadas. Sua carreira artística pode ser melhor conhecida no Museu Sorolla de Madrid, situado na casa onde viveu o artista durante uma parte de sua vida. Além dos retratos e da temática social, Sorolla desenvolveu cenas de costumes relacionados à vida dos pescadores valencianos, captando os efeitos da luz sobre os objetos, pessoas e a paisagem, como vemos no quadro Llegada de la Pesca, pintado em 1899.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA obra de Luis Feito (Madrid:1929-    )  está exposta nos grandes centros de arte do mundo. Uma das principais figuras do panorama artístico contemporâneo espanhol, estudou na Escola de Belas Artes de San Fernando de Madrid, uma das instituições artísticas mais importantes do país. Fundador do grupo “El Paso“, cultivou o denominado figurativismo, passando por uma etapa cubista e culminando sua obra na Pintura Abstrata. No Reina Sofia encontra-se sua obra Número 179, realizada em 1960.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Um Passeio por Málaga – Parte 2

O centro de Málaga está repleto de lugares interessantes, onde se respira sua história por edifícios e palácios que merecem serem conhecidos. A Praça do Bispo, por exemplo, é o local barroco por antonomásia de Málaga, sendo considerada uma das mais importantes da cidade, desde a antiguidade. Nela se localiza a fachada principal da catedral, como vimos no post a ela dedicada, como também o belíssimo Palácio Episcopal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA  magnífica fachada barroca do palácio foi realizada por Antonio Ramos, arquiteto maior da catedral, no séc. XVIII. Sua parte central consta de 3 vaos superpostos: a entrada, o balcao principal e uma escultura da Virgem das Angústias em sua parte superior. A combinaçao do mármore cinza com o rosa, além do colorido do resto do edifício incrementam a beleza arquitetônica do conjunto. Na frente do palácio, uma fonte de autor desconhecido (séc. XVIII), dá um toque a mais de charme à praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro palácio de renome é o de Zea-Salvatierra, construído entre os séc. XVII e XVIII. No séc. XIX, foi a sede da prefeitura e depois transformou-se na Casa do Correio, funçao que desempenhou até princípio do séc. XX. Atualmente, é uma propriedade particular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro lugar que merece uma visita é o Mercado Central de Atarazanas. Construído entre 1876 e 1879, é um exemplo da arquitetura eclética da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mercado foi projetado por Joaquín de Rucoba, o mesmo arquiteto que realizou a Praça de Touros de Málaga. No local, antigamente havía uma fábrica naval do periodo árabe. Felizmente, uma das portas de acesso desta antiga construçao foi conservado, e atualmente podemos vê-la no mercado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mercado foi levantado depois que as antigas ruínas da fábrica foram finalmente removidas. Desta forma, a cidade pôde receber um mercado fechado, já que aqueles realizados ao ar livre eram pouco higiênicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior do Mercado de Atarazanas, um grande painel de vitrais mostra os edifícios mais emblemáticos da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pouco mais afastado do centro está o Cemitério Inglês, o primeiro cemitério protestante construído no país (1856). Concebido como um Jardim Botânico, conta com espécies de árvores exóticas, além de monumentos e tumbas com elementos clássicos, neogóticos e modernistas. Infelizmente, quando lá estive, nao pude conhecê-lo, pois se encontrava fechado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo plano cultural, um dos destaques fica por conta do Teatro Cervantes, edificado no séc. XIX.

DSC09579Um dos espaços cênicos mais antigos da cidade, esta sala é uma referência dos espetáculos teatrais. Seu projeto foi realizado pelo arquiteto Jerónimo Cuervo, e foi inaugurado em 1870. Além de sua beleza estrutural, destaca sua decoraçao interior. Em 1950, o Teatro Cervantes apresentava um elevado grau de deterioraçao, e sua atividade cultural ficou reduzida como sala de projeçoes. Foi entao que a prefeitura o adquiriu e o reconstruiu, para a alegria de todos seus habitantes.

DSC09575A ampla oferta cultural de Málaga pode ser aproveitada em seus vários museus, dos quais o Carmen Thyssen (museu privado de enorme importância a nível mundial, e com sede em várias cidades espanholas) é um dos mais relevantes. Tive a sorte de presenciar uma exposiçao espetacular de um pintor que admiro, desde a primeira vez que conheci sua obra. Nao por acaso, Dario de Regoyos é considerado um dos mais importantes artistas impressionistas do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA