Ampliação do Museu do Prado: Madrid

O Museu do Prado (post publicado em 17/5/2012) foi alvo de diversas obras de reformas ao longo de sua história. A mais importante delas finalizou em 2007, segundo um elogiado projeto do renomado arquiteto Rafael Moneo (1937). O plano levou em consideração os edifícios colidantes ao museu, como a Igreja de San Jerónimo La Real (matéria publicada em 7/7/2013). Dois edifícios emblemáticos de Madrid, um no plano artístico, e outro no religioso, foram integrados ao novo desenho de ampliação realizado.

DSC09098O edifício sede do Museu do Prado, um dos referentes da arquitetura neoclássica da Espanha, foi projetado pelo arquiteto Juan de Villanueva a partir de 1785, durante o reinado de Carlos III, com a função de acolher o Gabinete de História Natural. A Guerra da Independência contra os franceses no início do século XIX fez com que o edifício fosse duramente castigado em sua estrutura. Com o término da guerra, o edifício foi restaurado no reinado de Fernando VII e reinaugurado em 1819 como um Museu de Pinturas. Para tanto, contou com o esforço e dedicação da segunda esposa do rei, Maria Isabel de Bragança.

DSC03524DSC01970Já a Igreja de San Jerónimo La Real é uma das poucas construções de origem gótica existentes em Madrid. Formava parte do antigo Monastério de San Jerónimo, fundado pelo Rei Enrique IV no século XV. Originalmente, estava situado às margens do Rio Manzanares, mas as péssimas condições higiênicas do local fez com que os Reis Católicos ordenassem a construção de um novo edifício, situado em sua localização atual. Em 1502 se edificou a nova igreja no período final do gótico, que contava também com um quarto real situado junto ao presbitério, utilizado pelos reis durante sua estadia em Madrid. Dessa forma, os Reis Católicos podiam assistir a missa desde seu próprio aposento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja, desde suas origens, sempre esteve ligada à monarquia, pois em seu interior se celebram casamentos reais e os juramentos dos Príncipes de Asturias. As várias reformas realizadas ao longo de sua secular história eliminaram a maior parte de sua fábrica gótica. Também danificada durante a Guerra da Independência, seu aspecto atual se deve às reformas realizadas pelo arquiteto Enrique María Repullés em 1883.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO monastério, que já não existe mais, chegou a ter dois claustros de épocas distintas. O primeiro, de estilo renascentista, foi destruído e substituido por um barroco, construído entre 1672 e 1681. Devido às guerras e sua própria antiguidade, o claustro permaneceu abandonado no século XX, e abaixo podemos observar seu estado numa foto do século passado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos aspectos mais importantes da proposta de ampliação do Museu do Prado realizada por Rafael Moneo consistiu na recuperação do claustro e sua restauração. O claustro foi desmontado e recolocado dentro de um novo edifício, o chamado Cubo de Moneo.

DSC09095Feito de tijolo vermelho, o Cubo de Moneo acolhe hoje em dia o antigo claustro restaurado, e no novo espaço podemos contemplar uma série de esculturas históricas dos monarcas espanhóis, que será o tema do próximo post.

DSC09089O trabalho de Rafael Moneo incluiu também um novo vestíbulo situado na parte traseira do edifício histórico de Juan de Villanueva, que serve de entrada ao museu, denominado Puerta de los Jerónimos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO vestíbulo compreende vários espaços complementares ao museu, como cafeteria, loja, o acesso ao claustro e também salas onde se organizam exposições temporais de grande qualidade artística. Na parte superior do vestíbulo, Moneo projetou um belo jardim de formato geométrico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro destaque do Cubo de Moneo, a belíssima porta de acesso foi realizada pela artista Cristina Iglesias (1956). Realizada em bronze, possui 6m de altura e 22 toneladas de peso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizamos a matéria com uma foto do Cubo de Moneo e, ao lado, a Igreja de San Jerónimo

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Belas Igrejas de Madrid

Hoje vocês conhecerão duas belas igrejas de Madrid. Se existe alguma semelhança entre ambas, é que sao desconhecidas mesmo para os madrilenhos. A Igreja de Nossa Senhora de los Angeles situa-se na comprida Calle  Bravo Murillo, em pleno Distrito de Chamberí.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInaugurada em 1892, a Igreja de N.Sra de los Angeles foi projetada pelo arquiteto Enrique María Repullés y Vargas no estilo neogótico. O arquiteto inspirou-se no gótico francês para realizar este belo templo, que pode ser observado na verticalidade da fachada e no interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos um dos vitrais que decoram o interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída com donativos dos próprios fiéis, e um dos grandes destaques que alberga é o restaurado órgão de 1761, declarado Bem de Interesse Cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo Bairro de Arguelles encontramos a Igreja de Santa Rita, construída nos anos 50 do século XX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPertence à Ordem dos Agostinhos Recoletos, que encarregaram aos arquitetos Ramón R. de Dampierre e Antonio Vallejo a construção do templo. Em sua fachada, que combinam o tijolo vermelho e a pedra, foram representadas 16 cenas correspondentes à vida de Santa Rita.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior surpreendeu-me por seu formato circular, com seus muros todos decorados por pinturas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA maior parte dos fiéis deste templo pertencem a comunidade oriental da cidade, como podemos observar nos elementos decorativos da entrada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERARita de Cássia foi uma santa italiana pertencente à Ordem de Santo Agostinho, falecida em 1456. Segundo a tradição, foi concebida milagrosamente por seus pais estéreis em idade avançada. Se considera um modelo de mulher católica, pois passou por todos os estados possíveis: donzela, esposa, viúva e religiosa, demonstrando sempre uma inusual paciência e humildade. Uma vez livre de todo vínculo terrenal, depois do assassinato de seu marido, quis ingressar no Convento de Santa Maria Madalena de Cássia, mas sua petição foi negada três vezes. No entanto, uma noite lhe apareceram São João Batista, Santo Agostinho e Santo Nicolás, e foi introduzida no monastério. Santa Rita era devota da Paixão de Cristo, e meditando um dia sobre o crucifixo e a dor que Cristo sentiu depois que lhe colocaram a coroa de espinhos, lhe suplicou para que participasse também da pena. Cedendo a seu desejo, Jesus colocou em sua testa um espinho que provocou uma profunda e incurável ferida, isolando-se no convento até sua morte. Pouco antes de falecer, pediu a uma amiga que lhe trouxesse uma rosa, apesar dos dias frios de inverno. Sua amiga obedeceu e efetivamente encontrou a flor no local onde a santa havia dito que encontraria. Por este motivo, a Santa Rita se suplica as causas impossíveis. Na arte, normalmente é representada em êxtase, contemplando fixamente o crucifixo e o espinho cravado na testa.

Igreja de San Jerónimo “El Real” – Madrid

Você já participou do Concurso “Conhecendo Espanha”, cujas perguntas podem ser respondidas no post publicado no dia 5/7 ? É fácil e instrutivo, vejam mais informações na matéria publicada deste dia. Até o dia 18/7 serão aceitos os envios com as respostas desta primeira etapa, ok ?

Na matéria de hoje, conheceremos a Igreja de San Jerónimo “El Real”, conhecida popularmente pelos madrilenhos como “Los Jerónimos”. Localizada atrás do Museu do Prado, o templo é, seguramente, um dos com mais história da capital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja é a única parte que sobreviveu do antigo Monastério dos Jerónimos, fundado por volta de 1460 pelo rei Enrique IV. No princípio, o monastério situava-se próximo ao Rio Manzanares. Em 1501, porém, por ordem dos Reis Católicos, foi mudado para o local atual, devido às queixas constantes dos frades a respeito das más condições sanitárias, atribuídas à sua localização. O novo monastério foi construído com os mesmos materiais do anterior, e serviria também de aposento real durante a estadia dos reis na cidade. Nele, se reunia a corte e se celebravam os juramentos reais, desde Felipe II, no séc. XVI, até Isabel II, em 1833.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém foram celebradas na igreja os casamentos reais, o último dos quais de Juan Carlos I, atual rei espanhol. No séc. XVI, Felipe II ampliou o chamado quarto real, germe do futuro e imenso Palácio del Buen Retiro, construído por Felipe V, e situado junto ao atual Parque do Retiro e o Paseo do Prado. O complexo do monastério e do palácio anexo viveram seus dias de máximo esplendor durante o reinado de Felipe IV, que dele fez o centro da vida cortesana. Com a invasão de Napoleão, em 1808, o complexo sofreu graves danos e Fernando VII o transformou num quartel de artilharia. No final do séc. XIX, o palácio finalmente foi demolido, a exceção do Casón del Buen Retiro, antigo salao de bailes do palácio, e que atualmente está integrado ao Museu do Prado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar da destruição de sua original porta gótica, e do retábulo maior, a igreja foi restaurada por ordem de Francisco de Assis, consorte da rainha Isabel II, que encarregou ao arquiteto Narciso Pascual y Colomer as reformas do templo, incorporando as torres que vemos hoje em dia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1878, foi novamente restaurada, desta vez por Enrique María Repullés, cujo aspecto é o que vemos atualmente. Em 1906, foi construída a escada de acesso à igreja, para a celebraçao do casamento de Alfonso XIII e Victoria Eugenia.

DSC01972A portada foi realizada segundo modelos góticos, e nela está esculpida o escudo da casa real espanhola. No tímpano, vemos um relevo com a representação do nascimento da Virgem, e um calvário na parte superior.

DSC01973O interior da igreja está formado por apenas uma nave, cujo teto está coberto por bôvedas de crucería, a única parte conservada da antiga igreja gótica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo ábside da igreja, vemos um quadro pintado no séc. XIX, pelo artista Rafael Tegeo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta grandiosa obra representa a última comunhao de San Jerónimo, provavelmente o maior de todos os quadros situados nas igrejas da Comunidade de Madrid, medindo 9x4m. Outra obra de interesse é o retábulo situado na Capela Maior, realizado por José Mendes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANele vemos, em sua parte inferior, a San Jerónimo sentado sobre o leão. No centro, a Virgem Imaculada e, na parte superior, a Santíssima Trindade. Abaixo, outras fotos do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPara finalizar, cabe ressaltar que o monastério, ao longo de sua história, contou com dois claustros. O primeiro, datado de 1460, era de estilo plateresco. O segundo, renascentista, foi reconstruido pedra por pedra dentro do projeto de ampliação do Museu do Prado, executado pelo arquiteto Rafael Moneo. Infelizmente, as fotos estao proibidas, e se pode contemplá-lo numa visita ao museu. A Igreja de San Jerónimo foi declarada Monumento Nacional em 1925.