Museu El Greco de Toledo – Parte 2

A coleçao permanente do Museu El Greco de Toledo acolhe importantes obras do pintor, principalmente de seu último período artístico. Entre outras, destaca um ciclo completo do Apostolado, um dos três existentes no mundo, onde El Greco retratou os apóstolos de meio busto com seus atributos correspondentes. Representados como figuras ascéticas e de siluetas alargadas, recordam os íconos gregos. Esta série foi pintada entre 1608 e 1614, sendo que El Greco realçou as figuras dos apóstolos num primeiro plano e em diferentes posturas sobre um fundo neutro, eliminado referências espaciais ou temporais. A seguir, vemos alguns quadros desta série, como o que representa a Santiago Maior, portando o bastao de peregrino e com um expressivo gesto de sua mao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASao Pedro com as chaves do céu em sua mao esquerda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASao Mateus segurando um livro e uma pluma, atributos referentes a sua condiçao de evangelista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASao Joao Evangelista mostrando o cálice envenenado que nao conseguiu matá-lo, episódio sucedido no Templo de Diana, em Éfeso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA exposiçao conta também com alguns dos retratos mais conhecidos de El Greco, como o de Diego de Covarrubias (1600), Bispo de Toledo e filho de Alonso de Covarrubias, um dos arquitetos mais importantes do Renascimento Espanhol, que deixou inúmeras obras pela cidade de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém dos quadros realizados pelo pintor, vemos algumas cópias de pintores anônimos, como este retrato de D.Rodrigo Vázquez de Arce (1590), presidente do Conselho Real de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas das obras atribuídas a El Greco  foram realizadas por ajudantes que trabalhavam no atelier que o pintor possuía em Toledo, que seguiam os mesmos modelos e materiais dos originais realizados pelo grande artista. El Greco teve apenas um discípulo de importância, chamado Luis Tristán (1585/1624). No museu podemos conhecer alguns de seus quadros, como este “Santo Domingo Penitente”, em que combina os elementos pictóricos de El Greco com o naturalismo presente na obra de Caravaggio (1618).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm Cristo Crucificado, pintado entre1618 e 1622.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALuis Tristán, da mesma forma que seu mestre, também retratou santos católicos, como Sao Jerônimo (1618/1622).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom estas imagens, concluimos a série dedicada a El Greco, este pintor excepcional de estilo único, que legou à cidade de Toledo e ao mundo quadros de intensa beleza e expressividade, que colocaram de maneira definitiva seu nome na História da Arte.

Anúncios

Museu El Greco de Toledo

Além das obras de El Greco que podemos apreciar nas várias igrejas, conventos e centros culturais de Toledo, na cidade existe o único museu especialmente dedicado ao pintor, em todo o país. O Museu El Greco foi criado a princípios do séc. XX pelo Marquês de Vega Inclán, um dos primeiros defensores na recuperaçao da arte do grande artista.

DSC09371A fundaçao do museu coincidiu com um momento de revalorizaçao do pintor, bem como pela necessidade de reunir e expor algumas obras de El Greco que se encontravam num estado lamentável e dispersas pela cidade, com o grave risco de perderem-se. Com estas finalidades, o Marquês de Vega Inclán adquiriu algumas casas em ruínas dos séculos XV e XVI e realizou uma reabilitaçao do imóvel para a inauguraçao do museu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO marquês, ao adquirir o imóvel, supôs equivocadamente que se tratavam das casas onde viveu o pintor, em pleno bairro judeu da cidade. Por este motivo, durante muito tempo a instituiçao denominou-se Casa Museu El Greco. Na realidade, El Greco viveu no Palácio do Marquês de Villena, destruído depois de sofrer um incêndio. Tal palácio situava-se bem em frente ao museu, atualmente um jardim no qual foi erguido um monumento em homenagem ao pintor.

DSC09369Depois de reformada as casas, a intençao do Marquês de Vega Inclán foi recriar os ambientes domésticos e mostrá-los como a verdadeira residência do pintor, evocando em seus espaços o tipo de vida e sua personalidade, como observamos na cozinha de época e uma de suas salas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEste trabalho foi pioneiro em Espanha, contribuindo para o desenvolvimento do “Estilo Espanhol” na decoraçao de interiores. O espaço conserva as antigas portadas , como também o pátio interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante as obras de construçao do museu, foram descobertos banhos judaicos contemporâneos a conhecida Sinagoga do Trânsito, situada bem próxima ao Museu El Greco. A visita inclui estes curiosos banhos medievais, auxiliada pelas simpáticas funcionárias do museu.

DSC09390Acredita-se que esta espécie de cova onde estavam situados os banhos é a única parte conservada do antigo Palácio de Samuel Levy (séc. XIV), o personagem histórico mais importante da juderia toledana, pois foi tesoureiro real, além do artífice da construçao da sinagoga acima mencionada. Além do interior, é uma delícia passear pelos jardins do museu, perfeitamente adaptados para este fim.

DSC09380DSC09379Cabe resaltar que o Marquês de Vega Inclán foi também o fundador do Museu do Romanticismo de Madrid e o museu dedicado a Miguel de Cervantes, situado em Valladolid. Atualmente, o Museu El Greco de Toledo pertence ao estado, sendo administrado pelo Ministério da Cultura. No próximo e último post dedicado a El Greco, veremos uma série de obras que estao expostas no museu.

O Grego de Toledo – Parte 2

Em 1586, El Greco foi encarregado de realizar o quadro “O Enterro do Conde de Orgaz”, possivelmente sua obra mais conhecida e merecidamente considerada uma obra prima da Pintura Universal. O quadro foi pintado para a Igreja de Sao Tomé de Toledo, e passados mais de quatro séculos, ainda permanece no mesmo local.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEl Greco narra nesta magnífica obra o episódio do sepultamento de Gonzalo Ruiz de Toledo, Conde de Orgaz, responsável pelas reformas da mencionada igreja no séc. XIV, que a converteram num templo mudéjar. Desta forma, o pintor retrata uma cena ocorrida séculos antes, com a presença de membros destacados da aristocracia toledana da época. Por este motivo, o quadro é considerado o primeiro retrato coletivo da Pintura Espanhola. Segundo a tradiçao, durante o enterro do conde, desceram do céu Sao Esteban, o primeiro mártir da Igreja Católica, e Santo Agostinho, para ajudar a carregar o corpo e levá-lo para o sepulcro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte inferior esquerda, El Greco retrata seu filho Jorge Manuel, que com a mao aponta para a cena principal do quadro. Na parte superior, vemos anjos , a Virgem Maria e a Jesus que aguardam a chegada da alma do defunto. A dupla dimensao da obra, a terrenal e a divina, situada em planos opostos, é outra das características da obra do pintor. Tal é a fama deste quadro que em muitos lugares de Toledo podemos admirá-lo, até mesmo num bar, nesta representaçao feita de azulejos pintados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo curiosidade, na famosa trilogia do escritor Érico Veríssimo “O Tempo e o Vento”, exite um personagem num dos livros que compoem a obra, precisamente na parte denominada “O Retrato”, que é um pintor espanhol, que dizia que um dos cavalheiros pintados por El Greco neste quadro, situado no lado esquerdo da composiçao, era ele próprio…

Toledo, a finais do séc. XVI, era uma cidade eminentemente conventual. Somente pertencente à Ordem Franciscana, existiam 13 conventos na cidade. Naturalmente, El Greco realizou inúmeros quadros retratando a Sao Francisco (um total de 25 quadros), que tiveram um grande êxito. Abaixo, vemos “Sao Francisco em Oraçao”, exposto no Hospital Tavera de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEl Greco retrata o santo de corpo inteiro como um ideal a ser imitado de vida ascética, penitência e dedicado à oraçao, valores que nas instituiçoes assistenciais adquiriram uma importância fundamental. A pintura de santos se desenvolve na carreira do pintor a partir de 1580. A seguir, vemos o quadro “Madalena Penitente”, pintado em 1590, no qual Madalena se encontra sobriamente vestida, meditando diante o crucifixo e mostrando a caveira em que se converterá.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1595, realiza a “Sagrada Família com Santa Ana”, que também pode ser visto no Hospital Tavera. A cena é uma representaçao da Virgem do Leite, com Maria dando o peito para o Menino Jesus, sob o atento olhar de Santa Ana e Sao José. Observamos o intenso cromatismo e a luminosidade com que El Greco realiza a obra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA última década do séc. XVI foi uma etapa crucial em sua carreira, recebendo uma grande quantidade de encargos, graças a sua já estabelecida reputaçao artística e a amizade travada com um grupo de mecenas locais, tanto da aristocracia, quanto do clero. Suas figuras sao cada vez mais alargadas e retorcidas, e os quadros mais altos e estreitos. Abaixo, o quadro “Sao Joao Evangelista e Sao Joao Batista”, realizado entre 1605 e 1610, atualmente exposto no Museu de Santa Cruz de Toledo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1603 e 1607, El Greco realiza o quadro intitulado “Lágrimas de Sao Pedro”, onde o santo aparece no interior de uma gruta com um fundo escuro. Seus olhos imploram a generosidade do Senhor com um gesto de dor e arrependimento, relacionado com o vergonhoso ato de sua açao, ao negar a Cristo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAos 73 anos de idade, El Greco falece em Toledo, recebendo sepultura no Convento de Santo Domingo. Evidentemente, nesta matéria publiquei apenas uma pequena coletânea de sua obra, algumas delas emblemáticas para conhecer a arte deste artista formidável, de estilo único e perfeitamente reconhecível. A última parte da publicaçao estará dedicada ao Museu El Greco de Toledo, único em Espanha em memória ao pintor.

O Grego de Toledo

Graças aos contatos realizados com espanhóis durante sua estadia em Roma, El Greco viaja a Espanha em 1577, estabelecendo-se em Toledo, capital religiosa do país e uma das maiores cidades européias da época. O pintor adota definitivamente a cidade castelhana, nela permanecendo até o final de sua vida, onde desenvolve de maneira genial seu estilo, pintando seus quadros mais famosos. Com 36 anos de idade, El Greco já possuía fama, e os encargos religiosos nao demoraram em aparecer. Abaixo, vemos o Retábulo Maior  realizado para o Convento de Santo Domingo de Toledo, o primeiro que concebeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARealizado entre 1577 e 1579, com esta obra El Greco rompe os critérios narrativos dos grandes retábulos, dando uma ênfase ao ritmo vertical da composiçao, segundo critérios maneiristas. A parte central do retábulo representa a Assunçao da Virgem Maria, baseando-se no quadro com a mesma temática pintado por Ticiano. Começa a utilizar cores pouco convencionais e proporçoes anatômicas únicas. O intenso jogo de luzes busca o contraste. A parte superior do retábulo representa a Trindade, uma referência ao estilo escultural de Miquelângelo. Como podemos observar nas primeiras obras em terras espanholas, a influência dos mestres italianos é patente. Estes quadros aumentaram a reputaçao do pintor em Toledo, dando-lhe grande prestígio. Seu objetivo principal, no entanto, era transformar-se em pintor real da corte de Felipe II, colaborando para a decoraçao do Monastério do Escorial, cuja monumentalidade vemos na foto a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO “cartao de visita” de El Greco na corte de Felipe II foi o quadro intitulado “O Martírio de Sao Maurício”, pintado entre 1580 e 1582,  que pode ser admirado atualmente no próprio monastério.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO motivo central do quadro narra o episódio em que Sao Maurício convence aos seus companheiros da legiao tebana que é preferível morrer em martírio do que oferecer sacrifícios aos deuses pagaos do Império Romano. O martírio em si é relegado a um segundo plano, situado na parte inferior esquerda do quadro. Na parte superior, os anjos aguardam a alma daqueles que serao martirizados. A presença do quadro num dos altares laterais da igreja do monastério se justifica porque Sao Maurício era o padroeiro da Ordem do Tosao de Ouro, cuja soberania foi passada aos monarcas austríacos da corte espanhola. Infelizmente para El Greco, o rei Felipe II nao gostou do quadro, e nao encarregou outras pinturas ao pintor cretense. A partir de entao, El Greco decide permanecer em Toledo, cidade que lhe havia recebido como um grande artista. O clero toledano lhe encomenda várias obras que podem ser admiradas na Catedral Primada. Uma delas é “O Expólio”, exposta na sacristia da catedral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cena retrata o momento inicial da Paixao de Cristo, quando Jesus é despojado de suas roupas. El Greco escurece os elementos que considera secundários no episódio e ilumina a figura de Jesus, auxiliado pelo vermelho de sua túnica. Para realizar o quadro, o pintor nao seguiu ao pé da letra nenhum dos evangelhos oficiais da Igreja Católica, motivo pelo qual surgiram polêmicas cujo resultado foi a demora em receber o pagamento da obra. Na Catedral de Toledo estao expostos muitos outros quadros do pintor, como a “Crucificaçao de Cristo”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOu entao “Sao José e o Menino Jesus”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAProgressivamente, seu estilo se caracteriza pelo alargamento das figuras com uma iluminaçao própria, expressiva e ao mesmo tempo fantasmagórica, realizadas com uma combinaçao de cores contrastantes. A temática religiosa, predominante na obra do pintor, tinha como objetivo principal propagar a doutrina da Contrareforma e sua luta contra o Protestantismo, estabelecida pelo Concílio de Trento em 1563, sendo o centro do catolicismo espanhol a Arquidiocese de Toledo. Um dos temas preferidos para deter a expansao protestante foi a vida e o exemplo dos Santos Católicos, inúmeras vezes retratados por El Greco. Abaixo, vemos uma pintura de Sao Pedro, exposta no Museu de Santa Cruz de Toledo, cuja foto vemos na sequência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADSC03546Outro tema fundamental era a Glorificaçao da Virgem Maria, cuja maternidade divina era negada pela Reforma Protestante de Lutero. Um exemplo é o quadro da “Imaculada Conceiçao” realizado entre 1607 e 1613 e também exposto no museu acima citado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAObservamos nesta obra o alargamento das formas e o sentido vertical do quadro, conduzindo o olhar do espectador ao rosto da Virgem, culminando em sua parte superior na pomba representativa do Espírito Santo.