Monastério de Uclés – Prov. Cuenca

Antes de iniciar o primeiro post de 2020, gostaria de desejar um maravilhoso ano a todos vocês, repleto de harmonia, saúde e amor !!!! No final de 2019 realizei outras excursões organizadas por meus professores de história de Madrid e acompanhado por um grupo de 50 pessoas, sempre em busca de lugares de grande interesse histórico e artístico pela Espanha. O local escolhido numa delas incluiu uma cidade romana e um monastério que fazia tempo que tinha vontade de conhecer, situado na cidade de Uclés, que faz parte da Província de Cuenca, uma das províncias integrantes da Comunidade de Castilla La Mancha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs monastérios (mosteiros, em português) constituem instituições religiosas habitadas por monges em clausura. Também podem ser denominados Abadias (quando regidos por um abade) ou prioratos (dirigidos por um prior). O Monastério de Uclés, de grande importância histórica e religiosa no país, está situado no alto de um cerro, a cujos pés encontramos o povoado que dá nome ao monastério. Nesta pequena colina havia antigamente um castro celtíbero (pequeno povoado onde viviam tribos celtas que entraram em contato com os povos iberos, autóctonos do território espanhol). Séculos depois, os muçulmanos construíram no local uma fortificação, da qual se conservam apenas três torres e parte de sua muralha defensiva dupla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de Uclés faz parte de um grande complexo de construções realizadas em distintos períodos históricos, iniciando-se na época muçulmana e alcançando uma enorme importância como fortaleza propriedade da Ordem de Santiago, que o utilizou como sua sede principal, depois que a cidade de Uclés foi reconquistada pelo Rei Alfonso VIII, que acabou doando a antiga fortaleza a esta ordem religiosa da Espanha no ano de 1174.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Com o tempo, foram edificadas várias dependências nas quais viviam os membros da Ordem de Santiago, que se uniram à fortaleza inicial. Estas ampliações afetaram principalmente o sistema defensivo da fortificação, que em sua maior parte foi destruído. O Monastério de Uclés, tal como o conhecemos hoje, foi construído a partir de 1529, durante o reinado do Imperador Carlos I. Sua importância arquitetônica e artística se comprova pelos vários estilos da construção, relacionados ao prolongado tempo necessário até a finalização do conjunto monacal. Inicialmente, utilizou-se o estilo plateresco, que formou parte da primeira etapa do Renascimento na Espanha, caracterizado pela riqueza dos elementos decorativos. O projeto foi realizado por um arquiteto chamado Enrique Egas, de grande fama neste período.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos o imenso pátio em forma de claustro do monastério, composto por 36 balcões distribuídos ao longo de seu perímetro. Foi construído no século XVII e apresenta dois níveis construtivos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do século XVI se construiu a igreja no estilo herreriano, caracterizado pela austeridade decorativa. Este estilo deve seu nome ao arquiteto Juan de Herrera, famoso por ter sido o responsável principal do projeto do Monastério de El Escorial, situado próximo a Madrid. Por esta razão, o Monastério de Uclés é considerado como “El Escorial de La Mancha“. A igreja finalizou-se em 1602.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja foram sepultados vários membros relevantes da Ordem de Santiago, como Rodrigo Manrique e seu famoso filho, o poeta Jorge Manrique.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possui apenas uma nave e um coro elevado. Em sua nave única se abrem capelas comunicadas entre si, onde podemos apreciar exposições sobre a Ordem de Santiago, além de várias obras artísticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Retábulo Maior que presidia o Altar Maior era de estilo clássicos com tendências barrocas, mas foi danificado durante a Guerra Civil Espanhola do século XX, e posteriormente reconstruído. O quadro central do retábulo foi realizado pelo pintor real Francisco Rizzi no século XVII, sendo recentemente restaurado. Nele aparece o Apóstolo Santiago, santo padroeiro da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, publicarei a segunda parte da matéria sobre o Monastério de Uclés

 

 

Clunia – Província de Burgos

Há cerca de 2200 anos atrás os romanos se estabeleceram na Península Ibérica, dentro do contexto da Segunda Guerra Púnica (218/201 aC), travada contra outra potência mediterrânea da época, Cartago, que terminou com o triunfo do Império Romano e a derrota do General Aníbal. Finalizado o confronto, os romanos demoraram dois séculos em conquistar plenamente o novo território, devido as constantes guerras travadas contra os povos ibéricos, autóctonos do território espanhol, e também pelos conflitos entre os próprios governadores romanos, como no caso de Sertorio, que desafiou o poder de Roma. Com a conquista dos povos indígenas, a cultura local foi substituída pela civilização latina. O nome dado pelos romanos à península, Hispania, esteve relacionado à nomenclatura oficial das três províncias criadas para sua administração no final do século I aC: Hispania Ulterior Baetica (cuja capital foi a atual cidade de Córdoba), Hispania Citerior Tarraconensis (capital Tarraco, atual Tarragona) e Hispania Ulterior Lusitania (Capital Emérita Augusta, atual cidade de Mérida).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPosteriormente, com a reforma administrativa efetuada por Diocleciano (284/305 dC), as províncias foram aumentadas, como vemos no mapa abaixo:

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO nome do país, Espanha, se originou do termo Hispania, e uma das explicações de seu significado seria “Terra de Coelhos“. Muitas das cidades mais importantes do país foram fundadas pelos romanos, como por exemplo: Zaragoza (CaesarAugusta), Barcelona (Barcino), Sevilha (Hispalis), Toledo (Toletum), etc. Algumas delas conservam um impressionante patrimônio histórico relacionado à época romana, e foram declaradas Patrimônio da Humanidade, como os Conjuntos Arqueológicos de Tarragona e de Mérida, o Aqueduto Romano de Segovia e a Muralha Romana de Lugo. Além do mais, se conservam por todo o país vestígios arqueológicos de cidades de grande importância naquele período, como a antiga cidade romana de Clunia, situada atualmente na Província de Burgos, próxima à cidade de Coruña del Conde, que vimos no último post.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente, esta zona esteve ocupada pelos Arévacos, um povo pré-romano pertencente aos Celtiberos, que se assentaram neste local. Apesar do desconhecimento em relação a sua localização exata, todas as informações relacionados a este anterior povoado se devem às fontes romanas, sendo que finalmente a cidade foi submetida ao poder imperial de Roma. A denominada Colônia Clunia Sulpicia foi uma das principais cidades romanas da metade norte de Hispania. Pertenceu à província de Hispania Citerior Tarraconensis e constituiu um Convento Jurídico (assembléia de reunião entre os povos romanos e as comunidades indígenas, que aconselhavam o governador na administração e na justiça). Situava-se no alto de um cerro que supera os 1000m de altitude, na estrada que ligava Tarraco (atual Tarragona) com Asturica Augusta (atual cidade de Astorga).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm Clunia, o político e militar romano Quinto Sertorio resistiu durante 20 anos a Pompeyo, que destruiu a cidade no ano 72 aC. Foi reconstruída pelo Imperador Tibério (14/37 dC), que lhe concedeu inicialmente o título de Municipium, o segundo em importância de uma cidade romana, com um status inferior ao de Colônia. Clunia emitiu moedas de bronze e de ouro com a efígie do imperador, como vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade adquiriu o título de colônia e o nome de Sulpicia depois que Sulpicio Galba se proclamasse imperador na própria cidade, durante a revolução travada contra o Imperador Nero. Seu esplendor ocorreu entre os séculos I e II dC, chegando a ter cerca de 30 mil habitantes, uma quantidade apreciável para a época. Clunia constitui atualmente um excepcional enclave arqueológico, cujas ruínas estão entre as mais importantes da Espanha Romana. Como ocorre com qualquer outra cidade, a maior parte do espaço urbano estava constituído por residências, como a denominada Casa de Taracena, que preserva um impressionante conjunto de mosaicos que podemos contemplar na visita guiada que se realiza no local, decorado com elementos geométricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA casa ocupa quase toda a extensão de um quarteirão…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO mosaico central possui um grande interesse devido à variedade de sua composição policromada. Seus motivos decorativos relacionam-se com a moda imperial vigente entre os séculos II e III dC, com a presença de elementos geométricos e da flora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADurante a visita, vemos outros mosaicos conservados, como os que vemos a seguir.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm Clunia foi criada a primeira Legião Romana de Hispania, a Legio VII Gemina. No Centro de Interpretaçao construído como complemento informativo à visita, podemos observar vários restos arqueológicos encontrados no local, como uma estela funerária, com o nome do defunto em sua parte inferior e curiosos elementos geométricos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo esta primeira parte da matéria sobre a cidade romana de Clunia com uma foto minha, tirada por uma das pessoas que integrava a excursão, dentro do Teatro Romano da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tarragona Moderna e Contemporânea

A partir do século XVI, se constroem em Tarragona novas fortificações para defender a cidade das constantes guerras e ataques de piratas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs epidemias continuavam assolando a cidade, provocando uma alta taxa de mortalidade, além do êxodo populacional. O porto sofreu graves prejuízos e acabou ficando abandonado, de forma que a atividade comercial foi desviada ao Porto de Salou. A economia entrou num período crítico, do qual se recuperou somente no século XVIII, quando se autorizou a reconstrução do porto, concedendo-lhe a permissão para comercializar livremente com o continente americano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo plano cultural, a partir do século XVI os arcebispos da cidade desempenharam um importante papel em sua renovação. Muitos deles ocuparam cargos políticos, e dotaram a cidade de uma Universidade Literária. Por outro lado, as ordens religiosas realizaram abundantes atividades benéficas e educacionais. A chegada da água à cidade, impulsionada pelos religiosos, contribuiu de forma evidente para a melhoria da qualidade de vida de seus habitantes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XIX, a Guerra da Independência, travada contra o exército de Napoleão, foi devastadora para Tarragona. Ocupada em 1811, o rastro de fome e miséria deixado após o conflito foi enorme.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa metade do século XIX, o crescimento econômico possibilitou reformas urbanas que acabaram transformando sua fisionomia. Em 1868, Tarragona deixou de ser uma praça forte, fato que permitiu a construção de novos edifícios situados fora do recinto de Muralha de San Juan, erguida no século XVI, que havia se convertido numa barreira entre a tradicional parte alta da cidade e o florescente bairro da marina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm pouco antes, em 1854, se começou a derrubar uma parte da muralha medieval para que a cidade pudesse expandir-se. Neste ano, iniciou-se o projeto da Rambla Nova, que acabou convertendo-se no eixo comercial da cidade. Atualmente, a Rambla Nova é uma das mais importantes avenidas de Tarragona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras no porto e no ensanche (processo de expansão urbana) provocaram a descoberta de vários restos arqueológicos de época romana, base da coleção do importante Museu Arqueológico de Tarragona. Durante a Guerra Civil Espanhola do século XX, a cidade mais uma vez sofreu danos, desta vez devido aos bombardeios, e sua infraestrutura teve que ser novamente reconstruída. Na segunda metade do século XX, Tarragona transformou-se numa cidade industrial especializada no campo petroquímico, considerado o mais importante de toda a Espanha. Seu renovado porto torna-se o segundo do país em quantidade de toneladas anuais. A população aumenta graças à imigração.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADeste período, a partir do século XVI, podemos conhecer vários outros pontos de interesse na cidade, como a Casa Museu Castellarnau, um excepcional exemplo de residência nobre em Tarragona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOriginalmente construída no começo do século XV, nesta casa esteve hospedado o Rei Carlos I, durante uma visita à cidade em 1542. Conserva um interessante pátio gótico, e no século XVIII foi adquirida por um nobre chamado Carles de Castellarnau, que reformou o edifício. A casa hoje em dia é um museu e na visita contemplamos um estilo decorativo pertencente aos séculos XVIII e XIX.

DSC02057DSC02064Ao final da Rambla Nova, situa-se um maravilhoso mirante da cidade, com vistas ao porto, praias e monumentos relacionados com Tarraco, como o Anfiteatro Romano. Ficou conhecido como o Balcão do Mediterrâneo, nome escolhido por Emilio Castelar (1832/1899), político, escritor e jornalista espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASituado num acantilado ao borde do mar, uma zona ajardinada de forma elíptica evoca a fisionomia do Anfiteatro Romano, localizado junto ao mar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO jardim foi plantado com várias espécies vegetais, entre as quais mencionamos a denominada “Trilogia do Mediterrâneo“, que constituía a base agrícola do mundo romano, o trigo, a uva e a oliva.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tarragona – Catalunha

Depois de visitar Salou, fiquei na dúvida em qual cidade finalizar minha viagem pela Catalunha. Ao final, decidi por Tarragona, uma cidade que já conhecia, mas que sempre vale a pena retornar. Além de seu excepcional patrimônio histórico-artístico, tive sorte de encontrar a cidade em festa, com um ambiente alegre e com muitos lugares interessantes, motivo pelo qual é considerada um destino turístico imprescindível na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATarragona é uma das 4 capitais de província que compõem o território da Comunidade da Catalunha (as outras três são Barcelona, Girona e Lérida). Sua população alcança os 130 mil habitantes, estando entre as 10 maiores de toda comunidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATarragona está banhada pelo Mar Mediterrâneo, em plena zona conhecida como a Costa Dourada. Seu clima mediterrâneo propicia invernos suaves e verões quentes e secos, com uma média de temperatura anual de 18 graus.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua origem se remonta à antiga Tarraco Romana, uma das principais cidades do período em que o atual território espanhol fazia parte do poderoso Império Romano, quando foi chamada de Hispania. Tarraco tornou-se a capital da denominada Província Romana da Hispania Citerior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA cidade conserva um impressionante conjunto arqueológico deste período histórico, que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Publicarei diversos posts sobre ele, para que vocês tenham uma idéia da importância que a cidade teve nesta época.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Centro Histórico de Tarragona situa-se na parte alta da cidade, e percorrê-lo nos possibilita conhecer muitos edifícios e locais de grande relevância e de distintas etapas históricas, como a Idade Média, por exemplo. Esta parte da cidade coincide com o antigo Fórum Romano, estando cercado por uma muralha construída há mais de 2 mil anos atrás.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos da esquerda para a direita, as bandeiras de Tarragona, da Espanha, da Catalunha e da União Européia

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos lugares principais do centro histórico é a Plaza de la Font, que ocupa parte do antigo Circo Romano, estando presidida atualmente pelo Edifício do Ayuntamiento (Prefeitura, em espanhol).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Edifício do Ayuntamiento foi construído no século XIX sobre o terreno que antigamente ocupava um convento, e foi projetado no estilo eclético, próprio do final do século XIX.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFinalizo esta pequena matéria introdutória sobre Tarragona com algumas imagens de seus parques situados às margens do Mediterrâneo

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Outros Castelos da Espanha

Nesta matéria veremos outros Castelos da Espanha de grande importância histórica. Um dos melhores castelos do norte da Espanha encontramos na cidade de Castro Urdiales, situada na Comunidade de Cantabria.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta vila costeira possui um encanto especial, pois sua parte velha encontra-se junto ao mar, estando formada pelo Castelo de Santa Ana, a Igreja de N.Sra de la Asunción e uma ponte, de estilo gótico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Santa Ana foi construído a partir do século XII, sendo considerado um dos mais conservados da comunidade. Possui uma planta pentagonal com torres cilíndricas. Curiosamente, em seu interior foi colocado um farol, inaugurado em 1853.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADesde o castelo, as vistas da cidade são espetaculares…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns Castelos e Fortalezas da Espanha foram propriedades eclesiásticas, como o Castelo de Torija, situado na Província de Guadalajara, Comunidade de Castilla La Mancha.

DSC07841Construído no século XIV, seu primeiro proprietário e provavelmente construtor foi Alonso Fernández Coronel, que ocupou importantes cargos durante o reinado de Alfonso XI. Depois, passou a ser propriedade do Arcebispo de Toledo Pedro González de Mendoza no século XV.

DSC07846O castelo está localizado no centro da cidade, em excelente estado de conservação. Possui uma planta quadrada com 3 torres circulares, além da Torre del Homenaje, também de formato quadrado. No Pátio de Armas do castelo funciona um Centro de Interpretação relacionado aos atrativos turísticos da Província de Guadalajara.

DSC07852Em sua Torre del Homenaje podemos visitar um museu dedicado a um livro escrito por Camilo José Cela (1916/2002), congratulado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1989. O livro se intitula “Viaje a la Alcarria“, e nele o escritor narra suas andanças pela Comarca de La Alcarria, onde se encontra a cidade de Torija. Provavelmente, trata-se de o único museu do mundo dedicado apenas a um só livro…Abaixo, vemos uma parte do interior do castelo, e a obra de adaptação do mesmo para sediar os vários centros culturais existentes no interior.

DSC07830Finalizamos a matéria com uma das Fortalezas mais incríveis da Espanha, o Castelo de Coca, situado nesta cidade da Província de Segóvia (Comunidade de Castilla y León).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste castelo é considerado uma das melhores amostras do estilo gótico-mudéjar de todo o país. Foi edificado principalmente com tijolos por mão de obra mourisca, que utilizaram o material também como elemento decorativo, característica do estilo mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu sistema defensivo consta de duas partes cercadas por muralhas, compostas por pequenas torres e um fosso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Coca foi construído pelo Bispo de Ávila e Arcebispo de Sevilha Don Alonso de Fonseca a partir de 1453, depois da permissão dada pelo Rei Juan II para sua construção.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO castelo conserva excelentes amostras de pintura mudéjar, que podemos observar em seu interior…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, a Torre del Homenaje

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA última parte da matéria sobre os Castelos e Fortalezas da Espanha estará dedicada aos castelos que foram adaptados como hotéis da rede dos Paradores Nacionais, e que veremos no próximo post…

Castelos Reais da Espanha

A partir deste post veremos alguns exemplos de Castelos que pertenceram aos monarcas dos diversos reinos que formavam a Espanha de épocas passadas. Na Ilha de Mallorca, uma das quatro que compõem a Comunidade Marítima das Ilhas Baleares, um de seus principais destaques é o Castelo de Bellver, situado em sua capital e maior cidade, Palma de Mallorca. Possui um inusual formato circular, único na Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta fortaleza foi construída pelo Rei Jaime II de Mallorca no século XIV, combinando as funções defensivas e residenciais, e utilizando-o como sede da corte durante seu reinado. Foi também utilizado como refúgio por Pedro IV de Aragón no mesmo século, durante uma epidemia de peste que assolou o continente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm de seus principais elementos é a Torre de Homenaje, de forma circular, como vemos nas imagens acima. O Castelo de Bellver foi usado também como prisão…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa Comunidade de Aragón, o Castelo de Loarre constitui uma de suas principais fortalezas. Localizado na Província de Huesca, foi construído por ordem do Rei Sancho III El Mayor no século XI.

DSC05328Este magnífico castelo foi edificado na rocha onde se assenta, e conserva toda sua estrutura original.

DSC05317De fato, o Castelo de Loarre é considerado um dos castelos de estilo românico melhor conservado de toda a Europa, e foi cenário de várias produções cinematográficas, como o filme “Reino dos Céus“, dirigido por Ridley Scott em 2005. No final do século XIII se construiu sua muralha defensiva.

DSC05288Na Comunidade de Castilla y León, Província de Ávila, o Castelo de Arévalos é um exemplo de castelo nobre que passou com o tempo a ser propriedade real. Sua construção foi ordenada pelo Duque de Béjar, Don Álvaro de Zuñiga, no século XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois o Castelo de Arévalos tornou-se uma propriedade dos Reis Católicos, sendo que Isabel la Católica passou sua infância nesta fortaleza. No século XVI transformou-se em penitenciária, e nele esteve detido o Príncipe de Nassau, Guilherme de Orange. Posteriormente foi utilizado como cemitério…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Castelo de Peñafiel é um dos mais impressionantes da Província de Valladolid (Comunidade de Castilla y León) e considerado uma das maiores fortalezas medievais da Espanha.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua forma estreita e alongada lhe confere um aspecto semelhante à proa de um grande barco. Foi edificado a partir do século X, ainda que seu aspecto atual se deve às reformas realizadas no século XV por Don Pedro Girón, mestre da Ordem de Calatrava.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANele nasceu o Príncipe de Viana, filho do Rei Juan II de Aragón e da Rainha Blanca de Navarra.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente, o Castelo de Peñafiel é a sede do Museu Provincial do Vinho

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra fortaleza cuja construção foi ordenada por um nobre e que transformou-se em Castelo Real podemos ver na Comunidade de Madrid, o Castelo de Villaviciosa de Odón.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruído no século XV pelos Condes de Chinchón, no século XVIII foi adquirido pelo Rei Felipe V, que o entregou a seu filho, o Infante Luís. Depois foi a residência do Rei Fernando VI, que habitou o castelo após a morte de sua esposa Bárbara de Bragança, e nele veio a falecer em 1759. Hoje em dia, o Castelo de Villaviciosa de Odón é a sede de uma arquivo histórico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Castelos da Espanha – Ordens Militares

Na Espanha existem vários Castelos e Fortalezas que, no passado, pertenceram às Ordens Militares que surgiram no decorrer da Idade Média. Muitas destas instituições religiosas e militares originaram-se durante a Reconquista Espanhola, com a finalidade de recuperar as terras ocupadas pelos muçulmanos e fortalecer a fé cristã. Boa parte delas foram fundadas no século XII no antigo Reino de Castilla e algumas tiveram um papel preponderante nas batalhas travadas contra os exércitos mouros, alcançando um grande poder político e econômico que as converteram em proprietárias de enormes extensões de terra. As denominadas Cruzadas, as guerras santas disputadas contra os infiéis muçulmanos, propiciaram o surgimento das Ordens Militares, além da necessidade de desenvolver a economia dos reinos europeus e da política de renovação e fortalecimento apoiadas pelos papas da época. Seus membros eram soldados e religiosos, de forma simultânea, denominados soldados de Cristo.

DSC03528Na Espanha Medieval conviveram várias ordens distintas, algumas autóctonas do país,  outras oriundas do estrangeiro. As principais Ordens Militares do país foram as Ordens de Calatrava, a de Santiago, a de Alcântara e a de Montesa. A Ordem de Santiago, por exemplo, foi fundada em Cáceres (atual Comunidade de Extremadura) no ano 1170, com a finalidade de proteger os peregrinos que se dirigiam à Santiago de Compostela para venerar o sepulcro do Apóstolo Santiago. Seus membros seguiam as normas de conduta da Regra de Santo Agostinho, que estabelecia os votos de castidade, pobreza e obediência. Sua participação mais celebrada ocorreu na decisiva Batalha de Navas de Tolosa ocorrida em 1212, que possibilitou o avance cristão contra as terras ocupadas pelos muçulmanos no sul da Espanha. Algumas das fortalezas que hoje em dia vemos pelo país pertenceram à Ordem de Santiago, como o Castelo de Fuentidueña del Tajo, situado na Comunidade de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi erguido sobre uma fortaleza de origem muçulmana e no século XV foi cedido à Ordem de Santiago. Uma pena que atualmente se encontra em ruínas…

OLYMPUS DIGITAL CAMERABem próximo ao povoado de Fuentidueña del Tajo, outro município acolhe outra fortaleza que pertenceu à Ordem de Santiago, o Castelo de Villarejo de Salvanés. Se conserva apenas sua Torre de Homenaje, um caso único deste tipo de construçao defensiva pela disposição em apresentar três cubos em suas laterais. Foi a residência dos comendadores da Ordem de Santiago e sede do Tribunal Especial das Ordens Militares.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA chamada Ordem dos Templários, a mais universal de todas, foi fundada em 1118 ou 1119 por nove cavaleiros franceses liderados por Hugo de Payns, logo após o término da primeira cruzada. Foi considerada a ordem mais rica e poderosa da Idade Média, e inúmeras lendas surgiram a respeito de suas riquezas e o destino das mesmas. Surgiu com o objetivo de proteger os peregrinos que visitavam os lugares santos de Jerusalém e se converteu na responsável pelo modelo de conduta que passou a reger as demais Ordens Militares. Da mesma forma que ocorreu em outros países europeus, na Espanha a Ordem dos Templários teve uma enorme importância. Um dos castelos que se tornaram propriedades da ordem foi o Castelo de Peníscola, belíssima cidade costeira situada na Província de Castellón, Comunidade Valenciana.

DSC00705De origem muçulmano, em 1233, durante o reinado de Jaime I, passou a pertencer aos monarcas cristãos e foi cedido à Ordem dos Templários em 1294. Em 1319 tornou-se propriedade da Ordem de Montesa e em 1411 foi entregue ao Papa Luna, Benedito XIII, época em que Peníscola transformou-se em sede pontifícia.

DSC00709DSC00715Localizado na cidade de Toledo, o Castelo de San Servando foi fundado inicialmente como um monastério no século XI pelo Rei Alfonso VI, quem o cedeu à Ordem dos Templários, sendo transformado num Alcázar para deter a ameaça muçulmana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fortaleza espanhola mais vinculada à Ordem dos Templários é o Castelo de Ponferrada, situado na Província de León, Comunidade de Castilla y León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado um dos maiores Castelos da Espanha , encontra-se situado em pleno Caminho de Santiago.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEste imponente e belo castelo pertenceu à Ordem dos Templários desde 1178 até sua dissolução no início do século XIV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA