Monumentos de Almansa

No post de hoje, conheceremos alguns dos principais pontos turísticos da cidade de Almansa. Uma de suas construçoes mais belas é o Palácio dos Condes de Cirat, situado na Praça de Santa Maria. Também conhecido como Casa Grande, foi construído por Alfonso de Pina, membro influente da nobreza da cidade, no séc. XVI. Como destaque, sua fachada impressiona pela riqueza escultórica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1793, tornou-se propriedade de Miguel de Catalá y Calatayud, Conde de Cirat. Em 1992, o edifício foi adquirido pela prefeitura, transformando-se em sua sede. Possui um harmonioso pátio interior, de planta quadrada e composto por arcos sustentados por colunas jônicas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seus jardins, se pode visitar o Museu Aberto de Escultura Contemporânea, com obras do artista de renome internacional José Luis Sánchez, onde as esculturas se integram perfeitamente ao espaço natural, conforme a filosofia do próprio artista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPraticamente ao lado do palácio encontra-se a Igreja Arciprestal de la Asunción, o principal templo religioso da cidade. Construída em várias etapas entre os séc. XVI e XIX, foi declarada Monumento Histórico-Artístico em 1983.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm sua parte exterior, destaca a imponente fachada, cujas esculturas estao inspiradas no tema da assunçao, além da impressionante torre, feita de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior da igreja, o destaque fica por conta de sua espetacular bôveda.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm frente a igreja, vemos a popular Fonte dos Patos, que já aparece em fotografias tiradas no séc. XIX. No local, celebra-se a principal festa do calendário de Almansa, em que sao representadas a conversao dos mouros ao cristianismo, considerada única em toda Espanha. Por este motivo, foi declarada Festa de Interesse Turístico Nacional.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir, vemos o antigo Prédio da Prefeitura. De estilo neoclássico, em sua fachada aparece a inscriçao de 1800. Separada do edifício, a Torre do Relógio foi edificada em 1780.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADo séc. XVIII é o Convento das Agustinas, situado na Praça de San Agustín (Santo Agostinho, em português).

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesta praça, as vistas do Castelo de Almansa, tema do próximo post, sao excepcionais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo plano cultural, Almansa possui alguns edifícios interessantes, que conservam elementos arquitetônicos de épocas passadas (algo difícil de se ver atualmente…), como o Teatro Principal e o Cine Coliseum.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Anúncios

A Catedral de Teruel

A Catedral de Santa Maria de Mediavilla de Teruel é uma das construções mais importantes da Arte Mudéjar de toda a Espanha, sendo um dos escassos templos catedralícios construído neste estilo em todo o país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua origem encontra-se na antiga Igreja de Santa Maria, edificada no estilo românico em 1171, e finalizada com a construção da excepcional torre mudéjar em 1257. Logo depois, a obra românica foi reformada, dotando o templo de 3 naves mudéjares. No séc. XIV, foi a vez do antigo ábside românico ser substituído por outro no estilo gótico-mudéjar. Em 1423, foi elevada à condição de Colegiata.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XVI (1538), ergue-se o maravilhoso cimbório da nave central, de planta octogonal e decoração combinando os estilos plateresco e mudéjar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a criação da Diocese de Teruel, foi promovida a catedral, e consagrada como tal em 1587. Finalmente, no séc. XIX (1909), realiza-se uma nova fachada no estilo neomudéjar pelo arquiteto catalão Pablo Monguió. O pórtico se fecha com uma reja  (portão de ferro que delimita as capelas, coros, pórticos, etc) do séc. XV.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre da Catedral de Teruel é considerada uma das torres mudéjares mais antigas do país. De planta quadrada, possui 3 corpos profusamente decorados com azulejos e cerâmica vidriada, e rematada por uma estrutura octogonal, colocada no séc. XVIII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASe o exterior do templo é formidável, o interior guarda um dos tesouros mudéjares mais impressionantes que existem. Toda a parte superior da nave central está coberto por um teto mudéjar de 32m de comprimento, feito de madeira no séc. XIV. Sua função, além de decorativa, é estrutural, algo raro neste tipo de estrutura, que normalmente possuem somente a função ornamental. Infelizmente, está terminantemente proibido tirar fotos do interior. Há alguns anos atrás, pude tirar apenas uma foto, que não ficou nada boa…Para que vocês tenham uma ideia desta beleza, abaixo vemos a imagem, com seu plano geral.

DSC01495Nele, vemos representações históricas, religiosas e de costumes da época. Permaneceu em perfeito estado devido a que foi coberto por um teto falso no séc. XVIII, fato decisivo para a sua conservação. Para os (as) interessados em conhecer a fundo esta incrível obra de arte, sugiro uma  página sobre a Arte Mudéjar Aragonesa, como fonte de consulta e visualização:

http://www.aragonmudejar.com/teruel/…catedral/techumbre…

A torre, o cimbório e o teto interior compõem a lista de monumentos mudéjares da catedral, incluídos como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A Catedral de Teruel foi catalogada também como Monumento Nacional em 1931.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Românico em Girona

Como vimos nos posts dedicados à Catedral de Girona, a cidade guarda impressionantes mostras de Arte e Arquitetura Românicas. E seu legado não termina com as contribuições do estilo para o templo catedralício da cidade. Situada fora das antigas muralhas, por ex., localiza- se a Capela de San Nicolás. Construída no séc. XII, havia no local um cemitério na Idade Média, e pode ser que se tratasse de uma capela funerária, levantada para acolher tumbas monumentais. O interior está desprovido de ornamentação, sendo atualmente usado como espaço para exposições culturais. A capela foi catalogada como Monumento Histórico-Artístico em 1919, e sofreu um amplo processo de restauração, a partir de 1940.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA capela esteve vinculado ao Monastério de San Pedro de Gallicants,  situado ao lado deste pequeno, mas belo e representativo templo.  Também erguido no séc. XII (1130), o monastério era uma antiga abadia beneditina e de muitos pontos da cidade podemos apreciar sua bela torre.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA torre campanário possui um formato octogonal, e foi levantada no séc. XIV, como parte do processo de remodelação das muralhas de Girona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Monastério de San Pedro de Gallicants está formado por uma igreja de planta basilical, 4 ábsides e claustro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa foto a seguir, vemos a fachada do templo , decorado com belos capitéis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAApesar de suas reduzidas dimensões, o claustro é um bom exemplo do Românico Catalão.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADesde 1857, o monastério abriga a sede, na cidade, do Museu Arqueológico da Catalunha, com peças relativas à época romana e outras de caráter religioso.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Catedral de Girona

Desde o começo do cristianismo, Girona foi  sede episcopal, assentada na Igreja de Santa Maria, construída sobre a tumba do mártir San Félix. No ano 717, os árabes apropriaram-se do templo, convertendo-o em mesquita. Com a conquista da cidade pelos Francos, voltou a ser um edifício cristão, sendo novamente consagrada no ano 908. A atual construção está documentada desde 1015, quando se procedeu a reforma da igreja, então num estado lamentável.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe fato, a Catedral de Santa Maria de Girona foi construída em 3 etapas distintas, com o respectivo estilo predominante em cada momento de suas reformas e ampliações. Iniciada no Românico, dentro da igreja vemos uma maquete com o aspecto que tinha no séc. XI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo séc. XIV, foram realizadas as primeiras reformas em relação ao templo original românico, construindo-se uma nova cabeçeira, cujo  tamanho insuficiente impossibilitava o culto litúrgico. Com relação à nave, a ideia original estava composta pela construção de 3 espaços. No entanto, decidiu-se pela construção de uma única e imensa nave, cuja polêmica e debate durou cerca de 50 anos. Finalmente, o projeto recaiu no arquiteto Guillermo Bofill, que levantou uma nave de 50m de comprimento e 34m de altura. Sua largura de 23m transformou a Catedral de Girona no templo gótico mais largo do continente europeu. O arquiteto construtor não chegou a ver sua obra terminada, pois foi definitivamente finalizada apenas no séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo interior, encontram-se dois rosetones, construídos pelo vidreiro barcelonês Françesc Saladriga no séc. XVIII, considerado um dos melhores do barroco espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Catedral de Girona está situada na parte mais alta da cidade, segundo o costume medieval. Das muralhas, obtemos uma bela vista de seu perfil.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada foi reformada em época barroca e terminada em 1733, estando formada por 3 partes em forma de retábulo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a parte externa de um dos rosetones, e uma das esculturas que compõem a fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA denominada Porta dos Apóstolos foi levantada na segunda metade do séc. XIV, e permaneceu inacabada. Lamentavelmente, durante a Guerra Civil Espanhola perdeu toda sua decoração escultórica. Abaixo, vemos uma foto antiga, com as esculturas dos apóstolos e uma outra atual.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA imponente torre pode ser apreciada de vários pontos da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa parte mais alta da catedral, existe a figura de um anjo. Inicialmente, tratava-se de uma representação da Fé, já que a figura tinha os olhos vendados. Depois de realizada sua restauração, foi colocada a cabeça com os olhos sem tapar, pois a escultura era conhecida como ” O Anjo”. Além do mais, a grande distância da escultura em relação ao solo dificultava a observação das vendas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma das vidreiras do presbitério, cujas cenas narram a vida da Virgem Maria, e foram realizadas no séc. XVI.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa foto a seguir, vemos o ábside.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da catedral, encontra-se o Palácio Episcopal, cujo edifício é atualmente a sede do Museu de Arte de Girona.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, conheceremos o claustro românico da Catedral de Girona, um referente do estilo no âmbito espanhol, além do magnífico e único “Tapete da Criação”, exposto no Museu Catedralício.

Igreja das Salesas Reales – Madrid

Esta semana estará dedicada a algumas das mais belas e interessantes igrejas e ermitas de Madrid. Ontem, vimos a Igreja de San Jerónimo. Hoje e amanha conhecermos a Igreja das Salesas Reales. Na verdade, trata-se do antigo monastério da Visitação de N.Sra., formado pelo convento, a igreja e um palácio. O complexo foi fundado em 1758 pela rainha Bárbara de Bragança, como colégio e residência para jovens da nobreza. O propósito da rainha, porém, não era somente a fundação de um convento, mas assegurar um local tranquilo onde pudesse viver, em caso da morte de seu marido, o rei Fernando VI. Atualmente, a igreja acolhe a Paróquia de Santa Bárbara, e o resto da construção tornou-se a sede do Tribunal Supremo. Abaixo, vemos uma foto do antigo palácio e as duas entradas ao tribunal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO convento foi projetado pelo francês François Carlier, mas a construção acabou sendo realizada por Francisco Moradillo, que alterou o desenho original, incorporando as duas torres que vemos na fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAs obras iniciaram-se em 1750, e o convento foi inaugurado 8 anos depois. A fachada se articula verticalmente com pilastras, estando composto por 7 partes, das quais as três centrais formam o triplo pórtico de entrada ao átrio da igreja. Vários relevos distribuem-se na fachada, destacando o central, circular, onde está representada a visitação da Virgem Maria a sua prima, Santa Isabel. O relevo foi realizado pelo italiano Juan Domingo Olivieri, o principal promotor da Academia de Belas Artes de San Fernando, uma das mais prestigiosas pinacotecas da capital.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a parte superior da fachada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja é um dos mais suntuosos do barroco madrilenho. Decorado no estilo rococó, combina elementos clássicos com a magnificência do barroco, com bronzes, mármores e pedras coloridas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos muitos elementos de destaque é o espetacular púlpito, um dos mais belos de toda a cidade, feito de mármore verde e branco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA decoração pictórica do interior coube aos irmãos Luís, Alejandro e Antonio Velásquez, que a realizaram no séc. XVIII. Abaixo, vemos a cúpula.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAContinuaremos conhecendo a Igreja das Salesas Reales no próximo post. Até lá!!!!

Caminho de Santiago em Logroño

O Caminho de Santiago está intimamente ligado à história de Logroño, constituindo um dos motivos fundamentais para o seu desenvolvimento. O peregrino que chega a cidade proveniente da Comunidade de Navarra é recebido pelo Arco do Caminho, uma escultura realizada em 2005, que celebra a passagem da rota jacobea por Logroño.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm seguida, cruza a Ponte de Pedra, aproximando-se do centro histórico da capital riojana.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAntes, porém, poderá refrescar os pés cansados numa fonte situada no Parque del Pozo Cubillas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fonte está decorada com um dos símbolos associados ao caminho e também ao Apóstolo Santiago, a Concha. Pertence à espécie conhecida como Vieira, uma palavra do idioma galego, pois sao abundantes na regiao da Galícia. Existem muitas interpretaçoes acerca de seu significado e o simbolismo vinculado ao apóstolo. Passou, com o tempo, a denominar-se Concha de Santiago, pois os peregrinos que chegavam a Santiago de Compostela recebiam um pergaminho que confirmavam a finalizaçao do caminho, bem como uma concha, colocada no sombrero ou na capa que vestiam, demonstrando sua estância na cidade. Dessa forma, quando regressavam ao seu pueblo de origem, as pessoas podiam certificar-se que o peregrino havia sido capaz de completar a rota. Atualmente, a concha integra a idumentária daqueles que realizam o caminho, e se diz que protege o peregrino, sendo um amuleto contra os maus espíritos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro histórico, muitos lugares de interesse esperam o peregrino, como vimos nos posts anteriores. Existem, no entanto, outros de visita obrigatória, graças ao vínculo que possuem com o famoso caminho. Um deles é a Fonte do Peregrino, construída em 1675, situada ao lado da Igreja de Santiago El Real.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo lado da fonte, aprecia-se no solo uma série de locais que integram o caminho, que representam um jogo elaborado com referências ao mesmo, denominado Jogo da Oca.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de Santiago é o templo com a maior vinculaçao histórica da cidade. Foi construída a partir de 1513 sobre uma antiga igreja românica, destruída por um incêndio. Conta a tradiçao que o templo primitivo foi levantado pelo rei Ramiro I, logo depois do desenlace da Batalha de Clavijo, localidade próxima à Logroño. Na mencionada disputa, os cristaos venceram os mouros graças à intervençao do próprio apóstolo, que apareceu no campo de batalha montado num cavalo branco, dando origem a lenda de Santiago Matamouros. Na fachada renascentista da igreja, realizada a modo de arco triunfal (séc. XVII), vemos a duas esculturas do apóstolo, representado como peregrino e como guerreiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO interior da igreja está formada por uma única nave de grandes dimensoes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANela, destaca o Retábulo Maior, construído em 1649, com cenas representativas da vida do apóstolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo centro, vemos uma escultura de Santiago Peregrino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro dos símbolos associados ao apóstolo é a Cruz. Sua origem poderia estar relacionada com a época das Cruzadas, mas a hipótese mais aceita refere-se ao ano 844, quando sucedeu a Batalha de Clavijo. A Cruz de Santiago é facilmente reconhecida pela espada, adornada com  flores de Lis. Na igreja, podemos contemplá-la em vários locais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADesde o séc. XII, representa o emblema da Ordem dos Cavalheiros de Santiago, estando associada à sua condiçao cavalheiresca, bem como ao seu martírio, pois foi decapitado por uma espada. A concha também é visível em muitos pontos da igreja, inclusive como forma da Pia Batismal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois da dura jornada, o peregrino poderá tranquilamente encontrar repouso no Albergue a eles destinados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA próxima etapa do caminho, saindo de Logroño, é a cidade de Nájera, situada a 26km. Um curioso mural, situado próxima à Igreja de Santa Maria de Palácio, combina a reconhecida fama gastronômica da cidade com as etapas do caminho, dando adeus ao peregrino.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Românico em Zamora – Segunda Parte

Prosseguindo nosso roteiro pelo Românico Zamorano, a Igreja de San Cipriano possui uma origem desconhecida. Supoe-se que data do séc. XI, com reformas realizadas nos séculos posteriores.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASituada na Praça Maior da cidade, a Igreja de San Juan foi levantada junto à muralha que rodeava a zona mais antiga do centro histórico de Zamora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAConsiderado o segundo templo mais antigo de todos existentes na cidade, possui uma linda fachada principal, cujo rosetón situado na parte superior foi adotado como um de seus símbolos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma imagem do interior da igreja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConservada praticamente sem reformas posteriores, a Igreja de Santa Maria de la Horta foi construída no séc. XII, sendo a sede matriz da Ordem de San Juan desde 1236.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja de San Claudio de Olivares, do séc. XI, é uma das mais notáveis, graças à rica decoraçao escultórica que se conserva em sua fachada principal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERANa arquivolta interior, estao representados os 12 meses do ano e seus respectivos trabalhos agrícolas. Na arquivolta exterior, vemos um conjunto de figuras fantásticas, difíceis de reconhecer devido ao desgaste da pedra arenítica. Na parte superior da fachada, uma série de esculturas, denominadas de canecillos, decoram o conjunto. Algumas destas figuras representam personagens adotando atitudes eróticas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro elemento românico conservado na cidade é a ponte de pedra que cruza o Rio Duero. Composto por 16 arcos, foi erguida no séc. XII.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAo longo de sua história, sofreu reformas em várias ocasioes, como a que derrubou as torres existentes a ambos lados da estrutura, para facilitar o tráfico de veículos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo aspecto militar, destaca o castelo, situado ao lado da catedral, e construído a mediados do séc. XI, ainda que desta época sobrevivem poucos restos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das obras fundamentais que constituiam o conjunto de muralhas da cidade, o castelo tinha exclusivamente a funçao de defesa da localidade. Foi erguido pelo rei Fernando I, considerado o primeiro unificador das coroas de Castilla e León.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPor todo o que vimos nos dois posts apresentados, uma visita à cidade de Zamora nos permite aprofundar no conhecimento deste estilo artístico que completa dez séculos de existência em terras espanholas, em sua simplicidade estrutural, riqueza simbólica e instigante ornamentaçao.