Um Passeio por Trujillo

Trujillo está situada a cerca de 50 km de Cáceres, a capital provincial, e cidade onde me hospedei para explorar seu impressionante centro histórico, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Em breve, publicarei diversas matérias sobre esta cidade da Extremadura. Em Trujillo, passeio um dia inteiro, tempo suficiente para conhecer seus principais pontos turísticos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATrujillo possui um verdadeiro encanto, e passear à pé por seu centro histórico possibilita conhecer edifícios históricos de grande interesse, como a Igreja de Santiago, construída no século XIII pela Ordem de Santiago. Originalmente de estilo românico, foi reformada no século XVII. Nela se reunia o conselho da cidade, numa época em que ainda não existiam as chamadas Casas Consistoriais, ou prefeitura. Ao lado do templo, vemos a Porta de Santiago, uma das portas da muralha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA atual Prefeitura de Trujillo está sediada num edifício construído em 1566.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntigamente neste edifício situava-se o pósito, isto é, um local utilizado como armazenamento de grãos para serem distribuídos em época de colheitas insuficientes (este aspecto reflete a relevância da cidade, pois este tipo de construção somente existia nas cidades mais importantes). Foi também prisão de Trujillo, e em 1888 passou a ser a sede do Ayuntamiento (prefeitura), momento em que foi reformado para sua nova função. Em cima da porta de madeira, vemos o escudo da cidade, um dos mais antigos de Extremadura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local significativo do ponto de vista histórico e cultural é o Monastério de San Francisco “El Real”, fundado na segunda metade do século XV para a comunidade religiosa da Ordem das Clarissas.

DSC02237As religiosas que o habitaram pertenciam à nobreza local e teve grande influência na vida da cidade. Por este motivo, o Rei Juan II concedeu o título de “Real” ao convento, pelos serviços prestados. Sua igreja foi construída no estilo gótico. Abaixo, vemos algumas fotos do claustro

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVIII, o monastério entrou em decadência, processo que culminou com a Invasão Francesa de início do século XIX. Finalmente, com a Desamortização de Mendizábal de 1836, as freiras foram obrigadas a abandoná-lo. Em 1969, o professor Xavier de Salas iniciou um processo de restauração que finalizou somente em 1981, quando o antigo convento passou a ser a sede da fundação que leva seu nome. Seu objetivo primordial é a promoção e defesa do patrimônio histórico de Trujillo e também das artes e das culturas hispano-americanas, servindo de elo entre a Espanha e o continente americano. A vista é gratuita e podemos encontrar diversos objetos procedentes das culturas de diversos países da América Latina. De grande beleza são os objetos artesanais, como esta reproduçao da Catedral Peruana de Huamanga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPeças provenientes dos antigos povos pré colombianos também fazem parte da exposição, além de outros ofícios artesanais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO próximo post estará dedicado à Plaza Mayor de Trujillo, um belíssimo local que se transformou num dos símbolos da cidade. Finalizo a presente matéria com outras imagens do Centro Histórico de Trujillo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Salvador de Oña

A história do povoado de Oña está intimamente relacionada com o poderoso Monastério de San Salvador, uma das instituições religiosas mais influentes do antigo Reino de Castilla. Tal era sua importância que os abades do monastério se converteram em Senhores de Oña.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de San Salvador foi fundado no ano de 1011 pelo conde castelhano Sancho García como um monastério duplo, isto é, feminino e masculino. O conde concedeu à sua filha Tigridia o destino da instituição até 1033, quando uma reforma introduziu a Ordem Beneditina em sua direção. É a partir deste momento quando maior crescimento e influência adquire. Abaixo, vemos uma estátua do conde fundador realizada pelo artista Bruno Cuevas e colocada na frente do monastério em 2011, com motivo da celebração de seu milenário.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO monastério chegou a ter sob sua jurisdição mais de 70 outros monastérios e igrejas espalhados pelo norte da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma nova fase de prosperidade ocorreu a partir de 1506, quando se integra à Comunidade Beneditina de Valladolid. No século XVI, nele se fundou a primeira escola de surdos-mudos de todo o mundo, graças ao trabalho desenvolvido pelo frade beneditino Fray Pedro Ponce de León, descobridor da linguagem utilizada até os dias de hoje pelos surdos. Também recebeu sua justa homenagem pela Confederação Nacional de Surdos da Espanha, em virtude da comemoração do quarto centenário de seu falecimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Ordem Beneditina permaneceu no monastério até que a invasão francesa do início do século XIX e a posterior Desamortização de Mendizábal provocaram destruições na construção e seu posterior abandono. Abaixo, vemos o Pórtico dos Reis, situado na entrada do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de 1835 a igreja do monastério se converte na Paróquia de Oña. As dependências do monastério somente voltarão a ser ocupadas em 1880, quando foram adquiridas pela Ordem dos Jesuítas, que instalaram um colégio com cursos de Teologia e Filosofia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, em 1968 o monastério é adquirido pelo estado, que o transforma num hospital psiquiátrico e numa granja agrícola. O monastério é visitável, mas infelizmente as fotos não estão permitidas em seu interior, com exceção do claustro. A igreja foi construída no século XII e reformada no XV no estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja encontra-se o Panteão Real dos Reis de Castilla, formado por arcas sepulcrais feitas com madeira de nogal e ricamente esculpidas, considerado um conjunto único na Espanha. Também se conserva o Panteão dos Condes Castelhanos, com os restos do conde fundador, Sancho García (falecido em 1017), de sua esposa Urraca e do filho de ambos, o infante García Sánchez, assassinado em 1029 na cidade de León, no dia de seu casamento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Claustro, realizado no início do século XVI por Simón de Colonia no estilo gótico-flamígero.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO claustro possui dois níveis, sendo o inferior do século XVI e o superior do XVII…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO monastério conserva seus jardins, que permanecem abertos para o público.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAproveito para agradecer a hospitalidade e a simpatia da Veronica, proprietária do Hotel e Restaurante Rincón del Convento, estratégicamente localizado em frente ao monastério. Nele nos hospedamos durante os três dias em que permanecemos em Oña, disfrutando de seu conforto e de sua saborosa comida.

Último Passeio por Almagro

Neste último post sobre Almagro veremos outros lugares de interesse histórico existentes na cidade, como o Antigo Convento de Santa Catalina, fundado no início do século XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde 1612 até mediados do século XIX, o convento foi a casa da Ordem Franciscana em Almagro. Foi edificado com severos critérios de austeridade, como podemos observar nos muros do edifício. O convento sofreu os efeitos da Desamortização de Mendizábal em 1836, e foi transformado em hospital, cuja função exerceu entre 1850 e 1878.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACuriosamente, o local foi recuperado pelos próprios franciscanos, que decidiram fechá-lo definitivamente em 1942, devido a escassez de frades dispostos a residir num lugar com uma espartana disciplina. Atualmente, o Antigo Convento de Santa Catalina é um hotel pertencente a Rede de Paradores Nacionais da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAQuando viajo pelo país, sempre que possível visito os Paradores Nacionais, por estarem situados em edifícios históricos e por sua decoração de bom gosto e requinte. Abaixo, vemos a cafetería, situada na antiga bodega do convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local que integra o patrimônio histórico-cultural de Almagro é o Convento Universidade de N.Sra do Rosário, construído pela Ordem de Calatrava como local de ensino em plena época renascentista, na primeira metade do século XVI. Com a desamortização do século XIX, o local foi fechado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo toda cidade castelhana tradicional, em Almagro se realizam corridas de touros (touradas, em português) em seu coso taurino, como também são denominadas as Praças de Touros na Espanha. Construída a partir de 1845 com materiais pertencentes à Igreja de San Bartolomé, que foi derrubada justamente neste ano, é considerada uma das praças históricas do país. Sua capacidade é para 8.600 espectadores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA popularidade dos espetáculos taurinos na cidade ficou demonstrada quando entrei num bar, decorado com fotos dos toureiros mais famosos que se apresentaram na praça. Vinhos locais para serem apreciados instigaram meu apetite. Como curiosidade, uma faixa com a famosa frase “Por qué no te callas?”, pronunciada pelo Rei Juan Carlos I ao ex presidente venezuelano Hugo Chávez, durante a XVII Conferência Iberoamericana realizada em Santiago do Chile em 2007.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO motivo desta declaração do Rei Espanhol foram as constantes interrupções de Hugo Chávez no momento em que o Presidente de Governo José Luis Zapatero defendia a seu compatriota José María Aznar, acusado pelo presidente venezuelano por seu suposto apoio ao fracassado golpe de estado ocorrido na Venezuela em 2002. A frase deu a volta ao mundo e foi bem explorada comercialmente…

Museu Nacional do Teatro – Almagro

A fundamental relação de Almagro com o teatro vai mais além de seu famoso Corral de Comédias, pois num dos extremos laterais de sua Plaza Mayor situa-se outro local de visita indispensável, o Museu Nacional do Teatro. Está sediado no Palácio Maestrales, construído a mediados do século XIII como residência dos membros mais importantes da Ordem de Calatrava.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, o palácio passou a ser a residência do governador de Almagro e no século XVIII converteu-se num quartel de cavalaria. Em 1802, uma parte do palácio acolheu um novo convento da Ordem de Calatrava, mas com a Desamortizaçao de Mendizábal (1836), o edifício passou a ser propriedade de particulares. De seu aspecto original conserva a robusta torre em uma de suas esquinas (foto acima) e um belo pátio central arqueado, formado por arcos de ferradura feitos de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1994 e 2001, o edifício foi reabilitado para acolher o museu, considerado um dos poucos Museus Nacionais situados fora de Madrid. Ocupa três andares, sendo o único museu dedicado exclusivamente à história do teatro no país. Está administrado pelo Instituto Nacional de Artes Cênicas e da Música, um organismo dependente do Ministério de Educação, Cultura e Deporte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASuas salas nos mostram uma interessante trajetória histórica do Teatro Espanhol, desde seus inícios em época romana, até o século XX, passando por seus maiores dramaturgos, atores e atrizes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Nacional de Teatro de Almagro possui um acervo de mais de 12 mil obras, entre desenhos, gravados, quadros, maquetes e esculturas. Abaixo, vemos um retrato do grande poeta e dramaturgo Federico García Lorca (1898/1936), realizado pelo pintor valenciano Alejandro Cabeza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grande atriz María Guerrero (1867/1928) aparece retratada pelo pintor Anselmo Miguel Nieto (1881/1964) num quadro realizado em 1914.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos um gravado realizado por Salvador Dalí (1904/1989) para a peça “Don Juan Tenorio“, sendo responsável por sua decoração e vestuário. A peça estreou em 1949 no Teatro María Guerrero de Madrid, sendo considerada uma das melhores adaptações do clássico de José Zorrilla (1817/1893), publicada por primeira vez em 1844.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conta com inúmeras e formidáveis maquetes que retratam a história do teatro na Espanha. Abaixo, vemos uma delas, em que aparece o Parque do Retiro de Madrid, quando a partir do século XVII foi utilizado como cenário de representação teatral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Século de Ouro da Cultura Espanhola (XVII) está muito bem documentado no museu. Seus grandes dramaturgos realizaram obras eminentementes populares. Neste prolífico período cultural, todas as manifestações teatrais erm conhecidas como comédias, independente se a obra representada era um drama ou tragédia. A exceção constituíam os denominados Autos Sacramentais. A seguir, vemos um deles, realizado por Calderón de La Barca, um dos maiores expoentes do Teatro Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo campo escultural, o museu conta com vários bustos, entre os quais o de Fray Gabriel Téllez (1579/1648), mais conhecido por seu pseudônimo, Tirso de Molina, considerado um dos grandes dramaturgos do Barroco Espanhol. O busto foi realizado pelo escultor Lorenzo Coullaut Valera (1876/1932).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos escultores espanhóis que mais admiro, o valenciano Mariano Benlliure (1862/1947), realizou esta bela obra em que retrata a bailarina sevilhana Pastora Rojas Monje (1889/1979), uma das figuras mais representativas da história do flamenco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVários trajes também podem ser vistos, como o que vemos abaixo, utilizado pela atriz Cristina Higueras, nascida em 1961, para a representaçao da peça “Doña Rosita la Soltera“, de Federico García Lorca, em 1980.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Francisco – Betanzos

Ao lado da Igreja de Santa María del Azogue, que vimos no post anterior, situa-se outra das igrejas gótica de Betanzos, a Igreja de San Francisco, considerada um dos exemplos mais notáveis deste estilo artístico em toda a Galícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta belíssima igreja foi construída na segunda metade do século XIV, graças ao patrocínio de um dos membros mais importantes da Casa dos Andrade, Fernán Pérez de Andrade, cujo nome também foi homenageado na praça onde se localiza o templo. Este cavalheiro galhego, nascido na cidade, tornou-se o senhor da vila, e ordenou a construção da igreja como local de enterramento para ele e para os demais membros de sua família. Apaixonado pela caça e as batalhas, possuía, no entanto, inquietudes culturais como a poesia e a literatura de cavalaria, tão em voga na época. Os animais associados a ele, o urso e o javali, aparecem representados no seu maravilhoso sepulcro. Na parte mais elevada da igreja vemos o javali, sustentando uma cruz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAnexo à igreja existiu um monastério franciscano que chegou a contar com 47 monjes. Depois da Desamortizaçao de Mendizábal de 1836, o monastério foi abandonado. Em 1914, os monjes retornaram e ocuparam o que havia restado do conjunto conventual, mas que foi brutalmente queimado um pouco antes do início da Guerra Civil Espanhola, em 1936. Somente a igreja sobreviveu….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima vemos uma das portas principais da igreja, com um belo conjunto de esculturas que representam a Adoraçao dos Reis no tímpano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANum dos muros laterais da porta foram esculpidos diversos e curiosos símbolos, associados aos grêmios existentes na época, que auxiliaram na construção da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja existem 16 sarcófagos pertencentes à família dos Andrade…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mais impressionante, sem dúvida nenhuma, é o sepulcro do próprio Fernán Pérez de Andrade, considerado como o precursor da escultura funerária medieval.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa base do monumento aparecem os animais a ele associado. O cavalheiro aparece deitado e vestido com uma armadura e em atitude de repouso. Uma inscrição com o nome do defunto e a data da fundação da igreja rodeia o sepulcro. Cenas de caça e o escudo da família também foram esculpidos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma foto geral do interior, do altar maior e um detalhe dos vitrais que o iluminam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Francisco de Betanzos acolhe interessantes obras de arte, como esta “Piedade“, um anônimo flamenco da segunda metade do século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADa mesma forma que a Igreja de Santa María, a Igreja de San Francisco foi declarada Monumento Nacional e Bem de Interesse Cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Monastério de San Esteban – Galícia

Uma vez mais um casal de grandes amigos de São Paulo, o Marcelo e a Cristina, vieram à Espanha com a finalidade de percorrer o país e conhecer suas cidades e lugares de interesse. No ano passado, tive a oportunidade de realizar uma pequena parte do Caminho do Norte, uma das variantes do Caminho de Santiago, com este casal apaixonado pelo país, cujas matérias foram publicadas entre 15/10/2017 e 11/11/2017. Desta vez eles fizeram um trajeto de carro, e me encontrei com eles em Valladolid para iniciar uma viagem pela Galícia, uma comunidade autônoma situada no noroeste da Espanha, fronteira com o norte de Portugal. Nossa primeira parada, a 4 horas de carro desde Valladolid, foi o incrível Monastério de San Esteban de Ribas de Sil (Santo Estevo, no idioma gallego), onde permanecemos durante 3 dias.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste monastério é considerado um dos mais importantes de toda a Galícia, além de ser um dos mais bem conservados. Está situado numa região de grande beleza natural, a denominada Ribeira Sacra, cortada pelas águas do Rio Sil, uma importante via fluvial da comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta zona do país possui uma longa tradição religiosa, e esteve habitada por tribos célticas, como podemos comprovar nos restos arqueológicos existentes no bosque localizado ao lado do monastério (século I aC). Constituem vestígios da base de uma casa circular que integrava um castro, como se conhecem os povoados habitados por esta cultura. Procedentes do norte da Europa, os celtas chegaram a atual Galícia no ano 700 aC, e foram conquistados pelos romanos no ano 60 aC.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA história deste monastério remonta à época visigoda, período em que provavelmente existiu uma construção que foi abandonada depois que a comunidade de religiosos se dispersou para seguir uma vida de eremitas. No século X, um ermitão chamado Franquila reuniu todos os anacoretas que viviam na zona para formar uma nova comunidade. No ano 909, o Rei Ordoño II concedeu privilégios ao abade do monastério, quando se inicia sua reconstrução.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANove bispos  se retiraram ao monastério nesta época, e ficaram conhecidos por sua fama de santidade. As nove mitras que integram o escudo de armas do monastério recordam o legado destes monges.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom o tempo, o Monastério de San Esteban acolheu a regra beneditina, recebendo novas doações e privilégios, como os outorgados pelo monarca Alfonso IX em 1220. Na fachada principal do conjunto monacal, vemos uma escultura de Sao Bento (San Benito, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1506, por decisão do Papa Julio II, foi anexionado à Congregaçao de Valladolid. Depois, se fundou no monastério um colégio de artes e filosofia, quando alcança novos tempos de prosperidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1835, o monastério é novamente abandonado durante a denominada Desamortizaçao de Mendizábal, que causou a desapropriaçao dos bens eclesiásticos. Abaixo, vemos a fachada do monastério, realizada no século XVIII. Ao lado, a igreja conventual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa esquina da construção se ergue uma robusta torre, composta por 3 níveis de altura, limitando com um extenso bosque de robles e castanheiras, por cujas trilhas podemos passear e admirar sua beleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADevido à antiguidade do monastério, podemos apreciar vários estilos artísticos, desde o românico até o barroco. Foi transformado em Parador Nacional em 2004, uma rede de hotéis da Espanha que se caracterizam pela instalação de sua rede hoteleira em locais históricos. Suas dependências, como de costume, são confortáveis e de bom gosto decorativo. Possui, inclusive, um spa para relaxar…

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa entrada do monastério foram colocados dois dos símbolos da Galícia, um Cruzeiro (cruceiro, em gallhego e crucero, em espanhol)) e um Hórreo. Este último constitui uma típica construção para fins agrícolas, destinado a armazenar e a secar o milho e outros cereais. Conta com um espaço retangular e estreito para este objetivo, e separado do solo para evitar a entrada de animais e também da umidade. Em Portugal, estas estruturas se conhecem como Espigueiros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJá os Cruceiros, abundantes também no Brasil, constituem uma coluna de pedra situado sobre uma base e colocados em lugares estratégicos, como encruzilhadas de caminhos, locais elevados, diante de uma igreja etc. Em sua parte superior, normalmente aparece Cristo Crucificado de um lado, e a Virgem Maria ou um Santo do outro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte deste belo monastério….

Santuário de N.Sra de la Peña de Francia

O povoado de La Alberca é considerada a capital da Comarca de Sierra de Francia, formada por vales e espaços naturais de grande importância, além de outros pueblos de grande interesse cultural e turístico. Uma das principais atrações da região é o Santuário de N.Sra de la Peña de Francia, um local emblemático da Província de Salamanca e centro de peregrinação há séculos. O santuário situa-se no alto de uma montanha denominada Peña de Francia, a uma altitude de 1783m, onde se guarda e venera a imagem da Virgen de la Peña, padroeira da província e da Comunidade de Castilla y León. Sua localização o converte no santuário mariano a maior altitude de todo o mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPraticamente inacessível durante o inverno, o santuário é visitado por uma grande quantidade de peregrinos durante o resto do ano. Como demonstra a foto acima, o inverno europeu deste ano foi muito rigoroso e, em plena primavera, as montanhas da Sierra de Francia continuavam nevadas. A Sierra de Francia encontra-se no limite entre a Província de Salamanca e Portugal. Deste modo, do alto da montanha podemos avistar a Serra da Estrela, situada no país vizinho, além da Comunidade de Extremadura e a planície da comunidade castelhana.

 

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome Peña de Francia, e a imagem venerada, é uma referência aos repovoadores procedentes de França que se assentaram na região nos séculos XI e XII. A importância religiosa do santuário começou em 1434, quando um tal Simón Vela descobriu a imagem de uma virgem negra numa cova no alto da montanha. Inicialmente se construiu uma capela para abrigar a imagem, que vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO lugar passou a pertencer a Ordem Dominicana, que se tornou a proprietária destas terras, como podemos observar na coluna que vemos a seguir, denominada Rollo Jurisdiccional, que outorga o status jurídico, neste caso eclesiástico, de uma localidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1445, com o apoio real, se construiu o convento e a igreja do mesmo finalizou-se cinco anos depois. A torre atual foi levantada no século XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém faz parte do conjunto uma hospedaria independente do santuário e uma antena de telecomunicações.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ difícil imaginar hoje em dia as dificuldades passadas pela comunidade de religiosos em épocas passadas devido ao rigor climático e o complicado que devia ser chegar ao alto da montanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs padres dominicanos desempenharam uma importante atividade missioneira, impulsando a devoção da virgem em muitos lugares do mundo, como na América e em Filipinas. De fato, a Virgen de la Peña é a padroeira da cidade de São Paulo, onde é conhecida como a Virgem de Nossa Senhora da Penha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA comunidade de religiosos abandonou o santuário com a Desamortização de Mendizábal em 1836, mas retornou em 1900, e continuam realizando suas atividades atualmente. Abaixo, vemos o interior da igreja e a imagem da Virgen de la Peña, talhada em 1890. Ignoro o destino da imagem original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Virgen de la Peña foi citada na universal obra de Cervantes, “El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de La Mancha“…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA