Castelo de Gibralfaro – Málaga

Além da Alcazaba, o denominado Monte Gibralfaro acolhe em sua parte mais elevada o Castelo, cujo nome se originou de um farol existente durante a época fenícia. Dessa forma, o Castelo de Gibalfaro e sua localizaçao estao relacionados às origens da cidade de Málaga, tanto no que se refere à sua funçao como posto de vigia, como no aspecto de assentamento humano.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ bem provável que durante o período romano já existisse uma fortaleza no local, mas foi na época árabe quando se construiu o castelo, que domina toda a regiao. Realmente, o chamado castelo é, na realidade, um grande recinto defensivo, e seu aspecto nao tem nada que ver com a imagem de um castelo, e sim de um Alcázar (fortaleza).

DSC09516As ruínas existentes no local foram transformadas num sistema defensivo pelo rei Abderramán III, sendo ampliadas e convertidas em Alcázar por Yusuf I, no séc. XIV. Sua funçao era de albergar as tropas e proteger a Alcazaba, situada na parte inferior do Monte Gibralfaro.

DSC09517Considerada durante uma época a fortaleza mais inexpugnável da Península Ibérica, o Castelo de Gibralfaro sofreu um forte assédio pelos Reis Católicos durante a reconquista da cidade no final do séc. XV. Depois de conquistada pelos monarcas, foi utilizado pelo rei Fernando El Católico como residência, enquanto a rainha Isabel preferiu viver na cidade.

DSC09518A estrutura geral do castelo está formada por uma linha dupla de muralhas e 8 torres, das quais a mais alta possui 17m de altura.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFoi também durante o governo dos Reis Católicos quando a imagem do castelo foi incorporada ao escudo e a bandeira, tanto da província, quanto da cidade de Málaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos uma maquete situada no Centro de Interpretaçao do Castelo de Gibralfaro, onde podemos observar o Castelo na parte superior e a Alcazaba na inferior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA O Castelo de Gibralfaro foi declarado Monumento Histórico-Artístico em 1931, e pode ser visitado, depois de uma “boa” subida pelo monte. Para os que preferem uma excurçao mais “light”, existem ônibus que chegam no alto do monte, mas as vistas de todo o recinto defensivo formado pela Alcazaba e o Castelo aconselham a caminhada. Do alto, apreciamos toda a cidade de Málaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Alcazaba de Málaga

Um dos monumentos mais conhecidos e visitados de Málaga, a Alcazaba é um palácio fortificado de época muçulmana, construída sobre uma edificaçao anterior, de origem fenícia.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEsta impressionante construçao encontra-se situada sobre a ladeira do Monte Gibralfaro, ao lado do Teatro Romano, e unida ao centro histórico de Málaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Alcazaba ocupava o extremo oriental do desaparecido recinto de muralhas da cidade. Sua superfície atual de 15 mil metros quadrados nao alcança nem a metade do tamanho que possuía em sua época de maior esplendor, como demonstram os documentos históricos conservados.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAPrototipo da arquitetura militar da época dos Reinos de Taifa (séc. XI), está formada por um recinto duplo de muralhas, com uma grande quantidade de fortificaçoes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu aspecto atual é o resultado de um longo processo histórico que iniciou-se no período árabe (séc. X ao XV), prolongando-se até depois da Reconquista de Málaga (séc. XV ao XVIII). Os séc. XIX e início do XX representaram um período de abandono e deterioraçao, e o monumento foi salvo, como muitas vezes ocorre na Espanha, ao ser catalogado como Monumento Histórico-Artístico a partir da década de 30 do século passado. A partir de entao, iniciou-se um processo de recuperaçao que permanece vigente até o presente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAPara sua construçao, foram utilizados o mármore, colunas, estátuas e capitéis do Teatro Romano adjacente.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA Durante a Reconquista de Málaga (1487), a Alcazaba constituiu um formidável enclave defensivo durante o assédio realizado pelos Reis Católicos. Depois de conquistá-la, Fernando El Católico içou  a cruz de Castilla sobre a Torre de Homenagem, entregando à cidade uma imagem da Virgem da Vitória que, a partir de entao, transformou-se na Padroeira de Málaga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOs jardins do palácio sao uma maravilha, repleto de fontes, característica típica da arquitetura palacial árabe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO período de abandono e destruiçao que afetou a Alcazaba foi causado  pelo terremoto que assolou a cidade em 1680 e pelos distúrbios provocados pela guerra contra os franceses, no início do séc. XIX. Felizmente, hoje em dia podemos contemplá-la e disfrutar de seus encantos. No próximo post, conheceremos o palácio e suas maravilhosas dependências.

Igrejas de Ronda – Parte 2

Hoje, conheceremos outras duas belas igrejas de Ronda. Dos diversos mirantes existentes na cidade, podemos contemplar uma ampla panorâmica da Igreja do Padre Jesus, e o entorno onde está situada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja foi construída a finais do séc. XV e princípio do XVI. Desta época, se conserva sua fachada-torre, composta por uma portada gótica de 3 arcos e um campanário renascentista.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo goza de grande popularidade e devoçao, graças as imagens que possui em seu interior.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo Bairro do Espírito Santo encontramos a Igreja a ele dedicada. Seu aspecto de fortaleza está condicionada por sua própria localizaçao, bem atrás das muralhas da cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA Igreja do Espirito Santo foi construída por ordem de Fernando El Católico sobre as ruínas de uma torre islâmica, entre 1485 e 1505. Foi consagrada sob a advocaçao do Espírito Santo, por coincidir a reconquista de Ronda com as festas de Pentecostes. Além de sua localizaçao, sua sobriedade e austeridade incrementam seu aspecto de fortaleza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADurante os séc. XVI e XVII, foi considerada o principal templo da cidade. Estilisticamente, a Igreja do Espírito Santo é gótica, com alguns elementos renascentistas. O interior é muito bonito, vale a pena conhecê-lo…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO templo está formado por apenas uma nave, e o ábside central está praticamente coberto por um altar barroco.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm sua parte superior, vemos uma pintura da Vinda do Espírito Santo, e no centro, uma Virgem pintada em madeira com influências bizantinas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAAbaixo, vemos outro belo retábulo e o detalhe esculpido do púlpito.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAEm suas capelas laterais, vemos imagens devocionais e uma curiosa maquete, que nos mostra o caráter defensivo deste templo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAÉ possível visitar a torre, e do alto, as vistas sao incríveis. Estava admirando a paisagem, quando tomei um baita de um susto, ao tocar os sinos. O lugar é pequeno, o que acentuou o que, para mim, foi um estrondo. Depois de me recuperar, percebi um pequeno cartaz, com uma advertência: “Cuidado, os sinos tocaram a cada 15 minutos…”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Abadia de Montserrat – Barcelona

Situada a 720m de altitude, num local de grande beleza natural, a Abadia de Santa Maria de Montserrat representa um dos templos de maior devoção de toda a Comunidade da Catalunha, graças à imagem da Virgem de Montserrat. Considerada um verdadeiro símbolo religioso da comunidade, é amplamente venerada, transformando o monastério num conhecido centro de peregrinação. O local é propício também para atividades ecológicas, como o senderismo, já que possui inúmeras trilhas para percorrer.

DSC00970O santuário que abriga a Virgem começou a formar-se a partir do séc. XI, então sob as ordens do Monastério de Ripoll, tornando-se independente somente em 1410. Um pouco depois, foi solicitada uma autorização para ampliar o número de monges e transformá-lo numa abadia. Em 1493, o rei Fernando “El Católico” enviou a Montserrat um grupo de religiosos provenientes da Congregação de Valladolid, e a abadia passou a depender desta instituição. Neste mesmo ano, um monge do monastério acompanhou a Cristóvao Colombo em sua segunda viagem à América, expandindo o culto da Virgem ao novo continente.

DSC00967Entre 1811/1812, o monastério foi saqueado pelas tropas napoleônicas, fato que provocou a desaparição de quase todos seus tesouros. Com a Desamortização de Mendizábal (1835), a Congregação de Valladolid foi extinta, e a abadia recuperou sua independência e o monacato em 1844. A partir de então, foi reconstruida e atualmente abriga uma comunidade beneditina formada por 60 monges. Recebe, em média, 2.3 milhões de visitantes ao ano, e converteu-se numa das abadias mais ricas do continente europeu. Sua biblioteca (o monastério possuiu um “scriptorium” próprio, muito ativo nos séc. XIV/XV), figura entre as melhores do país. O museu guarda quadros de pintores como Caravaggio, El Greco, Monet, Dalí, Renoir, Picasso, etc.

Montserat4Da primitiva basílica românica, sobrevive muito pouco. A atual construção foi iniciada no séc. XVI, e reconstruida no séc. XIX, como foi dito acima. A denominada Fachada dos Apóstolos foi concluída em 1901.

Montsera2Montserat1A Praça de Santa Maria permite o acesso às dependências do monastério, e foi realizada pelo arquiteto modernista Puig i Cadafalch.

Montserat5A Virgem de Montserrat é conhecida popularmente como  “La Moreneta”, e desde 1844 é considerada a padroeira da diocese e da Comunidade Catalã. Segundo a tradição, no ano 880 uns meninos pastores observaram raios luminosos que saíam de uma gruta e decidiram ver do que se tratava. Penetraram no interior e viram uma imagem resplandecente da Virgem. A notícia do achado chegou ao bispo, que resolveu levá-la consigo, mas suas intenções foram frustradas pelo inexplicável peso da imagem. O bispo interpretou o fato como uma vontade da própria Virgem de permanecer no local, e ordenou a construção de uma ermita para dar-lhe abrigo que, com os séculos, originou a atual abadia.

Montserat3Na realidade, a imagem da Virgem é uma escultura românica do séc. XII. A Virgem sustenta o menino Jesus e uma esfera, que representa o universo. A imagem é dourada, exceção feita ao rosto e as mãos, que são negros. Um estudo realizado em 2001 demonstrou que originalmente a imagem era branca, e que escureceu com o tempo, devido à fumaça das velas e o contínuo uso de incenso, além da própria oxidação do material constituinte e da sujeira acumulada por séculos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADentro das várias atividades realizadas atualmente pela abadia, destaca o coro protagonizado por mais de 50 crianças, entre 9 e 14 anos. Existem documentos que comprovam sua existência desde o séc. XIV, como instituição de caráter religioso e musical. Dessa forma, são considerados um dos mais antigos coros de meninos cantores de toda a Europa. As crianças participam nas celebrações litúrgicas e seu prestígio é reconhecido internacionalmente, realizando concertos pelo mundo e com uma abundante discografia. Localizado próximo à cidade de Barcelona, a Abadia de Montserrat e seu entorno podem ser visitados numa excursão de um dia. Seu valor histórico, religioso e natural constituem uma ótima opção turística.

La Latina – Madrid

Conhecida como um dos bairros mais castizos (tradicionais) da cidade, La Latina está situada na sua parte mais antiga, a denominada Madrid dos Austrias, com amplas praças e ruas estreitas. Uma destas praças é a chamada do Humilhadeiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA origem de seu nome pode ser explicada de duas formas. Antigamente, no local, havia o costume de humilhar os condenados por algum delito cometido. Está documentado, também, a existência de um humilhadeiro, um lugar de devoçao que continha a imagem de um santo, neste caso, de Sao Francisco. Normalmente situados na entrada ou saída de um pueblo, os antigos cristaos tinham a costume de humilhar-se diante da imagem, inclinando a cabeça e flexionando as pernas. Num dos lados da praça, ergue-se a Igreja de San Andrés.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutra praça famosa é a da Paja (palha), assim denominada porque nela se produzia a palha destinada aos religiosos da Capela do Bispo, necessária para o suprimento das mulas que possuíam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAUma das principais praças da Madrid medieval, nela viviam importantes famílias da nobreza.

OLYMPUS DIGITAL CAMERALa Latina é atualmente um prestigiado centro artístico, turístico e de ócio, além de contar com uma ampla oferta gastronômica, como a que se pode disfrutar na Calle Cava Baja, cuja imagem vemos abaixo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERATanto na calle acima citada, como na paralela, a Calle Cava Alta, começaram a ser construídas, a partir do séc. XVII, pousadas para os mercadeiros que acudiam à cidade para vender seus produtos no mercado da Cebada, situado na praça homônima. Poucas delas sobreviveram aos séculos, como a Pousada da Vila, situada na Cava Baja.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAConstruída em 1642, hoje em dia é um restaurante de referência na cidade, onde se pode degustar pratos típicos da cozinha madrilenha e castelhana, como o Assado de Cordeiro e o Cozido Madrilenho.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANumerosas sao as igrejas do bairro, como a imponente Basílica de Sao Francisco (post publicado em 12 e 13/2/2013), a Igreja de San Andrés, cuja imagem vimos acima, e um dos templos mais antigos da capital, a Igreja de Sao Pedro El Viejo, cuja torre mudéjar vemos na sequência.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAFrequentado por milhares de pessoas diariamente, que se dirigem aos inúmeros bares, restaurantes e tabernas, no bairro encontramos também locais acolhedores, perfeitos para descansar e contemplar as belas vistas que oferece, como o neoclássico Jardim do Príncipe.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANo bairro vivem uma grande quantidade de imigrantes. Atualmente, aproximadamente 12% da populaçao total do país está formada por eles (sem contar os ilegais…). A Comunidade de Madrid é uma das mais representadas, com 16.4%, sendo que o contigente mais numeroso dos países europeus é o composto pelos Romenos. No que se refere aos países sul-americanos, a maior comunidade é a dos equatorianos. No entanto, a grande presença deles nao é a explicaçao para a origem do nome do bairro. La Latina é uma homenagem a uma das mulheres mais cultas do séc. XV e XVI, Beatriz Galindo. Nascida em Salamanca em 1465, com apenas 15 anos falava corretamente o latim, e seus amplos conhecimentos do idioma fez com que fosse apelidada de La Latina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADotada igualmente de uma vasta cultura, principalmente em relaçao aos textos clássicos, sua fama propagou-se por Salamanca e, logo depois, por todo o reino. Em 1486, quando se preparava para entrar num convento, foi chamada pela rainha Isabel La Católica e, a partir de entao, tornou-se sua perceptora. Além do mais, a rainha tinha alta consideraçao por seus conselhos. Em 1491, casou-se com Francisco Ramírez, militar e secretário do rei Fernando El Católico. A ela se deve a fundaçao do melhor hospital da época, construído em 1506, localizado onde atualmente se encontra o conhecido teatro, que também leva seu nome.

OLYMPUS DIGITAL CAMERADepois de deixar a corte, passou a viver em Madrid, no bairro que lhe homenageia. Fundou, também, instituiçoes religiosas, como o Convento da Concepçao Franciscana, hoje desaparecido e antigamente situado ao lado do hospital. Para a capela do dito convento, foram esculpidos os cenotáfios dela e de seu marido, que podemos ver no Museu da Cidade, localizado na Praça do Humilhadeiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERABeatriz Galindo faleceu em 1534, na capital.  A esta mulher excepcional foi dedicada uma estaçao de metrô, um bairro, um teatro, uma escola, uma rua e uma estátua, que preservam sua memória.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Bairro Gótico – Segunda Parte

Finalizamos a visita pela Praça do Rei no Palau de Lloctinent, construído em 1549 como residência dos altos funcionários enviados a Barcelona pelo rei.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEm 1583, o edifício passou a ser a sede dos Arquivos da Coroa de Aragón, e um de seus grandes atrativos é o teto de estilo mudéjar que o decora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERANa Praça de Ramón Berenguer, situada atrás da Capela de Santa Ágata e de frente para as muralhas, vemos uma estátua de bronze que homenageia a Ramón Berenguer III, apelidado de “El Grande”, um nobre que chegou a ser Conde de Barcelona. Os primeiros escritos redigidos em catalão datam de seu reinado (séc. XII).  Uma curiosidade sobre sua vida é que sua primeira esposa chamava-se Maria Rodríguez, filha do famoso El Cid.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA estátua foi realizada em 1880 pelo escultor Josep Llimona e, à noite, fica iluminada, refletindo sua sombra no edifício situado em frente e enaltecendo a figura do monumento equestre e do conde.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOutro local agradável para passear ou descansar um pouco depois de tanto caminhar é a Praça Reial (não confundir com a Praça do Rei que vimos acima). Seus belos pórticos e até palmeiras convidam à contemplação. Grandes e elegantes edifícios se ocultam por detrás das fachadas neoclássicas do séc. XIX.  As luminárias situadas próximas à fonte central foi um dos primeiros encargos do Jovem Gaudi à cidade.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

No aspecto religioso, o grande destaque do bairro fica por conta da catedral, que por sua importância histórica e artística, será comentada em posts exclusivos. No entanto, o bairro guarda outros tesouros, como a Igreja de Santa Maria del Pino. Consagrada à Virgem, é uma construção gótica fundada em 1322, que também substituiu a anterior do período românico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERASeu nome se originou pelo fato de que encontraram uma imagem da virgem no tronco desta espécie de árvore, razão pela qual foram plantados pinos em frente à igreja. A fachada exterior está composta por uma impressionante parede de pedra, em que se destaca seu imponente rosetón e o pórtico.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAO conjunto destaca por ser sóbrio, e carece de decoração. O interior, formado por uma vasta e única nave, acolhe uma série de capelas situadas entre os contrafortes que a sustentam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAA igreja possuía muitos objetos de valor, mas foi saqueada durante a Guerra Civil. Abaixo, vemos uma imagem do rosetón do interior da igreja e seu belíssimo órgao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

O pintor Joan Miró nasceu bem próximo à Praça do Pino.

A Barcelona Medieval estava composta por uma ativa comunidade judaica, porém os vestígios da judería (bairro onde se concentravam), denominada de gueto de El Call, praticamente desapareceram depois que o bairro foi abolido por Joan I em 1401, resultado da perseguição anti-semita que resultou na expulsão dos judeus em 1492.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAEstá documentada a existência da comunidade desde, pelo menos, o séc. XI, e a maioria eram artesãos e profissionais liberais. A finais do séc. XV, o rei Fernando Católico instaurou a Inquisição em Barcelona, e os judeus foram obrigados à conversão.

Descobrir os encantos do Bairro Gótico é uma experiência inesquecível, e onde quer que você esteja, é possível deparar-se com edifícios e monumentos de uma época gloriosa, e que se mantém viva, para nosso deleite e contemplaçao.

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tudela – Navarra

Segunda cidade mais populosa de Navarra, com aprox. 35 mil habitantes, Tudela localiza-se no sul da comunidade e é banhada pelas águas do Rio Ebro. Fundada em 802 durante o reinado de Al Hakan I, é considerada uma das cidades de origem muçulmana mais importantes da Espanha e mesmo da Europa. Durante o domínio árabe, adquiriu grande protagonismo, econômico e social.

DSC01414

Durante o momento de ampliação da cidade, entre os séc. IX e X, a chegada dos Judeus transforma o núcleo urbano, que chegou a possuir um dos bairros judaicos (juderia) mais importantes do reino. Dessa forma, durante séculos, e tal como sucedeu com Toledo, Tudela obrigou comunidades das três religiões monoteístas: cristãos, árabes e judeus.

Em 1119, foi reconquistado pelo rei Alfono I “El Batallador”, e o rei Carlos III “El Noble”, outorgou-lhe o título de cidade em 1390. Na época do reinado de Fernando Católico, foi a última cidade em rendir-se às tropas reais. Apesar da rendição, obrigou o rei a respeitar e manter o foro da cidade.

No séc. XIX, durante a Guerra da Independência, a cidade mais uma vez se inserre na história militar, combatendo as tropas francesas na Batalha de Tudela. Devido à vitória das tropas napoleônicas, o nome da cidade foi inscrito no Arco do Triunfo de Paris.

DSC01406

Um passeio por suas ruas nos permite retornar ao passado, e conhecer suas atrações.

Do séc. XII, a Igreja da Magdalena é o maior expoente da arquitetura românica da cidade e foi construída sob um templo mozárabe pré-existente, reservada ao culto dos cristãos que viviam sob a dominação árabe.

tudela17Abaixo, vemos o tímpano com a representação de Cristo em majestade (pantocrátor), rodeado pelos símbolos dos 4 evangelistas e duas figuras de joelhos, Madalena e Marta (ou Lázaro).

DSC01405O Palácio do Deán foi levantado no estilo gótico mudéjar (séc. XV) e sedia o museu da cidade, com um belo acervo de obras, entre as quais um quadro atribuído a El Bosco.

DSC01408

A casa do Almirante é um excelente exemplo da arquitetura civil renascentista (séc. XVI).

DSC01413Um dos locais mais conhecidos da cidade, na Praça dos Foros transcorre a vida social de seus habitantes.

DSC01417

Construída no séc. XVIII, num princípio realizavam-se corridas de touro na praça.

DSC01416As casas estao decoradas com escudos de famílias nobres.

DSC01415Porém, o edifício principal de Tudela é a Catedral de Santa Maria. Construída a partir de finais do séc. XII (1168), durante o reinado de Sancho VI “El Sábio”, é uma obra de transição dos estilos românico ao gótico.

tudela3

Para sua construção, foram utilizados alguns materiais da antiga Mesquita maior que havia na cidade (séc. IX/X). Inicialmente possuía o título de colegiata, tornando-se templo catedralício apenas no séc. XVIII. No exterior, a torre foi levantada a finais do séc. XVII (1682/1697), substituindo a anterior românica finalizada em 1228 e que ruiu em 1676. A catedral possui 3 portas, das quais a chamada do Juízo Final é a mais importante.

DSC01402

Também denominada Porta Pintada, pois originalmente estava policromada, é considerada uma das mais impressionantes do período românico tardio europeu, por suas dimensões e profusão decorativa. Devido ao formato ogival ou apuntado de seus arcos e o conjunto estilístico de suas esculturas, é também qualificada como pertencente ao início do período gótico. Falta-lhe a cena do tímpano, que certamente existia, e consta de 8 arquivoltas em que se narra de forma detalhada e exuberante o Juízo Final (na parte direita, estão representados os castigos infernais, enquanto do lado esquerdo, vemos personagens saindo de suas tumbas, acompanhados por anjos).

DSC01403DSC01407O claustro do séc. XII (1180/1206) é um dos expoentes máximos do românico Navarro, formando um conjunto escultórico de grande beleza, destacando capitéis que nos contam histórias bíblicas.

tudela2DSC01411DSC01410O interior nos reserva muitas surpresas, como o maravilhoso retábulo maior. Construído entre 1487/1492 por Pedro Díaz de Oviedo e Diego de Águila, é uma obra típica do denominado gótico hispano-flamenco.

DSC01396DSC01389

O coro, magnífico, é do séc. XVI, e nele vemos o órgão, do séc. XVIII.

DSC01391DSC01385DSC01383Das capelas que acolhe, a de Santa Ana, padroeira de Tudela, se destaca por seu barroquismo e adornos decorativos.

DSC01400DSC01388

O sepulcro de Francisco Villaespesa, um nobre eclesiástico falecido em 1421, chama a atenção por sua beleza. Realizado em alabastro policromado, é de estilo gótico, e ricos são seus elementos decorativos e sua iconografia.

DSC01393DSC01394