Palácio Real de Madrid – Parte 2

O Palácio Real de Madrid já foi tema de um post publicado em 5/10/2012. No entanto, este que é um dos principais monumentos da cidade, por ter sido a residência oficial dos Reis da Espanha, necessita de algumas informações complementares, que não foram abordadas na publicação inicial.  Foi dito que o atual Palácio Real foi construído no mesmo local do antigo Alcázar, que foi destruído sem misericórdia por um incêndio em 1734, durante o reinado do primeiro rei da Dinastia Burbônica do país, Felipe V. O Alcázar transformou-se na residência real depois que a cidade foi reconquistada em 1086, ocupando o local da antiga fortaleza árabe. Não se sabe ao  certo o início de sua construção, e o primeiro documento que a ele se faz referência data das reformas realizadas durante o reinado de Pedro I, a mediados do séc. XIV. A partir de Juan II, o Alcázar passou a ser a residência preferida dos reis da Dinastia dos Trastámaras. O edifício passou  a seu um palácio com as reformas e ampliações realizadas pelo rei Carlos I, que encarregou os arquitetos Luis de Vega e Alonso de Covarrubias para as obras. Com a chegada da corte em 1561 durante o reinado de Felipe II, o Alcázar se converteu na primeira residência real permanente do país. Não existem gravados nem planos do Alcázar anterior às reformas realizadas a partir do séc. XVI. Porém, abaixo vemos uma imagem do aspecto que possuía o Alcázar na primeira metade do séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFelipe II prosseguiu com as reformas, acrescentando um novo pátio chamado Pátio de la Reina (Pátio da Rainha), já que o antigo Alcázar possuía apenas um. Dessa forma, a construção ficou dividida em duas: a ala oeste para o rei e a leste para a rainha. A seguir, vemos uma maquete do Alcázar, que mostra também o seu aspecto no séc. XVII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAmpliações e novas remodelações foram realizadas pelos demais reis da Dinastia dos Habsburgos. O incêndio que destruiu o Alcázar durou 3 dias, e lamentavelmente muitas obras de arte que o decoravam foram perdidas. O monarca Felipe V não gostava do antigo Alcázar (apesar de repleto de obras de arte, não possuía o mesmo conforto do Palácio de Versalhes, local onde viveu o rei ante de chegar ao trono espanhol), e este fato levantou suspeitas com respeito ao seu suposto vínculo com o incêndio. Atualmente, esta suposição parece infundada. Felipe V ordenou a construção do novo palácio ao melhor arquiteto da época, o italiano Filippo Juvara, que realizou um projeto de dimensões gigantescas que não contou com a aprovação real, já que Felipe V desejava que o novo palácio fosse construído no mesmo local que o alcázar destruído pelo fogo. Juvara, que chegou em Madrid em 1735, veio a falecer no ano seguinte. Felipe V contrata, então, seu discípulo Juan Bautista Sachetti, que modifica o projeto de seu mestre, adaptando-o ao gosto do monarca e à sua atual localização. Abaixo, vemos a fachada principal (sul), que dá de frente para a Catedral de Almudena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA primeira pedra foi colocada em 1738 , e o Palácio Real finalizou-se em 1764 durante o reinado de Carlos III, que tornou-se o primeiro rei em habitá-lo. Abaixo, vemos a estátua do rei colocada logo na entrada do palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um busto do rei que ordenou sua construção, Felipe V.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palácio Real de Madrid possui uma planta quase quadrada, com 120m de comprimento e 28 de altura. Possui três níveis principais e dois subterrâneos, e se distribui em torno a um grande pátio. A fachada oeste oferece estupendas vistas do Campo del Moro e suas belas fontes…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada norte tem como referência outra das áreas verdes que o circundam, os Jardins de Sabatini.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalmente, a fachada leste dá para a Praça do Oriente e o Teatro Real, de onde foi tirada a foto abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção combina o cinza do granito com o branco da pedra calcárea de Colmenar. Na sequência, vemos uma imagem do Palácio Real de Madrid visto desde as margens do Rio Manzanares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos a impressionante escada principal do palácio, que permite o acesso às dependências visitáveis do mesmo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Alcázar de Ciudad Rodrigo

Como unidade fundamental e complementária do sistema defensivo de Ciudad Rodrigo, o Alcázar, palavra de origem árabe que significa fortaleza, eleva-se na paisagem urbana da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Alcázar ou Castelo de Ciudad Rodrigo foi construído no séc. XIV, sob as ordens do monarca Enrique II, o primeiro rei da denominada Dinastia dos Trastámara.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro do conjunto, se ergue robusta a Torre de Homenagem, de formato quadrado com 17m de cada lado. Possui três níveis composto por janelas ojivais, um elemento característico da arquitetura gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortaleza foi erguida na zona menos acessível da cidade, sob um barranco escarpado em direçao ao rio. Do alto da Torre de Homenagem, temos uma bela vista do sistema fortificado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ possível visitar o Alcázar, já que desde 1931 foi transformado num estabelecimento da rede hoteleira Parador Nacional, que se diferencia por estarem situados em locais históricos. Depois de uma reforma, foi reaberto para o público em 2000.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Alcázar foi rodeado por uma muralha própria que conta com várias torres de vigilância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortificaçao desempenhou um importante papel na Guerra da Independência contra um exército francês composto por 50 mil soldados. Apesar da resistência oferecida, as pequenas tropas espanholas capitularam em 1 de junho de 1810.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara a realizaçao do projeto de construçao, Enrique II contratou o arquiteto Lope Arias Jenízaro, que transformou o Alcázar num dos símbolos da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara chegar ao topo da torre, subimos por uma estreita e empinada escada…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir do próximo post, realizaremos um passeio pelo Centro Histórico de Ciudad Rodrigo, revelando seus palácios e monumentos mais importantes….

Monastério de El Paular – Rascafría

O Real Monastério de Santa Maria de El Paular situa-se na Comunidade de Madrid, precisamente no município de Rascafría, na Serra de Guadarrama. Este histórico monastério conserva um importante legado artístico, e seu estado atual é impecável. O conjunto monástico foi declarado Monumento Nacional em 1876.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua construção iniciou-se em 1390, graças ao desejo do rei Enrique II, da dinastia dos Trastamara. O local para seus assentamento foi escolhido pelo próprio monarca, junto a uma ermita conhecida como Santa Maria de El Paular. No entanto, o processo construtivo realizou-se durante o reinado do rei Juan I. O monastério foi o primeiro fundado para a Ordem dos Cartuxos no então Reino de Castilla (Orden de los Cartujos, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO projeto constava de três edifícios principais: o monastério, a igreja e um Palácio Real para o desfrute dos monarcas. Um de seus principais realizadores foi o arquiteto Juan Guas, responsável pela remodelação do monastério durante o reinado dos Reis Católicos. Na foto a seguir, vemos o claustro que possibilita a entrada para a igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO monastério começou a funcionar quando foram trazidos monges procedentes do Monastério de Scala Dei, de Tarragona (Catalunha). Durante séculos, os monges exploravam a pesca no Rio Lozoya e os bosques próximos. Além do mais, possuíam um numeroso rebanho de ovelhas e uma indústria para a fabricação de papel, cuja importância foi comentada no post anterior. Do séc. XV ao XIX, todo o vale dependia da atividade agrícola, comercial e industrial do monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a entrada do átrio, a dependência que possibilita a entrada à igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANele, existem vários elementos de interesse, como a belíssima portada de acesso à igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo outro lado da porta, um quadro representa a São Bruno e seus companheiros, fundadores da Ordem dos Cartuxos, surgida em 1084. Esta ordem de clausura monástica é considerada como a mais austera no modo de vida de seus membros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parede, vemos uma placa celebrando a fundação do Monastério de El Paular.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi finalizada somente no reinado de Isabel La Católica (1475/1504), constituindo a parte principal do conjunto. A reja (espécie de portão monumental que separa os fiéis dos monges) foi realizada por um frade da ordem, chamado Francisco de Salamanca. Uma verdadeira obra prima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento de incomensurável valor artístico é o Retábulo Maior, realizado durante a etapa final do período gótico (final do séc. XV). O material utilizado para sua execução foi o alabastro, e o conjunto está todo policromado. A obra de Juan Guas representa 17 cenas bíblicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um detalhe de sua composição central, com a Virgem Maria e o menino Jesus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs fotos durante a visita estão permitidas, mas os monges solicitam que não sejam exageradas, para não atrapalhar o andamento da mesma. Por isso, fico devendo imagens do maravilhoso coro, que em 1883 foi levado à Basílica de São Francisco El Grande (Madrid), e talhado em madeira de nogal no séc. XVI. Em 2003, o coro foi devolvido ao monastério. Lamentavelmente, tampouco disponho de imagens da famosa Capela do Sagrário, uma das obras fundamentais do Barroco Espanhol (séc. XVIII). Abaixo, vemos a cobertura da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1835,  o processo de Desamotizaçao de Mendizábal repercutiu negativamente na vida monástica e os monges tiveram que abandonar o monastério. Boa parte das obras de arte, como retábulos e altares que o decoravam, se perderam, assim como milhares de livros que compunham sua magnífica biblioteca. Em 1876, como dito no princípio, foi declarado Monumento Nacional, fato que possibilitou seu salvamento da ruína total. Em 1954, foi cedido à Ordem Beneditina, que ainda permanece com 8 monges que mantém vivo o velho monastério. O Palácio Real foi transformado numa hospedaria, cujos horários seguem o ritmo da vida dos monges.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, conheceremos o claustro e a coleção única de quadros pintados por Vicente Carducho para sua decoração. Não percam…