Museu Nacional do Teatro – Almagro

A fundamental relação de Almagro com o teatro vai mais além de seu famoso Corral de Comédias, pois num dos extremos laterais de sua Plaza Mayor situa-se outro local de visita indispensável, o Museu Nacional do Teatro. Está sediado no Palácio Maestrales, construído a mediados do século XIII como residência dos membros mais importantes da Ordem de Calatrava.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo século XVI, o palácio passou a ser a residência do governador de Almagro e no século XVIII converteu-se num quartel de cavalaria. Em 1802, uma parte do palácio acolheu um novo convento da Ordem de Calatrava, mas com a Desamortizaçao de Mendizábal (1836), o edifício passou a ser propriedade de particulares. De seu aspecto original conserva a robusta torre em uma de suas esquinas (foto acima) e um belo pátio central arqueado, formado por arcos de ferradura feitos de tijolo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEntre 1994 e 2001, o edifício foi reabilitado para acolher o museu, considerado um dos poucos Museus Nacionais situados fora de Madrid. Ocupa três andares, sendo o único museu dedicado exclusivamente à história do teatro no país. Está administrado pelo Instituto Nacional de Artes Cênicas e da Música, um organismo dependente do Ministério de Educação, Cultura e Deporte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERASuas salas nos mostram uma interessante trajetória histórica do Teatro Espanhol, desde seus inícios em época romana, até o século XX, passando por seus maiores dramaturgos, atores e atrizes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Museu Nacional de Teatro de Almagro possui um acervo de mais de 12 mil obras, entre desenhos, gravados, quadros, maquetes e esculturas. Abaixo, vemos um retrato do grande poeta e dramaturgo Federico García Lorca (1898/1936), realizado pelo pintor valenciano Alejandro Cabeza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA grande atriz María Guerrero (1867/1928) aparece retratada pelo pintor Anselmo Miguel Nieto (1881/1964) num quadro realizado em 1914.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA seguir vemos um gravado realizado por Salvador Dalí (1904/1989) para a peça “Don Juan Tenorio“, sendo responsável por sua decoração e vestuário. A peça estreou em 1949 no Teatro María Guerrero de Madrid, sendo considerada uma das melhores adaptações do clássico de José Zorrilla (1817/1893), publicada por primeira vez em 1844.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO museu conta com inúmeras e formidáveis maquetes que retratam a história do teatro na Espanha. Abaixo, vemos uma delas, em que aparece o Parque do Retiro de Madrid, quando a partir do século XVII foi utilizado como cenário de representação teatral.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO denominado Século de Ouro da Cultura Espanhola (XVII) está muito bem documentado no museu. Seus grandes dramaturgos realizaram obras eminentementes populares. Neste prolífico período cultural, todas as manifestações teatrais erm conhecidas como comédias, independente se a obra representada era um drama ou tragédia. A exceção constituíam os denominados Autos Sacramentais. A seguir, vemos um deles, realizado por Calderón de La Barca, um dos maiores expoentes do Teatro Espanhol.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo campo escultural, o museu conta com vários bustos, entre os quais o de Fray Gabriel Téllez (1579/1648), mais conhecido por seu pseudônimo, Tirso de Molina, considerado um dos grandes dramaturgos do Barroco Espanhol. O busto foi realizado pelo escultor Lorenzo Coullaut Valera (1876/1932).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm dos escultores espanhóis que mais admiro, o valenciano Mariano Benlliure (1862/1947), realizou esta bela obra em que retrata a bailarina sevilhana Pastora Rojas Monje (1889/1979), uma das figuras mais representativas da história do flamenco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAVários trajes também podem ser vistos, como o que vemos abaixo, utilizado pela atriz Cristina Higueras, nascida em 1961, para a representaçao da peça “Doña Rosita la Soltera“, de Federico García Lorca, em 1980.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Igreja de San Juan – Ayllón

A Igreja de San Juan é o outro templo de origem românico da cidade de Ayllón. Construída no século XIII, possui uma história deveras curiosa e da mesma forma que a Igreja de San Miguel, está fechada para o culto. Os elementos românicos conservados constituem o ábside e a porta de acesso ao interior. Abaixo, vemos o ábside semicircular…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA porta de entrada à igreja conserva o arco de meio ponto característico do estilo românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja, por uma série de razões, apresentava um estado lamentável, e escapou de desaparecer quando foi adquirida por um proprietário particular nos anos 60 do século XX, que construiu sua residência junto ao terreno do templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO proprietário da igreja cobra uma entrada para conhecer os restos preservados. Para tanto, toquei a campainha situada na porta de acesso e esperei que uma simpática senhora me atendesse. Pela singularidade do local, vale a pena pagar o ingresso (me parece que custou 3 euros) e ver as capelas que sobreviveram à ação do tempo. A denominada Capela de los Daza possui uma estátua jacente, pertencente a uma família de Burgos, descendente de Fernán González (910/970), Conde de Castilla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERADe grande importância é a capela gótica cuja construção foi ordenada pelos Marqueses de Villena no século XVI (1526), para albergar os sepulcros de Don Pedro López Pacheco e sua esposa Dona Juana Enríquez, atualmente situados na Igreja de San Miguel, como vimos na matéria anterior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo teto da capela, podemos contemplar a bôveda gótica com os escudos dos Marqueses de Villena, senhores da vila de Ayllón no passado.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAHoje em dia, as capelas da Igreja de San Juan se utilizam como um espaço para eventos culturais. Quando lá estive, havia sido inaugurada uma exposição em homenagem ao poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca (1898/1936), em comemoração ao octagésimo aniversário de sua morte, quando foi fuzilado pelo bando nacionalista durante a Guerra Civil Espanhola. A exposição conta com desenhos realizados pelo próprio poeta e outros que relembram fatos de sua vida como, por exemplo, os anos em que esteve na Residência dos Estudantes de Madrid (ver post publicado em 26/8/2015).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO fuzilamento de Lorca, ocorrido próximo a Viznar, um povoado da Província de Granada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA No dia em que foi inaugurada, a exposição contou com a presença da sobrinha do poeta, D. Laura García Lorca, presidenta da Fundaçao García Lorca.

Casa de las Flores – Madrid

Na matéria de hoje vocês conhecerão um dos símbolos da Arquitetura Moderna Espanhola, a Casa de las Flores, situada na zona oeste de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa realidade, trata-se de um grande bloco residencial, projetado em 1931 pelo arquiteto Secundino Zuazo (1887/1971), que incorporou audazes critérios urbanísticos para a época, como vários pátios abertos entre cada um dos blocos. O edifício possui 5 andares feitos de tijolos, com uma série de arcadas elípticas situadas ao nível da rua, que acolhe lojas comerciais, além de servir de entrada para o mesmo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção ocupou o espaço onde antes existiu o primeiro campo de futebol construído em Madrid.Uma de suas grandes inovações ao urbanismo foi seu caráter higiênico, pois todos os apartamentos situam-se no exterior, com boa ventilação e iluminação natural. A Casa de las Flores ocupa um quarteirão inteiro, e foi considerada um monumento à racionalidade arquitetônica, valorizando o espaço coletivo através dos 3 pátios existentes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA construção acabou tornando-se um modelo para os estudantes de arquitetura das décadas de 50 e 60 em Madrid. Os balcões exteriores decorados com vasos de flores deram o nome ao conjunto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPossui 288 apartamentos distribuídos de forma racional entre os pátios. Nela viveram personalidades ilustres, como Severo Ochoa, bioquímico espanhol de fama internacional que recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1959.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro grande personagem que habitou o edifício foi o poeta chileno Pablo Neruda, que nele viveu entre 1934 e 1936, quando foi nomeado Cônsul do Chile em Madrid. O poeta escreveu inclusive um poema sobre a Casa de las Flores, e uma placa situada nos muros da construção homenageia o famoso escritor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO edifício foi também palco de reuniões entre as grandes personalidades republicanas, como Garcia Lorca, Miguel Hernández e Rafael Alberti. A Casa de las Flores foi impiadosamente bombardeada durante a Guerra Civil Espanhola, por estar localizada numa frente de batalha entre os nacionalistas e republicanos. Abaixo, vemos como ficou o edifício numa imagem da época…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAlguns moradores do edifício asseguram que  seus pátios interiores transformaram-se em campos de fuzilamento. A Casa de las Flores foi restaurada logo depois de finalizada a guerra, nos anos 40, respeitando-se sua forma original. Como uma das obras fundamentais da Arquitetura Racionalista residencial de Madrid, a Casa de las Flores foi declarada Monumento Nacional em 1981.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Dalí no Museu Reina Sofia

Incontestavelmente, Salvador Dalí (Figueres, Província de Gerona, Catalunha: 1904/1989) foi um dos artistas mais originais e excêntricos do século XX. Mestre do Surrealismo, soube como nenhum outro autopromover-se, e a fama adquirida em sua vida foi imensa. No Museu Reina Sofia podemos conhecer várias etapas de sua genial criação artística, além de sua fase mais conhecida, a surrealista. No post de hoje veremos algumas das obras anteriores à época surrealista, igualmente realizadas com grande talento, sensibilidade e qualidade artística. Todas elas foram realizadas na década de 20 do século passado. De 1922 a 1928, Dalí desenvolveu sua fase cubista, e em 1923 realizou um Autoretrato neste estilo, situando sua cabeça no centro da composição, reconhecível entre as complicadas linhas abstratas que constituem o resto do corpo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUm ano antes, em 1922, Salvador Dalí passa a residir em Madrid, mais precisamente na Residência dos Estudantes (matéria publicada em 26/8/2015), onde conhece e inicia sua amizade com o poeta Federico Garcia Lorca e o cineasta Luis Buñuel, entre outros. Estes personagens fundamentais da Arte Espanhola do século XX formaram um ativo grupo intelectual. Fruto do contato estabelecido entre o cineasta e o pintor foram os roteiros para dois filmes surrealistas fundamentais, Um Cão Andaluz (1929) e A Idade de Ouro (1930). Além do mais, Dalí realizou um retrato de Buñuel em 1924, quando abandona os critérios cubistas de suas obras anteriores, aproximando-se da estética clássica imperante na Europa naquele momento. No entanto, a estrutura do quadro recorda as formas cubistas, destacando a forte personalidade de Luis Buñuel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAInfluenciado pelo artista uruguaio Rafael Barradas, que havia introduzido em 1918 o Futurismo e o Cubismo nas correntes vanguardistas espanholas, o pintor catalão realiza o quadro Gitano de Figueres (1923). Para alguns historiadores, o interior do espaço onde está representado o personagem, um cigano, poderia ser uma das salas da Residência dos Estudantes, graças aos quadros situados detrás do personagem e a permanente desordem do local, como era habitual…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro quadro que mostra claramente as influências das correntes europeias na fase inicial do pintor, como o Cubismo e a denominada Pintura Metafísica Italiana, é esta Natureza Morta (1924), realizada para a famosa  Exposição da Sociedade de Artistas Ibéricos realizada em 1925 no Parque do Retiro de Madrid. Depois, presenteou a Garcia Lorca com este quadro, que o conservou até sua morte.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1925, a grande influência exercida por Garcia Lorca marca a produção artística de Dalí. Realiza o quadro intitulado Pierrot tocando la guitarra, onde confluem 4 elementos de distintas procedências, que afetaram a obra do artista nesta década: a estruturação cubista, o volume tomado da Pintura Metafísica, o gosto pela linha, próprio da produção pictórica de Lorca, e a herança clássica.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATambém neste ano, Salvador Dalí pinta uma série de quadros em que retrata a sua irmã Anna María Dalí, como neste Retrato de mi hermana

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos a Muchacha de Espaldas

OLYMPUS DIGITAL CAMERADalí retratou a sua irmã ao menos em 12 obras, das quais se considera uma obra prima o quadro Muchacha en la ventana. Salvador Dalí tinha apenas 20 anos quando realizou esta obra de grande uniformidade cromática e simplicidade compositiva. Representa a sua irmã de costas na casa de férias que a família possuía no belíssimo povoado de Cadaqués (Província de Gerona, ver post publicado em 1/9/2013), onde a muchacha nos introduz na paisagem que ela contempla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo próximo post, veremos alguns dos quadros surrealistas de Dalí, que podem ser contemplados numa visita ao Museu Reina Sofia de Madrid

Residência de Estudantes – Madrid

A matéria de hoje está dedicada a uma das instituições culturais mais importantes de Madrid do século XX, a chamada Residência dos Estudantes. Fundada em 1910 pela Junta para a Ampliação de Estudos, tanto a residência, quanto a própria associação foram produtos das ideias renovadoras da Instituición Libre de Enseñanza (Instituição Livre de Ensino), criada em 1876 por Francisco Giner de los Ríos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASua filosofia estava baseada na complementação do ensino universitário, através da criação de um ambiente cultural e de convivência adequados para os estudantes. Por isso, propiciou um diálogo permanente entre os diversos campos culturais, sejam artísticos ou científicos, atuando como um centro de recepção das Vanguardas Internacionais e transformando-se num foco difusor da modernidade no país.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de 1915, sua sede definitiva estabeleceu-se na Colina de los Chopos, num conjunto de edifícios modernos de inspiração neomudéjar. Até 1939, foi considerado num dos principais núcleos da modernização científica e educativa da Espanha. Em seu período inicial, acolheu a grandes personagens da cultura espanhola, entre os quais Luis Buñuel (cineasta), Salvador Dalí (pintor) e Federico García Lorca (poeta), que conviveram num mesmo momento na Residência dos Estudantes. Com esse “time” podemos imaginar o grau de intercâmbio e criação artística que se desenvolveu no lugar. Outros residentes famosos, de equivalente importância na cultura do país foram, entre outros, Miguel de Unamuno (1864/1936: filósofo, poeta e dramaturgo), Manuel de Falla (1876/1946: compositor), José Ortega y Gasset (1883/1955: filósofo e político) e Santiago Ramón y Cajal (1852/1934: médico e cientista).

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA liberdade que gozavam os residentes causava admiração em todos aqueles que a visitavam. Dispunha de uma rica biblioteca, com cerca de 16 mil livros, vários laboratórios e aulas de idiomas gratuitas. Abundantes também eram os concertos realizados em suas salas, hoje transformadas em locais para conferências.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO prestígio da Residência dos Estudantes se incrementou ainda mais quando grandes nomes da cultura internacional foram convidados para realizarem exposições, dar conferências ou simplesmente comer juntos aos famosos residentes. Algumas das personalidades convidadas foram Paul Valéry, Albert Einstein, Igor Stravinsky, Marie Curie, Le Corbusier, só para citar alguns.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADe importância fundamental foi o trabalho editorial realizado na instituição, pois nela foram publicadas obras de Ortega y Gasset, Miguel de Unamuno, Antonio Machado, etc.

OLYMPUS DIGITAL CAMERACom a Guerra Civil, as atividades na Residência dos Estudantes terminaram de forma abrupta. O edifício converteu-se em hospital durante a guerra, uma maneira de salvar suas instalações e a biblioteca. Depois, funcionou como orfanato e quartel. Durante a Ditadura de Franco, muitos dos principais professores foram forçados ao exílio. Em 1843, os livros da biblioteca foram levados a Universidade Complutense de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA partir de 1986, os edifícios foram restaurados a fim de recuperar o velho espírito e as atividades culturais do centro. Em 2007, a Residência dos Estudantes foi declarada Patrimônio Europeu.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAtualmente uma fundação privada e regida pelo Conselho Superior de Investigações Científicas, dedica-se à recuperação da memória da denominada Idade de Prata da Cultura Espanhola (1868/1936), através de exposições frequentemente realizadas e atos públicos. Abaixo, finalizamos com uma foto de um dos edifícios que serviram como residência de tantos personagens capitais da Espanha do séc. XX, cujo legado perdura hoje e sempre…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Breve História do Teatro Espanhol – Parte 2

O séc. XVIII esteve marcado, por primeira vez, pela intervençao do estado na orientaçao teatral do país, sob o influxo dos ideais da Ilustraçao. Com a chegada do Romanticismo, o Teatro Espanhol coincide com o alemao e o francês no seu desejo pela transgressao, combinando o trágico e o cômico e dando especial atençao à temática amorosa. Neste período, os atores sentem a necessidade de renovar as técnicas de interpretaçao, objetivo alcançado com a criaçao, em 1830, do Real Conservatório de Música. Abaixo, vemos o Teatro Espanhol, um dos mais belos e antigos de Madrid, inaugurado em 1802. No mesmo local, existiu o Corral del Príncipe, que foi palco, desde 1583 , das grandes peças realizadas no Século de Ouro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA fachada no estilo neoclássico foi projetada pelo arquiteto Juan de Villanueva, repleta de pilastras e medalhoes nos quais estao gravados os nomes dos grandes dramaturgos espanhóis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo final do séc. XIX, se produz em toda a Europa uma renovaçao da arte dramática, graças ao surgimento de autores como Stanilavski, Chekov e Pirandello. O teatro torna-se, entao, uma forma de entretenimento para o público burguês, que assiste assiduamente às representaçoes. No princípio do séc. XX, desenvolve-se outra tendência na dramaturgia, agora de caráter popular. Apesar dos interesses comerciais, aparecem vários autores vanguardistas, que criaram um teatro inovador, crítico e original, como é o caso de Valle-Inclán e Garcia Lorca. Abaixo, vemos uma estátua deste último, em pleno Bairro das Letras de Madrid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa foto que segue, o apartamento onde viveu o autor e uma placa que enaltece o fato.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERACom a chegada do franquismo, os dramaturgos se enfrentaram a uma terrível censura, impossibilitando uma visao crítica da realidade. Nos anos 60, surge um grupo de autores adeptos do experimentalismo, como Fernando Arrabal, autor de algumas das obras mais representativas do Teatro Europeu do século XX. Com a volta da democracia, o teatro mais uma vez renova-se. Porém, a ênfase na revitalizaçao dos textos clássicos provocou uma crise na produçao de novas e originais peças. Atualmente, em consonância com a tendência internacional, formaram-se grupos que possuem uma visao do teatro como espetáculo total, nao exclusivamente textual, incluindo nas obras outras formas de expressao, como a fotografia, a pintura e a arquitetura. Abaixo, vemos o Novo Teatro Alcalá, um espaço vanguardista que oferece uma programaçao vinculada ao teatro contemporâneo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANos próximos posts, veremos os principais teatros da cidade de Madrid, espero que vocês gostem.

Bairro das Letras – Madrid

Em Madrid, existem lugares que normalmente passam inadvertidos pelos turistas em geral, desconhecedores de seus inúmeros atrativos. Um deles é o Bairro das Letras, também chamado dos Literatos. Seu nome se deve à intensa atividade literária que se desenvolveu no local ao longo do denominado Século de Ouro Espanhol, como ficou conhecido o período de máximo esplendor da cultura do país, compreendido entre os séculos XVI (renascimento) e XVII (barroco).

No bairro, estabeleceram sua residência alguns dos mais famosos escritores de sua literatura, como Cervantes, Lope de Vega, Quevedo, Góngora, etc. Uma boa forma de conhecê-lo é a partir da Praça de Santa Ana, criada na época em que José Bonaparte, irmão de Napoleão, assumiu o governo do país. Para tanto, mandou derrubar o antigo Convento de Santa Ana em 1810, fundado por San Juan de La Cruz em 1586. Num dos extremos da praça, situa-se o Teatro Espanhol, antigo Teatro ou Coral dos Príncipes, inaugurado em 1583, onde foram representadas muitas obras de Lope de Veja e Calderón de la Barca.

Em 1849, foi transformado no atual teatro, que continua hoje em dia como uma referência cultural no panorama artístico da cidade.

Em frente a ele, uma estátua homenageia o mais influente e popular poeta e dramaturgo espanhol do séc. XX, fuzilado durante a Guerra Civil, Federico Garcia Lorca (1898-1936).

No outro extremo da praça, outra estátua recorda a Calderón de la Barca (1600-1681).

Atrás do monumento, vemos o edifício Simeón, atualmente Hotel da rede Meliá, cujo destaque fica por conta do famoso Café Central, um dos templos do Jazz de Madrid. Em épocas passadas, o edifício, inaugurado em 1923, era ocupado pelo Gran Hotel Reina Victória, também chamado Hotel dos Toureiros, que nele se hospedavam quando vinham à cidade.

Em 2008, o bairro foi declarado Área de Prioridade Residencial, ficando restringido para o tráfico de veículos, salvo para os residentes. A maior parte das construções que conformam o bairro são dos séc. XIX e XX, embora se conservem algumas casas do século de ouro.

Um exemplo é a casa-museu de Lope de Vega (1562-1635), onde o escritor viveu os últimos 25 anos de sua vida. Considerado um dos mais importantes escritores e dramaturgos do século de ouro, foi também um dos mais prolíficos de toda a literatura universal. Foi o expoente máximo do teatro barroco espanhol, inimigo declarado de Góngora e grande rival de Cervantes.

De sua casa saiu o corpo do famoso literato, acompanhado por uma multidão até a Igreja de San Sebastián, onde está sepultado.

Fundada em 1541, foi saqueada em 1936 e praticamente destruída. O templo foi reconstruído entre 1943/1959 e dez anos depois declarado Monumento Nacional, graças ao extraordinário arquivo paroquial que possui, felizmente salvos do bombardeio a que foi submetida.

Dito arquivo contém milhares de dados bibliográficos de muitos personagens ilustres da vida cultural do país. Entre eles, que figuram nos dados relativos ao nacimento, batismo, casamento e defuntos, encontramos Cervantes, Gustavo Bécquer, o arquiteto Ventura Rodrigues, entre muitos outros. Aliás, o citado arquiteto também está enterrado na igreja, juntamente com Juan de Villanueva na denominada, é claro, Capela dos Arquitetos. Abaixo, outras imagens do interior da igreja.

Em algumas das ruas do bairro, podemos ver, ou melhor ler, poemas que recordam os grandes poetas, como vemos abaixo.

No próximo post, seguiremos conhecendo o imperdível Bairro das Letras…