Um Passeio por Mogarraz

A Comarca de la Sierra de Francia está formada por montanhas e vales, onde se assentaram uma série de pueblos de grande interesse histórico, como La Alberca, sua capital, San Martín del Castañar, que veremos no próximo post, e Mogarraz. Seus habitantes, desde tempos remotos, se dedicaram à agricultura e à pecuária, aproveitando todos os espaços disponíveis, criando áreas nas ladeiras das montanhas para o cultivo e o pasto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra característica que compartem estes povoados é sua arquitetura popular, cujas casas foram construídas com entramados de madeira, que vimos mais detalhadamente num post recém publicado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMogarraz é um pueblo com menos de 300 habitantes, cuja importância histórica foi reconhecida ao ser declarado Conjunto Histórico-Artístico em 1986. Suas ruas estreitas seguem o urbanismo medieval, como podemos observar nas fotos desta matéria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fundação de Mogarraz se deve ao processo de repovoamento efetuado pelos reis castelhanos no século XII. Obteve o título de vila somente em 1656.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua economia sempre esteve baseada no cultivo da uva, da cereja e na exploração dos recursos naturais da zona, como a madeira, realizada de forma sustentável desde séculos. Neste sentido, Mogarraz situa-se num local privilegiado, dentro dos limites do Parque Natural de Las Batuecas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAo contrário de La Alberca, em que muitas de suas típicas casas foram restauradas, em Mogarraz conservam seu aspecto original.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém aqui encontramos as fachadas das residências ornamentadas com motivos religiosos esculpidos, a grande maioria talhados pela comunidade de judeus conversos que passaram a viver na comarca em épocas passadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO principal monumento do povoado é a Igreja Paroquial de N.Sra de las Nieves, construída no estilo renascentista. A torre campanário é posterior, erguida no século XVIII, cumprindo uma função de defesa e vigilância.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu artesanato é famoso em toda a Espanha e no estrangeiro, principalmente as jóias feitas com fios de ouro e prata, além do bordado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOutros produtos de grande fama, extensivo à toda a Província de Salamanca, constituem os embutidos, derivados da criação de cerdos (porcos, em português), como o jamón, o chorizo, a morcilla, etc. Tivemos o prazer de realizar uma degustação maravilhosa destes produtos numa loja que comercializa alguns dos melhores embutidos da zona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACaminhamos sem pressa pelo povoado, principalmente quando a chuva dava uma trégua, sob o olhar atento dos retratos, admirando sua bela, rústica e peculiar arquitetura popular

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

Os Pueblos Mais Belos de Espanha

Sempre que nos referimos ao imenso potencial turístico da Espanha, o primeiro que recordamos sao suas magníficas cidades, como Madrid, Barcelona, Valencia, Santiago de Compostela, Sevilha, Córdoba, Burgos, León, Zaragoza, somente para citar algumas delas. No entanto, existem povoados pequenos, aqui denominados Pueblos, que merecem ser conhecidos por sua beleza, riqueza histórica e artística, entorno natural, etc. Muitos deles foram declarados Conjuntos Históricos, graças à importância de seus monumentos. Existem mais de 8 mil por todo o país, e muitas listas foram e continuam sendo realizadas para a divulgação dos mais Belos Pueblos de Espanha. Muitos destas localidades já apareceram no blog, e tive a oportunidade de visitar muitos povoados encantadores. Decidi, pois, compartilhar com vocês minha lista pessoal dos pueblos mais bonitos que tive a oportunidade de conhecer em minhas viagens pelo país. Dividi as matérias segundo a localização geográfica dos pueblos e entre parênteses coloquei as datas de publicação dos posts em que estas pequenas cidades foram o tema principal. Desta forma, vocês poderão conhecer mais a fundo cada um dos pueblos da lista. Inicio minha lista pela Comunidade de Aragón, precisamente pela Província de Zaragoza, onde encontramos a cidade de Daroca (14/1 a 18/1/2013), que foi matéria de várias publicações…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom cerca de 2 mil habitantes, Daroca é um povoado com uma longa história, e conserva inúmeros monumentos de interesse de várias épocas, inclusive as ruínas de seu castelo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERATambém na Província de Zaragoza situa-se Tarazona, que também foi o tema de vários posts publicados (de 18/1 a 28/1/2016).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASe consideram pueblos os municípios com menos de 2 mil habitantes. Tarazona possui cerca de 11 mil habitantes, mas a riqueza de seu patrimônio é tão extraordinária que foi colocada na lista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAcima vemos imagens de sua belíssima catedral, restaurada há pouco tempo e o edifício da Prefeitura, um dos mais belos do país. Abaixo, um pequeno detalhe de Tarazona

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo sul da Comunidade Aragonesa está situada a Província de Teruel, com lindos pueblos. Miravete de la Sierra é um povoado que me encantou, com sua pequena, mas preciosa ponte, que preside o pueblo. Possui somente 28 habitantes….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAMirambel, com pouco mais de 100 habitantes, constitui um pueblo bem conservado que nos faz viajar ao passado…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Província de Huesca, ao norte da comunidade, se destaca por sua proximidade com os Pirineus, sendo um lugar perfeito para o senderismo e os esportes de montanha. Tramacastilla de Tena é um típico pueblo de montanha, e percorrer suas ruas nos possibilita conhecer a arquitetura representativa do norte de Aragón

DSC05277DSC05267

 

 

Um Passeio por Valencia

No post de hoje faremos um passeio pelo Centro Histórico de Valencia, descobrindo seus lugares mais representativos do ponto de vista histórico, e conhecendo também o legado relacionado com alguns de seus personagens principais. Um deles nos remonta à época romana, momento em que aparece a figura de San Vicente Mártir, que foi martirizado por defender a fé cristã no ano de 304 dc. É possível visitar a prisão onde recebeu o martírio, transformada numa capela. O local conserva a coluna que, segundo a tradição, o santo foi torturado. San Vicente Mártir tornou-se o padroeiro da cidade de Valencia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPouco mais de mil anos depois, nasce em Valencia outro Vicente de grande importância religiosa, San Vicente Ferrer (1350/1419). Pertencente à Ordem Dominicana, sua voz de predicador ressoou pelas ruas da cidade, sendo venerado pelos seus habitantes. Abaixo, vemos uma estátua em sua homenagem.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém podemos ver sua representação na coleção pictórica do Museu Catedralício, num quadro realizado pelo pintor valenciano Joan Reixach entre 1455 e 1459. San Vicente Ferrer é representado de corpo inteiro em atitude de predicação, e vestido com o hábito branco e negro, próprio dos dominicanos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o edifício construído sobre a casa natal do santo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO período gótico foi uma época de grande prosperidade para Valencia, como vimos em matérias anteriores. Em algumas mansões aristocráticas o estilo combinou-se com a corrente artística subsequente, o Renascimento, caso do Palácio de Benicarló, construído no final do século XV e princípio do XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtual sede das Cortes de Valencia, sua construção foi ordenada pelo Duque de Gandia, membro da conhecida família dos Borja (Borjia, em italiano), cujo personagem mais destacado foi Rodrigo de Borja, que se tornou papa entre  1492 e 1503, com o nome de Alejandro VI. Por este motivo, o edifício também é conhecido como Palácio dos Borja. No século XX, este palácio teve um papel significativo durante a Guerra Civil Espanhola, pois entre 1936 e 1937 Valencia tornou-se a capital do Governo Republicano, e o Palácio de Benicarló transformou-se na sede do governo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAValencia adquiriu um grande protagonismo durante a etapa renascentista, pois foi a porta de entrada deste estilo artístico italiano na Espanha. O primeiro livro editado no país se imprimiu na cidade em 1474, e se encontra na Biblioteca da Antiga Universidade de Valencia. Esta instituição cultural fundamental, de grande prestígio atualmente, foi fundada em 1499. Seu edifício histórico situa-se na Plaza del Patriarca. Para sua construção, o conselho da cidade adquiriu várias casas localizadas nas proximidades, encarregando o arquiteto Pere Compte para que realizasse o projeto. É considerada uma das mais antigas e importantes do país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa fachada que dá para a praça foi colocada uma bela fonte em 1966, realizada por Javier Goerlich. No centro desta estrutura de aspecto clássico, foi colocada uma estátua  de mármore branco que representa uma figura feminina, símbolo da sabedoria. A ambos lados, 4 estátuas de bronze representam o Papa Alejandro VI, que expediu a bula fundacional da universidade em 1501, o reitor vitalício Vicente Blasco Ibáñez, e os Reis Católicos. Na parte superior da fonte, vemos a inscrição SPQ Valentinus, que significa “Em nome do Senado e do Povo de Valencia”.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO aspecto atual desta universidade pública pertence ao período neoclássico, como podemos observar na fachada principal e no claustro maior. No centro do mesmo, vemos um monumento em homenagem ao filósofo, humanista e pedagogo valenciano Joan Lluís Vives (1493/1540), obra realizada por Josép Aixá em 1880.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANas galerias do claustro foram colocadas lápides comemorativas de alguns fatos históricos de relevância do país, como a heróica resistência da cidade de Zaragoza durante o assédio das tropas de Napoleão no começo do século XIX (episódio conhecido como Os Sítios de Zaragoza).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlém de constituir a sede institucional e também da Reitoria, o Edifício da Antiga Universidade alberga um centro cultural, com um interesse programação cultural.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm minha visita à cidade, tive a ocasião de ver uma maravilhosa exposição sobre a Guerra Civil Espanhola, com fotos que mostram diversas facetas do conflito. Por exemplo, na imagem abaixo vemos uma reunião de mulheres comunistas militantes que protestam para que os homens participassem nas frentes de batalha da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA população de Valencia observa atônita os ataques aéreos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor primeira vez se realizou uma exposição sobre um dos símbolos da República Espanhola, a Revista La Traca. Publicada em Valencia entre 1909 e o final da república, tornou-se a revista de maior tiragem do país, e também uma das mais polêmicas. Seu proprietário, Vicente Miguel Carceller, era o principal editor da Espanha na época. Devido à sua atitude antifacista, a circulação desta revista satírica e anticlerical foi proibida por Franco, e Vicente Miguel Carceller, fusilado em 1940. O recente atentado a uma editorial em Paris teve seu antecedente em Valencia, 77 anos atrás…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Real Bodega de Carlos III

A Espanha é um país de grande tradição vinícola. Seus vinhos sao apreciados no mundo inteiro e a  grande maioria de suas bodegas podem ser visitadas, sendo que algumas delas receberam prêmios internacionais de arquitetura por sua complexidade e beleza. Existem, inclusive, bodegas históricas que continuam elaborando produtos de grande qualidade, caso da Real Bodega de Carlos III.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATive a oportunidade de visitá-la como parte do curso sobre a História de Madrid que realizei tempos atrás, junto com o grupo de alunos e professores. Situa-se a apenas 5 km do centro de Aranjuez, esta belíssima cidade considerada um Real Sítio da Coroa Espanhola, e declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco (muitas matérias já foram publicadas sobre Aranjuez, por sua importância monumental e histórica). Esta impressionante bodega integra o denominado Real Cortijo de San Isidro, criado em 1771 por ordem do Rei Carlos III dentro de uma política de desenvolvimento agrícola (produção de cereais, vinhos e azeite) e da pecuária. Uma pequena cidade foi construída, com casas para os agricultores, a referida bodega, e uma bela ermita, edificada no estilo neoclássico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a morte de Carlos III, o local entrou em decadência pois eu filho, o Rei Carlos IV, nao mostrou interesse em seu desenvolvimento. Durante o reinado de Isabel II (1868), o Real Cortijo foi desamortizado, sendo adquirido por proprietários particulares. Em 1944, foi comprado pelo Instituto de Colonização Nacional, com o objetivo de criar um novo núcleo agrário, com a divisão de suas terras aos agricultores. A Real Bodega de Carlos III foi construída em 1782 com a finalidade de produzir vinho e azeite para a monarquia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ considerada a única bodega da Coroa Espanhola, e foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1983. Construída por Manuel Serrano, está composta por galerias subterrâneas que medem 385m de comprimento por 4.5m de largura, atravessando todo o povoado do Real Cortijo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA galeria principal foi concebida para armazenar vinho, e a secundária para guardar o azeite.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a Guerra Civil Espanhola do século XX, a bodega foi utilizada como refúgio do bando republicano. Abaixo, vemos a monumental fachada da bodega, também construída no estilo neoclássico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente,a Real Bodega de Carlos III voltou a ser propriedade privada, elaborando vinhos da variedade Tempranillo (80% da produção) e Merlot (20%). É utilizada também como um local para eventos diversos. A visita à bodega finaliza com uma degustação de seus vinhos, algo que agradecemos…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Palmeiral de Elche – Patrimônio da Humanidade

Quando imaginamos uma paisagem repleta de palmeiras, logo nos vem à mente as convidativas praias do nordeste brasileiro. Porém, esta bela espécie vegetal não é exclusiva dos países tropicais e a cidade de Elche é o maior exemplo disso. De fato,Elche é considerada como o “Palmeiral de Europa“, concentrando a maior quantidade de palmeiras de todo o continente, entre 200 e 300 mil, números que representam 85% das palmeiras existentes na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grande família das Palmeiras inclui ao redor de 2800 espécies distintas. Dentre elas, a conhecida como Palmeira Datilera conforma a maioria das existentes na cidade, sendo que foi a primeira de porte arbóreo a ser cultivada pelo homem civilizado, como demonstram gravados egípcios de mais de 5 mil anos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA vida da Palmeira Datilera oscila entre 200 e 300 anos, alcançando uma altura de até 30m. Seu fruto, o dátil, é saboroso e de alto valor energético. Suas folhas adquirem uma cor amarelada, sendo utilizada como matéria prima para a confecção de cestas, chapéus e outros produtos artesanais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbundante em toda a região mediterrânea, as palmeiras foram e continuam sendo a base econômica e agrícola de muitos países do  norte da África. Na realidade, não são árvores, nem possuem madeira propriamente dita. Integram o conjunto das denominadas plantas herbáceas de porte gigante, compostas por fibra vegetal, que a tornam resistentes e flexíveis ao vento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm Elche, as palmeiras formam verdadeiros bosques urbanos, dividindo o espaço com edifícios e construções numa interessante simbiose. Os locais onde se concentram se denominam hortas, que exploram sua produção, enquanto que em outros lugares possuem um efeito ornamental. Atualmente, existem 95 hortas na cidade, das quais a metade pertencem à prefeitura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAExiste unanimidade em afirmar a origem do Palmeiral de Elche aos fenícios, ou seja, sua existência na cidade remonta a aproximadamente entre 2 mil e 2500 anos. Provavelmente, as palmeiras faziam parte da dieta fenícia  em suas travessias marítimas e encontraram na Espanha o habitat perfeito para seu desenvolvimento.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor outro lado, as técnicas de cultivo e irrigação se devem aos árabes. Hábeis agricultores nas regiões mais secas do planeta, os árabes foram capazes de tirar proveito de uma terra que, aparentemente, não era adequada para seu cultivo em Elche. Além de construir um eficiente sistema de irrigação, desenvolveram um sistema de cultivo que passou a ser conhecido como Agricultura Intensiva, e as colheitas atuais continuam utilizando os mesmos métodos idealizados pelos árabes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlgumas das palmeiras existentes em Elche adquiriram uma curiosa forma derivada de problemas relacionados com seu crescimento, criando uma posição mais horizontal, mas sem chegar a cair.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstas curiosas formações de palmeiras são conhecidas como Pipa, e a mais comprida da cidade se denomina Pipa de Sempere, que recebe o nome da horta onde se encontra. Uma técnica habitual que se utiliza para que não caia é colocar um pequeno pedaço de tronco na sua extremidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÀs vezes, o crescimento da planta ocorre de forma espiral….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Palmeiral de Elche foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, graças à sua importância ecológica e a extensão de seus bosques na cidade. Um dos locais mais belos onde podemos apreciá-lo é a Horta del Cura, que veremos na próxima matéria…

Complutum – Casa de Hippolytus

Um pouco afastada do bairro Regio II, que vimos na última matéria, a Casa de Hippolytus constitui  o outro recinto arqueológico em Alcalá de Henares da antiga Complutum Romana, cuja visita recomendo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto arqueológico representam as ruínas de um antigo colégio para jovens, que pertencia a uma das famílias mais proeminentes da cidade. Sua origem data da segunda metade do século I dC, sendo reformado no século III dC. Já no século V, foi utilizado como uma necrópole. A Casa de Hippolytus foi aberta ao público em 1999 e formava parte de um grupo de edifícios e jardins da família dos Anios, que construíram um mausoléu dentro do colégio, descoberto em 1881 e infelizmente desaparecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção da Casa de Hippolytus foi um ato benéfico da família, como sede de uma instituição educacional com infraestrutura para ócio e reuniões. A maior parte dos restos conservados correspondem às reformas realizadas no século III dC. Abaixo, vemos uma representação do aspecto que provavelmente possuía a casa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das áreas mais importantes do conjunto é o jardim, que estava composto por uma grande variedade de espécies vegetais (olmos, cedros, etc), sendo que várias delas tinham uma procedência oriental, além de uma rica fauna, fatos que sugerem uma recriação de um jardim exótico oriental, algo excepcional no mundo romano. A seguir, vemos um dos restos conservados e uma representação do mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComo espaço público que era, a Casa de Hippolytus possuía termas para os banhos, e se conservam os pilares de tijolo do sistema de aquecimento da água, denominado Hipocausto. Como de costume nas Termas Romanas, estavam compostas pelas zonas de água fria, temperada e água quente (frigidarium, tepidarium e caldarium) e estavam orientadas em direção sul, com uma maior incidência de raios solares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVemos também restos de uma piscina trilobulada, assim denominada por seu formato. Originalmente, se encontrava fechada e coberta por uma cúpula e se chegava a ela através de um pátio coberto por um pavimento de mosaicos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrequente nas termas e também nos colégios eram as letrinas, uma sala retangular que funcionava como uma espécie de banheiro coletivo, com um sistema de encanamento para a evacuação das águas fecais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande interesse arquitetônico, a sala abovedada foi construída durante a reforma no século III dC. Sua avançada técnica construtiva permitiu que pequenos tijolos de cerâmica proporcionassem uma estrutura articulada que se podia dobrar, conseguindo a curvatura desejada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA casa possuía um espaço sagrado dedicado à deusa Diana, divindade associada à caça e aos bosques. Possivelmente havia uma outra sala dedicada a Hércules, padroeiro da juventude e símbolo dos valores heroicos que se transmitiam aos jovens. Também era habitual o culto ao Gênio da Juventude, curiosamente representado por um homem adulto. Deste local se conserva uma coluna e fragmentos de uma estátua de Diana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAComplutum conta com uma das coleções mais interessantes de Mosaicos Romanos de toda a Espanha. É considerado um conjunto singular por seu caráter urbano, já que a maioria dos mosaicos conservados estão relacionados com vilas rurais. Abaixo, vemos alguns existentes na Casa de Hippolytus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm destes mosaicos é verdadeiramente excepcional, pois foi assinado por Hippolytus, o artista que o realizou, que acabou dando o nome a todo o recinto arqueológico. O mosaico em si representa uma cena de pesca, e possuía uma finalidade didática, com um amplo catálogo da fauna marinha do Mar Mediterâneo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADesde o século III e ao longo do século IV dC, Complutum conheceu um grande desenvolvimento, mas a partir do século seguinte inicia-se sua decadência com a queda do Império Romano. A cidade progressivamente é abandonada e a invasão muçulmana em 711 provoca o colapso da antiga cidade romana. A cidade árabe é fundada num outro local, num dos cerros que cercam a cidade atual a 630m de altitude, e passa a ser denominada Qalat abd Al-Salam. Para sua construção, foram utilizados os materiais dos edifícios e casas da antiga Complutum.

Casa de Pilatos – Sevilha

Depois da descoberta da América em 1492 e a incorporação de novas terras ao Reino de Castilla, a cidade de Sevilha desempenhou um papel proeminente entre a metrópole e o novo continente, graças ao monopólio comercial que exerceu com a implantação da Casa da Contratação, órgão fundado pelos Reis Católicos em 1505 para regulamentar as transações comerciais entre ambas regiões. Sevilha transforma-se então na maior cidade do país e capital econômica do Império Espanhol. Neste ambiente de grande prosperidade e pujança, foi construído um dos palácios mais belos que tive a oportunidade de conhecer na Espanha, a chamada Casa de Pilatos, cujo nome se deve à  sua própria localização na Praça de Pilatos, bem no centro histórico da cidade e antigo cenário de corridas de touros e espetáculos diversos. Abaixo, vemos a fachada oriental que dá para a praça.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída entre 1483 e 1571, a Casa de Pilatos é considerada o maior palácio nobiliário de Sevilha. Sua beleza e suntuosidade deixam impressionados (as) qualquer pessoa que visite suas dependências. Foi levantado por D.Pedro Enríquez, que ocupava o cargo de Adelantado Maior de Andaluzia (um importante posto a nível jurídico), e sua segunda esposa, Catalina de Ribera. Inicialmente, o estilo utilizado foi o mudéjar, que pode ser admirado no trabalho de gesso que decora as colunas do pátio principal do palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAD.Pedro Enríquez era descendente direto de Fadrique de Castilla (1334/1358), gêmeo e meio irmão, respectivamente, dos reis castelhanos Enrique II de Trastámara e Pedro I El Cruel, inimigos irreconciliáveis que se enfrentaram na Primeira Guerra Civil Castelhana, entre 1366 e 1369. Sua morte, ao regressar das batalhas envolvendo a conquista de Granada em 1492, fez com que sua esposa tomasse as rédeas da construção do palácio até seu falecimento, ocorrido em 1505. Foi ela quem decidiu sobre a disposição interna das principais dependências do palácio. Abaixo, vemos  a Capela da Flagelação, construída durante a etapa de Pedro Enríquez, cujo aspecto se mantêm intacto. Trata-se do único espaço realizado com elementos góticos, graças a identificação deste estilo artístico com a arquitetura religiosa católica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra das estâncias que compõem o palácio, que data da época inicial de sua construção no final do séc. XV, é o Salão de Descanso dos Juízes. Esta denominação com referências bíblicas está relacionada aos 71 membros que julgaram a Jesus Cristo durante sua condenação por Pilatos. Este espaço precede a Capela da Flagelação, que vimos acima.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAComo vocês podem comprovar nas fotos, os azulejos formam um dos elementos principais na decoração do palácio. São considerados, tanto por sua variedade, quanto pela qualidade de sua fabricação, como uma das mais ricas coleções de azulejos de todo o mundo. Mais de 150 desenhos distintos podem ser contemplados, e foram realizados no bairro sevilhano de Triana, entre 1536 e 1539. Confeccionados, em sua maior parte, segundo a chamada técnica de arista ou de cuenca, estão compostos por motivos geométricos (azulejos mudéjares), inspirados nos desenhos de tapetes do séc. XV (isabelinos) e vegetais, além de figuras grotescas e desenhos inspirados no artesanato de madeira (azulejos renascentistas). Inúmeros são as peças decoradas com os escudos relacionados às linhagens do casal fundador. A seguir, vemos o escudo de armas dos Ribera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAE o escudo de armas da dinastia dos Enríquez….

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs galerias que compõem o famoso Pátio Principal, que veremos na próxima matéria, também foram adornadas com azulejos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Casa de Pilatos foi edificada em dois andares quase idênticos. O andar inferior, composto por várias dependências situadas em torno ao pátio principal, algumas das quais vemos acima, constituem o denominado Palácio de Verão. A planta baixa é mais fresca e menos exposta ao abrasador calor sevilhano. A planta superior compõe o Palácio de Inverno, organizado em várias salas, mas as fotos neste andar infelizmente não estão permitidas. Abaixo, vemos uma imagem do andar superior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs convidados que chegavam ao palácio eram recebidos num local denominado Apeadero, um recinto típico dos palácios andaluzes. Representava um espaço de transição entre a praça pública e a intimidade do pátio principal, estando situado logo depois da entrada principal do palácio. Consta de um pátio descoberto com galerias perpendiculares, que protegiam os recém chegados da chuva e do sol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a galeria norte, composta por duas fileiras de colunas que formam arcos de meio ponto, permitindo a entrada ao pátio principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a morte do casal fundador, seus descendentes realizaram reformas que determinaram seu maravilhoso caráter renascentista, que veremos na próxima matéria. A partir do séc. XVII, a Casa de Pilatos passa a ser propriedade dos Duques de Medinaceli, cujo escudo podemos observar num dos muros do palácio.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA