Castelo da Alameda – Madrid

Depois de 8 anos vivendo em Madrid, descobri que a cidade possui um castelo pouco conhecido até mesmo pelos próprios madrilenhos, o Castelo da Alameda, assim denominado por estar situado no Bairro de Alameda de Osuna, na zona nordeste da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALamentavelmente, o que sobreviveu da fortaleza constitui apenas uma pequena parte do castelo original construído em torno ao ano 1400 por uma das famílias mais poderosas da época, a dos Mendoza. O castelo foi edificado por Diego Hurtado de Mendoza, pai de Iñigo López de Mendoza, que recebeu o título de Marquês de Santillana. Com a chegada da Dinastia dos Trastâmara ao poder com o monarca Enrique II em 1369, iniciou-se um processo de “senhorização”, no qual os nobres partidários dos reis receberam, graças ao apoio oferecido, direitos jurídicos e econômicos sobre os territórios da coroa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra fortificação pertencente ao Senhorio dos Mendoza na Comunidade de Madrid é o Castelo de Manzanares El Real, um dos mais belos de toda a comunidade (post publicado em 23/3/2012).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo da Alameda tinha suas dependências organizadas em torno a um pátio, com torres nas esquinas e um grande fosso defensivo ao redor do conjunto (com 12 m de largura por 6 m de profundidade). Sua função era evitar que o inimigo pudesse escapar dos projéteis lançados e também para aumentar o tamanho de seus muros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara atravessar o fosso havia uma ponte, formada por uma parte maciça e outra de madeira.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estância principal do castelo estava formada pela Torre da Homenagem, que infelizmente não se conservou. Nela, o senhor recebia a homenagem de seus vassalos, um ato protocolário em que ambos realizavam um pacto de fidelidade: em troca da proteção do senhor, além de terras e direitos, os vassalos se comprometiam a entregar-lhes suas rendas e servir-lhes com suas armas. Podemos imaginar como era a Torre de Homenagem graças à torre da mesma época que se conserva na cidade de Pinto, situada a pouca distância de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1555 e 1580, o castelo sofreu uma profunda reforma, transformando a antiga residência fortificada num Palácio Rural de estilo renascentista, com jardins, fontes e um fosso ainda mais amplo. A velha nobreza guerreira medieval se havia convertido numa classe aristocrática que tinha preferência pela vida urbana, mas que também apreciava cômodas residências no âmbito rural para seu descanso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta reforma foi realizada pela família dos Zapata que, por motivos matrimoniais, adquiririu a propriedade destas terras e também do castelo. Seu membro mais importante foi Francisco Zapata de Cisneros, que alcançou um posto relevante na corte de Felipe II, recebendo o título de Conde de Barajas. O fosso, que originalmente possuía uma função defensiva, acolheu um exuberante jardim com várias espécies vegetais, e também uma horta, onde se cultivavam legumes e hortaliças. Em cada uma das esquinas do fosso se construíram fontes e um sistema de canalização de água.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs dependências interiores também foram renovadas, e a construçao passou a ter três andares, em vez dos dois andares do castelo original. Na parte superior se abriram janelas com vistas ao jardim.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs Zapata, sempre fiéis à monarquia, emprestaram sua residência para que fosse utilizada pela justiça real como prisão de vários personagens, entre os quais Don Fernando Álvarez de Toledo, o III Duque de Alba, famoso e temível governador de Flandres. Em 1599 serviu de aposento para a Rainha Margarita de Austria, antes de realizar sua entrada em Madrid depois de casarse com Felipe III, em Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo do século XVII, a situação social dos Zapata sofreu um grande declínio e em 1697 um incêndio destruiu o castelo, que não voltou a ser ocupado. Em 1785, com autorização municipal, a Duquesa de Osuna ordenou a extração dos materiais construtivos do castelo para edificar um palacete situado no belíssimo Parque do Capricho, a pouca distância da fortaleza (ver matérias publicas nos dias 13/2 e 15/2/2014). O resultado foi a demolição de boa parte da estrutura, com a Torre de Homenagem incluída. A partir dos anos 60 do século XX, com a crescente imigração que Madrid sofreu, antigas aldeias foram incorporadas ao município, transformando-se em bairros residenciais, caso da Alameda. Entre 1986 e 1990 foram realizadas as primeiras investigações arqueológicas no recinto do castelo. Abaixo, vemos uma imagem aérea da época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA recuperação arquitetônica do Castelo da Alameda finalizou em 2010, e atualmente podemos visitá-lo. A seguir, uma imagem realizada após a reabilitação.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo interessante curiosidade, ao lado do castelo se conserva uma casamata utilizada durante a Guerra Civil Espanhola (1936/1939).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFeita de concreto armado, a estrutura encontra-se semienterrada, oferecendo uma menor superfície aos impactos da artilharia, protegendo seus atiradores. Por incrível que pareça, as escavações realizadas permitem afirmar que foi utilizada como residência após o término da Guerra Civil. As ruínas do castelo também foram usadas como fortaleza improvisada. Sob o castelo escavou-se um túnel para servir de refúgio e talvez como depósito de armas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

As Muralhas de Córdoba

Outro monumento de Córdoba que reflete os vários períodos históricos que atravessou a cidade são suas muralhas, estas estruturas que cercavam as cidades antigas com uma clara função defensiva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs primeiras muralhas edificadas em Córdoba foram realizadas no século II, durante a etapa romana. Possuía um perímetro de 2650m e continha 4 portas, orientadas aos pontos cardeais. Com a chegada dos árabes, seu estado era deplorável, motivo pelo qual teve que ser reconstruída e ampliada devido ao  grande crescimento urbano verificado a partir de então. As crônicas existentes relatam que o perímetro da muralha durante a fase final do Califato de Córdoba, no início do século XI, era de 22 km, ocupando um espaço maior que a atual cidade no século XXI. Chegou a ter 13 portas !!!

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pouco antes da reconquista de Córdoba no século XIII pelo Rei Fernando III, se construiu  uma nova muralha anexa à existente, com o objetivo de proteger as residências situadas fora da primitiva muralha. Desta forma, o recinto de muralhas ficou dividido em duas partes. Por um lado, o antigo recinto histórico, denominado Medina, e o novo, situado em sua porção oriental, que passou a ser chamado de La Axerquía. Abaixo, vemos uma parte da Muralha del Marrubial, que integrava este novo conjunto defensivo, e que atualmente encontra-se em fase de restauração (séculos XI e XII).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da reconquista, as muralhas foram conservadas e restauradas. Também se construíram novas portas e torres, que passaram a integrar o recinto de La Axerquía, caso da Torre de la Puerta del Rincón, edificada no século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADo século XV se conserva a Torre de la Malmuerta. Sua construção iniciou-se em 1404, durante o reinado de Enrique III de Castilla, sob os restos de uma torre muçulmana. De planta octogonal, está apoiada sobre um arco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma antiga lenda diz que seu nome se deve à morte de uma dama cordobesa por seu marido ciumento, cujo desenlace ocorreu junto à torre. Outra estória a respeito desta torre relata que se um cavalheiro, passando a cavalo por debaixo do arco, fosse capaz de ler toda a inscrição existente na torre, esta se derrubaria e de seu interior sairia um tesouro, que passaria a ser propriedade do afortunado leitor. Perdida sua função defensiva, foi utilizada como prisão para nobres. No final do século XX, foi a sede da Federação de Xadrez da cidade. O núcleo principal da muralha rodeia parte do Centro Histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste tramo da muralha possui 360m, estando formado por 7 torres. Abaixo, vemos a conhecida Porta de Almodóvar. Situada junto à Judería de Córdoba, sua origem é árabe, mas seu aspecto atual data do século XIV. Está composta por duas torres unidas a modo de uma ponte por um arco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAJá a Porta de Sevilha foi reconstruída, pois a original foi demolida em 1865. Diante dela, vemos o monumento em homenagem ao poeta, filósofo e teólogo cordobês Ibn Hazam (994/1064).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei uma matéria sobre um local representativo do Centro Histórico de Córdoba, a famosa Judería

Medina de Rioseco – Prov. Valladolid

A Comunidade de Castilla y León é um verdadeiro museu a céu aberto, com uma quantidade enorme de lugares históricos de grande interesse para o visitante. Recentemente, estive três dias viajando pela Província de Valladolid com o objetivo de conhecer algumas das cidades da região. Minha primeira parada foi a cidade de Medina de Rioseco, que conta com apenas 5 mil habitantes, mas que possui um patrimônio histórico extremamente rico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco é conhecida como a Cidade dos Almirantes desde o século XV, quando Don Alfonso Enríquez recebeu do Rei Enrique III o título de Almirante de Castilla em 1405. Em 1423, outro monarca, Juan II, lhe concedeu o senhorio desta vila. Sua importância aumenta quando os reis castelhanos concedem à cidade um mercado semanal e uma feira anual. O auge econômico de Medina de Rioseco ocorre no século XVI, quando são construídos os templos mais importantes. O município se converte no centro mundial de distribuição de prata que chegava do continente americano através do porto de Sevilha. Uma placa colocada numa das ruas da cidade homenageia os habitantes da cidade que participaram da conquista do novo continente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco faz parte do Caminho de Santiago que começa em Madrid e termina em Sahagún, no norte da Espanha, quando se une com o tradicional Caminho Francês.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1632, o Rei Felipe IV concede o título de cidade a Medina de Rioseco e, em 1725, Felipe V suprime o título de Almirante que ostentavam os senhores da vila. A cidade teve uma participação fundamental na Guerra da Independência contra os franceses em 1808, momento em que foi travada nos campos de Medina de Rioseco a Batalha de Moclín, uma das mais importantes da guerra. A terrível derrota do exército espanhol, que contabilizou mais de mil mortos nesta batalha, propiciou o avance das tropas de Napoleão a Madrid. Antes, porém, o exército francês saqueou e incendiou a cidade. O próprio imperador francês ordenou que o nome desta batalha fosse gravada no Arco do Triunfo de Paris. Segundo o próprio Napoleão, a vitória nos campos de Medina de Rioseco possibilitou a chegada ao trono espanhol de seu irmão, José Bonaparte. Em 1908, em homenagem ao centenário da batalha, foi esculpido um monumento, que podemos apreciar atualmente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMedina de Rioseco possui um dos maiores legados culturais da Província de Valladolid, motivo pelo qual recebeu o título de Conjunto Histórico-Artístico. A tranquila cidade se transforma durante a Semana Santa, a principal festividade de seu calendário, com belíssimas procissões realizadas pelas 16 cofradías existentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA paixão de seus habitantes pela Semana Santa é herdeira de tradições antigas que se remontam ao século XVI, quando foi criada a primeira cofradía da cidade, a de Vera Cruz. Devido à sua antiguidade e importância, a Semana Santa de Medina de Rioseco foi declarada Festa de Interesse Turístico Internacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIgreja de Santa Cruz é a sede do Museu da Semana Santa, que vale a pena ser visitado pelas impresionantes imagens que contém e que participam das procissões. A igreja foi construída em 1549 sobre um anterior templo gótico, e foi afetada pelo Terremoto de Lisboa de 1755.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada da igreja foi inspirada na Igreja dos Jesuítas de Getsu, em Roma. Sua decoração representa a exaltação de Santa Cruz e seus milagres.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade possui também lugares de grande beleza natural, como o Canal de Castilla, que veremos num post especial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFiz minha viagem de Madrid a Medina de Rioseco em ônibus, num trajeto de um pouco mais de 3 horas. Até 1969, a cidade esteve comunicada por uma ferrovia de via estreita que realizava o percurso de Valladolid a Medina, inaugurada em 1884. O serviço foi suprimido e atualmente somente podemos ver uma locomotiva que realizou o trajeto entre 1911 e 1930.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA antiga estação ferroviária foi transformada num Mercado, cuja estrutura principal vemos abaixo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelo de Arenas de San Pedro

Um dos símbolos de Arenas de San Pedro, o castelo da localidade se destaca na paisagem urbana como um grande testemunho da história da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortaleza é conhecida como o Castelo del Condestable Dávalos, cuja construçao foi ordenada por Don Ruy López Dávalos, que ocupou  cargo de Condestable de Castilla no século XV, um cargo parecido ao de primeiro ministro. Foi edificado entre 1393 e1422 no estilo gótico, com o intuito do proprietário de ratificar seu domínio sobre estas terras que lhe form concedidos pelo rei Enrique III.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, o castelo nunca foi utilizado como uma fortaleza defensiva, apenas como residência nobre do proprietário. Além do mais, está localizado na parte baixa da cidade, ao contrário das construções defensivas que se situam no ponto mais elevado das cidades. O principal elemento construtivo do castelo é a pedra de granito. Possui uma planta quadrada e está formado por 4 torres circulares de 16 metros de altura cada, que foram colocados nas esquinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo conjunto, o destaque fica por conta da Torre de Homenaje, de formato retangular e com 26 metros de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALogo depois que a construção foi finalizada, o castelo passou a ser propriedade de Rodrigo Alonso Pimentel, II Conde de Benavente. Em 1430, o conde entregou o castelo a sua filha Doña Juana de Pimentel, depois de seu casamento com Don Álvaro de Luna (1390/1453), um personagem de grande importância na época. Vítima de uma conspiração organizada pela nobreza castelhana, foi decapitado na Plaza Mayor de Valladolid em 1453. Por este motivo, Juana de Pimentel acabou ficando conhecida para a posteridade como a “Condessa Triste“. Uma rua da cidade a homenageia…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm uma das salas da Torre de Homenaje podemos ver as principais personalidades relacionadas com a história do castelo, como a própria Juana de Pimentel e seu marido, representado ao lado do seu carrasco…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1460, Maria de Luna, filha do casal, se casou no castelo com D.Iñigo López de Mendoza, II Duque de Infantado. A partir de então, passou a ser propriedade desta importante família nobre. Abaixo, vemos o Pátio de Armas, que originalmente estava cercado por várias dependências, como armazéns, a cozinha, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVII, o castelo se encontrava em péssimo estado, e no século XIX o Pátio de Armas se transformou numa prisão e depois no cemitério da cidade. Posteriormente, as tumbas foram levadas ao cemitério atual. Em 1853, o castelo foi adquirido pela Prefeitura de Arenas de San Pedro. A partir da década dos 70 do século passado, passou a ser utilizado como espaço para eventos culturais, concertos, exposições, etc. Pude admirar uma bela exposição de esculturas no interior da Torre de Homenaje.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs funcionários da Oficina de Turismo da cidade organizam visitas guiadas pelo castelo, proporcionando todas as informações sobre sua história e os acontecimentos mais relevantes ocorridos dentro de seus muros.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeclarado Monumento Histórico-Artístico em 1931, o castelo possui tanta importância em Arenas de San Pedro que passou a fazer parte do Escudo da cidade. O curioso é que o lema “Sempre incendiada e sempre fiel“, que aparece no escudo com o castelo sendo consumido pelas chamas, é uma mentira histórica, pois a fortaleza nunca chegou a ser incendiada. A cidade foi, sim, saqueada diversas vezes, mas um castelo pegando fogo ficaria mais interessante…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outras fotos deste belo castelo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Arenas de San Pedro – Província de Ávila

Um dos melhores aspectos de viver em Madrid é sua localização estratégica, no centro da Península Ibérica. Ao ser a capital da Espanha, está bem comunicada com o resto do país, e muitos passeios podem ser realizados ao redor da cidade num raio de cerca de 150 km, num bate volta que permite conhecer diversos lugares interessantes do ponto de vista histórico. Neste mês, peguei um ônibus na Estação de Méndez Álvaro e fui conhecer a bela cidade de Arenas de San Pedro, um município situado ao sul da Província de Ávila (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom cerca de 6.500 habitantes, boa parte do município está situado dentro do Parque Regional da Serra de Gredos, uma reserva natural excelente para a prática do ecoturismo. No inverno, as temperaturas na serra frequentemente alcançam temperaturas negativas com muitas nevadas, algo que nao costuma ocorrer no povoado, ao estar situado no meio de um vale, o Vale de Tiétar, que recebe o nome do rio que atravessa a comarca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Rio Tiétar nasce no alto da Serra de Gredos, que vemos ao fundo na foto acima, integrando a Bacia Hidrográfica do Rio Tajo. Uma bela ponte construída no período gótico constitui um dos cartões postais da vila.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta ponte medieval, além de permitir cruzar o rio, foi utilizada com funções econômicas, já que os viajantes e as carruagens que por ela cruzavam tinham que pagar um imposto sobre a comercialização do gado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá composta por três arcos, o central de maior envergadura que os laterais…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAArenas de San Pedro é um município de origem medieval, e recebeu o título de vila em 1393, durante o reinado de Enrique III. O nome Arenas é uma referência aos areias que se formam nas margens do rio, e San Pedro uma homenagem a San Pedro Alcántara, padroeiro da cidade que nela viveu no século XVI. Um dos monumentos mais famosos da cidade é seu imponente castelo, que veremos num post especial.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo de sua história, o povoado foi saqueado e incendiado diversas vezes, como na Guerra da Independência do início do século XIX, quando foi ocupada pelas tropas do Imperador Napoleão Bonaparte. Por este motivo, em seu escudo aparece o castelo sendo incendiado (algo que de fato nunca chegou a ocorrer) e o lema “Sempre incendiada e sempre fiel“.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o Edifício da Prefeitura (Ayuntamiento),  onde foi colocada uma placa em homenagem aos defensores da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal monumento religioso de Arenas de San Pedro é a Igreja Paroquial de N.Sra da Assunção, construída no estilo gótico no final do século XIV e início do XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA esbelta torre foi construída posteriormente (século XVI), no estilo renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm uma de suas portas se realizava, na Idade Média, o conselho da cidade, como indica a placa colocada num dos muros da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes de visitar o Castelo de Arenas, dei um pulo na Praça de Touros da localidade, construída em 1961.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAContinuaremos nossa visita por Arenas de San Pedro no próximo post…

Benavente – Castilla y León

Lugo está situada a cerca de 500 km de Madrid. No meio do caminho entre ambas cidades situa-se Benavente, pertencente a Província de Zamora (Comunidade de Castilla y León), a última etapa de minha viagem pelo norte e noroeste da Espanha. Benavente é uma cidade que conta com um interessante patrimônio histórico-artístico, com destaque para duas belíssimas igrejas românicas. A cidade sempre foi um cruzamento de caminhos que ligam a zona central e sul com a região noroeste do país. Um dos mais conhecidos é a denominada Vía de la Plata, uma variante do Caminho de Santiago que passa pela cidade. O peregrino que deseje realizar esta rota deverá iniciá-la em Sevilha ou Mérida e chegar a Astorga, no norte do país, para então pegar o Caminho Francês que o levará até Santiago de Compostela.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABenavente foi palco de vários acontecimentos históricos relevantes. Em 1230 foi cenário do chamado “Convênio de Benavente“, que possibilitou a união dos reinos de Castilla e León, durante o reinado de Fernando III. Um dos grandes benfeitores da cidade foi Fernando II, que a repovoou e lhe concedeu um foro em 1167. Em 1398, reinando Enrique III, Benavente passa a ser um Condado pertencente a D.Juan Alonso Pimentel, cuja nobre dinastia se manteve vinculada à cidade até o século XIX. Atualmente, Benavente é um dos principais centros econômicos da província, tanto por seu dinamismo quanto por sua estratégica localizaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos monumentos mais importantes da cidade é a Torre do Carracol, uma das poucas partes conservadas do antigo Castelo da Mota, propriedade dos Condes de Benavente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo da Mota foi considerado uma das fortalezas mais suntuosas da Espanha, segundo os testemunhos de viajantes que visitaram o local. Infelizmente foi destruído pelos franceses durante a Guerra da Independência no início do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Torre do Caracol foi construída no princípio do século XVI pelos IV e V Condes de Benavente, combinado elementos do gótico e do renascimento. Atualmente integra as dependências do Parador de Turismo da cidade (rede hoteleira que se caracteriza por instalar seus estabelecimentos em edifícios históricos). A fachada principal conserva ainda o escudo dos proprietários…

OLYMPUS DIGITAL CAMERASempre que possível, visito os Paradores Nacionais para tomar um café e visitar algumas de suas dependências. O interior do Parador de Benavente é belíssimo, e pude tirar várias fotos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos destaques da torre é o artesanato mudéjar que decora uma de suas salas, procedente de um antigo convento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Torre do Caracol foi declarada Monumento Nacional por sua importância histórica e artística.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra construção famosa de Benavente é o Hospital da Piedade, edificado como hospital de peregrinos pelo V Conde de Benavente e sua esposa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEmbora sua fachada esteja decorada com elementos próprios da Arte Gótica, é considerada um excelente exemplo da primeira fase do Renascimento Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte central da fachada vemos uma escultura que representa a Piedade, franqueada pelos escudos dos fundadores. Na parte superior, uma concha recorda sua ligação como hospital de peregrinos.  Hoje em dia acolhe um asilo para idosos, mas é possível visitar seu belo pátio interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Cartagena Medieval e Moderna

No final do séc. II dC e durante todo o séc. III, Cartago Nova sofreu uma profunda crise e boa parte dela foi abandonada. A cidade recupera-se no séc. IV, mas seu perímetro urbano diminui consideravelmente., aproveitando-se os materiais das velhas construções para restituir uma nova imagem urbana, agora convertida em capital do Conventus Carthaginense, título concedido pelo Imperador Diocleciano. Depois da desaparição do Império Romano, Cartagena formou parte dos domínios bizantinos na Península Ibérica, sendo sua capital. No séc. VII, a cidade é completamente destruída pelos Visigodos. Pouco se sabe sobre Cartagena depois deste acontecimento, e volta a ser citada somente no séc. X, quando aparece como um enclave árabe, com o nome de Qartayannat Al – Halfa. Cartagena é reconquistada pelos cristãos em 1245 e no ano seguinte o rei Fernando III lhe outorga o Foro de Córdoba, cuja cópia vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA imposição de um novo modo de vida provocou rebeliões entre a população árabe que permaneceu na cidade (mudéjares), sufocadas em 1264. A partir de então, boa parte de seus habitantes abandonam novamente a cidade. Será somente no séc. XVI quando Cartagena é repovoada e o porto recobra o importante papel que teve ao longo de sua história.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesta época medieval, a construção mais importante é o Castelo da Concepção, situado na parte mais elevada do cerro de mesmo nome, a colina mais alta das cinco que rodeiam o centro histórico. Neste local, durante a época romana, se erguia um templo dedicado a Esculápio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta fortaleza foi construída com os materiais da época romana, que foram reutilizados, assim como com parte das antigas muralhas islâmicas pré existentes. As primeiras notícias deste castelo datam do reinado de Enrique III (1390/1406). A partir do séc. XVI são frequentes os comentários sobre o ruinoso estado da fortaleza. Apesar disso, continuou sendo a praça forte de Cartagena, um local privilegiado para receber os sinais da rede de atalaias (torres defensivas) costeiras em caso de perigo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da sua progressiva deterioração, em 1915 o castelo passa a ser propriedade da Prefeitura de Cartagena, momento em que é restaurado pelo arquiteto Victor Beltrí, dentro do processo de reurbanização da zona, que se transforma num parque. Atualmente, novamente reformado, o Castelo da Concepção é a sede do Centro de Interpretação da História de Cartagena.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPara se chegar até ele, a melhor forma é subir pelo elevador panorâmico, de 45m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor sua estratégica posição, Cartagena é designada no séc. XVII, base naval, convertendo-se num dos três Departamentos Marítimos da Espanha em 1726.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO séc. XVIII representa um dos períodos culminantes de sua história, graças ao grande desenvolvimento da base naval existente e uma ampliação de seu arsenal bélico, além de uma série de construções militares de defesa e serviços complementares (muralhas, hospitais, quartéis, etc). A maioria destas obras foram realizadas durante o governo de Carlos III (1759/1788), por iniciativa do Conde de Aranda, capitão geral de Valencia e Murcia. Uma das peças fundamentas deste plano defensivo é a Muralha do Mar, que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAUma vez perdida sua função defensiva, inicia-se o lento processo de sua destruição. O aspecto que atualmente observamos da Muralha do Mar é fruto de uma remodelação realizada no final do séc. XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo entanto, se conserva a Porta do Arsenal, a única porta sobrevivente da muralha construída no séc. XVIII. Em 1865, foi colocada a torre do relógio, que vemos na sequência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA